As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Antonio Labriola – o comunismo como arte

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PAULO BUTTI DE LIMA*

Considerações sobre a obra do marxista italiano

Em pleno regime fascista Rodolfo Mondolfo publica na Enciclopédia italiana o verbete “Antonio Labriola, filósofo marxista”. O mestre de Labriola, Bertrando Spaventa, é descrito em termos socráticos: escreveu pouco, mas “teve a paixão pelo ensino oral e pelo diálogo, distribuindo assim tesouros de doutrina e genialidade”. Com a adesão ao marxismo, Labriola abandona o historicismo formal. Labriola nunca quis “se fechar em um sistema”, mas “afirmou criticamente o materialismo histórico como filosofia da práxis”.

Tendo de explicar o que seria, para Labriola, o comunismo como experiência futura da humanidade, Mondolfo assume um tom pessimista: “há uma dialética da história ou autocrítica das coisas; mas as coisas são a própria práxis humana. Não há fatalidade, nem de progresso, nem de previsões”. O progresso não é necessário e o conflito de classe não se resolve sempre com a superação dialética. Preparando-se para os anos piores do fascismo, Mondolfo constata que, no desenvolvimento histórico, “produzido pelos próprios homens”, podem ocorrer “regressos, desvios, decepções” e não somente um movimento contínuo de libertação. Apesar de contar com o apoio de Giovanni Gentile, Mondolfo será obrigado a se exilar na Argentina após as leis raciais.

O artigo conclui observando a relevância de Labriola no panorama das ideias socialistas. Lembra, para isso, Georges Sorel, um admirador do marxista italiano bem visto pelo regime fascista: “os ensaios de Labriola (escreveu Sorel) marcam data na história do socialismo”.

 

Autocrítica das coisas

Antonio Labriola aderiu ao marxismo no final do século XIX. Anos antes, ele publicara A doutrina de Sócrates. Entre suas primeiras obras do período marxista, inclui-se o ensaio “Em memória do Manifesto dos Comunistas”. Nesse artigo encontramos uma das mais excêntricas descrições do comunismo como movimento social e proletário: “O comunismo se tornou uma arte”.

Poucos teriam em mente a noção de “arte” no momento de definir o comunismo. Nesse caso, trata-se de um conceito, ao mesmo tempo, político e pedagógico. A conversão ao marxismo não impediu que Labriola mantivesse, em sua reflexão, um termo afim aos seus interesses anteriores, sendo relacionado, em particular, à atividade educativa. Note-se bem: para Labriola, o comunismo não “é”, mas se tornou uma arte. Enquanto arte, o comunismo crítico se distingue das demais formas de teoria comunista. A arte do comunismo permite superar a fantasia dos pensadores utópicos, levando à construção da sociedade sem classes.

Um ano antes do texto sobre o Manifesto, Labriola escrevia a Engels: “o senhor me encoraja a escrever sobre o comunismo, mas temo fazer algo de nenhum valor, quanto às minhas forças, e de pouco efeito, quanto à Itália”. A definição do comunismo como arte é a resposta dada ao pedido de Engels, preparando o caminho à definição de filosofia da práxis: “a filosofia imanente às coisas sobre as quais se filosofa”. Essa expressão – “filosofia della prassi” –, formulada por Labriola poucos anos depois, será retomada, entre outros, por Antonio Gramsci.

Labriola esclarece, porém, o que tem em mente quando relaciona comunismo e arte, restringindo esse termo à atividade política: trata-se da “arte minuciosa de entender em cada caso o que convém e se deve fazer; pois a nova era é, por si mesma, em contínua formação”. A expressão “arte do comunismo” responde à dificuldade de conciliar uma teoria da ação com o movimento autônomo da história – que Labriola denomina, com outra fórmula bem-sucedida, “autocrítica das coisas”. Ao mesmo tempo, essa arte, transformando-se em filosofia da práxis, salva a filosofia de seu abandono no pensamento marxista – a “dissolução” da filosofia clássica a partir de Feuerbach, como afirmada, por exemplo, no livro Anti-Dühring, de Engels.

Tanto a “arte do comunismo” quanto a “filosofia da práxis” colocam em relação, com diferentes nuances, a construção de um saber prático e a consciência da natureza prática desse saber, uma relação que estava presente na noção aristotélica de conhecimento prático. Ao mesmo tempo, a ideia de arte põe em evidência os dilemas da ação moral. Como se vê, por exemplo, no posicionamento de Labriola diante do colonialismo como percurso civilizatório (com o famoso caso do papua, mencionado por Croce e retomado Gramsci: a educação do aborígine justificaria a dominação colonial?).

Labriola, que se aproximou do marxismo através da obra de Engels, e, em particular, do Engels de Origem da família, da propriedade privada e do Estado, tem como referência a obra Sociedade antiga do antropólogo americano Lewis Morgan, lembrando, mais do que uma vez, sua análise das fases do desenvolvimento humano e a descrição das sociedades sem Estado. Antes de Morgan, Giambattista Vico já sabia que a história corresponde a um processo “que o homem realiza por si mesmo como em uma repetida experimentação”. Trata-se, ao mesmo tempo, de um processo técnico e prático: “intendimento dell’azione”. Não fica claro se o comunismo primitivo também era o fruto de uma “arte”, ou se essa é somente o instrumento moderno que permite superar a fantasia exuberante e sem freios de pensadores utópicos. Esses pensadores, como Fourier, possuem, no entanto, o mérito de antecipar a psicologia e a pedagogia da sociedade futura, como prevista no Manifesto comunista de Marx e Engels. Graças à arte do comunismo – ou ao comunismo como arte – essa fantasia poderá se tornar realidade.

Se a arte do comunismo é o instrumento com o qual se constrói a sociedade tal como descrita nas fantasias utópicas, o que acontecerá como conhecimento da ação que é, ao mesmo tempo, político e pedagógico, no momento em que a sociedade sem classes substituir o Estado? Labriola imagina a natureza da arte ou técnica na futura sociedade comunista. A sociedade sem classes, que “não é mais o Estado, mas seu oposto”, requer “o governo (reggimento) técnico e pedagógico da convivência humana, o self government do trabalho”. Ou, como é dito numa obra sucessiva: a única ordem da sociedade comunista será “o governo técnico e pedagógico da inteligência”.

Vemos assim que o comunismo enquanto arte possui uma dupla natureza: é filosofia da ação no momento de afirmação do proletariado e é administração e pedagogia, no momento de sua realização. A ideia de uma consciência filosófica que, em sua condição ideal, se transforma em práxis graças a uma atividade autorreguladora, administrativa e pedagógica, é a mais singular adaptação, no âmbito das teorias marxistas, do projeto platônico da República.

*Paulo Butti de Lima é professor na Universidade de Bari, Itália. Autor, entre outros livros, de Platão: Uma poética para a filosofia (Perspectiva).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Sergio Amadeu da Silveira Anderson Alves Esteves Roberto Noritomi Boaventura de Sousa Santos Chico Alencar Antônio Sales Rios Neto Luiz Werneck Vianna Bernardo Ricupero Dennis Oliveira Eliziário Andrade Salem Nasser Eleutério F. S. Prado João Carlos Loebens Marcos Aurélio da Silva Leonardo Sacramento Lincoln Secco Luiz Renato Martins Remy José Fontana Ronaldo Tadeu de Souza José Raimundo Trindade Fábio Konder Comparato João Adolfo Hansen Tales Ab'Sáber Elias Jabbour João Lanari Bo Jorge Branco Julian Rodrigues Eleonora Albano Luiz Roberto Alves Carla Teixeira Benicio Viero Schmidt Armando Boito Walnice Nogueira Galvão Marilena Chauí Gerson Almeida Vinício Carrilho Martinez Mariarosaria Fabris Michael Löwy Anselm Jappe Ladislau Dowbor José Geraldo Couto Alexandre de Lima Castro Tranjan Bruno Machado Marjorie C. Marona Marilia Pacheco Fiorillo Samuel Kilsztajn Rubens Pinto Lyra Eugênio Trivinho Jean Marc Von Der Weid Milton Pinheiro Afrânio Catani Daniel Brazil Leda Maria Paulani Heraldo Campos João Paulo Ayub Fonseca Paulo Fernandes Silveira Vladimir Safatle Daniel Costa Fernão Pessoa Ramos Manuel Domingos Neto Mário Maestri Bento Prado Jr. Igor Felippe Santos Leonardo Avritzer Leonardo Boff Luiz Costa Lima Rafael R. Ioris José Dirceu Osvaldo Coggiola Dênis de Moraes Denilson Cordeiro Vanderlei Tenório Slavoj Žižek Andrew Korybko Henry Burnett Henri Acselrad Ricardo Fabbrini Everaldo de Oliveira Andrade Yuri Martins-Fontes Luis Felipe Miguel Renato Dagnino Caio Bugiato Eduardo Borges Atilio A. Boron Luiz Marques Ronald León Núñez Flávio Aguiar Luiz Carlos Bresser-Pereira Valério Arcary João Sette Whitaker Ferreira André Singer Celso Frederico Paulo Martins Paulo Nogueira Batista Jr Marcus Ianoni Marcos Silva Francisco Pereira de Farias Ari Marcelo Solon Marcelo Guimarães Lima Fernando Nogueira da Costa Tarso Genro Lucas Fiaschetti Estevez Juarez Guimarães Celso Favaretto Gilberto Lopes João Feres Júnior José Luís Fiori Valerio Arcary Daniel Afonso da Silva Paulo Capel Narvai Ronald Rocha Michael Roberts Antonio Martins Liszt Vieira José Costa Júnior Flávio R. Kothe Manchetômetro Claudio Katz Kátia Gerab Baggio Luiz Eduardo Soares Luís Fernando Vitagliano Bruno Fabricio Alcebino da Silva Annateresa Fabris Carlos Tautz Érico Andrade Otaviano Helene Francisco de Oliveira Barros Júnior Francisco Fernandes Ladeira Ricardo Antunes Marcelo Módolo Ricardo Abramovay Chico Whitaker Jorge Luiz Souto Maior Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Machado Moita Neto André Márcio Neves Soares José Micaelson Lacerda Morais Airton Paschoa Luciano Nascimento Jean Pierre Chauvin Alexandre Aragão de Albuquerque Berenice Bento Roberto Bueno Lorenzo Vitral Alysson Leandro Mascaro Eugênio Bucci Paulo Sérgio Pinheiro Thomas Piketty Alexandre de Freitas Barbosa Gabriel Cohn Rodrigo de Faria Luiz Bernardo Pericás Priscila Figueiredo Ricardo Musse Maria Rita Kehl Sandra Bitencourt João Carlos Salles Gilberto Maringoni Antonino Infranca Tadeu Valadares

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada