Domenico de Masi (1938-2023)

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por TARSO GENRO*

Aqui fica registrada a grandeza de Domenico de Masi, falecido neste ano de redenção da ideia democrática no Brasil

Faleceu neste 9 de setembro Domenico De Masi, aos 85 anos. Queria-o como a um irmão intelectual mais velho – sempre presente e sempre distante – que recordo com carinho e com a alegria de tê-lo conhecido e recebido seu afeto e até – quem sabe – merecido dele uma certa admiração. Logo depois de ter encerrado meu primeiro mandato como prefeito de Porto Alegre fui convidado, se não me falha a lembrança, pelo prefeito Walter Veltroni, de Roma, para fazer uma palestra sobre a nossa experiência de governo, particularmente sobre a invenção local do Orçamento Participativo.

Quando encerrei minha fala visualizei ao fundo uma pessoa que não reconheci à distância, que me acenava: era Domenico. Fui rapidamente até o fundo do Auditório no Campidoglio, onde era realizado o evento, e lá estava ele com a sua simpatia e simplicidade. Meio assustado perguntei “o quê, Domenico, estás fazendo aqui?” Me respondeu com uma voz baixa e conspirativa – irônica e irreverente – “é que a maioria dos políticos aqui na Itália me aborrecem e você não me aborrece”. Imaginem meu orgulho!

Recordo aqui uma correspondência datada de 4 de fevereiro de 1995 remetida por ele, quando eu ainda era prefeito de Porto de Porto Alegre. Governávamos, então, uma das mais importantes experiências mundiais de gestão pública local, aqui conhecida como Orçamento Participativo, construído por muitas mãos e muitas cabeças pensantes, que unidas em torno do ideal democrático que elegeu Olívio Dutra nosso prefeito (eu era seu vice) tornou a nossa capital uma cidade mundialmente famosa e respeitada.

Tal experiência era combatida ou ignorada pela grande imprensa, detestada pelos grandes empresários locais e atacada pela direita política, porque colocava o Orçamento Público a serviço da maioria das camadas médias empobrecidas e – sobretudo – dos mais pobres da cidade, numa sociedade radicalmente desigual, que ainda persiste em nosso país e em toda a América Latina. As classes dominantes locais sempre procuraram em Porto Alegre – depois da eleição do Olívio Dutra – um gerente para seus interesses imobiliários, em especial, não um prefeito para todos da cidade. Encontraram e elegeram alguns, depois do ascenso da amoralidade fascista do bolsonarismo.

A carta de Domênico apontava a experiência do Orçamento Participativo como a mais importante “que existe” no mundo, no que refere à gestão pública democrática, e dizia que a sua estadia em Porto Alegre foi um dos períodos mais interessantes da sua vida. Mencionava, ainda, seu último livro, baseado na Conferência que aqui proferiu, informando-me ainda que lera meu último livro (Utopia possível) e que o estava recomendando aos seus alunos do Departamento de Sociologia da Universidade “La de Sapienza”, em Roma.

Anos depois, em 27 de setembro de 2017, De Masi fez uma Conferência na Universidade de Caxias do Sul, que lhe concedera o título de doutor Honoris Causa. Antes, nas suas “andanças” pelo mundo – como ele dizia – em 5 de novembro de 2012 também ministrara a conferência de abertura do “Congresso de Administração”, no Rio, propondo a abertura de uma “era de justiça social” na sociedade democrática, pautada por uma nova estruturação no mundo do trabalho, fundada na reorganização do “tempo livre”, transformado em “ócio criativo.”

Quando foi anunciada sua morte, uma serenata de elogios vindos até de “neoliberais”, setores liberais e conservadores – da esquerda à centro-direita do espectro político – inundaram a nossa mídia. Alguns apenas tentavam pegar uma carona no seu prestígio, sem saber muito bem quem ele era, outros – certamente ligados aos setores empresariais – lembravam dele a partir de uma visão distorcida da sua obra que considerava o desemprego como inevitável, deixando de considerar que ele defendia – para combater a deserção social – que todos deveriam trabalhar menos para todos trabalharem, e que isso implicava num enorme processo de distribuição de renda como verdadeiro desafio civilizatório.

Carente de sentido para patrocinar os sonhos de uma comunidade de liberdade e de autocontrole do cotidiano, principalmente pela rejeição do trabalho alienado, a política deveria ser recuperada – segundo De Masi – como instrumento de libertação e autoafirmação dos indivíduos alienados pela rotina da exploração fabril, cuja superação só se daria quando “a plenitude da atividade humana (é) alcançada somente e quando nela coincidem, se acumulam e se mesclam, o trabalho, o estudo e o jogo; isto é, quando nós trabalhamos, aprendemos e nos divertimos, tudo ao mesmo tempo”.

O ócio, tomado como tempo livre para a cultura, o afeto, a arte, a afirmação das potencialidades liberadas dos indivíduos, sem a estupidez do trabalho repetitivo e mal remunerado, seria mais do que um programa “de partido”, mas um programa de unidade civilizatória contra a barbárie do obsoletismo programado. Seria o fim dos esquemas de produção e consumo manipulados para gerar dependência do supérfluo, da ditadura do mercado das falsas necessidades e das exclusões reais: mercado sem regulação eficiente, que supõe a guerra entre os indivíduos para sobreviver e supõe a guerra entre as nações, para dominar territórios e riquezas.

Domenico de Masi quando falava, lecionava ou escrevia seus livros, não estava destinando a sua proposta de reordenamento da sociedade e das formas de produção de riqueza, a um projeto socialista ou capitalista, mas dizia que a política desenvolvida em ambas as sociedades – tal qual foram postas até agora – não organizou as condições para proporcionar a felicidade e a superação da carência: as máquinas e as novas tecnologias acumuladas nos últimos 100 anos, não propiciaram, para ele, o uso racional e emocional do tempo livre – legado pelas novas tecnologias de produção – para os seres humanos se libertarem do “ócio dissipador e alienante”, aproveitado pelos ricos, e liberar da miséria indigna os cidadãos e cidadãs comuns do nosso tempo. Ou seja, numa linguagem de Martin Heidegger, o “progresso técnico” teria sido apropriado – já segundo visão de Karl Marx – pelos proprietários dos meios de produção.

Sempre li e apreciei as lições de Domênico a partir das minhas convicções socialistas e democráticas, que jamais terão condições de vingar sem que – de tempos em tempos – surjam cabeças como a dele e de outros tantos intelectuais como ele, Karl Marx, Boaventura de Sousa Santos, Antonio Gramsci, Manuel Castells, Marilena Chaui, István Mészaros, Roberto Lyra Filho, e tanto outros que sempre vão mais além dos clássicos e ousam pensar fora das cartilhas programadas que transitam no mercado das ideias.

Entendo como a albanesa Lea Ypi, no final do seu belo livro autobiográfico “Livre”, que os “fracassos assumem formas distintas e, se não formos capazes de entendê-los, ficaremos para sempre divididos. Escrevi minha história – prossegue ela – para explicar, reconciliar e continuar a luta.” É o que sempre me inspiraram pensadores como estes, com as suas nuanças, diversidade de opiniões e grandezas. Aqui fica registrada a grandeza de Domenico de Masi, falecido neste ano de redenção da ideia democrática no Brasil.

*Tarso Genro foi governador do estado do Rio Grande do Sul, prefeito de Porto Alegre, ministro da Justiça, ministro da Educação e ministro das Relações Institucionais do Brasil. Autor, entre outros livros, de Utopia possível (Artes & Ofícios).
https://amzn.to/3ReRb6I


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • Introdução a “O capital” de Karl Marxcultura vermelho triangular 02/06/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: Comentário sobre o livro de Michael Heinrich
  • Impasses e saídas para o momento políticojosé dirceu 12/06/2024 Por JOSÉ DIRCEU: O programa de desenvolvimento tem de ser a base de um compromisso político da frente democrática
  • A greve das Universidades e Institutos federaisvidros corredor 01/06/2024 Por ROBERTO LEHER: O governo se desconecta de sua base social efetiva ao afastar do tabuleiro político os que lutaram contra Jair Bolsonaro
  • Fortalecer o PROIFESsala de aula 54mf 15/06/2024 Por GIL VICENTE REIS DE FIGUEIREDO: A tentativa de cancelar o PROIFES e, ao mesmo tempo, fechar os olhos para os erros da direção da ANDES é um desserviço à construção de um novo cenário de representação
  • Uma lógica míopeVERMELHO HOMEM CAMINHANDO _ 12/06/2024 Por LUIS FELIPE MIGUEL: O governo não tem vontade política para transformar a educação em prioridade, enquanto corteja militares ou policiais rodoviários, que não se movem um milímetro para longe do bolsonarismo que continuam a apoiar
  • Hélio Pellegrino, 100 anosHelio Pellegrino 14/06/2024 Por FERNANDA CANAVÊZ & FERNANDA PACHECO-FERREIRA: Na vasta elaboração do psicanalista e escritor, ainda há um aspecto pouco explorado: a luta de classes na psicanálise
  • A armadilha de Volodymyr Zelenskystar wars 15/06/2024 Por HUGO DIONÍSIO: Quer Zelensky consiga o seu copo cheio – a entrada dos EUA na guerra – ou seu copo meio cheio – a entrada da Europa na guerra –, qualquer das soluções é devastadora para as nossas vidas

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES