Dia das mães

Henry Moore OM, CH, Mãe e filho com fundo de onda II, 1976
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ MACHADO MOITA NETO*

O presentear como ato de liberdade

Aproxima-se a temporada de mensagens doces e açucaradas apresentando a generalidade de uma construção cultural e social da maternidade que se mantém graças ao forte apelo comercial da data. Nessas mensagens, a idealidade do ser mãe é evocada para garantir um compromisso ético com o desembolso de recursos para comprar um presente. As mensagens doces trazem um sabor associado à dose de açúcar que é capaz de seduzir mais do que as mensagens açucaradas. Há, portanto, diferença de qualidade entre essas mensagens comerciais; porém, o resultado líquido de ambas é o mesmo: despertar a obrigação de consumo.

Talvez, Burrhus Frederic Skinner identificasse esse papel das peças publicitárias como parte do condicionamento operante. A recordação da alegria de uma mãe, pelo presente recebido no ano anterior, aumenta a probabilidade de ser dado um novo presente nesse ano. A crítica ao filho ingrato, que não presenteou a mãe, feita por irmãos, parentes e amigos, diminui a possibilidade de resistência a essa data comercial no ano seguinte. Portanto, o papel das peças publicitárias é de reforço através do estímulo que conduza a uma resposta mais satisfatória. Resistir a essa data comercial é uma resposta ineficiente. Essa é a base da lei do efeito de Thorndike. Resultado: mães são presenteadas nesse dia com produtos ou serviços ofertados pelos filhos ou por seus representantes.

Parece que essa consequência prática mina qualquer liberdade de insurgência contra a determinação ético comercial relativa ao dia das mães. De fato, a visão ingênua e idealista de liberdade pode ser abalada pelo constrangimento de ter sanção (punição) ao fazer uma escolha divergente do fluxo principal que move os interesses dominantes. Contudo, esse não é o único constrangimento à liberdade.

Alguém que queira presentear a mãe, indo dentro do fluxo, pode ter um obstáculo econômico intransponível, mesmo que as “suaves” prestações dilua no tempo o valor do bem a ser adquirido, há uma imposição de bom senso que não se pode presentear uma mãe com prestações divididas em mais de 12 vezes para não comprometer o presente do ano seguinte.

A lembrança, a oração, a saudade pelas mães falecidas têm apenas o componente imaterial que cada presente físico também carrega. Assim, quem tem a mãe falecida não mais se coloca em qualquer dilema ético comercial do presente. Também, se colocam fora desse dilema aqueles cuja mãe foge completa e decisivamente de qualquer aproximação tênue com os modelos de mãe dos comerciais.

No cristianismo (Novo testamento) temos uma história didática conhecida como o “O óbolo da viúva” e o acontecimento envolvendo um casal “Ananias e Safira” com significados completamente distintos, embora ambos podem dizer alguma coisa sobre os valores imateriais associados a qualquer presente ou doação.

Dando ou não presentes no Dia das Mães, cada filho fez uma escolha que a sua liberdade condicionada pelas circunstâncias ou pela condição econômica permitiu diante dos apelos comerciais. A liberdade, nessa situação, e em todas as outras da vida, é parte das batalhas que escolhemos travar ou delas fugir. É claro que existem condições existenciais, políticas, econômicas, sanitárias, ambientais, sociais, culturais que vão moldando ou modulando decisões dentro do pequeno espaço de liberdade que cada um possui considerando a realidade mundo em que vive.

Há um turbilhão de sentimentos que acompanham a liberdade possível de cada homem antes, durante ou após decisões mais complexas do que a aquisição de presente para o dia das mães. Esses envolvem a angústia, desamparo e desespero dentro de uma situação espaço-temporal e sociocultural dada. A liberdade é um dado da vida humana que foge das determinações fisiológicas e nos distingue dos animais. Entretanto, é também uma palavra desgastada com pouca utilidade prática e mal compreendida.

Há um excelente episódio de podcast que trata da liberdade segundo Ortega y Gasset, Merleau Ponty, Sartre e Charles Taylor. Contudo, creio ainda que a frase pinçada da música “Dom de iludir” pode melhor explicar a decisão de ocupar ou não o terreno pantanoso da liberdade: “Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é”.

*José Machado Moita Neto é professor aposentado da Universidade Federal do Piauí (UFPI) e pesquisador da UFDPar.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Tarso Genro Jorge Luiz Souto Maior Luiz Marques Alexandre Aragão de Albuquerque José Raimundo Trindade Mário Maestri José Micaelson Lacerda Morais Chico Alencar Anselm Jappe Julian Rodrigues Remy José Fontana Daniel Costa Jorge Branco Valerio Arcary Francisco Pereira de Farias Berenice Bento Benicio Viero Schmidt Fernão Pessoa Ramos Osvaldo Coggiola Liszt Vieira Alexandre de Lima Castro Tranjan Marjorie C. Marona Ari Marcelo Solon João Carlos Loebens José Geraldo Couto Elias Jabbour Luis Felipe Miguel João Feres Júnior Manuel Domingos Neto Paulo Sérgio Pinheiro Vanderlei Tenório Ricardo Musse Juarez Guimarães Sergio Amadeu da Silveira Antonino Infranca Luiz Eduardo Soares Antonio Martins Marcos Aurélio da Silva Henri Acselrad Chico Whitaker Lincoln Secco Vladimir Safatle Claudio Katz Michael Löwy Paulo Capel Narvai Annateresa Fabris Rodrigo de Faria Paulo Martins Ricardo Abramovay Michael Roberts Atilio A. Boron Bruno Fabricio Alcebino da Silva Matheus Silveira de Souza Celso Frederico João Carlos Salles Marcelo Guimarães Lima Boaventura de Sousa Santos Dênis de Moraes Luiz Roberto Alves Valerio Arcary José Costa Júnior Luciano Nascimento Leonardo Boff Leonardo Avritzer Luiz Werneck Vianna Ronald León Núñez Mariarosaria Fabris Celso Favaretto Manchetômetro José Machado Moita Neto Fernando Nogueira da Costa Paulo Fernandes Silveira Carla Teixeira Érico Andrade Antônio Sales Rios Neto Gabriel Cohn Marilena Chauí Everaldo de Oliveira Andrade Eleonora Albano Marcos Silva Leonardo Sacramento Eleutério F. S. Prado Yuri Martins-Fontes Eugênio Bucci Bernardo Ricupero Jean Pierre Chauvin Leda Maria Paulani Jean Marc Von Der Weid José Luís Fiori Bruno Machado Gilberto Lopes Gerson Almeida Eugênio Trivinho João Lanari Bo Slavoj Žižek Afrânio Catani Alysson Leandro Mascaro Sandra Bitencourt José Dirceu Otaviano Helene Luiz Renato Martins Tales Ab'Sáber Ricardo Antunes Michel Goulart da Silva João Sette Whitaker Ferreira Marilia Pacheco Fiorillo Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Priscila Figueiredo Francisco Fernandes Ladeira Daniel Afonso da Silva João Paulo Ayub Fonseca Armando Boito Kátia Gerab Baggio Salem Nasser Vinício Carrilho Martinez Fábio Konder Comparato Alexandre de Freitas Barbosa Heraldo Campos Marcus Ianoni Luís Fernando Vitagliano Igor Felippe Santos Renato Dagnino Milton Pinheiro Bento Prado Jr. Luiz Carlos Bresser-Pereira Tadeu Valadares Caio Bugiato Ladislau Dowbor Rafael R. Ioris Paulo Nogueira Batista Jr João Adolfo Hansen Walnice Nogueira Galvão Luiz Bernardo Pericás Ronald Rocha Carlos Tautz André Márcio Neves Soares Maria Rita Kehl Francisco de Oliveira Barros Júnior Andrew Korybko Eduardo Borges Ronaldo Tadeu de Souza Thomas Piketty Airton Paschoa Lorenzo Vitral Flávio Aguiar Denilson Cordeiro Rubens Pinto Lyra Marcelo Módolo Dennis Oliveira Eliziário Andrade Plínio de Arruda Sampaio Jr. Flávio R. Kothe Lucas Fiaschetti Estevez Gilberto Maringoni Ricardo Fabbrini Samuel Kilsztajn Henry Burnett Andrés del Río Daniel Brazil André Singer

NOVAS PUBLICAÇÕES