Dia das mães

Henry Moore OM, CH, Mãe e filho com fundo de onda II, 1976
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ MACHADO MOITA NETO*

O presentear como ato de liberdade

Aproxima-se a temporada de mensagens doces e açucaradas apresentando a generalidade de uma construção cultural e social da maternidade que se mantém graças ao forte apelo comercial da data. Nessas mensagens, a idealidade do ser mãe é evocada para garantir um compromisso ético com o desembolso de recursos para comprar um presente. As mensagens doces trazem um sabor associado à dose de açúcar que é capaz de seduzir mais do que as mensagens açucaradas. Há, portanto, diferença de qualidade entre essas mensagens comerciais; porém, o resultado líquido de ambas é o mesmo: despertar a obrigação de consumo.

Talvez, Burrhus Frederic Skinner identificasse esse papel das peças publicitárias como parte do condicionamento operante. A recordação da alegria de uma mãe, pelo presente recebido no ano anterior, aumenta a probabilidade de ser dado um novo presente nesse ano. A crítica ao filho ingrato, que não presenteou a mãe, feita por irmãos, parentes e amigos, diminui a possibilidade de resistência a essa data comercial no ano seguinte. Portanto, o papel das peças publicitárias é de reforço através do estímulo que conduza a uma resposta mais satisfatória. Resistir a essa data comercial é uma resposta ineficiente. Essa é a base da lei do efeito de Thorndike. Resultado: mães são presenteadas nesse dia com produtos ou serviços ofertados pelos filhos ou por seus representantes.

Parece que essa consequência prática mina qualquer liberdade de insurgência contra a determinação ético comercial relativa ao dia das mães. De fato, a visão ingênua e idealista de liberdade pode ser abalada pelo constrangimento de ter sanção (punição) ao fazer uma escolha divergente do fluxo principal que move os interesses dominantes. Contudo, esse não é o único constrangimento à liberdade.

Alguém que queira presentear a mãe, indo dentro do fluxo, pode ter um obstáculo econômico intransponível, mesmo que as “suaves” prestações dilua no tempo o valor do bem a ser adquirido, há uma imposição de bom senso que não se pode presentear uma mãe com prestações divididas em mais de 12 vezes para não comprometer o presente do ano seguinte.

A lembrança, a oração, a saudade pelas mães falecidas têm apenas o componente imaterial que cada presente físico também carrega. Assim, quem tem a mãe falecida não mais se coloca em qualquer dilema ético comercial do presente. Também, se colocam fora desse dilema aqueles cuja mãe foge completa e decisivamente de qualquer aproximação tênue com os modelos de mãe dos comerciais.

No cristianismo (Novo testamento) temos uma história didática conhecida como o “O óbolo da viúva” e o acontecimento envolvendo um casal “Ananias e Safira” com significados completamente distintos, embora ambos podem dizer alguma coisa sobre os valores imateriais associados a qualquer presente ou doação.

Dando ou não presentes no Dia das Mães, cada filho fez uma escolha que a sua liberdade condicionada pelas circunstâncias ou pela condição econômica permitiu diante dos apelos comerciais. A liberdade, nessa situação, e em todas as outras da vida, é parte das batalhas que escolhemos travar ou delas fugir. É claro que existem condições existenciais, políticas, econômicas, sanitárias, ambientais, sociais, culturais que vão moldando ou modulando decisões dentro do pequeno espaço de liberdade que cada um possui considerando a realidade mundo em que vive.

Há um turbilhão de sentimentos que acompanham a liberdade possível de cada homem antes, durante ou após decisões mais complexas do que a aquisição de presente para o dia das mães. Esses envolvem a angústia, desamparo e desespero dentro de uma situação espaço-temporal e sociocultural dada. A liberdade é um dado da vida humana que foge das determinações fisiológicas e nos distingue dos animais. Entretanto, é também uma palavra desgastada com pouca utilidade prática e mal compreendida.

Há um excelente episódio de podcast que trata da liberdade segundo Ortega y Gasset, Merleau Ponty, Sartre e Charles Taylor. Contudo, creio ainda que a frase pinçada da música “Dom de iludir” pode melhor explicar a decisão de ocupar ou não o terreno pantanoso da liberdade: “Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é”.

*José Machado Moita Neto é professor aposentado da Universidade Federal do Piauí (UFPI) e pesquisador da UFDPar.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • 40 anos sem Michel Foucaultveneza 13/07/2024 Por VINÍCIUS DUTRA: O que ainda permanece admirável na forma de Foucault de refletir é sua perspicácia em contestar ideias intuitivamente aceitas pela tradição crítica de pensamento
  • Que horas são no relógio de guerra da OTAN?José Luís Fiori 17/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: Os ponteiros do “relógio da guerra mundial” estão se movendo de forma cada vez mais acelerada
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • Carta de Berlim — a guerra e o velho diaboFlávio Aguiar 2024 16/07/2024 Por FLÁVIO AGUIAR: Há um cheiro de queimado no ar de Berlim. E não há nenhum Wald (bosque) em chamas, apesar do calor estival. O cheiro de queimado vem mesmo da sede do governo Federal
  • Marxismo e política — modos de usarLuis Felipe Miguel 15/07/2024 Por LUIS FELIPE MIGUEL: Introdução do autor ao livro recém-publicado
  • Um ciclo interminávelpalestina rua gente 16/07/2024 Por BRUNO HUBERMAN: A esquerda sionista ataca a luta palestina por descolonização
  • Antígona na sala de aulalivros e leitura 17/07/2024 Por GABRIELA BRUSCHINI GRECCA: O tempo presente tem se mostrado cada vez mais essencial para retomarmos o contato com as tragédias gregas
  • Episódios stalinistas no Brasilfotos antigas 14/07/2024 Por ANGELA MENDES DE ALMEIDA: Uma história costurada com inverdades, mas que, muito tempo depois, acabaram por sair à luz do dia
  • Depois do neoliberalismoELEUTERIO2 18/07/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: A incapacidade de pensar o capitalismo como um sistema social formado por relações sociais estruturantes
  • A noite em que a Revolução Francesa morreuater 0406 01/07/2024 Por MARTÍN MARTINELLI: Prefácio do livro de Guadi Calvo

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES