Bahia: inquisição e sociedade

Imagem: Roger Hilton (1960)
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RONALDO VAINFAS*

Comentário sobre o livro de Luiz Mott

Luiz Mott é antropólogo por formação e historiador por vocação. Uma ambivalência excelente, como atesta a sua vasta obra histórica, sempre original, documentada e pioneira.

Bahia: Inquisição e sociedade é mais uma demonstração de sua consistência enquanto historiador e, mais que isso, da desenvoltura com que se move nos diversos domínios da história. Reunindo estudos baseados em fontes inquisitoriais – mas não somente nelas – o livro resgata a história colonial baiana pelas margens, enfocando temas ausentes de qualquer história da Bahia, por assim dizer, mais canônica.

A escolha de alguns temas abordados no livro parece inspirada no que escreveu o jesuíta italiano, Jorge Benci, em fins do século XVII: “Oh, se pudessem falar as ruas e becos das cidades e povoações do Brasil! Quantos pecados publicariam, que encobre a noite e não descobre o dia… e a que a pena treme e pasma de os escrever”. A pena do jesuíta tremia só de pensar nos pecados da Bahia de Todos os Santos. O teclado de Luiz Mott, pelo contrário, é dedilhado com entusiasmo e sofreguidão incontidas.

Isto vale, antes de tudo, para os textos relacionados à sexualidade e à feitiçaria. “Desventuras de um degredado sodomita na Bahia seiscentista” é um primor de micro-biografia, cruzando história cultural e social, tudo temperado por cópulas, beijos e afagos entre o personagem e seus parceiros.

“Um dominicano feiticeiro em Salvador Colonial” nos conta a história espantosa de frei Alberto de Santo Tomás, religioso que combatia o diabo recorrendo a curandeirismos e benzeduras. Seus pacientes, assegurava o frade, expeliam o mal por meio de imundícies variegadas, desde alfinetes até “bichos, cabelo de sovaco e cabelo de negro”.

“Quatro mandigueiros do sertão de Jacobina” oferece valiosa evidência da religiosidade africana, bem como da ação inquisitorial contra escravos, coisa não usual naquele tempo. Mais usual, pelo contrário, era a violência senhorial contra os escravos, assunto de “Tortura de escravos e heresias na Casa da Torre”, estudo clássico de Mott sobre as crueldades perpetradas por Garcia d’Ávila Pereira de Aragão, o maior latifundiário do Brasil no século XVIII.

A versatilidade de Luiz Mott enquanto historiador aparece, com nitidez, em dois textos de história institucional, “A inquisição em Ilhéus” e “O Cônego João Calmon, comissário do Santo Ofício na Bahia”, ambos voltados para as relações entre a máquina inquisitorial na Bahia e a sociedade colonial. O livro se encerra com um estudo de história total, na longa duração (1740-1854), englobando demografia, economia e sociedade. Mas o assunto é de inspiração etno-histórica: a população indígena do sul da Bahia. Luiz Mott trata desses temas mais convencionais com a mesma perícia revelada no tratamento dos temas picantes. O mesmo rigor heurístico. Quase a mesma paixão…

As primeiras palavras do livro revelam o perfil de intelectual engajado de Luiz Mott, ao condenar, a propósito da história inquisitorial, “qualquer tipo de intolerância” e fundamentalismo sectário. As palavras finais da obra retomam o espírito idealista: “que índios, negros e brancos construamos uma nova sociedade baseada na igualdade de direitos de todos os cidadãos, independentemente de sua raça, sexo ou orientação sexual”. Assino embaixo das palavras de Luiz Mott, historiador que, sem prejuízo do rigor científico, produz uma história sensível, solidária e humanista.

*Ronaldo Vainfas é professor aposentado de história da Universidade Federal Fluminense (UFF). Autor, entre outros livros, de A heresia dos índios: catolicismo e rebeldia no Brasil Colonial (Companhia das Letras).

Publicado originalmente no Jornal de Resenhas no. 10, novembro de 2010.

 

Referência


Luiz Mott. Bahia: inquisição e sociedade. Salvador, EDUFBA, 294 págs.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Antônio Sales Rios Neto Michael Roberts Airton Paschoa Eduardo Borges Gilberto Maringoni Marcelo Módolo Luiz Carlos Bresser-Pereira Antonino Infranca Samuel Kilsztajn Marcos Aurélio da Silva Anselm Jappe Walnice Nogueira Galvão Marjorie C. Marona Fábio Konder Comparato Francisco de Oliveira Barros Júnior João Paulo Ayub Fonseca Marcelo Guimarães Lima Renato Dagnino Carla Teixeira Marilia Pacheco Fiorillo Lincoln Secco Marilena Chauí Bruno Machado Igor Felippe Santos José Luís Fiori Paulo Fernandes Silveira Paulo Capel Narvai Yuri Martins-Fontes Ari Marcelo Solon Fernão Pessoa Ramos Tarso Genro Tales Ab'Sáber Alexandre Aragão de Albuquerque Sandra Bitencourt Daniel Brazil Milton Pinheiro Priscila Figueiredo Henry Burnett Heraldo Campos José Micaelson Lacerda Morais Slavoj Žižek Leonardo Avritzer Érico Andrade Luiz Bernardo Pericás Chico Alencar Berenice Bento Plínio de Arruda Sampaio Jr. Jorge Luiz Souto Maior Sergio Amadeu da Silveira Paulo Nogueira Batista Jr Dennis Oliveira Elias Jabbour Leonardo Sacramento Flávio R. Kothe Paulo Sérgio Pinheiro Gerson Almeida Annateresa Fabris Ronald Rocha Ricardo Abramovay Jean Pierre Chauvin João Sette Whitaker Ferreira Claudio Katz Ricardo Musse Jorge Branco Everaldo de Oliveira Andrade Alexandre de Freitas Barbosa Eliziário Andrade Eugênio Trivinho Valerio Arcary José Machado Moita Neto Afrânio Catani Rodrigo de Faria João Adolfo Hansen Luiz Werneck Vianna Caio Bugiato José Geraldo Couto Mário Maestri Luciano Nascimento Celso Favaretto José Costa Júnior Francisco Pereira de Farias Manuel Domingos Neto Kátia Gerab Baggio Luiz Eduardo Soares Luiz Marques Remy José Fontana Paulo Martins Eleonora Albano Leonardo Boff Chico Whitaker Marcus Ianoni Atilio A. Boron Alexandre de Lima Castro Tranjan Rubens Pinto Lyra Carlos Tautz Leda Maria Paulani João Feres Júnior Lucas Fiaschetti Estevez Andrew Korybko Armando Boito Henri Acselrad Michel Goulart da Silva Boaventura de Sousa Santos Bernardo Ricupero Daniel Costa Michael Löwy André Singer Eugênio Bucci Luiz Renato Martins Benicio Viero Schmidt Ricardo Fabbrini Ronald León Núñez Bento Prado Jr. Luís Fernando Vitagliano Rafael R. Ioris Jean Marc Von Der Weid Tadeu Valadares José Raimundo Trindade André Márcio Neves Soares Flávio Aguiar Luiz Roberto Alves Andrés del Río Denilson Cordeiro Maria Rita Kehl João Lanari Bo Otaviano Helene Liszt Vieira Celso Frederico Fernando Nogueira da Costa Vanderlei Tenório Ronaldo Tadeu de Souza Vinício Carrilho Martinez Ricardo Antunes Gabriel Cohn Lorenzo Vitral Luis Felipe Miguel João Carlos Salles Dênis de Moraes Matheus Silveira de Souza Alysson Leandro Mascaro Salem Nasser Thomas Piketty Julian Rodrigues Antonio Martins Francisco Fernandes Ladeira Osvaldo Coggiola Manchetômetro Daniel Afonso da Silva Marcos Silva Eleutério F. S. Prado Vladimir Safatle José Dirceu Valerio Arcary João Carlos Loebens Mariarosaria Fabris Gilberto Lopes Juarez Guimarães Bruno Fabricio Alcebino da Silva Anderson Alves Esteves Ladislau Dowbor

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada