Bahia: inquisição e sociedade

Imagem: Roger Hilton (1960)
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RONALDO VAINFAS*

Comentário sobre o livro de Luiz Mott

Luiz Mott é antropólogo por formação e historiador por vocação. Uma ambivalência excelente, como atesta a sua vasta obra histórica, sempre original, documentada e pioneira.

Bahia: Inquisição e sociedade é mais uma demonstração de sua consistência enquanto historiador e, mais que isso, da desenvoltura com que se move nos diversos domínios da história. Reunindo estudos baseados em fontes inquisitoriais – mas não somente nelas – o livro resgata a história colonial baiana pelas margens, enfocando temas ausentes de qualquer história da Bahia, por assim dizer, mais canônica.

A escolha de alguns temas abordados no livro parece inspirada no que escreveu o jesuíta italiano, Jorge Benci, em fins do século XVII: “Oh, se pudessem falar as ruas e becos das cidades e povoações do Brasil! Quantos pecados publicariam, que encobre a noite e não descobre o dia… e a que a pena treme e pasma de os escrever”. A pena do jesuíta tremia só de pensar nos pecados da Bahia de Todos os Santos. O teclado de Luiz Mott, pelo contrário, é dedilhado com entusiasmo e sofreguidão incontidas.

Isto vale, antes de tudo, para os textos relacionados à sexualidade e à feitiçaria. “Desventuras de um degredado sodomita na Bahia seiscentista” é um primor de micro-biografia, cruzando história cultural e social, tudo temperado por cópulas, beijos e afagos entre o personagem e seus parceiros.

“Um dominicano feiticeiro em Salvador Colonial” nos conta a história espantosa de frei Alberto de Santo Tomás, religioso que combatia o diabo recorrendo a curandeirismos e benzeduras. Seus pacientes, assegurava o frade, expeliam o mal por meio de imundícies variegadas, desde alfinetes até “bichos, cabelo de sovaco e cabelo de negro”.

“Quatro mandigueiros do sertão de Jacobina” oferece valiosa evidência da religiosidade africana, bem como da ação inquisitorial contra escravos, coisa não usual naquele tempo. Mais usual, pelo contrário, era a violência senhorial contra os escravos, assunto de “Tortura de escravos e heresias na Casa da Torre”, estudo clássico de Mott sobre as crueldades perpetradas por Garcia d’Ávila Pereira de Aragão, o maior latifundiário do Brasil no século XVIII.

A versatilidade de Luiz Mott enquanto historiador aparece, com nitidez, em dois textos de história institucional, “A inquisição em Ilhéus” e “O Cônego João Calmon, comissário do Santo Ofício na Bahia”, ambos voltados para as relações entre a máquina inquisitorial na Bahia e a sociedade colonial. O livro se encerra com um estudo de história total, na longa duração (1740-1854), englobando demografia, economia e sociedade. Mas o assunto é de inspiração etno-histórica: a população indígena do sul da Bahia. Luiz Mott trata desses temas mais convencionais com a mesma perícia revelada no tratamento dos temas picantes. O mesmo rigor heurístico. Quase a mesma paixão…

As primeiras palavras do livro revelam o perfil de intelectual engajado de Luiz Mott, ao condenar, a propósito da história inquisitorial, “qualquer tipo de intolerância” e fundamentalismo sectário. As palavras finais da obra retomam o espírito idealista: “que índios, negros e brancos construamos uma nova sociedade baseada na igualdade de direitos de todos os cidadãos, independentemente de sua raça, sexo ou orientação sexual”. Assino embaixo das palavras de Luiz Mott, historiador que, sem prejuízo do rigor científico, produz uma história sensível, solidária e humanista.

*Ronaldo Vainfas é professor aposentado de história da Universidade Federal Fluminense (UFF). Autor, entre outros livros, de A heresia dos índios: catolicismo e rebeldia no Brasil Colonial (Companhia das Letras).

Publicado originalmente no Jornal de Resenhas no. 10, novembro de 2010.

 

Referência


Luiz Mott. Bahia: inquisição e sociedade. Salvador, EDUFBA, 294 págs.

 

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • 40 anos sem Michel Foucaultveneza 13/07/2024 Por VINÍCIUS DUTRA: O que ainda permanece admirável na forma de Foucault de refletir é sua perspicácia em contestar ideias intuitivamente aceitas pela tradição crítica de pensamento
  • Que horas são no relógio de guerra da OTAN?José Luís Fiori 17/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: Os ponteiros do “relógio da guerra mundial” estão se movendo de forma cada vez mais acelerada
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • Episódios stalinistas no Brasilfotos antigas 14/07/2024 Por ANGELA MENDES DE ALMEIDA: Uma história costurada com inverdades, mas que, muito tempo depois, acabaram por sair à luz do dia
  • Marxismo e política — modos de usarLuis Felipe Miguel 15/07/2024 Por LUIS FELIPE MIGUEL: Introdução do autor ao livro recém-publicado
  • Carta de Berlim — a guerra e o velho diaboFlávio Aguiar 2024 16/07/2024 Por FLÁVIO AGUIAR: Há um cheiro de queimado no ar de Berlim. E não há nenhum Wald (bosque) em chamas, apesar do calor estival. O cheiro de queimado vem mesmo da sede do governo Federal
  • A noite em que a Revolução Francesa morreuater 0406 01/07/2024 Por MARTÍN MARTINELLI: Prefácio do livro de Guadi Calvo
  • Um ciclo interminávelpalestina rua gente 16/07/2024 Por BRUNO HUBERMAN: A esquerda sionista ataca a luta palestina por descolonização
  • Antígona na sala de aulalivros e leitura 17/07/2024 Por GABRIELA BRUSCHINI GRECCA: O tempo presente tem se mostrado cada vez mais essencial para retomarmos o contato com as tragédias gregas
  • Depois do neoliberalismoELEUTERIO2 18/07/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: A incapacidade de pensar o capitalismo como um sistema social formado por relações sociais estruturantes

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES