Boiolas, maricas e urubuzada

Imagem: Anselmo Pessoa
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ALEXANDRE ARAGÃO DE ALBUQUERQUE*

Até quando o Brasil será liderado por um néscio que não sabe que a pólvora é uma invenção chinesa?

Há um dito popular famoso que diz assim: “quem cala, consente”. No Maranhão, ele chamou pejorativamente o povo maranhense de boiola. Em discurso público no Palácio do Planalto agrediu a todos os brasileiros e brasileiras que se preocupam com a defesa da vida chamando-os de maricas. E finalmente, pela enésima vez, enquadrou a classe jornalística xingando-a de “urubuzada”. Haverá reação por parte dos agredidos? Que tipo de reação as empresas e os profissionais de comunicação irão manifestar? Que forças o autorizam a agir com essa descompostura? O capital financeiro e o capital ruralista endossam essa política criminosa?

Todos sabem que pólvora para enfrentar o maior arsenal bélico do mundo ele não tem, muito menos a Força Armada dos generais Villas Bôas e Sérgio Etchegoyen que o apoia desde o primeiro minuto dessa patética presidência. Mas saliva para tripudiar sobre a população brasileira, ele a escarra diariamente. Principalmente quando se vê acossado em virtude dos malfeitos de seu filho “Zero Um” juntamente com o operador financeiro Fabrício Queiroz, ambos denunciados pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) por peculato, lavagem de dinheiro, apropriação indébita e organização criminosa (quadrilha) por esquema de rachadinha. Com base em quebras de sigilo bancário e fiscal, o MP-RJ afirma que “Zero Um” usou pelo menos R$2,7 milhões em dinheiro vivo do esquema da quadrilha. Esse é apenas o primeiro capítulo da trama.

O pensamento dos clássicos nos ajuda porque são aqueles que têm sempre algo a nos dizer, pois ao pensar, deram-nos o que pensar, principalmente no modo como enfrentaram as questões de seu tempo e a elas ofereceram respostas, ensinando-nos a interrogar nosso próprio tempo. A ignorância é um demônio, para utilizar a gramática teológica tão em moda nos últimos tempos, capaz de desenvolver ainda muitas tragédias. Os maiores poetas gregos antigos tiveram razão em representar nos dramas teatrais o destino trágico imputado àqueles ignorantes da realidade dos fatos.

Liberdade é potência, é autodeterminação, é autonomia de ação diante da necessidade que se nos apresenta no tempo presente. Liberdade se opõe à passividade de aceitar que forças externas determinem nossos destinos. Liberdade é determinar-nos a nós mesmos pela necessidade interna de sermos aquilo que queremos ser. Queremos ser um povo liderado por um sádico que vibra pelas mortes de 162 mil brasileiros? Por um ignorante que é incapaz de avaliar as consequências de suas palavras e seus gestos públicos? Por um despreparado que não sabe lidar com a política internacional? Por um néscio que não sabe que a pólvora é uma invenção chinesa?

Na Natureza nada acontece por acaso; na Política também. Já está na hora da Liberdade fazer acontecer para mudar este estado de coisas.

*Alexandre Aragão de Albuquerque é mestre em Políticas Públicas e Sociedade pela Universidade Estadual do Ceará (UECE).

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Introdução a “O capital” de Karl Marxcultura vermelho triangular 02/06/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: Comentário sobre o livro de Michael Heinrich
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • Impasses e saídas para o momento políticojosé dirceu 12/06/2024 Por JOSÉ DIRCEU: O programa de desenvolvimento tem de ser a base de um compromisso político da frente democrática
  • Registro sindicalMETRÔ 11/06/2024 Por LAWRENCE ESTIVALET DE MELLO & RENATA QUEIROZ DUTRA: O Ministério do Trabalho decidiu conceder registro sindical à Proifes. No entanto, registro sindical não é o mesmo que representação sindical
  • A greve das Universidades e Institutos federaisvidros corredor 01/06/2024 Por ROBERTO LEHER: O governo se desconecta de sua base social efetiva ao afastar do tabuleiro político os que lutaram contra Jair Bolsonaro
  • Confissões de uma senhora católicaMarilia Pacheco Fiorillo 11/06/2024 Por MARILIA PACHECO FIORILLO: O reacionarismo congênito não é apanágio apenas dos evangélicos
  • O STF, a Inteligência Artificial e a Justiça do Trabalhosouto-maior_edited 07/06/2024 Por JORGE LUIZ SOUTO MAIOR: A concretização da substituição do ser humano pela IA pressupõe que esta já foi treinada para atuar na forma desejada pela classe dominante
  • Uma lógica míopeVERMELHO HOMEM CAMINHANDO _ 12/06/2024 Por LUIS FELIPE MIGUEL: O governo não tem vontade política para transformar a educação em prioridade, enquanto corteja militares ou policiais rodoviários, que não se movem um milímetro para longe do bolsonarismo que continuam a apoiar
  • Fortalecer o PROIFESsala de aula 54mf 15/06/2024 Por GIL VICENTE REIS DE FIGUEIREDO: A tentativa de cancelar o PROIFES e, ao mesmo tempo, fechar os olhos para os erros da direção da ANDES é um desserviço à construção de um novo cenário de representação

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES