As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

As Américas e a civilização

Barbara Hepworth (1903-1975), Discos em Echelon, 1935, Madeira Padouk, 311 x 491 x 225mm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RICARDO MUSSE*

Considerações sobre o livro de Darcy Ribeiro

As Américas e a civilização foi o segundo de uma série de estudos sobre a “antropologia das civilizações” realizados por Darcy Ribeiro durante o exílio. Trata-se, conforme o próprio autor, do livro mais importante da série, pois aborda diretamente o tema que a motivou: as causas do desenvolvimento desigual dos povos americanos.

Escrito em 1967 e atualizado dez anos depois, As Américas e a civilização destoa completamente do que se pratica hoje em antropologia. O descompasso fica patente tanto na pauta dos conteúdos – a formação e o processo evolutivo das civilizações – como na pretensão de tornar essa disciplina uma ciência abrangente, dotada da capacidade de unificar a totalidade das ciências humanas.

O livro certamente inspira-se no modelo, em voga na época, dos amplos panoramas históricos-culturais da antropologia neo-evolucionista americana. Propõe-se, no entanto, a submeter essas teorias a uma “revisão crítica”, contestando a naturalidade com que apresentam o processo de desenvolvimento humano, bem como o viés eurocêntrico que as orientam. Tarefa executada com o auxílio do marxismo, incorporado em uma perspectiva heterodoxa, e da primeira “teoria da dependência”, a de André Gunder Frank.

As Américas e a civilização pode ser descrito como uma espécie de elo perdido entre os estudos pioneiros de Gunder Frank e os trabalhos atuais sobre a geopolítica do sistema mundial. Giovanni Arrighi e Immanuel Wallerstein privilegiam o acompanhamento do processo de acumulação, na chave braudeliana da “longa duração”. José Luís Fiori, seguindo os passos de Maria da Conceição Tavares, destacou o par “poder e dinheiro” e mais recentemente o papel das guerras entre as nações. Darcy Ribeiro, antes deles, procurou entender a desigualdade das nações como um resultado da defasagem dos processos civilizatórios.

O livro não se exime de apresentar uma teoria global do desenvolvimento histórico, desdobrada num esquema que classifica as sociedades conforme seu estágio na evolução sociocultural. A tipologia adota como eixo o “sistema adaptativo”, isto é, o modo como cada sociedade “atua sobre a natureza no esforço de prover sua subsistência e reproduzir o conjunto de bens e equipamentos de que dispõe”. A isso se conecta um “sistema associativo” (o conjunto de normas e instituições da vida social) e um “sistema ideológico” (composto de saberes, crenças e valores). As etapas da comparação correspondem, assim, ao desencadeamento de sucessivas revoluções tecnológicas: agrícola, urbana, do regadio, metalúrgica, pastoril, mercantil, industrial e termonuclear.

A precariedade e vulnerabilidade desse esquema evolutivo são, no entanto, contrabalançadas pela riqueza do material utilizado na composição do livro. Darcy mobilizou as mais diversas fontes: etnográficas, arqueológicas, históricas, econômicas, políticas, sociológicas etc. O conceito que congrega a ordenação dos conteúdos é o de “povos”.  Estes são compreendidos não tanto como uma determinação (ou como cruzamentos) étnica ou cultural, mas como resultantes da interpenetração de sociedades com diferentes estágios civilizatórios.

A interpenetração das culturas decorrente da expansão européia teria conformado três tipos de povos na América. “Povos-testemunho” são os descendentes modernos das civilizações autônomas astecas, maias e incas: os mexicanos, guatemaltecos, bolivianos, peruanos etc. Os “povos novos” derivam da junção, no empreendimento colonial, de brancos, negros e índios, situação predominante no Brasil, na Colômbia, na Venezuela, nas Antilhas etc. Já os “povos-transplantados” correspondem às nações modernas criadas pela migração de populações européias: Canadá, Estados Unidos, Uruguai e Argentina.

Essa tipologia procura mapear os diferentes graus de incorporação aos modos de vida da revolução mercantil e da civilização industrial. Fornece pistas importantes, embora nem sempre as decisivas, para a compreensão de questões cruciais da história da América como o sentido da colonização, a desagregação do império espanhol em uma diversidade de nações e as causas da desigualdade nos padrões de desenvolvimento.

Se algumas partes do livro, como a exposição de sua ossatura conceitual, envelheceram, o ideal que o anima, uma ciência empenhada na superação das defasagens históricas, continua mais que nunca atual.

*Ricardo Musse é professor do Departamento de Sociologia da USP. Organizou, entre outros livros, China contemporânea: seis interpretações (Autêntica).

Publicado originalmente no jornal Folha de S. Paulo, caderno mais!, em abril de 2007.

 

Referência


Darcy Ribeiro. As Américas e a civilização. São Paulo, Companhia das Letras. 528 págs.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Manuel Domingos Neto Eleonora Albano Bernardo Ricupero Maria Rita Kehl Lincoln Secco Gabriel Cohn Afrânio Catani Heraldo Campos Anselm Jappe Otaviano Helene Luiz Carlos Bresser-Pereira Érico Andrade Igor Felippe Santos Fernão Pessoa Ramos Leonardo Boff Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Werneck Vianna Dennis Oliveira José Raimundo Trindade Alexandre de Lima Castro Tranjan Berenice Bento Jorge Luiz Souto Maior Milton Pinheiro Roberto Noritomi Samuel Kilsztajn Bruno Machado Marcos Aurélio da Silva Mário Maestri Luis Felipe Miguel Luiz Renato Martins Osvaldo Coggiola Leonardo Sacramento Claudio Katz Ricardo Musse Remy José Fontana Boaventura de Sousa Santos Kátia Gerab Baggio Fernando Nogueira da Costa Valério Arcary Celso Favaretto Bruno Fabricio Alcebino da Silva Chico Alencar Michael Löwy Everaldo de Oliveira Andrade Walnice Nogueira Galvão Ricardo Antunes Paulo Fernandes Silveira Caio Bugiato Ricardo Fabbrini João Carlos Salles Luís Fernando Vitagliano Anderson Alves Esteves Ladislau Dowbor João Adolfo Hansen Luiz Marques Eliziário Andrade José Luís Fiori Leda Maria Paulani Jean Pierre Chauvin Atilio A. Boron Denilson Cordeiro Celso Frederico Alexandre de Freitas Barbosa Francisco Fernandes Ladeira Paulo Martins Marjorie C. Marona José Geraldo Couto José Machado Moita Neto Benicio Viero Schmidt Vinício Carrilho Martinez Yuri Martins-Fontes Tales Ab'Sáber Alexandre Aragão de Albuquerque Rodrigo de Faria Luciano Nascimento Francisco de Oliveira Barros Júnior Daniel Afonso da Silva Antonino Infranca Elias Jabbour Priscila Figueiredo Henri Acselrad Mariarosaria Fabris Antonio Martins Francisco Pereira de Farias André Márcio Neves Soares Paulo Capel Narvai Vanderlei Tenório Renato Dagnino Marcus Ianoni Paulo Nogueira Batista Jr Ari Marcelo Solon Daniel Brazil Lorenzo Vitral Manchetômetro Flávio R. Kothe Tarso Genro Luiz Eduardo Soares Valerio Arcary Alysson Leandro Mascaro Liszt Vieira Ricardo Abramovay Juarez Guimarães Luiz Roberto Alves Tadeu Valadares Rafael R. Ioris José Dirceu Eugênio Trivinho Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marilena Chauí Gerson Almeida Fábio Konder Comparato João Lanari Bo Daniel Costa Carlos Tautz Carla Teixeira Paulo Sérgio Pinheiro Marcos Silva Marcelo Módolo Marilia Pacheco Fiorillo Henry Burnett João Paulo Ayub Fonseca Antônio Sales Rios Neto Leonardo Avritzer Airton Paschoa Jean Marc Von Der Weid Flávio Aguiar João Feres Júnior Gilberto Maringoni Michael Roberts Eleutério F. S. Prado Annateresa Fabris Luiz Bernardo Pericás Slavoj Žižek Julian Rodrigues Ronald León Núñez Vladimir Safatle Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Costa Lima Andrew Korybko José Costa Júnior Rubens Pinto Lyra Ronald Rocha João Carlos Loebens Jorge Branco Chico Whitaker Marcelo Guimarães Lima João Sette Whitaker Ferreira Bento Prado Jr. Eugênio Bucci Eduardo Borges Sergio Amadeu da Silveira Armando Boito Thomas Piketty José Micaelson Lacerda Morais Gilberto Lopes Sandra Bitencourt Roberto Bueno Dênis de Moraes Salem Nasser André Singer

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada