As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Chile, a transição começa

Imagem: Silvia Faustino Saes
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ATILIO A. BORON*

Depois de um parto duríssimo, a sociedade chilena reinicia sua transição para a democracia

O Chile enfrentou um desafio histórico inédito neste domingo: pela primeira vez na história, seu povo foi consultado se queria ou não uma nova Constituição e, se a resposta afirmativa fosse maioria, que tipo de órgão seria encarregado de redigir a nova Carta Magna. Havia duas alternativas: uma “Convenção Constitucional” composta por 155 pessoas exclusivamente eleitas para esse fim e que, uma vez terminado o processo, deverá dissolver-se, ou, em caso contrário, uma “Convenção Mista”, formada por 172 integrantes, com 50% de parlamentares e 50% de cidadãos igualmente eleitos para este fim.

Esta consulta não foi uma concessão graciosa da casta política pós-Pinochet, mas o resultado de um longo processo de lutas populares que atingiram seu ápice nas jornadas que ocorreram a partir de 18 de outubro de 2019. Elas lançaram por terra a fantasiosa imagem do “modelo chileno”, esse paradigma supostamente virtuoso da transição democrática e do êxito econômico divulgado sem escrúpulos e sem cessar pelos interesses dominantes e pelo império. Os protestos arruinaram, num piscar de olhos furioso, a espessa teia de mentiras oficiais, expondo um país com um dos maiores índices de desigualdade econômica do mundo, com as famílias mais endividadas da América Latina e Caribe, com um sistema previdenciário que, por mais de quarenta anos, enganou aposentados e pensionistas, e um país no qual, como demonstra uma pesquisa, as mulheres que nascem nas comunas populares da Grande Santiago têm uma expectativa de vida 18 anos menor que aquelas que têm a sorte de nascer em Providencia, Vitacura ou Las Condes. “O Chile faz fronteira com o centro da injustiça”, cantava Violeta Parra em meados dos anos 60, numa época em que aquela não tinha chegado aos extremos inimagináveis que alcançaria graças ao pinochetismo e seus sucessores.

As resistências e lutas nunca diminuíram, atingindo uma inércia acumulativa que produziu a irrupção social de outubro. Do subsolo profundo do Chile, emergiu a verdade que o ditador e os protagonistas da fracassada “transição democrática” tentaram esconder. Ninguém foi mais eloquente do que a esposa do presidente Sebastián Piñera para descrever o que ocorria no país quando, aflita, confessou a uma amiga que “estamos absolutamente sufocados, é como uma invasão estrangeira, alienígena”. Sua reação é compreensível: aqueles rostos tensos e fartos de tanta opressão e injustiça, aqueles corpos que se opunham heroicamente aos disparos criminosos das forças de segurança tinham sido invisibilizados por quase meio século, e, para a cultura dominante, eram “alienígenas”, um ameaçador populacho que vinha perturbar a confortável existência dos donos do país e suas riquezas. E, depois dos resultados do plebiscito, parece que os “invasores” não querem regressar ao passado. Querem construir uma nova ordem constitucional que lhes devolva os direitos violados, apelando para trapaças e artimanhas da propaganda política perversamente administradas pela máfia midiática, com o El Mercurio à frente.

O resultado do plebiscito é categórico e inapelável. Depois de um parto duríssimo, a sociedade chilena reinicia sua transição para a democracia. A nova Constituição deverá desmontar o complexo e intricado emaranhado de privilégios e enclaves autoritários estabelecidos ao longo de meio século, e para isso será indispensável que as massas mantenham sua presença nas ruas e praças. Sua desmobilização ou sua retirada para o quietismo anterior aos eventos de outubro seria fatal. A redação de uma nova Constituição, um delicado trabalho de relojoeiro, será apenas o primeiro passo da longa marcha que se inicia para que o Chile se reencontre com a democracia, brutalmente mutilada pelo golpe de 1973, e apenas reconstruída em suas aparências externas nos longos trinta anos de governo da direita de velho e novo tipo. Força Chile! Toda a América Latina te abraça com alegria e esperança!

*Atilio A. Boron é professor de ciência política na Universidade de Buenos Aires. Autor, entre outros livros, de A coruja de Minerva (Vozes).

Tradução: Fernando Lima das Neves

Publicado originalmente no jornal Página 12.

 

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Flávio R. Kothe Chico Whitaker Chico Alencar Eleutério F. S. Prado Ricardo Fabbrini Henry Burnett Armando Boito Antonio Martins João Carlos Salles Caio Bugiato José Costa Júnior Marcos Aurélio da Silva Daniel Brazil Dênis de Moraes Leonardo Boff Paulo Martins Gilberto Maringoni Leonardo Avritzer Bruno Machado Jean Pierre Chauvin Alysson Leandro Mascaro Ladislau Dowbor Gerson Almeida Tarso Genro Carlos Tautz Marcelo Guimarães Lima José Geraldo Couto Jorge Luiz Souto Maior Ronald León Núñez Rodrigo de Faria Samuel Kilsztajn José Machado Moita Neto José Luís Fiori Lucas Fiaschetti Estevez Milton Pinheiro Osvaldo Coggiola Francisco Pereira de Farias Gabriel Cohn Luiz Carlos Bresser-Pereira Érico Andrade Bernardo Ricupero Luís Fernando Vitagliano Berenice Bento João Lanari Bo Luiz Renato Martins Jean Marc Von Der Weid Eugênio Trivinho Alexandre de Freitas Barbosa Roberto Bueno Boaventura de Sousa Santos Carla Teixeira Annateresa Fabris Anselm Jappe José Raimundo Trindade Paulo Capel Narvai Valerio Arcary Luiz Roberto Alves Ronaldo Tadeu de Souza Antônio Sales Rios Neto Vladimir Safatle Rafael R. Ioris Walnice Nogueira Galvão Tales Ab'Sáber Valério Arcary Remy José Fontana Marcus Ianoni Luiz Bernardo Pericás Kátia Gerab Baggio Afrânio Catani Luiz Eduardo Soares Manuel Domingos Neto Denilson Cordeiro Marcelo Módolo Ronald Rocha Julian Rodrigues Luis Felipe Miguel Rubens Pinto Lyra Mariarosaria Fabris Leonardo Sacramento Lorenzo Vitral Claudio Katz Michael Löwy Mário Maestri Flávio Aguiar Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Costa Lima Fernão Pessoa Ramos Daniel Costa João Sette Whitaker Ferreira José Micaelson Lacerda Morais Slavoj Žižek Paulo Fernandes Silveira Alexandre de Lima Castro Tranjan Bento Prado Jr. Leda Maria Paulani Antonino Infranca Airton Paschoa Eliziário Andrade Tadeu Valadares Ricardo Musse Marcos Silva Luiz Marques Atilio A. Boron Francisco Fernandes Ladeira Manchetômetro André Singer Luciano Nascimento Celso Favaretto Sergio Amadeu da Silveira Juarez Guimarães Luiz Werneck Vianna João Carlos Loebens Eleonora Albano Marjorie C. Marona Renato Dagnino Eduardo Borges André Márcio Neves Soares Lincoln Secco Yuri Martins-Fontes Vinício Carrilho Martinez Celso Frederico Elias Jabbour Paulo Sérgio Pinheiro Ari Marcelo Solon João Feres Júnior Igor Felippe Santos João Adolfo Hansen Gilberto Lopes Fernando Nogueira da Costa Fábio Konder Comparato José Dirceu Francisco de Oliveira Barros Júnior Heraldo Campos Eugênio Bucci João Paulo Ayub Fonseca Everaldo de Oliveira Andrade Henri Acselrad Sandra Bitencourt Dennis Oliveira Anderson Alves Esteves Michael Roberts Marilia Pacheco Fiorillo Salem Nasser Ricardo Antunes Maria Rita Kehl Priscila Figueiredo Bruno Fabricio Alcebino da Silva Andrew Korybko Otaviano Helene Benicio Viero Schmidt Liszt Vieira Ricardo Abramovay Jorge Branco Paulo Nogueira Batista Jr Thomas Piketty Vanderlei Tenório Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marilena Chauí Roberto Noritomi Daniel Afonso da Silva

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada