Contra o voto de destruição em massa

Imagem: Zeeshaan Shabbir
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ARACY P. S. BALBANI*

A cultura política dos brasileiros vai mal e ela se reflete de maneira dramática durante as eleições

Circula no WhatsApp uma imagem de origem desconhecida com os dizeres: “O maior concurso público do mundo será no Brasil em novembro. Quase seis mil vagas para prefeito e quase 60 mil para vereadores. Currículo: desnecessário. Qualidade cultural: nenhuma. Qualidade moral: dispensável. Salário: excelente, mas com possibilidade de ser multiplicado várias vezes. Horário de trabalho: livre e pouco”.

Essa desinformação grosseira “encaminhada com frequência” preocupa. Para começo de conversa porque o primeiro e o segundo turnos das eleições municipais de 2024 estão marcados para outubro. Além disso, ela ignora a legislação eleitoral, na qual, entre outros requisitos indispensáveis para elegibilidade, estão: alfabetização, e idade mínima de 18 anos e 21 anos para candidatos a vereador e prefeito respectivamente. E o óbvio: exige-se, sim, boa conduta moral do(a) candidato(a). Fica inelegível, por exemplo, quem for excluído do exercício profissional por praticar infração ético-profissional.

É intrigante que pessoas instruídas e bem relacionadas acreditem nesse tipo de desinformação e a retransmitam. Talvez a campanha do Tribunal Superior Eleitoral para esclarecimento da população contra o disparo de mensagens em massa contendo inverdades sobre o processo eleitoral precise ser muito mais incisiva.

O fato é que a cultura política dos brasileiros vai mal. Muitas candidaturas se apoiam em causas justas como a defesa dos direitos das pessoas com deficiência ou dos animais. Entretanto, o desempenho de alguns dos eleitos para o Legislativo e o Executivo nessas questões é um fiasco. Afinal, organizar, como voluntário(a) da sociedade civil, bazares e feijoadas beneficentes em prol de deficientes visuais carentes ou dos animais abandonados é muito diferente de atuar em cargo eletivo. Uma coisa é ter experiência com caçarolinha de assar leitão; outra é passar a Carolina de Sá Leitão.

Inúmeros candidatos têm diploma universitário, mas não têm sequer noções de direito constitucional e administrativo. Na falta de capacitação para a gestão pública e de uma assessoria minimamente competente, metem os pés pelas mãos e detonam a administração pública. Quem paga o pato, como sempre, é o povo. O desmonte da saúde, educação e segurança públicas pelos que detêm o poder político numa democracia representativa sinaliza que o voto dado sem escolha bem informada e consciente pode ter o efeito de destruição em massa.

Nosso eleitorado é mesmo surpreendente. Oscila entre a avacalhação de eleger estreantes bizarros e sem nenhum projeto político, de cujos nomes na urna a gente não sabe se ri ou se chora, e escolher tradicionais políticos locais, mofados já há décadas.

Possivelmente, uma das maiores ameaças ao Estado democrático de direito e à nossa liberdade seja a eleição de candidatos terrivelmente comprometidos com ideias conservadoras e ideais religiosos fundamentalistas.

Não esqueçamos o exemplo de Daniel François Malan (1874-1959), que obteve doutorado em divindade na Universidade de Utrecht, foi pastor religioso, teve cargo universitário de destaque, mas entrou para a História como o primeiro-ministro que efetivou o regime de apartheid na África do Sul, oficializando a segregação racial que durou 46 anos e mergulhou o país na violência.

*Aracy P. S. Balbani é médica otorrinolaringologista. Atua como especialista exclusivamente na área assistencial do SUS no interior paulista.

Referências


Tribunal Superior Eleitoral. Eleições 2024: confira quem pode ser candidato a prefeito ou a vereador: https://www.tse.jus.br/comunicacao/noticias/2024/Marco/eleicoes-2024-confira-quem-pode-ser-candidato-a-prefeito-ou-a-vereador

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Razões para o fim da greve nas Universidade Federaisbancos 16/05/2024 Por TADEU ALENCAR ARRAIS: A nova proposta do Governo Federal anunciada dia 15 de maio merece debate sobre continuar ou não a greve
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • O negacionismo ambiental e a inundação de Porto Alegreporto alegre aeroporto alagado 14/05/2024 Por CARLOS ATÍLIO TODESCHINI: Porto Alegre tem o melhor sistema de proteção contra cheias do Brasil. É considerado um “minissistema holandês”. Por que esse sistema falhou em sua função de evitar que a cidade fosse alagada?
  • A mão de OzaJoao_Carlos_Salles 14/05/2024 Por JOÃO CARLOS SALLES: O dever do Estado brasileiro e a universidade contratada
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • A greve nas universidades e institutos federais não…caminho tempo 17/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: As forças de esquerda e democráticas precisam sair da passividade, como que esperando que Lula e o seu governo, bem como o STF resolvam os impasses políticos
  • O cavalo Caramelocavalo caramelo 15/05/2024 Por LEONARDO BOFF: Há que se admitir que nós não temos respeitado os direitos da natureza com seu valor intrínseco, nem posto sob controle nossa voracidade de devastá-la
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total
  • SUS, 36 anos – consolidação e incertezasPaulo Capel Narvai 15/05/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: O SUS não foi o “natimorto” que muitos anteviram. Quase quatro décadas depois, o SUS está institucionalmente consolidado e desenvolveu um notável processo de governança republicana

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES