As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O fascismo liberal

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Lincoln Secco*

Uma das características fundamentais de um fascista é dizer que não o é. Ele pode se declarar como um católico que frequenta cultos evangélicos; combater a corrupção para se locupletar; defender as instituições militares, mas criar suas próprias milícias

O governo de Jair Bolsonaro é fascista e liberal[1]. Como isso foi possível?

Depois da derrota militar do fascismo histórico[2], muitos liberais e conservadores apressaram-se em se desvincular daquela experiência catastrófica. O filósofo Benedetto Croce viu no fenômeno um parêntese, um desvio de uma história europeia cujo sentido era a realização da ideia de liberdade. Ele foi mais longe: recusava-se a compreender o fenômeno porque o odiava.

Os estudiosos da Escola de Frankfurt desconfiaram totalmente da erradicação do fascismo após a Segunda Guerra Mundial e perceberam o quanto ele podia sobreviver no interior de sociedades capitalistas liberais[3].

O pai do neoliberalismo Von Mises via no nazismo boas intenções. Friedrich Hayek que foi muito mais um propagandista de vanguarda que economista de relevo, difundiu a noção de que o fascismo foi uma mera deformação causada pelo excesso de Estado[4]. Zbigniew Brzezinski preferiu o termo “autoritarismo” para justificar a persistência do fascismo na Península Ibérica: seriam “ditaduras técnicas” e instrumentais na defesa da democracia[5]. Não por acaso ele também incorporou o conceito de totalitarismo, desenvolvido por Hannah Arendt para aproximar o fascismo e o comunismo como regimes de massas totalitários[6].

A lista de autores e autoras poderia prosseguir, especialmente se incorporarmos a historiografia que se alimentou do conceito de populismo. Na acepção vulgar que passou a ser utilizada no hemisfério norte ele não deixa de ter a mesma função de demonizar a esquerda, igualando-a ao neofascismo. Totalitarismo e populismo são palavras invocadas para salvar a pele do centro liberal, o qual seria a única garantia dos requisitos racionais de uma vida normal alicerçada no individualismo, nos contratos e na liberdade.

Só que o casamento do capitalismo com a democracia foi uma excepcionalidade vigente por curto período histórico em alguns países europeus e da América do Norte, como reconhece Yasha Mounk autor do best seller O povo contra a democracia. (Companhia das Letras). Mesmo assim ele atribuiu a crise democrática ao “populismo” vigente em países tão diversos como Polônia, Rússia ou Venezuela[7].

No Brasil

O fim do socialismo real europeu em 1989 assinalaria uma vaga de exaltação do liberalismo na América Latina, mas pensadores à esquerda e à direita já pressentiam uma nova viragem ao fascismo. A esse respeito Paulo Arantes[8] resgatou um artigo de Edward Luttwak publicado em 1995[9]. O autor, que estava longe de simpatias pela esquerda, anteviu que o capitalismo turbinado pela globalização e pela informática traria uma “insegurança econômica pessoal completamente inédita da massa trabalhadora, dos trabalhadores industriais e burocráticos de colarinho branco até os executivos médios” e que a direita moderada e esquerda moderada ofereceriam qualquer solução.

Ele descrevia um conjunto de camadas médias da população que não eram exatamente pobres e, portanto, não podiam receber benefícios sociais oferecidos pela esquerda. E podemos acrescentar que elas também não estariam interessadas numa redistribuição de renda que ameaçasse sua posição social relativa.

A direita moderada, ao celebrar “as virtudes da competição desenfreada e da mudança estrutural dinâmica” também não mais interessaria àqueles segmentos. Eles tenderiam a aderir a um “partido fascista melhorado”[10].

Em 1998 Fernando Haddad aventou a hipótese de que o colapso do sistema soviético e do estado desenvolvimentista inclinariam os países semiperiféricos ao neoliberalismo e ao velho fascismo[11].

História

Antonio Negri que visitou o Brasil antes da catástrofe política de 2018 definiu muito bem o neofascismo do século XXI como “a face dura do neoliberalismo”. Segundo ele, isso “o distingue dos fascismos dos anos 1920-30 em que os reacionários certamente estiveram no campo político, enquanto no terreno econômico eles poderiam ser relativamente progressistas, pseudokeynesianos”[12].

Ainda assim, essa definição não é exata mesmo para a época do fascismo histórico que também recorreu à ortodoxia liberal quando lhe foi conveniente. O historiador Federico Chabod mostrou que em seus primeiros anos o fascismo italiano foi mais liberal que os governos liberais anteriores: aboliu subvenções oficiais e entregou empresas estatais ao capital privado.

Após a Primeira Guerra Mundial o velho Giolitti que marcou uma época da política italiana buscou melhorar a arrecadação. Para fazer frente ao aumento de despesas estatais contraídas durante a Guerra ele exigiu em 24 de setembro de 1920 que as ações fossem nominativas e não ao portador a fim de combater fraudes. No mesmo dia aumentou o imposto sobre heranças e, em casos específicos (parentes longínquos, v.gr.) a taxa podia significar o confisco da propriedade.

O programa do Partido Nacional Fascista em 1921 previa simplificação tributária, equilíbrio orçamentário, publicidade dos rendimentos tributáveis (redditi imponibili)[13] e das heranças. Mas somente treze dias depois da marcha sobre Roma que levou Mussolini à presidência do Conselho de Ministros, as leis de Giolitti foram revogadas[14] e aquela parte do programa fascista esquecida.

Fascismo pragmático

Mussolini levou à prática a política prescrita por Vilfredo Pareto, o teórico das elites: destruir o liberalismo político e instituir o econômico; retirar impostos das classes privilegiadas; e oferecer às trabalhadoras uma educação com dogmas religiosos nos quais ele mesmo não acreditava[15].

Os velhos políticos liberais ficaram satisfeitos e acreditaram que a entrada de fascistas no gabinete de governo iria domá-los e permitir sua absorção no sistema liberal[16], como tinha ocorrido com os socialistas. Proveniente de uma composição bizarra de sindicalismo revolucionário, socialismo e nacionalismo o fascismo tinha sua base mobilizada nas camadas médias e atraía os ressentidos de todo tipo. Entretanto, ele não teria se estabilizado no poder sem aquela condescendência dos políticos profissionais. Além, é evidente, de uma aliança com o grande capital e o apoio do exército, polícia e magistratura[17].

É claro que a política de Mussolini mudou: ele impôs uma ditadura pessoal e, movido por novas circunstâncias internacionais adotou uma linha estatizante: em 1939 percentualmente a Itália tinha o segundo maior setor público no mundo, somente menor do que a União Soviética[18].

Mas o liberalismo pragmático não foi peculiaridade do início do regime fascista italiano. Na Espanha Franco adotou inicialmente o sistema corporativo e buscou autarquia econômica, mas nos anos 1950 promoveu o ingresso de seu país na ONU, a abertura econômica e a submissão ao FMI. E os arquitetos do liberalismo espanhol foram tecnocratas vinculados ao Opus Dei, organização católica ultrareacionária.

Qualquer ideia fascista é descartável porque o fascismo não tem nenhuma. Ele é pura ação. Ele é um oportunismo absoluto. Ele desembarca no poder trocando de fantasia conforme o país, a ocasião e a cultura (ou a ausência dela).

Conclusão

Não há e nem jamais houve um projeto político, ideológico ou econômico definitivo dos fascistas. Nem mesmo o termo “fascismo” foi em geral reivindicado por eles fora da Itália. Na Inglaterra Sir Oswald Mosley (1896-1980) criou a British Union of Fascists, mas depois alterou o nome.

Uma das características fundamentais de um fascista é dizer que não o é. Ele pode se declarar com toda a naturalidade um católico que frequenta cultos evangélicos; combater a corrupção para se locupletar; defender as instituições militares mas criar suas próprias milícias; servir-se da “revolução” para proteger a Ordem; e eliminar antigos aliados em nome de uma ou outra conforme a conveniência.

O clerical fascista Dollfuss (1892-1934) reprimiu os nazis austríacos até ser assassinado por eles. Mas onde a ala conservadora fascista podia dispensar a radical, isso foi feito. A ferro e sangue se necessário. O ditador romeno Antonescu (1882-1946) esmagou os seus compatriotas fascistas mais radicais da Guarda de Ferro. Franco prendeu políticos falangistas espanhóis depois de usá-los na Guerra Civil[19]; o líder fasciomonarquista dos camisas azuis portugueses Rolão Preto (1893-1977) envolveu-se numa intentona contra Salazar e foi expulso do país. Nenhum deles usava na testa o número da besta.

*Lincoln Secco é professor no Departamento de História da USP.

Notas


[1]    Em discurso na Fiesp o General Hamilton Mourão, vice-presidente da República, leu um texto que dizia: “O neoliberalismo, ou liberalismo, nada mais é que a defesa intransigente do direito à propriedade privada. Pois onde não há propriedade não há o único sistema econômico que deu certo no mundo, que é o capitalismo”. https://www.bbc.com/portuguese/brasil-47715967. Consulta em 27/03/2019.

[2]    Aquele vigorou entre as duas Guerras Mundiais.

[3]    Adorno, T. W. Educação e Emancipação. Trad. Wolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995, p.38.

[4]    Soares, Thiago C. Make it New: Hayek e a Invenção do Neoliberalismo. USP, tese de doutorado, 2019, p. 162.

[5]    Fernandes, Florestan. Apontamentos sobre a Teoria do Autoritarismo. São Paulo: Hucitec, 1979, p. 5.

[6]    Arendt, Hannah. Origens do Totalitarismo. Trad. Roberto  Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, p. 434.

[7]    Mounk, Yasha. O Povo contra a Democracia.  Trad. C. Leite e Débora Landsberg. São Paulo: Companhia das Letras, 2019, p.81.

[8]    https://www.youtube.com/watch?v=-qrBKYakOnM&feature=youtu.be

[9]    Arantes, Paulo. “Filosofia e vida nacional: Por que filósofo hoje?”, https://www.youtube.com/watch?v=-qrBKYakOnM&feature=youtu.be.

[10]  Luttwak, Edward. “Por Que o Fascismo é a Onda do Futuro”, Novos Estudos CEBRAP N.° 40, novembro 1994, pp. 145-151.

[11] Haddad, Fernando. Em Defesa do Socialismo: Por Ocasião dos 150 Anos Do Manifesto. Petrópolis: Vozes, 1998, p. 65.

[12]  Negri, Antonio. “Primeiras observações sobre o desastre brasileiro”, in https://revistacult.uol.com.br/home/antonio-negri-desastre-brasileiro/

[13]  Felice, Renzo De. Mussolini il Fascista. La Conquista del Potere. 1921-1925. Torino: Einaudi, 1995, p.759.

[14]  Chabod, Federico. L´Italia Contemporanea. Torino: Einaudi, 1961, p. 64.

[15]  Borkenau, Franz. Pareto. México: FCE, 1978, p. 8.

[16]  Blinkhorn, Martin. Mussolini and fascist Italy. London: Routledge, 1997, p.22.

[17]  Carocci, Giampero. Storia d´Italia dall´Unità ad Oggi. Milano: Feltrinelli, 1975, p.250.

[18]  Blinkhorn, Martin. Op. cit, p. 34.

[19]  Bernardo, João. Labirintos do Fascismo. Porto: Afrontamento, 2003, pp.116-125.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marcelo Módolo Marcelo Guimarães Lima José Costa Júnior Marilia Pacheco Fiorillo André Márcio Neves Soares Sergio Amadeu da Silveira Leonardo Avritzer João Carlos Salles Alysson Leandro Mascaro José Dirceu Francisco de Oliveira Barros Júnior Rubens Pinto Lyra Marcos Aurélio da Silva Luciano Nascimento Daniel Brazil Henri Acselrad Flávio Aguiar Lorenzo Vitral Sandra Bitencourt Ronald Rocha Paulo Nogueira Batista Jr José Machado Moita Neto Gilberto Maringoni Michael Roberts João Sette Whitaker Ferreira Renato Dagnino Flávio R. Kothe Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Carlos Loebens Kátia Gerab Baggio José Raimundo Trindade Luiz Eduardo Soares Eleonora Albano Paulo Martins Henry Burnett Marjorie C. Marona Remy José Fontana Tales Ab'Sáber Marilena Chauí Leonardo Boff Luiz Marques Jorge Luiz Souto Maior Eugênio Trivinho Antonio Martins Ricardo Musse Eliziário Andrade Claudio Katz Luiz Roberto Alves Rafael R. Ioris Mário Maestri Samuel Kilsztajn Yuri Martins-Fontes Manchetômetro Luiz Bernardo Pericás Fernando Nogueira da Costa Armando Boito Benicio Viero Schmidt José Luís Fiori Roberto Noritomi Paulo Sérgio Pinheiro Ricardo Abramovay Ricardo Fabbrini Milton Pinheiro Juarez Guimarães Fábio Konder Comparato Michael Löwy Gilberto Lopes José Micaelson Lacerda Morais André Singer Bruno Machado Luiz Carlos Bresser-Pereira Thomas Piketty José Geraldo Couto Tarso Genro Alexandre de Freitas Barbosa Mariarosaria Fabris Rodrigo de Faria Luiz Costa Lima Liszt Vieira Vanderlei Tenório Eduardo Borges Luís Fernando Vitagliano Luiz Renato Martins Priscila Figueiredo Celso Favaretto Denilson Cordeiro Berenice Bento Fernão Pessoa Ramos Marcos Silva João Adolfo Hansen Atilio A. Boron Ladislau Dowbor Salem Nasser Daniel Costa Tadeu Valadares Eleutério F. S. Prado Carla Teixeira Afrânio Catani Bruno Fabricio Alcebino da Silva Caio Bugiato Marcus Ianoni Jorge Branco Maria Rita Kehl Julian Rodrigues Everaldo de Oliveira Andrade Valério Arcary Vinício Carrilho Martinez João Lanari Bo Roberto Bueno Anselm Jappe Dênis de Moraes Alexandre Aragão de Albuquerque Ronald León Núñez Ronaldo Tadeu de Souza Otaviano Helene Gerson Almeida Anderson Alves Esteves Antonino Infranca Gabriel Cohn Manuel Domingos Neto Airton Paschoa Dennis Oliveira Andrew Korybko Bento Prado Jr. Carlos Tautz Paulo Capel Narvai Luiz Werneck Vianna Slavoj Žižek Leda Maria Paulani Igor Felippe Santos Chico Whitaker João Feres Júnior Jean Pierre Chauvin Ricardo Antunes Valerio Arcary Walnice Nogueira Galvão Lincoln Secco Boaventura de Sousa Santos Osvaldo Coggiola Daniel Afonso da Silva Vladimir Safatle Antônio Sales Rios Neto Luis Felipe Miguel Alexandre de Lima Castro Tranjan Lucas Fiaschetti Estevez Leonardo Sacramento Chico Alencar Érico Andrade Paulo Fernandes Silveira Francisco Fernandes Ladeira Eugênio Bucci Bernardo Ricupero Annateresa Fabris Jean Marc Von Der Weid Heraldo Campos Francisco Pereira de Farias Celso Frederico Ari Marcelo Solon João Paulo Ayub Fonseca Elias Jabbour

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada