Theodor Adorno & Walter Benjamin — em torno de uma amizade eletiva

Lin Barrie, Liberdade, 2020
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por WAGNER CAMPOS*

Comentário sobre o livro Lucyane De Moraes

1.

Theodor Adorno & Walter Benjamin em torno de uma amizade eletiva apresenta com sensibilidade a estreita relação entre dois dos mais emblemáticos pensadores do século XX, solidificada através dos tempos por meio de um fecundo intercâmbio epistolar, abordando temas como tradição e modernidade; arte e cultura; sociedade e comunicação de massa.

Atendendo a uma reconhecida demanda pública das obras de Theodor Adorno e Walter Benjamin, a publicação tem como desafio lançar uma outra luz sobre essa relação — mais generosa e colaborativa — revelando uma amizade que, caracterizada por um pensar dialético, não só tolera diferenças teóricas profundas, mas torna possível convergir nelas mesmas.

Por meio de histórias e memórias, o volume faz justiça à trajetória de uma parceria única e irrepetível e é um acerto de contas com a colaboração e solidariedade recíproca de ambos. Se o livro pudesse ser resumido em apenas uma frase, seria: uma cartografia dos afetos.

Lucyane De Moraes é uma estudiosa dos fenômenos socioculturais ligados à recepção crítica das recentes tecnologias digitais, revela em seu livro uma amizade claramente marcada pela generosidade e sinceridade intelectual, uma cumplicidade contada nas linhas e entrelinhas de um intercâmbio epistolar, que acabou por transformar-se em verdadeiros documentos autobiográficos. E é a partir da apreciação dessa correspondência que Lucyane De Moraes reconstrói o diálogo criativo entre os dois filósofos num livre exercício de pensamento crítico, o que aponta para a relevância e originalidade de sua obra.

O grande mérito da autora diz respeito à sua capacidade de síntese e investigação, sobretudo, por ter considerado a tarefa científica de levar a cabo uma interpretação crítica da correspondência dos filósofos-amigos, expressa pela admiração e confiança mútua. No dizer de Mário Vieira de Carvalho, “o legado teórico de Adorno e Benjamin é inseparável da amizade entre ambos, uma amizade que, no plano intelectual, se traduziu na mediação recíproca dos respectivos ângulos de abordagem, ou, por outras palavras, numa complementaridade dialética que certamente muito contribui para o manter vivo e dinâmico, sem cessar renovado no seu potencial crítico”.

Outra discussão relevante levada a termo pela autora diz respeito ao contexto histórico desafiador marcado pela ascensão do nazi-fascismo, um inquietante período da história europeia em tempos conturbados de guerra. Sob essa ótica, o livro aborda aspectos peculiares de uma Alemanha à época devastada por uma tradição antidemocrática e marcada por catástrofes, incluindo a impossibilidade concreta de realização da liberdade humana, pano de fundo emblemático que se constitui como base de reflexão da autora.

As informações expostas foram baseadas em relatos de época (com ênfase para as transformações ocorridas no cenário das práticas político-culturais), sob a ótica daquilo que Adorno criticamente denominava como o “curso do mundo” e que Benjamin, por sua vez, nomeava como “experiência vivida” (Erlebnis), contraposta, sobretudo, à necessidade de uma “experiência autêntica” (Erfahrung).

Por meio da montagem de escritos originais, o caminho escolhido por Lucyane De Moraes, abarcando parte expressiva do que circunda o relacionamento de Adorno e Benjamin, foi fundamentado por comentários registrados através de documentos — incluindo apontamentos do cotidiano, da história e da colaboração de personalidades, artistas e intelectuais — e cartas de amigos-interlocutores que com eles mantiveram diálogo. Ao analisar as missivas, a autora não só tece e aprofunda considerações sobre a produção literário-filosófica dos pensadores como também percorre momentos marcantes de suas histórias, memórias e do debate mantido por ambos.

Em meio a outras contribuições significativas, De Moraes ressalta uma amizade eletiva que pôde ser expressa em variados níveis, ultrapassando em muito a esfera da colaboração crítico-teórica formal, inclusive desfazendo muitos equívocos a esse respeito. Depois desse livro, ninguém poderá se esconder por trás de uma ideia forjada de polarização entre os amigos, suposição sem qualquer base de sustentação que, como bem pontuado pela autora, não encontra eco em termos de averiguação científica.

Enquanto Lucyane De Moraes enfatiza a relação de Adorno e Benjamin em sentido qualificado e aborda ao mesmo tempo pontos centrais do legado teórico de ambos, seus esforços de investigação conseguem demonstrar com clareza a estreita ligação pessoal e a força constitutiva do pensar dialético dos filósofos: diferente, mas não divergente.

Nessa perspectiva, o livro apresenta temáticas notadamente caras a Adorno e Benjamin, elaborado na forma de ensaios — cuja conformação de argumentos (entre o todo e as partes) não é abordada de maneira conclusiva —, possibilitando à autora um diálogo com Adorno e Benjamin não só conceitualmente, mas, também, metodologicamente. Conforme Adorno se refere em seu texto Caracterização de Walter Benjamin, “o ensaio como forma, consiste em contemplar a capacidade, o histórico, as manifestações do espírito objetivo, a cultura, como se fossem natureza” ou como o filósofo mesmo diz em seu Ensaio como forma, “o ensaio procede assim, metodicamente, sem método”.

2.

Além da Nota Introdutória (repleta de informações históricas) e uma Nota Sobre Materiais Utilizados na Edição (evidenciando o critério documental utilizado pela autora), o volume é composto de cinco partes principais que resumem temas filosóficos apresentados ora em uma relação harmônica ora em um campo de tensão e forças.

Soma-se a essas partes, um Apêndice com as muito úteis cronologias da vida e obra dos pensadores. Destaca-se, ainda, a tradução da autora em língua portuguesa das cartas de Gershom Scholem e Hannah Arendt trocadas com Adorno, relativas ao espólio de Benjamin. Complementam o volume a original apresentação de Bruno Pucci e o elucidativo Posfácio de Mário Vieira de Carvalho.

Vale salientar a utilização adequada e complementar das notas de rodapé, onde a autora manifesta sua preocupação didático-formativa mediante empenho na investigação científica e no esclarecimento de pontos dúbios e desconhecidos, possibilitando, ainda, uma imagem acurada dos débitos intelectuais pertinentes.

A bibliografia de referência atende a essa mesma perspectiva, elaborada com fidelidade histórica e coerência sociológica e filosófica. A partir de agora quem pretender se ocupar cientificamente dos escritos de ambos os pensadores não poderá desconsiderar essa bibliografia, da mesma forma que o conteúdo do livro se mostra indispensável para aqueles que se dedicam ao multifacetado repertório conceitual de Adorno e de Benjamin.

Essa é uma obra histórica, documental, cativante tanto a pesquisadores quanto ao leitor comum de língua portuguesa, que traz à tona dados biográficos ainda pouco conhecidos do público em geral. Nas palavras de Bruno Pucci, “os leitores vão se encantar com a amizade eletiva, com a ajuda mútua, com a presença de um na vida e nos escritos do outro, particularmente de Adorno, que teve a felicidade de viver mais tempo e carregou em seus escritos ensinamentos, conceitos e, sobretudo, a presença dialógica e crítica do amigo”.

O livro é, portanto, um convite ao leitor que queira se aventurar na apreciação dos conteúdos abordados pelos filósofos-amigos, tanto na rememoração de seus primeiros escritos quanto nos rastros de suas teorias, possibilitando reconstruir junto com a autora a história da amizade, a parceria intelectual e principalmente o legado teórico-crítico de ambos, considerado uma ferramenta imprescindível para os tempos atuais.

Theodor Adorno & Walter Benjamin — em torno de uma amizade eletiva é uma obra cuja leitura vale a pena não apenas pela dimensão da pesquisa realizada e pela forma expressiva com que a autora aborda o tema, mas também pela exatidão das colocações e primor de sua linguagem.

*Wagner Campos é Compositor, Pesquisador e Musicista. Formado em regência pela UNIRIO (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro).

Lucyane De Moraes. Theodor Adorno & Walter Benjamin — Em torno de uma amizade eletiva. São Paulo: Edições 70, 2023, 228 págs. [https://amzn.to/3xnefsv]


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • 40 anos sem Michel Foucaultveneza 13/07/2024 Por VINÍCIUS DUTRA: O que ainda permanece admirável na forma de Foucault de refletir é sua perspicácia em contestar ideias intuitivamente aceitas pela tradição crítica de pensamento
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • Que horas são no relógio de guerra da OTAN?José Luís Fiori 17/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: Os ponteiros do “relógio da guerra mundial” estão se movendo de forma cada vez mais acelerada
  • A noite em que a Revolução Francesa morreuater 0406 01/07/2024 Por MARTÍN MARTINELLI: Prefácio do livro de Guadi Calvo
  • Episódios stalinistas no Brasilfotos antigas 14/07/2024 Por ANGELA MENDES DE ALMEIDA: Uma história costurada com inverdades, mas que, muito tempo depois, acabaram por sair à luz do dia
  • Marxismo e política — modos de usarLuis Felipe Miguel 15/07/2024 Por LUIS FELIPE MIGUEL: Introdução do autor ao livro recém-publicado
  • Carta de Berlim — a guerra e o velho diaboFlávio Aguiar 2024 16/07/2024 Por FLÁVIO AGUIAR: Há um cheiro de queimado no ar de Berlim. E não há nenhum Wald (bosque) em chamas, apesar do calor estival. O cheiro de queimado vem mesmo da sede do governo Federal
  • Julian Assange, Edward Snowden, Daniel Ellsbergwalnice 13/07/2024 Por WALNICE NOGUEIRA GALVÃO: Só permanece desinformado sobre segredos e inconfidências quem de fato tiver muita preguiça
  • Um ciclo interminávelpalestina rua gente 16/07/2024 Por BRUNO HUBERMAN: A esquerda sionista ataca a luta palestina por descolonização
  • O filósofo e o comediantefranklin de matos 08/07/2024 Por BENTO PRADO JR.: Prefácio do livro de Franklin de Matos – uma homenagem dos editores do site ao filósofo e professor da USP, falecido ontem

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES