As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Coronéis obedecem a generais

Foto de Christiana Carvalho
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ALEXANDRE ARAGÃO DE ALBUQUERQUE*

Os militares são tipos autoritários: aplicam golpes políticos, envolvem-se em corrupção financeira e ameaçam a sociedade exigindo que lhes preste reverência

A categoria “golpe” é consagrada na ciência política como o ato político de traição a alguém ou a alguma coisa. É um recurso extremo que a classe dominante lança mão visando a assegurar ou a recuperar privilégios assenhorados dentro de uma ordem social, injusta e desigual, construída ao longo da história de uma determinada sociedade.

Golpe não possui uma única forma de execução, pode assumir diversos formatos. Não há golpe ideal, mas sempre golpe possível. Não é um simples fato pontual de tomada de poder, mas um processo de ruptura e manutenção de uma nova ordem.

O saudoso cientista político Wanderley Guilherme dos Santos, em sua obra “A Democracia Impedida. O Brasil no Século XXI” (2017), atesta que o Golpe parlamentar de 2016 chega a ser pior do que o de 1964 por possuir um caráter antinacional e reacionário muito mais violento que o anterior, uma vez que naquele havia ao menos um compromisso com os interesses nacionais. O leque de forças militares e civis que derrubou a presidenta Dilma Rousseff tem declarados compromissos antinacionais, de subserviência aos Estados Unidos, e corporativos.

Seis anos atrás, em 31 de março de 2015, publicamos um artigo intitulado “A defesa da democracia”, como um sinal de advertência a partir de nossa percepção do processo golpista em curso, seja com a eleição de Eduardo Cunha (MDB – RJ) à presidência da Câmara Federal, como também pelo fato das manifestações de rua, organizadas por movimentos recém-criados, como MBL e Vem pra Rua, demonizando a política e pedindo o retorno do regime militar, numa evidente demonstração da guerra de espectro total colocada em movimento no Brasil, pelas mãos da CIA estadunidense, com ampla orquestração da Rede Globo e demais organizações da mídia corporativa.

Naquele nosso artigo rememoramos uma importante manifestação do general Alfredo Souto Malan, publicada no dia 31 de março de 1979, na Folha de São Paulo, por ocasião do décimo quinto ano do golpe de 64, fazendo uma avaliação crítica daquela ditadura militar.

Em seu pronunciamento em 1979, o general Malan reclamava impacientemente pelo fim do arbítrio uma vez que, passados 15 anos, o movimento golpista “não conseguiu acabar com a corrupção, muito pelo contrário; como também não conseguiu organizar a realidade administrativa do país, nem tampouco conseguiu melhorar as condições de vida do povo brasileiro”. Na conclusão de seu diagnóstico, o general denunciou que o “arbítrio só tem feito aumentar a área de miséria do povo e a concentração da renda nacional nas mãos de uns poucos”.

Eis que chegamos a 2021, com um governo amplamente militarizado, cujo núcleo palaciano de poder encontra-se nas mãos de três generais do exército à frente dos ministérios da Casa Civil (Eduardo Ramos), da Defesa (Braga Netto) e do GSI (Augusto Heleno), contando ainda com quase sete mil militares das Forças Armadas em postos de comando nos diversos escalões da administração federal. Como recorte ilustrativo, anota-se, entre estes, o presidente da Petrobrás, general Joaquim Silva e Luna; o diretor-geral da Itaipu Binacional, general João Francisco Ferreira; o ministro de Minas e Energia, almirante de esquadra Bento Albuquerque. O ministério da Saúde, em plena pandemia, era comandado até março deste ano por outro general, Eduardo Pazuello.

No Diário Oficial de 19 de maio de 2020, o general Pazuello nomeou diversos militares do Exército, um grupo de 10 (dez), para atuar em cargos-chaves no seu ministério. Entre estes estava o coronel Élcio Franco ocupando o posto de secretário-executivo, uma espécie de executor-imediato das ordens do general. É justamente o coronel Élcio Franco o pivô das negociatas das vacinas, centro das denúncias, conforme tem descoberto amplamente a CPI do Genocídio em seus trabalhos investigativos.

Ocorre que desde abril, após a demissão de Pazuello, o coronel Élcio Franco, estranhamente, foi deslocado do ministério da Saúde para o interior do palácio presidencial, despachando como assessor especial do ministro-chefe da Casa Civil da Presidência da República, agora sob as ordens diretas do general Eduardo Ramos.

Na quinta-feira, 15/07, durante depoimento à CPI do Genocídio, o representante no Brasil da empresa Davati Medical Supply, Cristiano Carvalho, abriu a caixa de ferramentas elencando o nome de pelo menos sete coronéis envolvidos em supostas negociações superfaturadas de aquisição de imunizantes contra a Covid. Ante o exposto, o presidente da Comissão, senador Omar Aziz (PSD – AM), exigiu a exoneração do coronel Élcio Franco afirmando que “um elemento como ele não pode estar desfrutando da antessala do presidente da República”.

Este fato inusitado remonta ao ocorrido com o julgamento do Mensalão, quando o relator do processo, ministro do STF Joaquim Barbosa, aplicou de forma literal e com uma hermenêutica questionável a Teoria do Domínio do Fato visando a incriminar, sem provas, o então ministro da Casa Civil, deputado federal José Dirceu (PT-SP), pelo fato de se presumir que por ele estar na hierarquia superior, seria conhecedor dos fatos clandestinos que ocorriam na empresa estatal Petrobrás.

Agora no caso do esquema de corrupção das vacinas da Covid, os supostos delitos não ocorrem numa estatal, mas num ministério do governo federal. Algo de uma gravidade infinitamente maior, principalmente após a denúncia apresentada pelos irmãos Miranda em depoimento na CPI no dia 28 de junho. Indaga-se: em caso de ser apresentada denúncia, usará o STF do mesmo critério para julgar e condenar os ministros superiores do coronel Élcio Franco nas pastas da Saúde e da Casa Civil?

Mas o depoimento de Cristiano Carvalho vai mais além ao fornecer lentes potentes, permitindo alcançar outros fatos, ajudando-nos a entendê-los um pouco melhor.

Em primeiro lugar, destaca-se episódio ocorrido em 27 de maio de 2021, em São Gabriel da Cachoeira, no Amazonas, quando o presidente Jair, após 30 dias de funcionamento da CPI do Genocídio, em sua costumeira live disparou, em mais um dos seus numerosos atos falhos: “Omar Aziz, pelo amor de Deus, encerra logo essa CPI”. O que preocupava tanto o presidente Jair, a ponto de enviar esse apelo desesperado? E por que a partir desta data, ele com seus filhos zeros partiram para um flagrante ataque aos três senadores coordenadores dos trabalhos da CPI? Estaria Jair prevendo os riscos de a Comissão alcançar essas podres revelações envolvendo o seu governo e os seus generais?

O segundo acontecimento volta-se para os malfeitos perpetrados por Pazuello e sua equipe de militares à frente da política sanitária desenvolvida no ministério da Saúde. Mesmo após sua demissão, Pazuello foi alocado na Secretaria de Assuntos Estratégicos, ligada diretamente à Presidência da República. Por que será?

Como agravante, em 16 de julho, o jornal Folha de São Paulo publicou reportagem documentada por um vídeo denunciando uma negociação, fora de sua agenda oficial, no dia 11 de março, do então ministro da Saúde, general Pazuello, com um grupo de atravessadores na compra de 30 milhões de doses da vacina chinesa Coronavac por preço 03 (três) vezes superior (US$28) ao já negociado com o brasileiro Instituto Butantan (US$10). Importante registrar que em 19 de maio, quando de seu depoimento à CPI do Genocídio, o general Pazuello disse que “nunca liderou negociações com a Pfizer porque um ministro jamais deve negociar com uma empresa”, debochando do relator da Comissão.

Por fim, importante observar que demitido em quinze de março deste ano, o general Pazuello participou logo em seguida de uma manifestação político-partidária em apoio ao presidente Jair, descumprindo o regulamento militar. Mas, além de não haver sido punido por este ato público de indisciplina, o Comandante do Exército, general Paulo Sérgio, impôs a ocultação por 100 (cem) anos a todo o processo envolvendo Pazuello, Bolsonaro e o Exército nestas questões. O que de tão grave é preciso manter-se escondido por um século?

Portanto, o depoimento de Cristiano Carvalho ajuda-nos a perceber muitas contradições, entre as quais o quanto os militares são tipos autoritários: aplicam golpes políticos, envolvem-se em corrupção financeira e, ao mesmo tempo, ameaçam a sociedade exigindo que lhes preste reverência, apesar de seus comportamentos delituosos. Promovem uma autoimagem ideologicamente construída como se eles fossem santidades incorruptíveis, como se suas fardas fossem batinas clericais. Quanta hipocrisia!

*Alexandre Aragão de Albuquerque é mestre em Políticas Públicas e Sociedade pela Universidade Estadual do Ceará (UECE).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Leda Maria Paulani Luiz Roberto Alves Ladislau Dowbor Remy José Fontana Liszt Vieira Carlos Tautz Antônio Sales Rios Neto José Luís Fiori Rubens Pinto Lyra Flávio Aguiar Paulo Capel Narvai Jean Pierre Chauvin Bento Prado Jr. Gabriel Cohn Luiz Renato Martins Henri Acselrad Luis Felipe Miguel Luiz Carlos Bresser-Pereira José Costa Júnior Elias Jabbour Rodrigo de Faria Claudio Katz Lorenzo Vitral Eugênio Bucci João Feres Júnior Francisco Pereira de Farias Julian Rodrigues Daniel Costa Slavoj Žižek Thomas Piketty Chico Alencar Lincoln Secco Heraldo Campos Benicio Viero Schmidt Roberto Noritomi Otaviano Helene Afrânio Catani Chico Whitaker Paulo Sérgio Pinheiro Osvaldo Coggiola Bernardo Ricupero Antonino Infranca Valerio Arcary Ricardo Antunes Paulo Martins Jean Marc Von Der Weid Luiz Werneck Vianna João Sette Whitaker Ferreira Ricardo Fabbrini Ricardo Abramovay Gerson Almeida Luiz Marques Fábio Konder Comparato Francisco de Oliveira Barros Júnior Tarso Genro Ari Marcelo Solon Eliziário Andrade José Geraldo Couto Fernando Nogueira da Costa José Dirceu Sergio Amadeu da Silveira Marilena Chauí Boaventura de Sousa Santos Gilberto Maringoni Eugênio Trivinho Yuri Martins-Fontes Celso Frederico Eleonora Albano João Carlos Salles João Lanari Bo José Raimundo Trindade Marcelo Módolo Ricardo Musse Vanderlei Tenório Luiz Bernardo Pericás Luciano Nascimento Michael Löwy Carla Teixeira Everaldo de Oliveira Andrade Priscila Figueiredo Airton Paschoa Mário Maestri Salem Nasser Ronald León Núñez Armando Boito Vinício Carrilho Martinez Sandra Bitencourt Manchetômetro Bruno Machado Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Costa Lima Paulo Fernandes Silveira Leonardo Avritzer Manuel Domingos Neto Gilberto Lopes Renato Dagnino Walnice Nogueira Galvão Érico Andrade Celso Favaretto Luís Fernando Vitagliano Alexandre de Freitas Barbosa André Singer Leonardo Sacramento Daniel Afonso da Silva José Machado Moita Neto Daniel Brazil Marcelo Guimarães Lima Atilio A. Boron Rafael R. Ioris Vladimir Safatle Alexandre de Lima Castro Tranjan Eduardo Borges Jorge Luiz Souto Maior Marcos Aurélio da Silva Samuel Kilsztajn Valério Arcary Alysson Leandro Mascaro Alexandre Aragão de Albuquerque Jorge Branco Flávio R. Kothe Berenice Bento Leonardo Boff Antonio Martins Fernão Pessoa Ramos Annateresa Fabris Tales Ab'Sáber Eleutério F. S. Prado Kátia Gerab Baggio Igor Felippe Santos João Carlos Loebens Dennis Oliveira João Paulo Ayub Fonseca Maria Rita Kehl Marcus Ianoni Roberto Bueno Francisco Fernandes Ladeira Andrew Korybko Michael Roberts Anselm Jappe Henry Burnett Marjorie C. Marona Dênis de Moraes Caio Bugiato Milton Pinheiro João Adolfo Hansen José Micaelson Lacerda Morais André Márcio Neves Soares Anderson Alves Esteves Denilson Cordeiro Luiz Eduardo Soares Lucas Fiaschetti Estevez Marcos Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ronaldo Tadeu de Souza Marilia Pacheco Fiorillo Tadeu Valadares Juarez Guimarães Ronald Rocha Bruno Fabricio Alcebino da Silva Mariarosaria Fabris

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada