As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A militância profética do Padre Agostinho

Membros da Comissão Teotônio Vilela de Direitos Humanos.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PAULO SÉRGIO PINHEIRO*

Todos que tentamos acompanhar suas ações incansáveis de resistência à injustiça e ao arbítrio temos, com o muito querido aniversariante, nos seus 90 anos, uma dívida incomensurável

Formado em direito, Marcelo Duarte de Oliveira, tornou-se o Padre Agostinho quando foi ordenado em 1967, como monge beneditino olivetano, na ordem religiosa de Nossa Senhora do Monte Oliveto, fundada por São Bernardo Tolomei, no século XIV, em Siena.

Em janeiro de 1969, passou a prestar auxílio religioso aos detentos no presídio Tiradentes, em S. Paulo, descobrindo as torturas que ali eram realizadas. Pode assim confirmar que o Esquadrão da Morte, o grupo de extermínio comandado pelo delegado Fleury, retirava presos das celas à noite para executá-los. Durante suas visitas, obteve, com os policiais, lista dos detentos que saíam do presídio para jamais voltar.

Perseguido pelo Esquadrão da Morte, ficou escondido por três meses no Palácio Episcopal, da Arquidiocese de São Paulo: “Se me pegassem, certamente seria morto”, declarou em uma sessão da Comissão da Verdade. Depois de 1970, tornou-se uma das principais testemunhas do inquérito sobre o Esquadrão da Morte desenvolvido pelo então procurador Hélio Bicudo, que enfrentou a resistência dos governos estadual e federal, e também sem o apoio do Ministério Público paulista.

Conheci Agostinho quando me convidou para uma palestra no Centro de Direitos Humanos de Osasco, que ele dirigia. Fundado em 1977 durante a ditadura militar, foi o primeiro a ser criado em São Paulo e o segundo no Brasil. Desde 1976 até 1982, Agostinho foi coordenador nacional da Pastoral Carcerária, graças ao apoio do cardeal Dom Paulo Evaristo Arns, novo arcebispo da Diocese de São Paulo.

Em 9 de janeiro de 1983, seis pacientes tentaram fugir do Manicômio Judiciário Franco da Rocha, em São Paulo, e fizeram de reféns dois servidores da instituição. Os dois foram assassinados, juntamente com um desses funcionários, por policiais militares da ROTA (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar). Na manhã de 13 de janeiro, lembro-me de ter ido, junto com o ex-ministro e futuro senador Severo Gomes, encontrar o padre Agostinho na Igreja Nossa Senhora da Mãe da Igreja, no Jardim Paulista, onde ele atuava, para irmos juntos ao Manicômio.

Nem ele, nem nós, sabíamos que aquela visita, e a seguinte, à Casa de Custódia e Tratamento de Taubaté, seriam os atos fundadores da futura Comissão Teotônio Vilela (CTV) de Direitos Humanos, composta também por Antonio Candido, Fernando Gabeira, Eduardo Suplicy, Fernando Millan, Hélio Bicudo, João Baptista Breda, José Gregori, Margarida Genevois. Agostinho era o imã que interligava todos esses membros, e os que se seguiram, tão diversos, nos trinta anos de atuação da CTV.

Como o próprio Agostinho escreveu em 2003, em um depoimento por ocasião dos 20 anos da CTV: “Nenhum de nós deve ter saído ileso, depois de ter visitado e mergulhado no submundo das prisões – sejam cadeia, penitenciárias, Febems, manicômios etc. Ninguém é ingênuo depois de ter transitado no meio de torturados e torturadores, onde os supostos criminosos de ontem são as vítimas de hoje. Não há ilusão quando se fala de sociedade justa com polícia arbitrária, truculenta e corrupta. As violações contra a integridade física, psicológica, moral e espiritual também nos atingem, como participes da grande família humana”.

Agostinho até hoje continua a atuar junto aos sobreviventes atingidos pela repressão e pelo abandono do Estado democrático, como os presos, suas famílias, moradores de rua, pobres miseráveis, crianças e adolescentes internados. É implacável, consistentemente incansável, na defesa dos sem direito junto às autoridades em todas as instâncias. Apela a quem for preciso para denunciar violações e obter justiça.

Por toda sua longa vida de total dedicação aos sem-poder, Agostinho foi reconhecido por prêmios de inúmeras instituições. Em 1996, o Estado brasileiro, no governo Fernando Henrique, lhe concedeu o Prêmio Nacional de Direitos Humanos. Todos nos emocionamos nos cinquenta anos de sua ordenação, em 2017, quando ele celebrou junto com o Papa Francisco uma missa na Casa de Santa Marta, no Vaticano.

Ativistas de direitos humanos, pesquisadores, professores, advogados, juízes, promotores, delegados de polícia, tantos de nós, novatos como eu quando o conheci, tivemos o privilégio de conviver com Agostinho, inspirados por sua militância profética na defesa dos direitos humanos. Todos que tentamos acompanhar suas ações incansáveis de resistência à injustiça e ao arbítrio temos, com o muito querido aniversariante, nos seus 90 anos, uma dívida incomensurável.

*Paulo Sérgio Pinheiro é professor aposentado de ciência política na USP e ex-ministro dos Direitos Humanos. Foi membro e coordenador da Comissão Nacional da Verdade. Autor, entre outros livros, de Estratégias da ilusão: a revolução mundial e o Brasil, 1922-1935 (Companhia das Letras).

 

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marcus Ianoni João Lanari Bo Luís Fernando Vitagliano Flávio Aguiar Lincoln Secco Marcelo Guimarães Lima Andrew Korybko Remy José Fontana Kátia Gerab Baggio Antonio Martins Jorge Branco Eleutério F. S. Prado Eugênio Trivinho Vinício Carrilho Martinez João Sette Whitaker Ferreira Eleonora Albano Francisco de Oliveira Barros Júnior Airton Paschoa Ricardo Antunes Paulo Fernandes Silveira Vladimir Safatle Luiz Renato Martins Tales Ab'Sáber Fernando Nogueira da Costa Annateresa Fabris Everaldo de Oliveira Andrade Fernão Pessoa Ramos Luiz Costa Lima Rodrigo de Faria Samuel Kilsztajn Antônio Sales Rios Neto André Márcio Neves Soares Ricardo Abramovay Leonardo Boff Bernardo Ricupero José Luís Fiori Carla Teixeira Ronald Rocha Celso Favaretto Chico Whitaker Chico Alencar Alexandre de Freitas Barbosa Ricardo Fabbrini João Adolfo Hansen André Singer Benicio Viero Schmidt Mário Maestri Celso Frederico Daniel Brazil Luis Felipe Miguel Elias Jabbour Boaventura de Sousa Santos Alexandre de Lima Castro Tranjan Marcelo Módolo Julian Rodrigues Armando Boito Jorge Luiz Souto Maior Dennis Oliveira Luiz Eduardo Soares Sergio Amadeu da Silveira Lorenzo Vitral João Carlos Salles Michael Löwy Fábio Konder Comparato Leda Maria Paulani Marilia Pacheco Fiorillo Ricardo Musse Jean Pierre Chauvin Leonardo Sacramento Gilberto Lopes José Raimundo Trindade Afrânio Catani Manuel Domingos Neto Érico Andrade Paulo Nogueira Batista Jr Heraldo Campos Maria Rita Kehl Valerio Arcary Luiz Werneck Vianna Francisco Fernandes Ladeira Luiz Bernardo Pericás Denilson Cordeiro João Paulo Ayub Fonseca Luiz Roberto Alves Ronaldo Tadeu de Souza Dênis de Moraes Bento Prado Jr. Marjorie C. Marona Valério Arcary Paulo Sérgio Pinheiro José Geraldo Couto Gerson Almeida Leonardo Avritzer Osvaldo Coggiola Francisco Pereira de Farias Atilio A. Boron Daniel Costa Alysson Leandro Mascaro José Machado Moita Neto Plínio de Arruda Sampaio Jr. Caio Bugiato Marcos Silva Thomas Piketty Mariarosaria Fabris Tarso Genro Eliziário Andrade Yuri Martins-Fontes Renato Dagnino Luiz Carlos Bresser-Pereira Salem Nasser Antonino Infranca Anderson Alves Esteves Eugênio Bucci Roberto Noritomi José Micaelson Lacerda Morais José Costa Júnior Michael Roberts Liszt Vieira Slavoj Žižek Carlos Tautz Alexandre Aragão de Albuquerque Ari Marcelo Solon Henri Acselrad Ladislau Dowbor Juarez Guimarães Priscila Figueiredo Walnice Nogueira Galvão Bruno Machado Flávio R. Kothe Claudio Katz José Dirceu Ronald León Núñez Marilena Chauí Gilberto Maringoni Otaviano Helene Vanderlei Tenório Henry Burnett Manchetômetro Paulo Martins Jean Marc Von Der Weid João Feres Júnior Daniel Afonso da Silva Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Carlos Loebens Rubens Pinto Lyra Gabriel Cohn Lucas Fiaschetti Estevez Milton Pinheiro Rafael R. Ioris Berenice Bento Tadeu Valadares Igor Felippe Santos Roberto Bueno Marcos Aurélio da Silva Paulo Capel Narvai Eduardo Borges Luciano Nascimento Sandra Bitencourt Luiz Marques Anselm Jappe

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada