A militância profética do Padre Agostinho

Membros da Comissão Teotônio Vilela de Direitos Humanos.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PAULO SÉRGIO PINHEIRO*

Todos que tentamos acompanhar suas ações incansáveis de resistência à injustiça e ao arbítrio temos, com o muito querido aniversariante, nos seus 90 anos, uma dívida incomensurável

Formado em direito, Marcelo Duarte de Oliveira, tornou-se o Padre Agostinho quando foi ordenado em 1967, como monge beneditino olivetano, na ordem religiosa de Nossa Senhora do Monte Oliveto, fundada por São Bernardo Tolomei, no século XIV, em Siena.

Em janeiro de 1969, passou a prestar auxílio religioso aos detentos no presídio Tiradentes, em S. Paulo, descobrindo as torturas que ali eram realizadas. Pode assim confirmar que o Esquadrão da Morte, o grupo de extermínio comandado pelo delegado Fleury, retirava presos das celas à noite para executá-los. Durante suas visitas, obteve, com os policiais, lista dos detentos que saíam do presídio para jamais voltar.

Perseguido pelo Esquadrão da Morte, ficou escondido por três meses no Palácio Episcopal, da Arquidiocese de São Paulo: “Se me pegassem, certamente seria morto”, declarou em uma sessão da Comissão da Verdade. Depois de 1970, tornou-se uma das principais testemunhas do inquérito sobre o Esquadrão da Morte desenvolvido pelo então procurador Hélio Bicudo, que enfrentou a resistência dos governos estadual e federal, e também sem o apoio do Ministério Público paulista.

Conheci Agostinho quando me convidou para uma palestra no Centro de Direitos Humanos de Osasco, que ele dirigia. Fundado em 1977 durante a ditadura militar, foi o primeiro a ser criado em São Paulo e o segundo no Brasil. Desde 1976 até 1982, Agostinho foi coordenador nacional da Pastoral Carcerária, graças ao apoio do cardeal Dom Paulo Evaristo Arns, novo arcebispo da Diocese de São Paulo.

Em 9 de janeiro de 1983, seis pacientes tentaram fugir do Manicômio Judiciário Franco da Rocha, em São Paulo, e fizeram de reféns dois servidores da instituição. Os dois foram assassinados, juntamente com um desses funcionários, por policiais militares da ROTA (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar). Na manhã de 13 de janeiro, lembro-me de ter ido, junto com o ex-ministro e futuro senador Severo Gomes, encontrar o padre Agostinho na Igreja Nossa Senhora da Mãe da Igreja, no Jardim Paulista, onde ele atuava, para irmos juntos ao Manicômio.

Nem ele, nem nós, sabíamos que aquela visita, e a seguinte, à Casa de Custódia e Tratamento de Taubaté, seriam os atos fundadores da futura Comissão Teotônio Vilela (CTV) de Direitos Humanos, composta também por Antonio Candido, Fernando Gabeira, Eduardo Suplicy, Fernando Millan, Hélio Bicudo, João Baptista Breda, José Gregori, Margarida Genevois. Agostinho era o imã que interligava todos esses membros, e os que se seguiram, tão diversos, nos trinta anos de atuação da CTV.

Como o próprio Agostinho escreveu em 2003, em um depoimento por ocasião dos 20 anos da CTV: “Nenhum de nós deve ter saído ileso, depois de ter visitado e mergulhado no submundo das prisões – sejam cadeia, penitenciárias, Febems, manicômios etc. Ninguém é ingênuo depois de ter transitado no meio de torturados e torturadores, onde os supostos criminosos de ontem são as vítimas de hoje. Não há ilusão quando se fala de sociedade justa com polícia arbitrária, truculenta e corrupta. As violações contra a integridade física, psicológica, moral e espiritual também nos atingem, como participes da grande família humana”.

Agostinho até hoje continua a atuar junto aos sobreviventes atingidos pela repressão e pelo abandono do Estado democrático, como os presos, suas famílias, moradores de rua, pobres miseráveis, crianças e adolescentes internados. É implacável, consistentemente incansável, na defesa dos sem direito junto às autoridades em todas as instâncias. Apela a quem for preciso para denunciar violações e obter justiça.

Por toda sua longa vida de total dedicação aos sem-poder, Agostinho foi reconhecido por prêmios de inúmeras instituições. Em 1996, o Estado brasileiro, no governo Fernando Henrique, lhe concedeu o Prêmio Nacional de Direitos Humanos. Todos nos emocionamos nos cinquenta anos de sua ordenação, em 2017, quando ele celebrou junto com o Papa Francisco uma missa na Casa de Santa Marta, no Vaticano.

Ativistas de direitos humanos, pesquisadores, professores, advogados, juízes, promotores, delegados de polícia, tantos de nós, novatos como eu quando o conheci, tivemos o privilégio de conviver com Agostinho, inspirados por sua militância profética na defesa dos direitos humanos. Todos que tentamos acompanhar suas ações incansáveis de resistência à injustiça e ao arbítrio temos, com o muito querido aniversariante, nos seus 90 anos, uma dívida incomensurável.

*Paulo Sérgio Pinheiro é professor aposentado de ciência política na USP e ex-ministro dos Direitos Humanos. Foi membro e coordenador da Comissão Nacional da Verdade. Autor, entre outros livros, de Estratégias da ilusão: a revolução mundial e o Brasil, 1922-1935 (Companhia das Letras).

 

 

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • João Cândido e a Revolta da Chibatarevolta da chibata 23/06/2024 Por PETRÔNIO DOMINGUES: No atual contexto, em que tanto se discute reparações do Estado à população negra, o nome de João Cândido não pode ser esquecido
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • O medo e a esperançaJoao_Carlos_Salles 24/06/2024 Por JOÃO CARLOS SALLES: Contra a destruição da universidade pública
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • O colapso do sionismopalestina livre 80 23/06/2024 Por ILAN PAPPÉ: Quer as pessoas acolham a ideia ou a temam, o colapso de Israel tornou-se previsível. Esta possibilidade deve informar a conversa de longo prazo sobre o futuro da região
  • Um olhar sobre a greve das federais de 2024lula haddad 20/06/2024 Por IAEL DE SOUZA: Com alguns meses de governo, comprovou-se o estelionato eleitoral de Lula, acompanhado do seu “fiel escudeiro”, o Ministro da Fazenda, Fernando Haddad
  • Carta ao presidenteLula 59mk,g 18/06/2024 Por FRANCISCO ALVES, JOÃO DOS REIS SILVA JÚNIOR & VALDEMAR SGUISSARDI: “Concordamos plenamente com V. Exa. quando afirma e reafirma que ‘Educação é investimento, não é gasto’”
  • Retomar o caminho da esperançafim de tarde 21/06/2024 Por JUAREZ GUIMARÃES & MARILANE TEIXEIRA: Cinco iniciativas que podem permitir às esquerdas e centro-esquerdas brasileiras retomarem o diálogo com a esperança majoritária dos brasileiros
  • Manual teológico do neopentecostalismo neoliberaljesus salva 22/06/2024 Por LEONARDO SACRAMENTO: A teologia transformou-se em coaching ou fomentador da disputa entre trabalhadores no mundo do trabalho

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES