Decepção e frustração na Fundação Casa de Rui Barbosa

Imagem: Manifesto Coletivo
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por GABRIELA FARIA & FABIO JARDIM*

Considerações sobre a escolha pela Ministra da Cultura do presidente da instituição

Desde 2017 o regimento interno da Fundação Casa de Rui Barbosa (FCRB) prevê, em seu artigo 3º, que o “Ministro de Estado da Cultura auscultará previamente o corpo funcional da FCRB para a escolha do Presidente da Fundação com vista à submissão à Presidência da República”. Evidentemente, durante o governo de Jair Bolsonaro esse artigo não só foi desconsiderado como o próprio Ministério da Cultura (MinC) foi desfeito, indicando o descaso daquela gestão com as questões culturais do país. Essa desconsideração foi confirmada com a escolha de Letícia Dorneles como presidente da instituição, decisão baseada puramente na negociação de cargos entre aliados políticos de um grupo que ignorava totalmente o funcionamento e a importância da Casa Rui.

Conforme documento enviado ao então Ministério da Cidadania, por ocasião daquela nomeação, servidores registraram sua preocupação por Letícia Dorneles sequer ter a formação indicada para assumir o referido posto, visto que o presidente da Casa é também reitor do mestrado a ela vinculado, o que indicaria, idealmente, o título de doutorado, característica comum a todos os últimos presidentes. Osmar Terra, então ministro, ignorou os argumentos do corpo funcional e manteve a decisão. Não coincidentemente, os últimos anos da gestão da instituição foram desastrosos, marcado pela inexperiência, pela perda de projetos importantes e principalmente pela perseguição ostensiva aos servidores.

Após anos de assédios, de falta de respeito e com a implementação de um clima funcional que deixou diversos servidores doentes e totalmente desmotivados, a eleição de Luís Inácio Lula da Silva e a recriação do MinC deram aos servidores da Fundação Casa de Rui Barbosa a esperança de que as ferramentas democráticas disponíveis nas instituições seriam amplamente respeitadas. Seguiu-se à eleição a discussão na Fundação Casa de Rui Barbosa sobre organizar novamente o procedimento de consulta para a sua presidência.

Dele se dispuseram a participar Conceição Evaristo e José Almino de Alencar, oferecendo seus nomes e suas envergaduras acadêmicas não somente para uma eleição, mas para um debate sincero sobre os rumos que a instituição deveria tomar, num cenário de reconstrução da democracia interna. Almino venceu com cerca de 80% dos votos. Infelizmente, imediatamente após a reunião de divulgação do resultado, o MinC informou que o nome para a presidência da Casa Rui estava definido e tratava-se de Alexandre Santini, o que gerou profunda decepção e frustração entre os funcionários da Fundação Casa de Rui Barbosa.

Esses sentimentos não giram em torno de simplesmente ter uma consulta respeitada, ainda que isso fosse motivo suficiente. A indicação seca, sem nenhuma nota sobre os motivos que nortearam a escolha parece, mais uma vez, colocar a Casa Rui como um órgão passível de atender necessidades políticas de um Ministério que precisa cumprir acordos políticos. Ignorou-se a importância, para um corpo funcional tão maltratado pela gestão passada, de ter como seu representante um nome que viesse de dentro para fora, não de forma tão vertical.

Para além das inúmeras obras publicadas (poesia, crônicas etc.), tradução de obras de literatura e teatro, autoria de música em parceria com Caetano Veloso, doutorado em sociologia, experiência no Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais da Organização das Nações Unidas e um sem número de atividades capazes de qualificá-lo, José Almino Alencar possui outros predicados que o transformam na melhor alternativa para ocupar o cargo de presidente da Fundação Casa de Rui Barbosa, a qual o MinC deveria aproveitar.

Além de servidor e pesquisador, José Almino Alencar foi presidente da Fundação Casa de Rui Barbosa por duas vezes, diretor do Centro de Pesquisa da instituição, é professor voluntário do mestrado da mesma e principalmente: durante a gestão de Letícia Dorneles defendeu arduamente a FCRB, sofrendo perseguições diversas e respondendo aos mais absurdos processos investigativos. Almino poderia ter se poupado e solicitado aposentadoria para preservar seu nome e sua saúde, porém escolheu ficar ao lado dos funcionários ativos do quadro, enfrentando com a mais absoluta coragem uma presidência vil.

Esse processo o aproximou dos colegas dos mais diversos cargos e de todas as gerações de servidores, abrindo um lugar de troca que somente sua sensibilidade e generosidade permitiriam. José Almino Alencar representa a possibilidade de o MinC atuar de forma completamente oposta ao que o governo Bolsonaro produziu ao ignorar a prerrogativa regimental de indicação do corpo funcional em 2019, assim como a chance de alçar a presidente da Fundação Casa de Rui Barbosa um servidor que, além de sua capacidade de conduzir a instituição e de experiência no cargo, foi perseguido, mas ofereceu resistência ao desmonte em curso e hoje conta com o apoio de mais de 80% dos seus colegas servidores, conforme procedimento de indicação realizado no início desse ano.

A posse de José Almino seria, simbolicamente, a posse de todos aqueles que foram perseguidos pela gestão passada, que segue ainda hoje ofendendo amplamente os servidores em suas redes sociais. Almino não é somente José, Almino é Ana, é Maria, é João, é Miguel e todos nós.

*Gabriela Faria é funcionária da Fundação Casa de Rui Barbosa.

*Fabio Jardim é funcionário da Fundação Casa de Rui Barbosa.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Bento Prado Jr. João Carlos Salles Julian Rodrigues Valerio Arcary José Geraldo Couto Tadeu Valadares Jean Pierre Chauvin Michael Löwy Igor Felippe Santos Ronald Rocha José Costa Júnior Juarez Guimarães Marilia Pacheco Fiorillo Alysson Leandro Mascaro Marjorie C. Marona Daniel Afonso da Silva Rafael R. Ioris Marcos Silva Mariarosaria Fabris Berenice Bento Henri Acselrad Rubens Pinto Lyra Eleonora Albano Sandra Bitencourt José Raimundo Trindade André Singer Eleutério F. S. Prado Luis Felipe Miguel José Machado Moita Neto Marilena Chauí Luiz Carlos Bresser-Pereira João Sette Whitaker Ferreira Francisco Pereira de Farias Fernando Nogueira da Costa Remy José Fontana Gilberto Maringoni Antonino Infranca Gerson Almeida Maria Rita Kehl Andrew Korybko Anselm Jappe Alexandre de Freitas Barbosa Carla Teixeira Leonardo Sacramento Ricardo Musse Antônio Sales Rios Neto José Luís Fiori Flávio Aguiar Marcos Aurélio da Silva Otaviano Helene Luiz Marques Ricardo Abramovay Annateresa Fabris João Adolfo Hansen Tales Ab'Sáber Alexandre Aragão de Albuquerque Eugênio Trivinho Fernão Pessoa Ramos Celso Frederico Fábio Konder Comparato Luiz Eduardo Soares Daniel Costa Vinício Carrilho Martinez Lorenzo Vitral Luciano Nascimento João Feres Júnior Henry Burnett Chico Alencar Afrânio Catani Vladimir Safatle Dennis Oliveira Paulo Martins Jorge Branco Marcelo Módolo Liszt Vieira Leonardo Boff Milton Pinheiro Ricardo Antunes Priscila Figueiredo Everaldo de Oliveira Andrade Denilson Cordeiro Armando Boito Atilio A. Boron Francisco de Oliveira Barros Júnior João Carlos Loebens José Micaelson Lacerda Morais Francisco Fernandes Ladeira Benicio Viero Schmidt Chico Whitaker Anderson Alves Esteves José Dirceu André Márcio Neves Soares Slavoj Žižek Marcus Ianoni Paulo Nogueira Batista Jr Claudio Katz Kátia Gerab Baggio Tarso Genro Osvaldo Coggiola Gilberto Lopes Paulo Capel Narvai Luiz Bernardo Pericás Thomas Piketty Dênis de Moraes Valerio Arcary Yuri Martins-Fontes Jorge Luiz Souto Maior Flávio R. Kothe Bruno Fabricio Alcebino da Silva Michel Goulart da Silva Andrés del Río Airton Paschoa Ronaldo Tadeu de Souza Michael Roberts Elias Jabbour Bernardo Ricupero Lucas Fiaschetti Estevez Ricardo Fabbrini Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Roberto Alves Samuel Kilsztajn Antonio Martins Paulo Fernandes Silveira Renato Dagnino Bruno Machado Salem Nasser Matheus Silveira de Souza Lincoln Secco Jean Marc Von Der Weid Ronald León Núñez Manuel Domingos Neto Eliziário Andrade Caio Bugiato Érico Andrade Leda Maria Paulani Ladislau Dowbor Leonardo Avritzer Marcelo Guimarães Lima Eugênio Bucci Luiz Renato Martins Alexandre de Lima Castro Tranjan Mário Maestri Vanderlei Tenório Heraldo Campos Luís Fernando Vitagliano Manchetômetro Eduardo Borges Luiz Werneck Vianna Walnice Nogueira Galvão Celso Favaretto Boaventura de Sousa Santos Carlos Tautz João Paulo Ayub Fonseca Paulo Sérgio Pinheiro João Lanari Bo Daniel Brazil Sergio Amadeu da Silveira Ari Marcelo Solon Gabriel Cohn Rodrigo de Faria

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada