As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Do partido único ao stalinismo

Wassily Kandinsky, White sound, 1908.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ISABEL LOUREIRO*

Nota de leitura sobre o livro recém-lançado de Angela Mendes de Almeida

“Cada crise engendra não só um novo futuro, mas um novo passado” (Chris Marker, O fundo do ar é vermelho).

Neste pesadelo em que a roda da história girou algumas décadas para trás, assistimos ao retorno do fascismo e ao revival midiático de seu irmão siamês, o stalinismo. Nas redes sociais pulula a defesa da Rússia, da Coreia do Norte, da China como países supostamente socialistas. E o mesmo acontece com a antiga URSS: os gulags e a violência contra os adversários políticos são justificados – vistos como mal menor na construção da “pátria socialista” contra o imperialismo norte-americano –, prova provada de que a ideia de aperfeiçoamento contínuo da humanidade não passa de ilusão.

É bem verdade que o desejo de retorno a uma mítica idade de ouro comunista que nunca existiu, por parte de uma parcela da juventude de esquerda que se autodenomina revolucionária, decorre do desespero ante a barbárie capitalista, acentuada com a pandemia de Covid-19, e também do desencanto com a tibieza da esquerda reformista e de suas políticas de gestão do capitalismo. Ao mesmo tempo existem tentativas sérias de jovens militantes de organizações marxista-leninistas de atualizar a política de Lenin, fazendo uma releitura das ideias de vanguarda revolucionária e de centralismo democrático, que, como sabemos, sempre foi mais centralista que democrático. Este livro, ao mostrar os impasses a que levou o autoritarismo comunista, é imprescindível para todos eles.

Quem busca refundar o comunismo – afinal em boa hora os commons voltaram ao vocabulário da esquerda – precisa revisitar a tradição de que é herdeiro e fazer um ajuste de contas honesto com a experiência comunista no século XX. Não por acaso o romance de Leonardo Padura, O homem que amava os cachorros, ao pontuar a falta de liberdade, a censura a quem pensa de modo diferente, a manipulação de toda uma geração que viveu no medo das represálias, fez tanto sucesso entre nós. A experiência da geração cubana a que pertence Padura teve seu pendant na França, onde os intelectuais sofreram de cegueira deliberada a respeito dos crimes de Stalin e só na década de 1970, com a publicação de Arquipélago Gulag, reconheceram que as denúncias dos dissidentes não eram obra do imperialismo norte-americano. No Brasil, a mesma coisa, onde somente pequenos círculos trotskistas e socialistas não foram coniventes com o stalinismo e questionavam o que se passava na URSS.

A força deste livro reside justamente no élan moral que anima a autora, resumido de maneira perfeita na epígrafe do livro, tirada de uma carta do militante comunista Pietro Tresso: “É impossível suportar em silêncio aquilo que fere os sentimentos mais profundos dos homens. Não podemos admitir como justos os atos que sentimos e sabemos serem injustos; não podemos dizer que o que é verdadeiro é falso e o que é falso é verdadeiro, sob o pretexto de que isso serve a uma ou a outra força presente”.

Angela se recusa a silenciar sobre as mentiras, os abusos, os assassinatos de trotskistas e stalinistas, vítimas de uma engrenagem que eles próprios ajudaram a criar. Quando parecia que tudo já havia sido dito sobre o assunto, a autora nos surpreende com esta minuciosa pesquisa histórica, enriquecida com o acesso à documentação posterior ao fim da União Soviética, a obras literárias, memórias etc. dando aos materiais coligidos um cunho muito pessoal que prende o leitor do começo ao fim.

Para dar conta da experiência autofágica do stalinismo ela percorre em filigrana episódios como a “idiotice suicida” (Hobsbawm) da tática comunista do “social-fascismo”; as diferenças entre frente única e frente popular; o papel vergonhoso dos comunistas na guerra civil espanhola; os processos de Moscou; o pacto entre Hitler e Stalin, entre muitos outros. Assim como Padura no seu thriller histórico-político, Angela também reconstrói a história da derrota do comunismo no século XX, pela qual ele mesmo é em grande parte responsável.

A longa trajetória de militância da autora desde a ditadura militar, primeiro em organizações trotskistas, depois no campo dos direitos humanos em defesa dos pobres, negros e moradores das periferias, faz desta uma obra empenhada em dar resposta aos questionamentos que ela mesma se fazia no seu processo de amadurecimento político. Mas, afinal, qual é a “tese” deste livro de título polêmico? Em busca das origens do autoritarismo stalinista, que nunca hesitou em recorrer aos mais sórdidos expedientes para eliminar seus supostos ou reais adversários, Angela retorna à divergência entre bolcheviques e luxemburguistas a respeito da concepção de partido político: de um lado, organização centralizada e hierarquizada de revolucionários profissionais, separados da massa dos trabalhadores, e que tem por função dirigi-los; de outro, partido democrático de massas, cuja vida depende da circulação sanguínea entre base e liderança.

Angela reconstrói a trajetória tumultuada dessas organizações, e também da socialdemocracia alemã, para concluir que o bolchevismo, ao “adotar o princípio de partido único […] funcionou como um certo tronco” de onde saíram as políticas repressivas do stalinismo. Unindo esse fio estrutural e o advento do fascismo, do nazismo e da Segunda Guerra Mundial, desembocamos na exacerbação das tendências autoritárias latentes no bolchevismo.

Em suma, apesar do rio sangue que os separa – eis a “tese” que Angela apresenta – não é possível negar a continuidade entre autoritarismo bolchevique e stalinista. É uma ideia polêmica, da qual discorda Michael Löwy, autor do Prefácio – disponível em https://aterraeredonda.com.br/do-partido-unico-ao-stalinismo/?doing_wp_cron=1628268867.7771430015563964843750. Segundo ele, o endurecimento dos bolcheviques teria sido “culpa” dos socialistas revolucionários de esquerda, que, discordando do acordo de Brest-Litovsk, deram início aos atentados terroristas. A resposta dos bolcheviques foi o sistema do partido único (julho de 1918) e o Terror vermelho (setembro de 1918).

Aqui vale a pena lembrar Rosa Luxemburgo. Ela, que conhecia bem os bolcheviques, rejeitou o Terror vermelho logo no começo da Revolução Russa. Opondo-se aos métodos de Feliks Djerzinski (militante da socialdemocracia do Reino da Polônia e Lituânia, o mesmo partido de Rosa), e o primeiro a chefiar a Tcheka, ela escreve: “Tenho medo (…) que Jósef [Djerzinski] se obstine [em acreditar] que, rastreando ‘conspirações’ e assassinando ‘conspiradores’ energicamente, se possam tapar os buracos econômicos e políticos. A ideia de Radek, p. ex., de ‘abater a burguesia’, ou apenas uma ameaça nesse sentido, é a maior idiotice; serve apenas para comprometer o soc[ialismo], nada mais”. (30 de setembro de 1918)

Por isso mesmo não me parece adequado recorrer unicamente a causas conjunturais ou históricas para explicar as origens do autoritarismo bolchevique, deixando de lado a ideia de partido-vanguarda. Embora Lenin tenha “flexibilizado” a concepção autoritária que aparece em O que fazer?  foi ela que acabou vingando no comunismo russo. Isso não significa que a história não representa nenhum papel e o livro de Angela Mendes de Almeida mostra muito bem como as circunstâncias históricas fortaleceram as tendências autoritárias existentes.

Lembremos outro revolucionário que também questionou a concepção de partido leninista, Mario Pedrosa. Segundo ele, um partido de revolucionários profissionais como o bolchevique, alicerçado no princípio da centralização, nunca se transformaria em partido de massas. O exemplo era o Partido Comunista Alemão. Este oscilou entre uma militância maior ou menor, mas nunca se tornou o partido dos trabalhadores alemães, como foi o SPD. O partido centralizado e militarizado, arquitetado por Lenin como instrumento de assalto ao poder para o caso específico da Rússia, acabou virando o modelo a ser imitado pelos PCs do mundo inteiro. E também se tornou modelo para os partidos fascistas. Em resumo, o partido-vanguarda leninista era o instrumento perfeito para os propósitos ditatoriais de Stalin. Acho difícil discordar deste diagnóstico.

Em suma, o livro de Angela Mendes de Almeida, ao reconstruir a história trágica do comunismo no século XX, é um libelo a favor do credo socialista democrático de Rosa Luxemburgo que, já no alvorecer da Revolução Russa, temia que a supressão das liberdades democráticas, do pluralismo de ideias e de organizações levaria à morte da revolução.

*Isabel Loureiro é professora aposentada do Departamento de Filosofia da Unesp e autora, entre outros livros, de A revolução alemã: 1918-1923 (Unesp).

Referência


Angela Mendes de Almeida. Do partido único ao stalinismo. São Paulo, Alameda, 2021, 516 págs.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Benicio Viero Schmidt Denilson Cordeiro Henry Burnett Paulo Martins Everaldo de Oliveira Andrade Gabriel Cohn Chico Whitaker Lincoln Secco Mário Maestri Flávio R. Kothe Jean Marc Von Der Weid Bruno Machado José Dirceu Rubens Pinto Lyra Marcelo Módolo Daniel Brazil Lucas Fiaschetti Estevez João Adolfo Hansen Henri Acselrad Afrânio Catani Jorge Branco Ladislau Dowbor Marilia Pacheco Fiorillo Plínio de Arruda Sampaio Jr. Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Roberto Alves Salem Nasser José Micaelson Lacerda Morais Manchetômetro Eleutério F. S. Prado Maria Rita Kehl Ronald León Núñez Kátia Gerab Baggio Juarez Guimarães José Costa Júnior Sergio Amadeu da Silveira Chico Alencar Francisco Pereira de Farias João Feres Júnior Caio Bugiato Tales Ab'Sáber André Singer Otaviano Helene João Sette Whitaker Ferreira Valério Arcary Carlos Tautz Samuel Kilsztajn Leonardo Avritzer Marcos Aurélio da Silva Anderson Alves Esteves Jorge Luiz Souto Maior Ronaldo Tadeu de Souza Celso Frederico Flávio Aguiar Eliziário Andrade Renato Dagnino Milton Pinheiro Vladimir Safatle Thomas Piketty Atilio A. Boron Elias Jabbour Manuel Domingos Neto Boaventura de Sousa Santos João Carlos Loebens Carla Teixeira Luiz Bernardo Pericás José Geraldo Couto André Márcio Neves Soares Heraldo Campos Daniel Afonso da Silva Luiz Marques Bruno Fabricio Alcebino da Silva Berenice Bento Liszt Vieira Fernão Pessoa Ramos Mariarosaria Fabris Ronald Rocha Marcos Silva Leonardo Boff Claudio Katz Bernardo Ricupero Luís Fernando Vitagliano Ricardo Antunes Paulo Nogueira Batista Jr Roberto Bueno Érico Andrade Leda Maria Paulani Annateresa Fabris Vanderlei Tenório Michael Löwy Ricardo Abramovay Alexandre Aragão de Albuquerque Andrew Korybko João Carlos Salles Antonino Infranca João Lanari Bo Gilberto Lopes Luiz Carlos Bresser-Pereira Remy José Fontana Luis Felipe Miguel Ari Marcelo Solon Igor Felippe Santos Fábio Konder Comparato Osvaldo Coggiola Alexandre de Freitas Barbosa Julian Rodrigues Anselm Jappe Jean Pierre Chauvin Luiz Eduardo Soares Michael Roberts Armando Boito Eugênio Trivinho Eduardo Borges João Paulo Ayub Fonseca Marjorie C. Marona Eleonora Albano Slavoj Žižek Francisco Fernandes Ladeira Ricardo Fabbrini Gerson Almeida Yuri Martins-Fontes Lorenzo Vitral José Raimundo Trindade Fernando Nogueira da Costa Luciano Nascimento Priscila Figueiredo Paulo Sérgio Pinheiro Vinício Carrilho Martinez Tadeu Valadares José Machado Moita Neto Celso Favaretto Roberto Noritomi Tarso Genro Paulo Fernandes Silveira Rafael R. Ioris Leonardo Sacramento Ricardo Musse Marilena Chauí Antonio Martins Rodrigo de Faria Airton Paschoa Marcus Ianoni Dênis de Moraes Gilberto Maringoni Paulo Capel Narvai Valerio Arcary Bento Prado Jr. Daniel Costa Luiz Renato Martins Dennis Oliveira Marcelo Guimarães Lima Luiz Werneck Vianna José Luís Fiori Alysson Leandro Mascaro Eugênio Bucci Walnice Nogueira Galvão Alexandre de Lima Castro Tranjan Sandra Bitencourt Antônio Sales Rios Neto Luiz Costa Lima

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada