A segurança alimentar em tempos de Pandemia

Imagem: Silvia Faustino Saes
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO KOURY MARTINS*

Garantir acesso à alimentação, em especial na Pandemia provocada pelo COVID19, deve ser considerado uma escolha política

Comer é um ato político, como nos ensina Carlo Petrini, porém não garantir acesso à alimentação, em especial na Pandemia provocada pelo COVID19 deve ser considerado uma escolha política. Apesar das iniciativas governamentais como a garantia de continuidade do auxílio emergencial em 2021, assim como a defesa das políticas de transferência de renda a partir de legislações estaduais e municipais, a luta contra a fome vem sendo uma das principais bandeiras nestes tempos.

Se considerarmos a política central como a fome sendo o auxílio emergencial, os dados apresentados pelo portal Dataprev nos traz um enorme alerta. O contingente de 107 milhões de beneficiários diretos tem como público em especial as mulheres, estas responsáveis pelo cadastro e no ano de 2021 aproximadamente 70% recebem o valor médio de 150 reais. No ano passado, o mesmo público tinha o destino de orçamento no valor de 1.200 e 600 reais, o qual foi reduzido pela metade. Neste ano, os desempregados entre 2020 e 2021, não terão acesso ao programa, tendo muitas das vezes como único acesso as cestas básicas que garantem alimentos em maioria industrializados.

A miséria ronda a sociedade brasileira, em especial aos mais pobres. Esta grande preocupação nacional é acompanhada com o lema: vacina no braço a comida no prato, não pode deixar de ser dita! Não é possível um país que alimenta o mundo e tem um dos mais importantes sistemas de saúde ter pessoas se equilibrando nos ônibus entre o COVID e a Fome.

Porém, a saída nesta pandemia de forma emergencial se apresenta a partir de ações governamentais de uma forma delicada. As arrecadações de alimentos e a estratégia de doação de cestas básicas de alimentos e higiene são uma resposta importante, mas precarizada, pois não considera a realidade de longo prazo. Se coloca para a sociedade civil uma responsabilidade que é também estatal.

É na pandemia que a fome, realidade anterior à calamidade, se configura na vida dos mais pobres. E como garantir uma Segurança Alimentar e Nutricional a partir do Estado? Na atualidade, o baixo orçamento destinado para as outras dimensões da vida preocupa o futuro do país. A desproteção da população inicia desde a EC 95 e amplia a precariedade da política de Assistência Social, de Saúde, de Agricultura Familiar, de Geração de Emprego e Renda e de Educação.

Políticas Públicas devem ser uma resposta integrada no combate a pobreza e a fome. Além de que a Segurança Alimentar e Nutricional, como preconiza a Lei Federal 11.346/2006. A SAN, como é carinhosamente chamada pelos movimentos sociais só existe se o seu caráter intersetorial for motivado, assim como o respeito a Democracia e a Participação Política, em tempos, que o atual governo extingue o principal instrumento democrático que debate alimentação e nutrição no país: o CONSEA.

O mês de junho, traz a simbologia do Dia Mundial da Segurança Alimentar. O Brasil, foi durante décadas exemplo de enfrentamento à fome, tendo a saída de milhões de famílias da linha da pobreza extrema. Essa trajetória foi construída através da luta pela efetivação do direito em SAN. Não podemos deixar no campo do passado aquilo que mais nos importa, a vida.

Lutar pela garantia de acesso a alimentos e que estes sejam produzidos de base agroecológica e que sejam nutricionalmente adequados à população não deve deixar de estar em nossos horizontes. Toda produção científica que apresenta esta realidade como o Inquérito da Insegurança Alimentar, todo apoio aos movimentos camponeses e das cidades e toda oportunidade de trazer o direito à vida no dia a dia das nossas conversas é parte da resistência coletiva que nos marca enquanto povo brasileiro, classe que luta, resiste e sonha, mesmo em tempos turvos como o de agora.

*Leonardo Koury Martins é Professor Assistente Social. Atua na Frente Brasil Popular e no Conselheiro Regional de Serviço Social de Minas Gerais

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Gilberto Maringoni André Singer José Luís Fiori Thomas Piketty Dênis de Moraes Leda Maria Paulani Luiz Bernardo Pericás Yuri Martins-Fontes João Adolfo Hansen Luiz Renato Martins Daniel Costa Ronaldo Tadeu de Souza Lorenzo Vitral Matheus Silveira de Souza André Márcio Neves Soares Marcelo Módolo João Lanari Bo Remy José Fontana Alexandre de Freitas Barbosa Leonardo Sacramento Eugênio Trivinho Julian Rodrigues Érico Andrade Caio Bugiato Anselm Jappe Paulo Fernandes Silveira Claudio Katz Samuel Kilsztajn Paulo Sérgio Pinheiro Mariarosaria Fabris João Paulo Ayub Fonseca Alysson Leandro Mascaro Paulo Martins João Feres Júnior Celso Frederico Eleutério F. S. Prado Heraldo Campos João Sette Whitaker Ferreira Marcos Aurélio da Silva Daniel Afonso da Silva Boaventura de Sousa Santos Marilena Chauí Lucas Fiaschetti Estevez Henri Acselrad José Dirceu Valerio Arcary José Costa Júnior Walnice Nogueira Galvão Ladislau Dowbor José Machado Moita Neto Michael Roberts Juarez Guimarães Marcus Ianoni Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luciano Nascimento Rodrigo de Faria Francisco Fernandes Ladeira Bento Prado Jr. Ronald León Núñez Ronald Rocha Plínio de Arruda Sampaio Jr. Andrés del Río Luiz Marques Michel Goulart da Silva Ari Marcelo Solon Eliziário Andrade Airton Paschoa João Carlos Salles Celso Favaretto Kátia Gerab Baggio Tadeu Valadares Rubens Pinto Lyra Chico Whitaker Mário Maestri Everaldo de Oliveira Andrade Marcelo Guimarães Lima Antônio Sales Rios Neto Milton Pinheiro Fernando Nogueira da Costa Benicio Viero Schmidt Henry Burnett Jorge Branco Alexandre de Lima Castro Tranjan José Geraldo Couto Antonio Martins Valerio Arcary Flávio R. Kothe Jorge Luiz Souto Maior Luiz Roberto Alves Liszt Vieira Rafael R. Ioris Fábio Konder Comparato Tales Ab'Sáber Flávio Aguiar Sergio Amadeu da Silveira Fernão Pessoa Ramos Slavoj Žižek Osvaldo Coggiola Vladimir Safatle Paulo Capel Narvai Luis Felipe Miguel Carla Teixeira Manchetômetro Eduardo Borges Otaviano Helene Francisco de Oliveira Barros Júnior Igor Felippe Santos Afrânio Catani Leonardo Avritzer Carlos Tautz Michael Löwy Maria Rita Kehl Bernardo Ricupero Tarso Genro Jean Marc Von Der Weid Denilson Cordeiro Eugênio Bucci Eleonora Albano Luiz Werneck Vianna Alexandre Aragão de Albuquerque Armando Boito João Carlos Loebens Gilberto Lopes José Micaelson Lacerda Morais Manuel Domingos Neto Andrew Korybko Priscila Figueiredo Ricardo Fabbrini Ricardo Antunes Lincoln Secco Leonardo Boff Ricardo Abramovay Jean Pierre Chauvin Marcos Silva Luís Fernando Vitagliano Luiz Eduardo Soares Chico Alencar Sandra Bitencourt Atilio A. Boron Dennis Oliveira Vanderlei Tenório Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Carlos Bresser-Pereira Antonino Infranca José Raimundo Trindade Marilia Pacheco Fiorillo Gerson Almeida Renato Dagnino Annateresa Fabris Daniel Brazil Francisco Pereira de Farias Bruno Machado Berenice Bento Elias Jabbour Salem Nasser Gabriel Cohn Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Marjorie C. Marona Vinício Carrilho Martinez Ricardo Musse

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada