Dom Paulo Arns, 100 anos

Imagem: Adrien Olichon
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ELIÉZER RIZZO DE OLIVEIRA*

O arcebispo elegeu os direitos humanos como fundamento da sua atuação

É muito impressionante, emocionante mesmo, a autobiografia de D. Paulo Evaristo Arns, Da esperança à utopia. Testemunho de uma vida (Rio de Janeiro: Sextante, 2001), depoimento histórico sobre o Brasil posterior à II Guerra Mundial, essencialmente sobre o pós-64.

Prevalece o tom coloquial num estilo tranquilo, mesmo quando os temas e situações não o são. O autor fala de si, dos pais e irmãos, dos imigrantes alemães, da influência da Igreja em sua formação, da sua trajetória de seminarista a Cardeal Arcebispo de São Paulo. Revela-se o político sagaz, o estrategista que reorganizou a Igreja paulistana, o prelado que enfrentou a ditadura com clara e precisa dimensão da sua autoridade (daí apresentar-se com as vestes eclesiais sempre que esta condição era determinante, como nas visitas aos presos políticos), mas também a sua refinada diplomacia. D. Paulo faz desfilar o povo, o pobre, o excluído; os padres e freiras, os poderosos da Igreja e do Estado, civis e militares sobre os quais D. Paulo terá sempre uma palavra de avaliação ou reconhecimento.

Por esta razão, é uma pena que esta obra magnífica não contenha índice de nomes, ou que o próprio autor os tenha omitido, em diversas ocasiões, quando eram essenciais para o entendimento da narrativa.

Sob a ótica da Igreja, o operariado se transforma em sujeito político no contexto das pastorais operárias, dos grupos de reflexão, da leitura da Bíblia, das atividades litúrgicas e das comunidades de base. Não apenas o trabalhador de fábricas, mas o pobre, o desempregado, o imigrante. Ou seja, o povo de Deus em relação ao qual a utopia nega tanto o capitalismo quanto o comunismo, por excluírem o homem do centro de seus sistemas econômicos e de poder. Já a esperança se orienta pelas encíclicas do papa João XXIII.

D. Paulo, que não trabalhou sozinho, compartilha com muitas pessoas o seu labor. Dentre eles o teólogo Frei Gorgulho, dominicano. Soube valorizar o pároco, promover o leigo, incentivar a mulher, acolher o estudante. Foi muito criticado pelo Vaticano, sob o poder supremo de João Paulo II, porque não impediu, ao contrário, autorizou a publicação de obras da Teologia da Libertação que ganharam o Brasil e a América Latina. Como não publicá-las se eram aprovadas previamente por rigorosas comissões de especialistas? Como abafar o sopro do Espírito, ainda que o encantamento desta teologia com o marxismo ferisse de morte as autoridades civis e militares da ditadura, empenhadas numa guerra frontal contra o comunismo?

Fecundado pelo Vaticano II, o movimento ecumênico de São Paulo enraizou-se na política, no social, na religiosidade católica e no diálogo inter-cristão (vejam-se as referências gratas ao pastor pentecostal Manoel de Mello e ao rev. Philip Porter, do Conselho Mundial de Igrejas) e com outras religiões também, especialmente com o judaísmo, berço do cristianismo. Por esta razão, o pastor presbiteriano Jaime Wright, morto recentemente, aparece com tanto destaque: por ser tão próximo de D. Paulo, era conhecido como “bispo auxiliar”.

D. Paulo viveu sob a mira da truculência militar, mas resistiu com a não-violência. No dia 13 de dezembro de 1968, o autoritarismo impôs-se ao país através do Ato Institucional nº 5: a tortura tornou-se símbolo e sina dos que combatiam a ditadura, ainda que por vias pacíficas. A ditadura impôs-se também ao aparelho militar, constrangendo e controlando militares dignos que não compartilharam da violência ilegal e inominável contra presos políticos, como é o caso do brigadeiro Eduardo Gomes, que reconhecia D. Paulo como seu bispo.

Por vezes, tive dificuldade para identificar o teólogo, pois o quadro político e eclesiástico aparece com muita força e destaque. Mas o teólogo está lá, em ideias simples como o Evangelho. Sobre o incrédulo: “Durante meus estudos na Sorbonne havia encontrado pessoas excelentes e que confessavam não terem fé num Deus que influi na História. Eu me perguntava onde buscavam apoio para tanta persistência na bondade e solidariedade”. E sobre o necessitado: “Nunca perguntei pela cor política ou ideológica de uma pessoa. Só me interessou saber se a imagem de Deus estava sendo respeitada e se eu podia prestar-lhe algum auxílio em horas de solidão e de perseguição. O Deus da Justiça é o mesmo Deus do Amor”.

A todos a Cúria acolhia. Nos sangrentos anos 70, quando uma pessoa caía nas mãos da repressão, era a D. Paulo que se recorria, pois ele tinha contatos na área militar que também rejeitavam a tortura. Muitas pessoas foram salvas deste modo.

Daí a importância do seu depoimento afetivo e emocionado sobre Golbery do Couto e Silva, militar e intelectual, ministro do governo Geisel e interlocutor frequente do arcebispo. D. Paulo reconhece a “ação generosa do general Golbery do Couto e Silva, que se tornou meu amigo e resolveu diversos casos que poderiam ter provocado reação nacional e até internacional. Tanto ele quanto eu achávamos que o diálogo é a arma mais eficiente para todas as situações críticas e mesmo para aquelas que parecem insolúveis”. O prelado dos direitos humanos faz justiça a este quadro do regime militar que operou a transição política: “era homem muito inteligente, informado e curioso, com uma conversa informal agradabilíssima. O que era novo para mim é que ele procurava interlocutores na Igreja, que ele considerava mais bem informada que o próprio SNI (…) Golbery logo se revelou totalmente contrário às torturas e chegou a contar pormenores de casos horripilantes (…) Confessava abertamente que aceitava nossa luta contra a tortura e as prisões arbitrárias”.

O arcebispo que levou dezenas de pessoas até Golbery, em busca de seus queridos, teve no militar um parceiro “que também ajudou a preparar um final menos desastroso do que temíamos para a terrível ditadura que sofremos”.

D. Paulo elegeu os direitos humanos como fundamentos da sua atuação, através da Comissão de Justiça e Paz e de pastorais específicas, com forte sensibilidade para a classe média. É possível que alguns leitores e leitoras tenham participado do lançamento desta Comissão de nossa cidade, no dia 25.08.77, na Catedral, quando, numa cerimônia singela e emocionante, D. Paulo afirmou que “vivemos numa época de medo, mas precisamos declarar bem alto que o cristão não tem direito a ter medo”.

Como se vê, foi muito corajoso este homem de Deus. A reação contra os assassinatos de Wladimir Herzog e Manoel Fiel Filho, na prisão, encontrou D. Paulo à frente da sociedade civil, contribuindo para o fim do regime militar. Pois, para este apóstolo, “o pastor não abandona o seu rebanho quando há uma ameaça”.

*Eliézer Rizzo de Oliveira é professor titular aposentado de ciência política na Unicamp.

Publicado originalmente no jornal Correio Popular, em 28 de novembro de 2001.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Costa Júnior Bernardo Ricupero Paulo Nogueira Batista Jr Daniel Brazil Chico Whitaker Chico Alencar Berenice Bento Renato Dagnino Jean Pierre Chauvin Ricardo Abramovay Ladislau Dowbor Leonardo Avritzer Michael Löwy Rodrigo de Faria Dennis Oliveira Rubens Pinto Lyra Boaventura de Sousa Santos Osvaldo Coggiola Yuri Martins-Fontes Francisco Fernandes Ladeira Marilia Pacheco Fiorillo João Lanari Bo Denilson Cordeiro Luiz Carlos Bresser-Pereira Vanderlei Tenório Annateresa Fabris Eliziário Andrade Michel Goulart da Silva Carlos Tautz José Geraldo Couto Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Marilena Chauí Francisco Pereira de Farias Juarez Guimarães Gilberto Lopes Jorge Branco Liszt Vieira Ronaldo Tadeu de Souza Eugênio Bucci João Paulo Ayub Fonseca Daniel Costa Benicio Viero Schmidt Ricardo Musse Ronald Rocha Henri Acselrad Celso Frederico José Luís Fiori Manchetômetro Ricardo Antunes José Dirceu Tales Ab'Sáber Luiz Roberto Alves Luciano Nascimento Paulo Martins Marcos Aurélio da Silva Atilio A. Boron Daniel Afonso da Silva Luis Felipe Miguel Alexandre de Freitas Barbosa Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marcelo Guimarães Lima Vinício Carrilho Martinez Alexandre Aragão de Albuquerque Marcus Ianoni José Machado Moita Neto Everaldo de Oliveira Andrade Michael Roberts Dênis de Moraes Plínio de Arruda Sampaio Jr. Francisco de Oliveira Barros Júnior Paulo Sérgio Pinheiro Airton Paschoa Salem Nasser José Micaelson Lacerda Morais Matheus Silveira de Souza Maria Rita Kehl Armando Boito Igor Felippe Santos Luiz Werneck Vianna André Márcio Neves Soares Thomas Piketty Alexandre de Lima Castro Tranjan Afrânio Catani Marcos Silva Gilberto Maringoni Érico Andrade Eduardo Borges José Raimundo Trindade Fábio Konder Comparato João Sette Whitaker Ferreira Lincoln Secco Sergio Amadeu da Silveira Elias Jabbour Andrew Korybko Eleutério F. S. Prado Luiz Bernardo Pericás Luiz Marques Manuel Domingos Neto Luiz Renato Martins Antônio Sales Rios Neto Celso Favaretto Kátia Gerab Baggio Heraldo Campos Valerio Arcary Vladimir Safatle João Adolfo Hansen Carla Teixeira Fernão Pessoa Ramos Leonardo Boff João Carlos Loebens Sandra Bitencourt Jorge Luiz Souto Maior Luiz Eduardo Soares Mariarosaria Fabris Marcelo Módolo Priscila Figueiredo Anselm Jappe Claudio Katz Ari Marcelo Solon Walnice Nogueira Galvão Bruno Machado Fernando Nogueira da Costa Leonardo Sacramento João Carlos Salles Eleonora Albano Flávio R. Kothe Tadeu Valadares Milton Pinheiro Gerson Almeida Gabriel Cohn Alysson Leandro Mascaro Luís Fernando Vitagliano Caio Bugiato Paulo Fernandes Silveira Antonio Martins Jean Marc Von Der Weid Marjorie C. Marona Antonino Infranca Valerio Arcary Ricardo Fabbrini Otaviano Helene Eugênio Trivinho Remy José Fontana Rafael R. Ioris Slavoj Žižek Bento Prado Jr. Ronald León Núñez Henry Burnett Lorenzo Vitral Paulo Capel Narvai Julian Rodrigues Lucas Fiaschetti Estevez João Feres Júnior Mário Maestri Andrés del Río Flávio Aguiar Tarso Genro Samuel Kilsztajn André Singer Leda Maria Paulani

NOVAS PUBLICAÇÕES