O que restou de Demétrio Magnoli?

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PEDRO BENEDITO MACIEL NETO*

Magnoli, antigo militante petista e da Libelu, tornou-se porta-voz do mercado financeiro, apenas mais um detrito com titulação acadêmica respeitável

Tenho muita saudade do movimento estudantil, de tudo quanto vivi e com aqueles com quem convivi fraternamente.

Quando cheguei à Faculdade de Direito em 1982, o companheiro Eduardo Surian Matias e eu éramos os dois únicos militantes do Partido dos Trabalhadores, a partir do ano seguinte outros se apresentaram ao movimento estudantil.

Convivíamos com os militantes do PCdoB Ana Angélica Marinho, José Antônio Lemos, Caio Carneiro Campos, Miguel Valente Neto e outros tantos, o PcdoB era forte e organizado; personalidades como Aldo Rebelo e Sergio Benassi estavam sempre no Pateo dos Leões na PUCC central; haviam os democratas de esquerda como Nilson Roberto Lucilio, o meu querido amigo João Antônio Faccioli, Claudio Pedrassi, hoje desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo; os democratas de centro do PMDB também estavam por lá; todo esse pessoal, tendo o Caio como candidato a presidente do Diretório Acadêmico, uniu-se e venceu eleições para  entidade naquele ano.

Me penitencio por não citar todos os nomes, mas, creiam, esse grupo de meninos e meninas ao lado de outros democratas, retirou a faculdade e depois a universidade, da lógica obsoleta, antiquada, conservadora, embolorada e completamente desconectada daquilo que o país vivia: o fim da ditadura e os novos aromas que a brisa alentadora da democracia trazia.

Aquele 1982 foi, para mim – um menino de dezoito anos, periférico, que trabalhava durante o dia e frequentava a faculdade à noite -, um ano mágico: as eleições para governador, prefeito, vereadores, deputados e senadores movimentou nossa militância, nossos corações e reforçou a certeza de que a nossa militância tinha de fato enorme significado e poderia mudar o mundo (a única nota negativa foi a derrota da seleção brasileira de futebol na Espanha, nem a derrota do Lula e do Jacó doeu tanto).

Dentre os vários encontros e congressos, sejam acadêmicos ou ligados ao movimento estudantil, o congresso da UNE em Piracicaba foi transformador, mesmo tendo a Libelu sido derrotada pelo PCdoB que elegeu a baiana Clara Araújo, a primeira presidente mulher da entidade.

Naquele ano me aproximei da Liberdade e Luta, a Libelu (vendi muito jornal “O Trabalho”).

A Libelu, uma tendência do movimento estudantil, ligada ao trotskismo e à Organização Socialista Internacionalista, foi a primeira tendência política a defender a palavra de ordem “Abaixo a Ditadura” publicamente; participou ativamente da reconstrução da UNE, da UBES (ainda secundarista eu estive no congresso que trouxe a UBES de volta em 1981 em Curitiba; foi o Gualter, professor de física, que pagou a passagem de ônibus até lá).

A Libelu abrigava quadros espetaculares e que tornaram-se personalidades nacionais, posso citar os que conheci pessoalmente: Luiz Gushiken; Marcos Sokol, de quem Jacó Bittar sempre fala com enorme respeito; Antônio Palocci (que tornou-se um canalha “batizado”); Zé Américo; Cleusa Turra; Paulo Moreira Leite; Caio Tulio Costa; Matinas Suzuki; Mario Sergio Conti; Reinaldo Azevedo; Josimar Melo, em quem votei para deputado em 1982; José Arbex; Glauco Arbex; Celso Marcondes, que era o nosso líder em Campinas, ele foi vereador na cidade e diretor de África no Instituto Lula e, pasmem Demétrio Magnoli.

Sim, Demétrio Magnoli, o mesmo que ontem ouvi criticando duramente o programa de reindustrialização (“Nova Indústria Brasil”) apresentado por Lula e Alckmin, uma tristeza. Ele, antigo companheiro petista e da Libelu, tornou-se porta-voz do mercado financeiro, apenas mais um detrito com titulação acadêmica respeitável.

Enquanto a CNI – Confederação Nacional da Indústria – comemora a “Nova Indústria Brasil” e a destaca como um passo positivo em direção à reindustrialização do país, a “faria lima” e seus vassalos, dentre ele o Demétrio, a criticam.

O programa federal destinará 300 bilhões de reais para financiamentos até 2026, com R$ 194 bilhões adicionais redirecionados para dar suporte às prioridades da Nova Indústria Brasil, tudo alinhado com o Plano de Retomada da Indústria proposto pela CNI no ano passado, que leva em conta áreas como agroindústria, saúde, infraestrutura, transformação digital, bioeconomia, e tecnologias de interesse nacional.

Ouvir opiniões como a do ex-companheiro Demétrio Magnoli é indignante, pois ele não é ignorante ou desinformado, trata-se de mau-caratismo em estado puro; ele sabe que sem o cumprimento do disposto no artigo 174 da constituição da república não há desenvolvimento, foi assim em toda história do país e no mundo, desde as grandes navegações.

Demétrio sabe que a industrialização do Brasil é considerada um processo tardio, uma vez que teve início um século depois do surgimento das primeiras indústrias na Europa. As primeiras manufaturas foram abertas no território nacional durante o século XIX, mas foi somente a partir da década de 1930 que o processo ganhou força, graças aos investimentos do Estado e da participação do capital privado nacional e internacional.

Gostaria de perguntar ao Demétrio: não sobrou nada daquele “garoto que ia salvar o mundo”?

Essas são as reflexões.

*Pedro Benedito Maciel Neto é advogado e mestre em processo civil pela PUC SP. Autor de Reflexões sobre o estudo do direito (Komedi).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Alexandre de Lima Castro Tranjan Paulo Capel Narvai Marcelo Módolo Luís Fernando Vitagliano Rodrigo de Faria Leonardo Avritzer Tales Ab'Sáber Ronald Rocha Lucas Fiaschetti Estevez Antonino Infranca Marjorie C. Marona Paulo Martins Juarez Guimarães Vladimir Safatle José Micaelson Lacerda Morais Daniel Brazil Atilio A. Boron João Adolfo Hansen Tadeu Valadares Annateresa Fabris Daniel Afonso da Silva Ricardo Fabbrini Plínio de Arruda Sampaio Jr. Paulo Fernandes Silveira João Sette Whitaker Ferreira Manuel Domingos Neto Alexandre Aragão de Albuquerque Vinício Carrilho Martinez Boaventura de Sousa Santos Luiz Eduardo Soares Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Werneck Vianna Flávio R. Kothe Chico Alencar João Lanari Bo Paulo Sérgio Pinheiro Andrew Korybko Eugênio Trivinho Bruno Machado Jean Pierre Chauvin Sandra Bitencourt Jorge Branco Chico Whitaker Jean Marc Von Der Weid João Carlos Loebens Marcos Silva Airton Paschoa Celso Frederico Carla Teixeira Luiz Marques Rubens Pinto Lyra Bento Prado Jr. Berenice Bento José Geraldo Couto Walnice Nogueira Galvão Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Roberto Alves Ari Marcelo Solon Igor Felippe Santos Leonardo Sacramento Thomas Piketty Gerson Almeida Ricardo Musse Flávio Aguiar Ladislau Dowbor Fábio Konder Comparato Carlos Tautz Samuel Kilsztajn Celso Favaretto Maria Rita Kehl Slavoj Žižek José Luís Fiori João Carlos Salles Renato Dagnino Remy José Fontana Caio Bugiato Rafael R. Ioris Mário Maestri Anderson Alves Esteves Benicio Viero Schmidt Luiz Bernardo Pericás Valerio Arcary Salem Nasser Antônio Sales Rios Neto Dennis Oliveira Marcelo Guimarães Lima Ronald León Núñez Kátia Gerab Baggio Dênis de Moraes Tarso Genro Gilberto Lopes Daniel Costa Claudio Katz João Paulo Ayub Fonseca Luciano Nascimento Henri Acselrad Eleutério F. S. Prado Ricardo Abramovay Liszt Vieira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Heraldo Campos Bernardo Ricupero Eduardo Borges Jorge Luiz Souto Maior José Raimundo Trindade Sergio Amadeu da Silveira Eliziário Andrade Manchetômetro Alysson Leandro Mascaro Andrés del Río Mariarosaria Fabris Gabriel Cohn Érico Andrade Vanderlei Tenório Eleonora Albano Lorenzo Vitral André Singer Elias Jabbour Otaviano Helene Ricardo Antunes André Márcio Neves Soares Marcus Ianoni Francisco Fernandes Ladeira Antonio Martins Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Carlos Bresser-Pereira Francisco Pereira de Farias Gilberto Maringoni Michael Löwy José Machado Moita Neto Luis Felipe Miguel Priscila Figueiredo Anselm Jappe Fernando Nogueira da Costa Marilena Chauí Lincoln Secco José Dirceu Osvaldo Coggiola Luiz Renato Martins Yuri Martins-Fontes Michel Goulart da Silva José Costa Júnior Fernão Pessoa Ramos Everaldo de Oliveira Andrade Leda Maria Paulani Julian Rodrigues Marcos Aurélio da Silva João Feres Júnior Henry Burnett Armando Boito Michael Roberts Valerio Arcary Afrânio Catani Eugênio Bucci Denilson Cordeiro Matheus Silveira de Souza Milton Pinheiro Marilia Pacheco Fiorillo Francisco de Oliveira Barros Júnior Leonardo Boff

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada