As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Duas boas notícias

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CHICO ALENCAR*

O silêncio ensurdecedor da imprensa brasileira diante da perseguição a Julian Assange é impressionante

A semana passada não trouxe apenas uma nota digna do presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o vice-almirante Antônio Barra Torres, desafiando o presidente Jair Bolsonaro a comprovar as acusações que andou fazendo ao órgão.

Houve outra boa notícia, aliás, duas, em meio a uma porção de acontecimentos ruins: na segunda-feira passada, dia 3 de janeiro, a Justiça do Reino Unido resolveu não extraditar Julian Assange para os Estados Unidos. Ato contínuo, o governo do México veio a público para oferecer asilo político ao jornalista australiano criador do Wikileaks, o que foi anunciado numa entrevista coletiva do presidente Lopez Obrador.

Há dez anos Assange está fora de circulação. Primeiro, refugiado na embaixada do Equador em Londres desde 2012. Depois, de 2019 até agora, encarcerado numa prisão britânica. Isso tudo, devido às pressões do governo norte-americano. Se fosse extraditado para os Estados Unidos, o jornalista poderia ser condenado a penas que, somadas, alcançariam 175 anos de prisão – ou seja, ficaria em prisão perpétua.

Parece absurdo. E é.

A decisão anunciada pelo presidente mexicano vai ao encontro da antiga tradição de seu país de dar asilo a perseguidos políticos. Já depois da Guerra Civil Espanhola (1936-1939), que produziu mais de 200 mil refugiados políticos, devido às perseguições que os francofascistas promoveram em larga escala contra apoiadores da República, o México foi um dos principais destinos dos atingidos. O próprio Leon Trotski, um dos líderes da Revolução Russa de 1917, estava asilado naquele país quando, em 1940, foi assassinado por um agente da polícia política de Josef Stalin.

Posteriormente, durante a ditadura do Estado Novo no Brasil (1937-1945), quando morreu a mãe de Luís Carlos Prestes, Leocádia, que estava exilada no México, o presidente Lázaro Cardenas deu demonstrações de solidariedade ao líder comunista. Pediu à Justiça brasileira que autorizasse Prestes, na ocasião preso, a viajar àquele país para o funeral da mãe. Cárdenas chegou a se oferecer para vir ao Brasil e permanecer na prisão durante o período em que Prestes sepultava a mãe, como garantia de que este não aproveitaria a viagem para fugir. Este ato foi da maior significação, ainda mais partindo de um presidente da República.

Agora, o oferecimento de asilo a Assange nada mais é do que a reafirmação de uma antiga e linda tradição do México.

Mas, afinal, que crime tenebroso terá cometido o jornalista australiano para ser alvo de tamanho ódio?

Ora, ele simplesmente tornou públicas, na internet, ações criminosas do governo norte-americano, inclusive deflagrando guerras sem autorização do Congresso e assassinando civis em grande número. Será a divulgação disso, por acaso, algum crime?

Mas o episódio Assange nos dá oportunidade para refletir sobre outros dois pontos, muito importantes. O primeiro é o comportamento imperial dos Estados Unidos. Se a divulgação fora dos Estados Unidos de documentos que comprovaram crimes incomodou Washington, isso não é um problema da imprensa. O papel de Assange, como jornalista, era mesmo difundir aquelas informações, que eram de interesse público e foram devidamente confirmadas.

O fato de algum burocrata ter estampado o carimbo de “top secret” num documento não obriga a que quem não é funcionário do governo norte-americano guarde sigilo em relação a ele. Assange fez o que faria qualquer jornalista comprometido com a verdade dos fatos, com a democracia, com os direitos humanos e com a ética de sua profissão: difundiu os documentos. Aliás, qualquer cidadão comprometido com esses valores de importância universal, independentemente de sua profissão, deveria tomar a mesma atitude.

O segundo ponto a ser lembrado é o silêncio ensurdecedor da imprensa brasileira diante do episódio. A perseguição a Assange tem repercussão mundial e é uma tentativa de restringir a democratização da informação – bandeira essencial em qualquer sociedade civilizada.

Mas em nosso país não se viu uma só palavra sobre o assunto na grande imprensa.

É uma pena que a mídia brasileira tenha tentado escondê-la. Isso tira a sua autoridade quando tratar de qualquer outro assunto relacionado à liberdade de expressão, tema tão relevante numa democracia.

Ainda assim, há motivos para festejar: a democracia e os direitos humanos ganham muito com a libertação de Assange, que parece estar próxima.

Viva Assange, um profissional da boa informação e da democracia.

*Chico Alencar é professor de história, escritor e vereador na Câmara Municipal do Rio de Janeiro.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Henri Acselrad Luiz Carlos Bresser-Pereira Juarez Guimarães Michael Roberts Ricardo Fabbrini Paulo Sérgio Pinheiro Daniel Afonso da Silva Fernão Pessoa Ramos Francisco de Oliveira Barros Júnior Atilio A. Boron Sandra Bitencourt Valerio Arcary Anselm Jappe Luís Fernando Vitagliano Bernardo Ricupero João Paulo Ayub Fonseca Leonardo Sacramento Dênis de Moraes Dennis Oliveira João Carlos Loebens Jorge Luiz Souto Maior Ladislau Dowbor Andrew Korybko Luiz Eduardo Soares Paulo Martins Francisco Fernandes Ladeira Gilberto Maringoni Berenice Bento Walnice Nogueira Galvão Tadeu Valadares Marcus Ianoni Ricardo Abramovay Gilberto Lopes Mário Maestri Anderson Alves Esteves Fernando Nogueira da Costa Plínio de Arruda Sampaio Jr. Salem Nasser Claudio Katz Marilia Pacheco Fiorillo José Geraldo Couto André Márcio Neves Soares Eugênio Trivinho Renato Dagnino Antonino Infranca Daniel Brazil Chico Whitaker Érico Andrade Slavoj Žižek Igor Felippe Santos Chico Alencar Leonardo Boff João Sette Whitaker Ferreira Boaventura de Sousa Santos Ricardo Antunes Leonardo Avritzer José Luís Fiori Manchetômetro Fábio Konder Comparato Tales Ab'Sáber Rodrigo de Faria Lorenzo Vitral Mariarosaria Fabris Afrânio Catani Vinício Carrilho Martinez João Lanari Bo Kátia Gerab Baggio André Singer Luiz Costa Lima Alysson Leandro Mascaro Gerson Almeida Marilena Chauí Eduardo Borges Everaldo de Oliveira Andrade Antônio Sales Rios Neto Luiz Renato Martins Eugênio Bucci Bento Prado Jr. Ronaldo Tadeu de Souza Eliziário Andrade Ronald León Núñez Alexandre Aragão de Albuquerque João Carlos Salles Bruno Fabricio Alcebino da Silva Francisco Pereira de Farias Gabriel Cohn Priscila Figueiredo Heraldo Campos Denilson Cordeiro Liszt Vieira Elias Jabbour Marcelo Guimarães Lima Valério Arcary Julian Rodrigues Flávio R. Kothe Thomas Piketty Tarso Genro Milton Pinheiro Maria Rita Kehl Rafael R. Ioris José Dirceu José Micaelson Lacerda Morais Roberto Noritomi Eleonora Albano Ronald Rocha Carla Teixeira Alexandre de Freitas Barbosa Paulo Fernandes Silveira Daniel Costa Michael Löwy Celso Favaretto Leda Maria Paulani Vladimir Safatle Samuel Kilsztajn Airton Paschoa Roberto Bueno Eleutério F. S. Prado Celso Frederico João Feres Júnior Remy José Fontana Osvaldo Coggiola Rubens Pinto Lyra Luciano Nascimento José Machado Moita Neto Luiz Werneck Vianna Manuel Domingos Neto Jean Marc Von Der Weid Jean Pierre Chauvin Lincoln Secco Bruno Machado Paulo Capel Narvai Carlos Tautz Luis Felipe Miguel Lucas Fiaschetti Estevez Otaviano Helene Yuri Martins-Fontes Caio Bugiato Marjorie C. Marona Luiz Marques Vanderlei Tenório Flávio Aguiar Henry Burnett Luiz Roberto Alves Luiz Bernardo Pericás José Costa Júnior Marcelo Módolo Marcos Silva Ari Marcelo Solon Antonio Martins João Adolfo Hansen Annateresa Fabris Alexandre de Lima Castro Tranjan Jorge Branco Benicio Viero Schmidt José Raimundo Trindade Paulo Nogueira Batista Jr Sergio Amadeu da Silveira Ricardo Musse Marcos Aurélio da Silva Armando Boito

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada