As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Jack Cade – um fascista precursor

LEDA CATUNDA, Mundo Macio, 2007, acrílica s/ tela e voile, 187x290cm.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por WALNICE NOGUEIRA GALVÃO*

Notas sobre saga da realeza britânica, segundo Shakespeare

Líder político que mesmeriza as massas e as conduz ao desastre – para os outros e para elas próprias, como Hitler, o Führer – chamava-se na Antiguidade demagogo, ou “condutor do povo”. Só que a palavra foi perdendo o sentido próprio e se enfraquecendo.

Não dispomos de um bom sinônimo em português, mas em inglês há um perfeito: rabblerouser, ou seja, “sublevador da ralé”. E Shakespeare dá-nos um deles, e notável, na peça Henrique VI.

O Bardo, como se sabe, escreveu uma saga da realeza britânica, perquirindo a natureza do poder, a condução dos negócios do Estado, os laços que se atam ou se desatam entre o monarca e o homem que o habita; e assim por diante.

Alguns são mais renomados que outros. Célebre é a amizade entre Hal, o herdeiro presuntivo, e seu cúmplice de esbórnia Falstaff, renegado pelo príncipe quando rei, em Henrique V e nas duas partes de Henrique IV. Orson Welles ainda acrescentou um tanto de As alegres comadres de Windsor para viver Falstaff. No filme, transforma-se em seu duplo pela corpulência, gargalhadas estentóreas e petulância de bon vivant, enquanto era escarnecido por Hollywood.

Um pouco menos célebre é a insegurança existencial de Ricardo II, que oscila em dúvidas sobre sua legitimidade.

Henrique V, que aborda a Batalha de Azincourt, retumbante vitória dos ingleses sobre os franceses, traz bela meditação realenga sobre o preço que os pobres pagam por guerras gloriosas que os dizimam e mutilam.

Rei Lear põe em cena um soberano que exerce seu arbítrio para anatematizar uma inocente, sua filha Cordélia.

Macbeth mostra como a ambição de mando não hesita ante os piores crimes. E, se Macbeth tem ganas demais, o protagonista de Hamlet tem ganas de menos, suas hesitações privando-o do legado da coroa.

E por fim, culminando tudo, Ricardo III, uma das mais torpes figuras a pisar o palco, cuja ascensão rumo ao trono acompanhamos através de toda a sordidez, perfídias, tramoias. Até crianças, no caso os dois principezinhos, manda matar. Uma valiosa versão está preservada em filme, com Lawrence Olivier.

Em Henrique VI, rei que viveu entre 1421 e 1471,surge copiada da vida real uma personagem tenebrosa chamada Jack Cade, um rabblerouser completo. Logo nos damos conta de que o conhecemos pessoalmente, nosso tempo tendo trazido gente assim para a cena brasileira e mundial. Na clave do grotesco e não do trágico, resultaria no Père Ubu, de Alfred Jarry, paródia de Macbeth.

Jack Cade convoca e lidera uma “Marcha sobre Londres” (Il Duce Mussolini, precursor dos ditadores fascistas do século XX, liderou uma vitoriosa “Marcha sobre Roma”), para tomar o poder. Seus acólitos são a escória da sociedade, uma corja inominável. Logo ocupam a Ponte de Londres e bloqueiam o acesso à cidade. Jack Cade dá ordens: “Vamos à luta! Queimem a ponte, e, já que estão aí, a Torre de Londres também! Venham, avancemos!”.

Shakespeare vai aos poucos montando o perfil do líder. As acusações que ele assaca contra adversários, enviando-os sem julgamento para a decapitação sumária, também são nossas conhecidas: saber ler; nomear juízes-de-paz; falar frases com substantivo e verbo; fundar uma escola para jovens; mandar imprimir livros… Um exemplo: “E, contrário ao rei, à coroa e à dignidade, criou uma fábrica de papel!” Soa familiar?

Jack Cade quer ser rei, atribuindo a si mesmo sangue nobre e envergando uma armadura roubada. Dissemina fake news, como a aleivosia de que Lord Saye vendera a província da Normandia ao Delfim da França, crime de alta traição.

Destino funesto aguarda Jack Cade, pondo um ponto final aos malefícios que praticou e levou uma horda a praticar, enquanto ele mesmo secretamente só pensa em dinheiro, pilhagem e saques, em extorquir para benefício próprio. Em sua truculência, vê-se que a semelhança não é mera coincidência …

Exemplo histórico tão remoto vale  para a constatação de que o sucesso pode ser efêmero e a derrota fatal, junto com sua laia. Apesar do desânimo quando verificamos que persistem até hoje entre nós. É de lamentar que alguns desses facínoras saiam impunes e morram na cama, cobertos de riquezas e honrarias. Mas Mussolini foi linchado e seu corpo pendurado pelos pés em praça pública, para execração geral. Bem dizia Dolores Ibarruri, La Pasionaria: No pasarán!

*Walnice Nogueira Galvão é Professora Emérita da FFLCH da USP. Autora, entre outros livros, de Lendo e relendo (Sesc\Ouro sobre Azul).

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Antonino Infranca Paulo Fernandes Silveira Remy José Fontana Annateresa Fabris Francisco Fernandes Ladeira Marcelo Guimarães Lima Anderson Alves Esteves Berenice Bento Ari Marcelo Solon Marcos Silva Lincoln Secco José Dirceu Juarez Guimarães Heraldo Campos Alexandre Aragão de Albuquerque Gabriel Cohn Jorge Branco Ronald León Núñez Rafael R. Ioris Marilena Chauí Eugênio Trivinho Francisco de Oliveira Barros Júnior Mariarosaria Fabris Elias Jabbour Chico Alencar João Paulo Ayub Fonseca Benicio Viero Schmidt Fernando Nogueira da Costa João Lanari Bo Ricardo Musse Gilberto Lopes Ricardo Fabbrini Boaventura de Sousa Santos Dennis Oliveira Fernão Pessoa Ramos Walnice Nogueira Galvão Gerson Almeida Eleutério F. S. Prado Dênis de Moraes Antônio Sales Rios Neto Michael Roberts Afrânio Catani Marcus Ianoni Flávio Aguiar Maria Rita Kehl Kátia Gerab Baggio Eliziário Andrade João Carlos Salles Roberto Bueno Valerio Arcary Fábio Konder Comparato Henri Acselrad Osvaldo Coggiola Everaldo de Oliveira Andrade Rodrigo de Faria Leonardo Boff Francisco Pereira de Farias Paulo Martins Liszt Vieira Ladislau Dowbor Antonio Martins Samuel Kilsztajn Leda Maria Paulani Tales Ab'Sáber Vanderlei Tenório Luís Fernando Vitagliano Jean Pierre Chauvin Lorenzo Vitral Andrew Korybko Luiz Bernardo Pericás Luiz Marques Julian Rodrigues Ricardo Antunes Alexandre de Freitas Barbosa Alexandre de Lima Castro Tranjan José Machado Moita Neto João Carlos Loebens Priscila Figueiredo Tadeu Valadares Paulo Sérgio Pinheiro João Sette Whitaker Ferreira Caio Bugiato Sandra Bitencourt Eugênio Bucci Jean Marc Von Der Weid Yuri Martins-Fontes José Raimundo Trindade Chico Whitaker Gilberto Maringoni Marilia Pacheco Fiorillo Rubens Pinto Lyra Flávio R. Kothe José Luís Fiori Eduardo Borges Leonardo Avritzer Luiz Werneck Vianna Vladimir Safatle José Micaelson Lacerda Morais Plínio de Arruda Sampaio Jr. Thomas Piketty Luiz Renato Martins Marcelo Módolo Armando Boito Bruno Machado Renato Dagnino Michael Löwy Manchetômetro Paulo Nogueira Batista Jr Carlos Tautz Leonardo Sacramento Valério Arcary Luiz Carlos Bresser-Pereira Marjorie C. Marona Igor Felippe Santos Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Costa Lima Milton Pinheiro Marcos Aurélio da Silva Vinício Carrilho Martinez Daniel Costa Alysson Leandro Mascaro João Feres Júnior Mário Maestri Carla Teixeira Salem Nasser José Geraldo Couto Claudio Katz Manuel Domingos Neto Tarso Genro Henry Burnett Atilio A. Boron Sergio Amadeu da Silveira Luiz Roberto Alves Luciano Nascimento Ronaldo Tadeu de Souza Denilson Cordeiro Celso Frederico Luiz Eduardo Soares Anselm Jappe Bernardo Ricupero Bruno Fabricio Alcebino da Silva Bento Prado Jr. Eleonora Albano Luis Felipe Miguel Paulo Capel Narvai Érico Andrade Slavoj Žižek Otaviano Helene Daniel Afonso da Silva José Costa Júnior João Adolfo Hansen Ronald Rocha Ricardo Abramovay Daniel Brazil Celso Favaretto André Singer André Márcio Neves Soares Jorge Luiz Souto Maior Roberto Noritomi Airton Paschoa

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada