Jack Cade – um fascista precursor

LEDA CATUNDA, Mundo Macio, 2007, acrílica s/ tela e voile, 187x290cm.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por WALNICE NOGUEIRA GALVÃO*

Notas sobre saga da realeza britânica, segundo Shakespeare

Líder político que mesmeriza as massas e as conduz ao desastre – para os outros e para elas próprias, como Hitler, o Führer – chamava-se na Antiguidade demagogo, ou “condutor do povo”. Só que a palavra foi perdendo o sentido próprio e se enfraquecendo.

Não dispomos de um bom sinônimo em português, mas em inglês há um perfeito: rabblerouser, ou seja, “sublevador da ralé”. E Shakespeare dá-nos um deles, e notável, na peça Henrique VI.

O Bardo, como se sabe, escreveu uma saga da realeza britânica, perquirindo a natureza do poder, a condução dos negócios do Estado, os laços que se atam ou se desatam entre o monarca e o homem que o habita; e assim por diante.

Alguns são mais renomados que outros. Célebre é a amizade entre Hal, o herdeiro presuntivo, e seu cúmplice de esbórnia Falstaff, renegado pelo príncipe quando rei, em Henrique V e nas duas partes de Henrique IV. Orson Welles ainda acrescentou um tanto de As alegres comadres de Windsor para viver Falstaff. No filme, transforma-se em seu duplo pela corpulência, gargalhadas estentóreas e petulância de bon vivant, enquanto era escarnecido por Hollywood.

Um pouco menos célebre é a insegurança existencial de Ricardo II, que oscila em dúvidas sobre sua legitimidade.

Henrique V, que aborda a Batalha de Azincourt, retumbante vitória dos ingleses sobre os franceses, traz bela meditação realenga sobre o preço que os pobres pagam por guerras gloriosas que os dizimam e mutilam.

Rei Lear põe em cena um soberano que exerce seu arbítrio para anatematizar uma inocente, sua filha Cordélia.

Macbeth mostra como a ambição de mando não hesita ante os piores crimes. E, se Macbeth tem ganas demais, o protagonista de Hamlet tem ganas de menos, suas hesitações privando-o do legado da coroa.

E por fim, culminando tudo, Ricardo III, uma das mais torpes figuras a pisar o palco, cuja ascensão rumo ao trono acompanhamos através de toda a sordidez, perfídias, tramoias. Até crianças, no caso os dois principezinhos, manda matar. Uma valiosa versão está preservada em filme, com Lawrence Olivier.

Em Henrique VI, rei que viveu entre 1421 e 1471,surge copiada da vida real uma personagem tenebrosa chamada Jack Cade, um rabblerouser completo. Logo nos damos conta de que o conhecemos pessoalmente, nosso tempo tendo trazido gente assim para a cena brasileira e mundial. Na clave do grotesco e não do trágico, resultaria no Père Ubu, de Alfred Jarry, paródia de Macbeth.

Jack Cade convoca e lidera uma “Marcha sobre Londres” (Il Duce Mussolini, precursor dos ditadores fascistas do século XX, liderou uma vitoriosa “Marcha sobre Roma”), para tomar o poder. Seus acólitos são a escória da sociedade, uma corja inominável. Logo ocupam a Ponte de Londres e bloqueiam o acesso à cidade. Jack Cade dá ordens: “Vamos à luta! Queimem a ponte, e, já que estão aí, a Torre de Londres também! Venham, avancemos!”.

Shakespeare vai aos poucos montando o perfil do líder. As acusações que ele assaca contra adversários, enviando-os sem julgamento para a decapitação sumária, também são nossas conhecidas: saber ler; nomear juízes-de-paz; falar frases com substantivo e verbo; fundar uma escola para jovens; mandar imprimir livros… Um exemplo: “E, contrário ao rei, à coroa e à dignidade, criou uma fábrica de papel!” Soa familiar?

Jack Cade quer ser rei, atribuindo a si mesmo sangue nobre e envergando uma armadura roubada. Dissemina fake news, como a aleivosia de que Lord Saye vendera a província da Normandia ao Delfim da França, crime de alta traição.

Destino funesto aguarda Jack Cade, pondo um ponto final aos malefícios que praticou e levou uma horda a praticar, enquanto ele mesmo secretamente só pensa em dinheiro, pilhagem e saques, em extorquir para benefício próprio. Em sua truculência, vê-se que a semelhança não é mera coincidência …

Exemplo histórico tão remoto vale  para a constatação de que o sucesso pode ser efêmero e a derrota fatal, junto com sua laia. Apesar do desânimo quando verificamos que persistem até hoje entre nós. É de lamentar que alguns desses facínoras saiam impunes e morram na cama, cobertos de riquezas e honrarias. Mas Mussolini foi linchado e seu corpo pendurado pelos pés em praça pública, para execração geral. Bem dizia Dolores Ibarruri, La Pasionaria: No pasarán!

*Walnice Nogueira Galvão é Professora Emérita da FFLCH da USP. Autora, entre outros livros, de Lendo e relendo (Sesc\Ouro sobre Azul).

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Um olhar sobre a greve das federais de 2024lula haddad 20/06/2024 Por IAEL DE SOUZA: Com alguns meses de governo, comprovou-se o estelionato eleitoral de Lula, acompanhado do seu “fiel escudeiro”, o Ministro da Fazenda, Fernando Haddad
  • Carta ao presidenteLula 59mk,g 18/06/2024 Por FRANCISCO ALVES, JOÃO DOS REIS SILVA JÚNIOR & VALDEMAR SGUISSARDI: “Concordamos plenamente com V. Exa. quando afirma e reafirma que ‘Educação é investimento, não é gasto’”
  • Retomar o caminho da esperançafim de tarde 21/06/2024 Por JUAREZ GUIMARÃES & MARILANE TEIXEIRA: Cinco iniciativas que podem permitir às esquerdas e centro-esquerdas brasileiras retomarem o diálogo com a esperança majoritária dos brasileiros
  • O colapso do sionismopalestina livre 80 23/06/2024 Por ILAN PAPPÉ: Quer as pessoas acolham a ideia ou a temam, o colapso de Israel tornou-se previsível. Esta possibilidade deve informar a conversa de longo prazo sobre o futuro da região
  • João Cândido e a Revolta da Chibatarevolta da chibata 23/06/2024 Por PETRÔNIO DOMINGUES: No atual contexto, em que tanto se discute reparações do Estado à população negra, o nome de João Cândido não pode ser esquecido
  • Chico Buarque, 80 anoschico 19/06/2024 Por ROGÉRIO RUFINO DE OLIVEIRA: A luta de classes, universal, particulariza-se no requinte da intenção construtiva, na tônica de proparoxítonas proletárias
  • Por que estamos em greve?estátua 50g 20/06/2024 Por SERGIO STOCO: Chegamos a uma situação de penúria das instituições de ensino federal

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES