As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Eleger Lula faz avançar a luta socialista no Brasil?

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JULIAN RODRIGUES*

Lula já pode ser um movimento capaz de recrutar milhares e empolgar milhões

O título desse artigo não é click bait direcionado a alguns setores específicos da vanguarda de esquerda. Trata-se de uma discussão mais do que legítima: teórica, estratégica, programática, tática e conjuntural.

A esquerda socialista brasileira se organiza partidariamente no PSOL, no PCdoB, no PCB/PSTU, mas majoritariamente no PT. Há uma forte esquerda socialista nos movimentos sociais e nos partidos que orbitam o campo democrático-popular hegemonizado pelo PT.

Não é novidade nenhuma nem algo estranho à cultura petista críticas ao rebaixamento programático, à prioridade institucional, aos limites das alianças – ou seja, à política majoritária do PT nos últimos anos.

Mas, se é assim, por que deveriam os comunistas e socialistas apoiar candidaturas do PT ou integrar o Partido? Como avançar no acúmulo revolucionário/socialista/democrático-popular e, ao mesmo tempo, fortalecer o petismo?

Antes mesmo de qualquer aprofundamento histórico-teórico: mergulhados que estamos no neofascismo, vivendo sob a égide de um golpe que começou em 2016, a primeira tarefa é sobreviver e resistir.

Resistir agora aos movimentos que apontam para o fechamento total do regime, e à necropolítica ultraliberal que opera no sentido mesmo de inviabilizar a própria existência minimamente digna de milhões de trabalhadores/as.

Derrotar eleitoralmente o bolsonarismo neofaxo é o primeiro passo. Gigante e minúsculo ao mesmo tempo – dialeticamente. A batalha para reverter as condições estruturais da atual correlação de forças internacional, continental e nacional – completamente desfavorável às massas empobrecidas – será longa e sinuosa.

O socialismo está na ordem do dia. Sim, não é mero saludo à la bandera.

Trata-se de uma resposta orgânica, mundial, estrutural, articulada e sistêmica a esse estado de coisas verdadeiramente distópico que é esse nosso atual capitalismo neoliberalóide.

Rejeitar as projeções de um mundo high tech, ubercapitalista, ultramonopolista, coisificador, hiper-explorador, colonialista, crudelíssimo, desesperançoso – que tem Elon Musk como referência.

É hora de voltar à Rosa Luxemburgo: “socialismo ou barbárie”.

Não, o PT não é um partido majoritariamente revolucionário. Nem possui uma estratégia socialista consolidada. Mas é o Partido que elaborou e defendeu, nos anos 1980 e 1990, a estratégia e o programa democrático-popular – uma via, um caminho para a revolução brasileira para a construção do socialismo – que passaria pela eleição do presidente da República (Lula lá, demarcando e catalisando todas as forças progressistas, socialistas, transformadoras, nacionalistas, comunistas, radicais, reformistas, críticas, anticapitalistas, socialdemocratas).

O bolivarianismo em geral – o chavismo e a experiência da Bolívia com Evo em particular – situam-se, a rigor, dentro do mesmo paradigma do socialismo petista – essa espécie de atalho da estratégia democrático-popular-socialista.

Nos remetem à Salvador Allende e à estratégia socialista da esquerda naquele Chile pré-golpe.

A vitória eleitoral de Lula não está garantida, muito menos o golpe dentro do golpe é fato dado a priori. Eleger Lula será uma reação político-cultural-ideológica, um apelo pela sobrevivência mesmo. O bolsonarismo persistirá.

Para a esquerda socialista, engajada toda desde já na campanha Lula (exceto PCB-PSTU), um futuro governo é uma janela para acumular forças e apontar caminhos mais ousados.

O Brasil é muito grande, importante demais. Lula presidente impacta o cenário mundial, joga a favor de um mundo menos americanizado, fortalece todas perspectivas, todas correntes humanistas e pluralistas.

As forças socialistas da esquerda nacional sociais – estamos com Lula Presidente.

Mas, é preciso mais. E queremos nós todas mais. Bem mais. Organização, disputa ideológica, formação política, acúmulo de forças para ir mais longe. Combinar avanços institucionais e grande mobilização popular. Revolucionar nossa comunicação que é tosca. Tudo muito difícil, entretanto, tudo muito possível.

A eleição de Lula abriria (abrirá) um novo período em nossa história, com melhores condições para a luta social – sindical, popular, ideológica.

Cabe a nós navegar mais ousadamente, aproveitar para ganhar mais pessoas, fazer mais propaganda, formar mais gente, organizar, lutar mais, nos enraizarmos, “ir a onde o povo está” – integrar ruas e redes.

Sem esquecer nunca que nosso coração é vermelho e bate do lado esquerdo do peito.

Lula já, como passo primeiro para recolocar na ordem do dia a luta socialista – pensar em um movimento capaz de recrutar milhares e empolgar milhões. Para mudar de verdade esse brasilsão injusto de meu deus.

*Julian Rodrigues é professor e jornalista. Ativista LGBTI e de Direitos Humanos; foi coordenador de políticas LGBT da prefeitura de São Paulo (governo Haddad).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Marques Ricardo Musse Antonio Martins Eduardo Borges Heraldo Campos Michael Löwy Fernão Pessoa Ramos Rafael R. Ioris Jorge Branco Gabriel Cohn Ladislau Dowbor Rodrigo de Faria Francisco de Oliveira Barros Júnior Thomas Piketty Marcos Aurélio da Silva Paulo Fernandes Silveira Ricardo Abramovay Ronald Rocha Paulo Martins Alysson Leandro Mascaro Vanderlei Tenório Tales Ab'Sáber João Carlos Salles Carla Teixeira Vladimir Safatle Eliziário Andrade Alexandre Aragão de Albuquerque Henri Acselrad Manchetômetro Luiz Eduardo Soares Ricardo Antunes Paulo Capel Narvai Caio Bugiato Marcos Silva Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Carlos Loebens Alexandre de Lima Castro Tranjan Marilena Chauí Salem Nasser Samuel Kilsztajn Luiz Costa Lima João Feres Júnior Eleonora Albano Maria Rita Kehl Chico Alencar João Adolfo Hansen Jean Marc Von Der Weid Mário Maestri João Sette Whitaker Ferreira Slavoj Žižek Ricardo Fabbrini Roberto Noritomi Everaldo de Oliveira Andrade Marcelo Módolo Jean Pierre Chauvin Berenice Bento Érico Andrade Celso Frederico Roberto Bueno Francisco Pereira de Farias Valério Arcary Fábio Konder Comparato Armando Boito Luiz Werneck Vianna Priscila Figueiredo Jorge Luiz Souto Maior Luiz Carlos Bresser-Pereira Luís Fernando Vitagliano Anderson Alves Esteves Bernardo Ricupero Kátia Gerab Baggio Daniel Afonso da Silva Marilia Pacheco Fiorillo Alexandre de Freitas Barbosa Vinício Carrilho Martinez Tadeu Valadares Flávio R. Kothe Francisco Fernandes Ladeira Gilberto Maringoni Renato Dagnino Julian Rodrigues Valerio Arcary Anselm Jappe Boaventura de Sousa Santos Denilson Cordeiro Gilberto Lopes José Micaelson Lacerda Morais André Márcio Neves Soares Manuel Domingos Neto Sandra Bitencourt Leonardo Sacramento Luiz Roberto Alves Paulo Sérgio Pinheiro Ari Marcelo Solon Bruno Machado Celso Favaretto João Paulo Ayub Fonseca Atilio A. Boron Ronaldo Tadeu de Souza Antonino Infranca Carlos Tautz Henry Burnett Mariarosaria Fabris Ronald León Núñez Leda Maria Paulani Bento Prado Jr. Juarez Guimarães Milton Pinheiro Walnice Nogueira Galvão Eleutério F. S. Prado Daniel Brazil José Luís Fiori Luiz Bernardo Pericás João Lanari Bo Osvaldo Coggiola Tarso Genro Plínio de Arruda Sampaio Jr. Claudio Katz Chico Whitaker Rubens Pinto Lyra Eugênio Trivinho Elias Jabbour Sergio Amadeu da Silveira Paulo Nogueira Batista Jr Remy José Fontana Luis Felipe Miguel José Raimundo Trindade Andrew Korybko Lorenzo Vitral Marcelo Guimarães Lima Liszt Vieira Annateresa Fabris Luiz Renato Martins Daniel Costa José Costa Júnior Benicio Viero Schmidt Luciano Nascimento Michael Roberts Dennis Oliveira Otaviano Helene Eugênio Bucci Igor Felippe Santos Yuri Martins-Fontes Dênis de Moraes Leonardo Boff Lincoln Secco Flávio Aguiar Marcus Ianoni Leonardo Avritzer José Geraldo Couto Marjorie C. Marona José Dirceu Lucas Fiaschetti Estevez Fernando Nogueira da Costa Gerson Almeida Afrânio Catani Antônio Sales Rios Neto José Machado Moita Neto André Singer Airton Paschoa

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada