Esperançar

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CHICO ALENCAR*

A passividade é sequela de séculos da hegemonia da escravização da maioria da nossa gente

Mestre Paulo Freire (1921-1997), que sabia que “a leitura do mundo precede a leitura da palavra”, criou o verbo “esperançar”. Ele queria se contrapor à noção, largamente difundida, da mera espera, que pode ser até menos que expectativa: uma certa passividade, a imposição ideológica da cultura da vassalagem, da submissão, da inação.

É certo que toda sociedade tem suas forças de adaptação, de autorreprodução. Mas a formação social brasileira, ao longo da história, foi cristalizando algo além: a passividade. É sequela de séculos da hegemonia da escravização da maioria da nossa gente, na Colônia, no Império e mesmo na República – dos coronéis, das oligarquias.

Esse é o Brasil que chega a 2021. De continuada e crescente desigualdade social, de degradação política jamais vista. Os valores republicanos mais básicos estão corrompidos. Nessa quadra dramática da nossa vida como Nação, experimentamos uma combinação tóxica do ultraneoliberalismo econômico com formas políticas autoritárias, regressistas, fisiológicas, com setores que mal disfarçam um neofascismo tosco. A pequena política tornou-se a grande, a dominante. O negacionismo da ciência avassala o senso comum. E isso custa vidas.

Chegamos a um novo ano com velhos conhecidos nossos, pilares estruturais do nosso atraso: há 14,1 de brasileir@s procurando trabalho; acumulamos, nos últimos 12 meses, uma inflação de 15,9%; a queda no rendimento das famílias prevista é de 5,3%, sem auxílio emergencial e outros benefícios.

Chegamos a mais um ano sob o signo da morte. A pandemia recrudesce favorecida por uma inacreditável postura criminosa do governo federal: em etapas, a política do necroestado vertebrou, de início, a minimização da doença e, depois, o desprezo pelas mortes – que se aproximam das 200 mil! Em seguida a vergonhosa “guerra da vacina”, agora as insuficiências do Plano Nacional da Vacinação e a postura egoísta, sombria, atrasada de Bolsonaro, que alardeia que não se vacinará.

No início do século passado, no alvorecer da República, aconteceu algo parecido. Mas não vindo do governo Rodrigues Alves (1902-1906) e sim de seus opositores. Havia grande desconsideração pelo Instituto Soroterápico, precursor da Fiocruz, na então capital federal, e pelo Instituto Vital Brasil, em São Paulo, precursor do Butantan. O diretor nacional da Saúde Pública, Oswaldo Cruz, era demonizado: Oswaldo “Cruz Credo”, “Nero da Higiene”. A culminância da crise deu-se em 1904, com a Revolta da Vacina, que foi um estuário de muitos descontentamentos, inclusive com aspectos da “modernização urbana” no Rio – que desconsiderava os mais pobres no seu direito à cidade.

As doenças endêmicas faziam abundante colheita. Morria-se de peste bubônica, de varíola, de febre amarela, do cólera, de difteria, de tuberculose, escarlatina e sarampo. Como sempre, os mais desvalidos. Que reconheceram, poucos anos depois, a importância das medidas de saneamento. Nosso grande sanitarista passou a ser reconhecido como “Mestre Oswaldo” e “Messias da Higiene”…

Citei a passividade de grupos e classes na nossa história. Mas registro também as lutas: onde há opressão, há resistência. Temos uma trajetória luminosa de defesa dos nativos por suas terras e culturas, conhecemos a força quilombola, as batalhas dos trabalhadores e trabalhadoras, a afirmação das mulheres por sua dignidade aviltada secularmente pelo patriarcalismo.

Assim gira a roda da História, em meio à boca devoradora do tempo, que não para. O mundo é permanente mudança, as sociedades avançam e recuam, dialeticamente. As épocas sombrias não duram sempre, ainda que tudo esteja “demorando em ser tão ruim”. A invenção do calendário também tem essa eficácia simbólica: exortação ao recomeço, convite à renovação, à retomada. Somos desafiados a vivenciar o escrito e praticado por Paulo Freire: “esperançar é se levantar, é ir atrás, é construir, não desistir”.  Assim seja e sejamos!

*Chico Alencar é professor, escritor e vereador eleito (PSOL/Rio).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Andrés del Río Francisco de Oliveira Barros Júnior Jean Pierre Chauvin Gabriel Cohn Antonino Infranca José Micaelson Lacerda Morais Eleonora Albano Tales Ab'Sáber Luiz Carlos Bresser-Pereira Alexandre Aragão de Albuquerque Gilberto Maringoni Sergio Amadeu da Silveira Michael Roberts Luiz Bernardo Pericás Luciano Nascimento Eleutério F. S. Prado Jorge Luiz Souto Maior Marcos Aurélio da Silva Francisco Pereira de Farias Dennis Oliveira Francisco Fernandes Ladeira Andrew Korybko Vinício Carrilho Martinez Caio Bugiato Marilena Chauí João Carlos Loebens Ronaldo Tadeu de Souza Daniel Costa Juarez Guimarães Rodrigo de Faria Renato Dagnino João Carlos Salles José Luís Fiori Kátia Gerab Baggio Leonardo Avritzer Celso Favaretto Airton Paschoa Samuel Kilsztajn Ricardo Fabbrini Celso Frederico Thomas Piketty Gilberto Lopes Ronald León Núñez Eduardo Borges Érico Andrade Luis Felipe Miguel Igor Felippe Santos José Raimundo Trindade Bento Prado Jr. Plínio de Arruda Sampaio Jr. Michael Löwy Mário Maestri Boaventura de Sousa Santos Daniel Brazil Bruno Fabricio Alcebino da Silva Leda Maria Paulani Valerio Arcary Marcelo Guimarães Lima André Márcio Neves Soares João Feres Júnior João Sette Whitaker Ferreira Denilson Cordeiro Salem Nasser Luís Fernando Vitagliano Flávio Aguiar Rubens Pinto Lyra Fernando Nogueira da Costa Manchetômetro Gerson Almeida Antonio Martins Henry Burnett Rafael R. Ioris Ladislau Dowbor Leonardo Sacramento Luiz Werneck Vianna Tarso Genro Elias Jabbour Paulo Sérgio Pinheiro Marilia Pacheco Fiorillo Ronald Rocha Berenice Bento Valerio Arcary Chico Whitaker Anderson Alves Esteves Alexandre de Lima Castro Tranjan Marcos Silva José Costa Júnior Alexandre de Freitas Barbosa Eugênio Trivinho José Dirceu Atilio A. Boron João Paulo Ayub Fonseca Annateresa Fabris Marcelo Módolo Eugênio Bucci Luiz Roberto Alves Remy José Fontana Milton Pinheiro Julian Rodrigues José Geraldo Couto Ricardo Antunes Flávio R. Kothe Benicio Viero Schmidt Matheus Silveira de Souza Fernão Pessoa Ramos Paulo Capel Narvai Jorge Branco Antônio Sales Rios Neto Yuri Martins-Fontes Eliziário Andrade Vanderlei Tenório Carla Teixeira Claudio Katz Anselm Jappe João Lanari Bo Ricardo Abramovay Fábio Konder Comparato Carlos Tautz Alysson Leandro Mascaro Daniel Afonso da Silva Michel Goulart da Silva Bruno Machado Liszt Vieira Manuel Domingos Neto André Singer João Adolfo Hansen Luiz Marques Tadeu Valadares Vladimir Safatle Marjorie C. Marona Dênis de Moraes Walnice Nogueira Galvão Leonardo Boff Chico Alencar Ari Marcelo Solon Afrânio Catani Bernardo Ricupero Otaviano Helene Henri Acselrad Mariarosaria Fabris Luiz Renato Martins José Machado Moita Neto Lucas Fiaschetti Estevez Osvaldo Coggiola Paulo Martins Ricardo Musse Jean Marc Von Der Weid Lorenzo Vitral Heraldo Campos Marcus Ianoni Everaldo de Oliveira Andrade Slavoj Žižek Sandra Bitencourt Armando Boito Priscila Figueiredo Luiz Eduardo Soares Maria Rita Kehl Lincoln Secco Paulo Fernandes Silveira Paulo Nogueira Batista Jr

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada