As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A disputa pela Ucrânia

Imagem: Katie Godowski
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por GERSON ALMEIDA*

No conflito na Ucrânia não haverá resolução da disputa geopolítica tão cedo

Seja qual for o acordo político feito após o desfecho da guerra entre a Rússia e a Ucrânia, não haverá estabilidade na região até que o conflito fundamental seja resolvido: a disputa do império americano para ampliar sua posição de poder na Eurásia. Para alcançar isto, os EUA parecem estar decididos a impedir que a Rússia volte a se consolidar como potência regional.

Segundo Gao Cheng – pesquisadora do Instituto Ásia-Pacífico e Estratégia Global, Academia Chinesa de Ciências Sociais – “trata-se de uma promessa chave do terceiro mandado de Putin e materializada na União Eurásia, cujo objetivo é integrar os mercados e recursos dos países da CEI”,[i] e, também, conter a crescente liderança econômica, comercial e cultural da China, cujo projeto estratégico é a “Nova Rota da Seda”, uma ampla rede de relações nos cinco continentes, com fabulosos investimentos em infraestrutura. A União Eurásia e a Nova Rota da Seda são projetos capazes de alçar a presença da China no mundo e da Rússia na Eurásia, numa escala grande o suficiente para conviver com o unilateralismo americano, consolidado depois do fim da Guerra Fria.

A União Europeia, por sua vez, apesar de ter crescido para o Leste, incorporando uma dezena de países da antiga zona de influência russa, desde o início demonstra estar acomodada numa posição subalterna aos interesses americanos, tal a sua dificuldade em construir uma posição independente. A falta de uma liderança autônoma na União Europeia confirma a posição do então presidente Charles de Gaulle, que retirou a França, em 1966, do comando integrado da Otan – instância que decide as operações militares e sempre sob controle americano –, em nome da soberania do país. Posição que só foi revertida em 2009, com Sarkozy.

Esse alinhamento automático da União Europeia com os EUA e o avanço acelerado da OTAN para o Leste, além de ser um explícito descumprimento dos acordos feitos quando da dissolução da União Soviética, não podem ser justificados como do interesse defensivo de povos ameaçados pelo “desejo imperial russo”. Ao contrário, esse avanço começou em meio à imensa crise vivida pela Rússia, cuja economia sofreu uma retração de cerca de 40% na década de 1990, período no qual Polônia, Hungria e a República Tcheca ingressaram na Otan.

A partir de então, a OTAN não parou de avançar às fronteiras Russas, sob estrita liderança dos EEUU, evidenciando uma reorientação da aliança militar constituída contra o comunismo (inexistente desde 1991), agora, voltada diretamente contra a Rússia e indiretamente contra a China.

Qual a razão, então, que faz o crescimento do poderio militar da Otan e o cerco à Rússia ser naturalizado como necessário para conter as pretensões imperiais … da liderança russa e defender os altos valores da liberdade e da autonomia dos povos?

No que diz respeito à relevância central da Eurásia para as potências com ambições de protagonismo no mundo, o livro de Peter Frankopan – O Coração do Mundo – uma história universal a partir da Rota da Seda: o encontro do Oriente com o Ocidente (Planeta) –, é amplamente revelador do quanto a versão dominante sobre a história geral é um “mantra do triunfo político, cultural e moral do Ocidente”. O professor de história global na Universidade de Oxford refuta essa a versão amplamente aceita, que ele classifica como uma “história preguiçosa da civilização”, que sempre fala da importância do Mediterrâneo como berço da civilização, “quando parecia tão óbvio que não era ali que a civilização havia de fato sido forjada”.

Ao longo do livro, ele apresenta uma argumentação suficientemente robusta sobre o desenvolvimento histórico para demonstrar que “durante milênios, a região entre o Oriente e o Ocidente, ligando a Europa ao oceano Pacífico, foi a que constituiu o eixo em torno do qual girava o globo” e que esta região, a Eurásia é a verdadeira “encruzilhada da civilização”. Não por outra razão, foi ali onde as “grandes religiões do mundo ganharam vida, onde judaísmo, cristianismo, islamismo, budismo e hinduísmo abriram caminho aos empurrões, o caldeirão onde grupos linguísticos competiam” e onde os “grandes impérios surgiram e entraram em colapso, onde os efeitos dos choques entre culturas e rivais eram sentidos a milhares de quilômetros de distância”.

É exatamente isto que está ocorrendo neste momento, em que o conflito entre Rússia e Ucrânia está arrastando o mundo para uma escalada de difícil retorno, na qual o uso de armas nucleares volta ao cenário das possibilidades, avocando o período sombrio da crise dos mísseis soviéticos em Cuba (1962), quando os EEUU não titubearam em impedir a instalação de armas tão letais na proximidade das suas fronteiras.

Diante de um conflito no “coração do mundo”, a primeira coisa que ressurge com virulência é a tradicional oposição entre Ocidente x Oriente, fazendo desmoronar toda a arquitetura discursiva da globalização e do mundo como uma nave comum dos humanos. Discurso que há décadas serve para deslegitimar as políticas voltadas aos interesses nacionais e usada para remover qualquer tipo de regulação à livre movimentação e acumulação dos capitais.

O consenso formado contra a liderança russa, sem qualquer consideração ao contexto e às suas razões, em grande medida pode ser explicado pela força ideológica desta versão “preguiçosa” da história, conforme definição de Frankopan.

Em condições normais, a irresignação da Rússia com o cerco às suas fronteiras e à instalação de mísseis há 700 quilômetros de Moscou seria compreendida como legítimas e objeto de acordos diplomáticos que garantissem a segurança de todos os países, mas o que está mesmo em questão é a disputa pelo coração do mundo, algo que não será facilmente resolvida para nenhum dos lados e os argumentos que demonizam Putin e tornam Volodymyr Zelensky herói, parecem ser uma versão atualizada das “armas químicas” usadas como argumento para justificar a ocupação do Iraque.

Seja qual for o resultado do conflito em curso na Ucrânia não haverá resolução da disputa geopolítica tão cedo, pois a ordem mundial unilateral não é mais capaz de dar conta da realidade política e econômica do mundo e esta guerra é parte da longa disputa pelo domínio do coração do mundo, que desta vez vítima o povo ucraniano e já vitimou tantos outros povos. A existência de um mundo multipolar poderá trazer mais segurança ao mundo, mas essa transição será traumática, especialmente pela ausência de lideranças que coloquem os interesses da humanidade acima dos econômicos. Ainda há tempo para isto.

Gerson Almeida é mestre em sociologia pela UFRGS.

 

Nota


[i] Comunidade dos Estados Independentes (CEI), integrada por Armênia, Belarus, Cazaquistão, Federação Russa, Moldávia, Quirquistão, Tadjiquistão, Turcomenistão, Ucrânia, Uzbequestão, Geórgia e Azerbaidjão.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Bernardo Ricupero Ronald Rocha Eliziário Andrade Anselm Jappe Antônio Sales Rios Neto Liszt Vieira Gilberto Maringoni Tadeu Valadares Plínio de Arruda Sampaio Jr. Atilio A. Boron Bruno Machado Bento Prado Jr. Antonio Martins Fernando Nogueira da Costa Ari Marcelo Solon Luiz Roberto Alves João Carlos Salles Marcelo Módolo Ronald León Núñez Renato Dagnino Luciano Nascimento Ronaldo Tadeu de Souza Leonardo Boff André Singer Fábio Konder Comparato Luiz Costa Lima Luís Fernando Vitagliano José Dirceu Eduardo Borges Rafael R. Ioris Eugênio Bucci Henry Burnett Paulo Martins Roberto Noritomi Otaviano Helene José Machado Moita Neto João Feres Júnior José Micaelson Lacerda Morais Igor Felippe Santos Luis Felipe Miguel Luiz Carlos Bresser-Pereira Michael Löwy Gabriel Cohn Carla Teixeira Berenice Bento Alexandre de Lima Castro Tranjan Julian Rodrigues Sergio Amadeu da Silveira Luiz Renato Martins Eleutério F. S. Prado Gerson Almeida Lucas Fiaschetti Estevez Vanderlei Tenório Heraldo Campos Anderson Alves Esteves João Sette Whitaker Ferreira Manuel Domingos Neto Jean Pierre Chauvin Remy José Fontana Jorge Luiz Souto Maior Valério Arcary Flávio R. Kothe Rodrigo de Faria Caio Bugiato Fernão Pessoa Ramos Marcus Ianoni André Márcio Neves Soares Mariarosaria Fabris Leda Maria Paulani Claudio Katz Marilia Pacheco Fiorillo Manchetômetro Marcos Silva Leonardo Sacramento Daniel Afonso da Silva Ricardo Antunes Annateresa Fabris Benicio Viero Schmidt Flávio Aguiar Paulo Nogueira Batista Jr Slavoj Žižek Luiz Marques Marcos Aurélio da Silva Denilson Cordeiro João Lanari Bo Everaldo de Oliveira Andrade Jean Marc Von Der Weid Eleonora Albano Dennis Oliveira Salem Nasser Mário Maestri Afrânio Catani Alexandre Aragão de Albuquerque Ladislau Dowbor Celso Favaretto Antonino Infranca Marilena Chauí Carlos Tautz Gilberto Lopes João Adolfo Hansen Paulo Capel Narvai Valerio Arcary Chico Whitaker Vinício Carrilho Martinez Paulo Fernandes Silveira Boaventura de Sousa Santos Dênis de Moraes Samuel Kilsztajn José Costa Júnior Luiz Werneck Vianna Roberto Bueno Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Bernardo Pericás Eugênio Trivinho Michael Roberts Luiz Eduardo Soares José Geraldo Couto Marcelo Guimarães Lima Priscila Figueiredo Francisco de Oliveira Barros Júnior Daniel Brazil Yuri Martins-Fontes Armando Boito José Luís Fiori João Paulo Ayub Fonseca Bruno Fabricio Alcebino da Silva Elias Jabbour Jorge Branco Marjorie C. Marona Sandra Bitencourt Osvaldo Coggiola Lincoln Secco Maria Rita Kehl Ricardo Fabbrini Ricardo Musse Paulo Sérgio Pinheiro Thomas Piketty Henri Acselrad Tales Ab'Sáber Milton Pinheiro João Carlos Loebens Walnice Nogueira Galvão Airton Paschoa Kátia Gerab Baggio Rubens Pinto Lyra Celso Frederico Leonardo Avritzer Francisco Fernandes Ladeira José Raimundo Trindade Érico Andrade Juarez Guimarães Francisco Pereira de Farias Lorenzo Vitral Daniel Costa Ricardo Abramovay Chico Alencar Andrew Korybko Tarso Genro Alysson Leandro Mascaro Vladimir Safatle

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada