Está como o diabo gosta

Joan Miró, Ouro de firmamento, 1967.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LORENZO VITRAL*

O que vimos até aqui no conflito na Europa mostra que os ânimos ainda não baixaram de nenhum lado.

Já temos um recuo de alguns dias, desde a invasão russa na Ucrânia, para tentar traçar alguma inteligibilidade nos fatos e versões do ocorrido. Muito se tem digo sobre uma nova ordem, um mundo multipolar, com a inclusão, na verdade, da aliança russo-chinesa como um segundo polo. Reestabelecemos, assim, o que já existiu, com a delimitação de esferas de influências dos países militarmente mais poderosos e não, como para onde deveríamos avançar, num mundo em que a autodeterminação dos países e povos fosse de fato respeitada.

A omissão da ONU no conflito demonstra o que acabamos de dizer. Nesse novo velho mundo, já que há um retorno, o Brasil e todo o sul global, como também já apontado, poderão se beneficiar, permitindo, imagina-se, “escolher” sua esfera de influência, que seria mutável de acordo com seus interesses. Claro, os nossos “russos” são os americanos. Um deles inclusive é candidato à presidência neste ano.

Poder tecer as frias considerações acima nos é permitido, provavelmente, devido ao também recuo, que funda uma posição que visa ao racional, da situação de conflito geopolítico-militar que assola a velha Europa, onde se pensava que guerras eram coisas do passado. Até onde vi, a razão, ou até o senso comum, parecem ausentes no debate.

Uma olhada superficial na imprensa europeia das últimas semanas é suficiente para nos convencer disso. Observando a imprensa francesa, particularmente o Le Monde e o Libération, infere-se a reprodução da narrativa anglo-saxã de que “a Ucrânia é livre para escolher ser membro da OTAN”; “a OTAN é da paz”; “Putin é um ditador louco que deseja reestabelecer o império soviético”; “guerra é coisa que não se faz mais” e outras platitudes.

Uma das perguntas feitas numa entrevista, da edição do Libération do dia 26 de fevereiro, ao tarimbado ex-diplomata francês, Michel Duclos, o jornal pergunta como explicar que essa guerra tenha sido mal antecipada pelos países ocidentais e pelos europeus em particular. A resposta dada por Duclos inclui a afirmação de os dirigentes europeus não queriam acreditar…..Estupefação! Como assim? Não deu para perceber?

O jornal de maio de 68 (hélas!) reverbera a opinião pública mediana a respeito dos acontecimentos, o que inacreditavelmente parece ser também a posição – provavelmente, conveniente – dos setores dirigentes europeus. As palavras que tentam incluir no debate alguma compreensão da posição russa é, no mais das vezes, tímida, furtiva e irônica. Toda a intrincada história dos vínculos Rússia/Ucrânia; o fato de o governo ucraniano ter sido implementado com apoio americano e por contingentes neonazis – os maiores da Europa; o abandono dos acordos de Minsk – respaldados na ONU – pelo governo ucraniano; a expansão sem limites da OTAN… são desprezados. Vale uma espécie de “liberdade” de a Ucrânia fazer o que bem quiser, o que acabou autorizando a mesma “liberdade” a Putin.

Poderíamos pensar que, o real de Putin, faria os europeus – já que a guerra é na bela Europa e não nos liberados teatros de guerra do sul global – buscarem uma posição de conciliação. No entanto, por hora, não é isso que se vê: a Alemanha, a França e outros se apressam em armar a Ucrânia; os EUA, que parecem em choque nesse início, envia dinheiro – pouco – à Ucrânia e promove as anunciadas e terríveis sanções econômicas.

A resistência ucraniana tem sido forte até então, o que com a gasolina jogada pelos europeus promete tornar a guerra mais longa do que gostaria a Rússia, o que – como os ocidentais talvez estejam calculando – poderá enfraquecer Putin e – quem sabe? – prejudicá-lo internamente também.

Uma eventual escalada do conflito é, por razões óbvias, bastante perigosa e encontra guarida na própria resistência civil aos russos. Nada como um inimigo externo para unificar um país: mesmo opositores ao governo Zelensky e críticos da OTAN estão se voluntariando para combater o invasor (vejam o artigo “Uma carta à esquerda ocidental de Kiev”, de Taras Bilous, publicado no Jornal GGN).

O que vimos até aqui mostra que os ânimos ainda não baixaram de nenhum lado. Ficamos pensando no que precisará ainda acontecer… Parece-nos que desceu um tipo de névoa no velho continente que obscurece o risco que todos corremos, como se manifestasse um desejo de aniquilamento que está sendo compartilhado. Afinal, sobrevivemos a uma pandemia e a volta à vida pode parecer por demais árdua.

*Lorenzo Vitral é professor titular de linguística da Faculdade de Letras da UFMG.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Chico Whitaker Jean Pierre Chauvin Otaviano Helene Lincoln Secco Paulo Sérgio Pinheiro Lorenzo Vitral Francisco Fernandes Ladeira Paulo Capel Narvai Juarez Guimarães Liszt Vieira Luiz Carlos Bresser-Pereira Samuel Kilsztajn Luiz Eduardo Soares Luiz Renato Martins João Carlos Loebens Everaldo de Oliveira Andrade André Márcio Neves Soares Lucas Fiaschetti Estevez Luis Felipe Miguel Rubens Pinto Lyra João Feres Júnior Caio Bugiato Paulo Martins João Lanari Bo Ricardo Musse Maria Rita Kehl Marcos Aurélio da Silva Flávio R. Kothe Andrew Korybko Henry Burnett Henri Acselrad Benicio Viero Schmidt Antonino Infranca Annateresa Fabris Fernando Nogueira da Costa José Machado Moita Neto Marilia Pacheco Fiorillo Leda Maria Paulani José Micaelson Lacerda Morais Marcelo Guimarães Lima Gilberto Lopes José Dirceu Ronald León Núñez Fernão Pessoa Ramos Francisco de Oliveira Barros Júnior Eduardo Borges Salem Nasser Luciano Nascimento Sergio Amadeu da Silveira Mariarosaria Fabris Valerio Arcary Luiz Werneck Vianna Anselm Jappe Paulo Fernandes Silveira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Armando Boito Dennis Oliveira José Raimundo Trindade Boaventura de Sousa Santos Bernardo Ricupero Gilberto Maringoni Bruno Machado Priscila Figueiredo Eleutério F. S. Prado Bento Prado Jr. Alysson Leandro Mascaro Vladimir Safatle Elias Jabbour Daniel Afonso da Silva Sandra Bitencourt Valerio Arcary Julian Rodrigues Luís Fernando Vitagliano Michel Goulart da Silva Marcus Ianoni Marcelo Módolo Tadeu Valadares Ronaldo Tadeu de Souza Antônio Sales Rios Neto Marjorie C. Marona Vinício Carrilho Martinez João Sette Whitaker Ferreira Yuri Martins-Fontes Claudio Katz Atilio A. Boron Antonio Martins Remy José Fontana Paulo Nogueira Batista Jr Fábio Konder Comparato Eliziário Andrade Matheus Silveira de Souza Dênis de Moraes Tales Ab'Sáber Francisco Pereira de Farias Ronald Rocha Gabriel Cohn Rodrigo de Faria Eugênio Trivinho Ladislau Dowbor Heraldo Campos Celso Favaretto Marilena Chauí Érico Andrade Alexandre de Freitas Barbosa André Singer Celso Frederico Eugênio Bucci Daniel Costa Ari Marcelo Solon Jorge Luiz Souto Maior Ricardo Abramovay João Carlos Salles Gerson Almeida Vanderlei Tenório Manchetômetro Leonardo Sacramento Anderson Alves Esteves Michael Roberts Rafael R. Ioris Bruno Fabricio Alcebino da Silva Carla Teixeira Chico Alencar Berenice Bento Flávio Aguiar Jorge Branco Andrés del Río Manuel Domingos Neto José Costa Júnior Igor Felippe Santos João Adolfo Hansen Jean Marc Von Der Weid Slavoj Žižek Ricardo Antunes Airton Paschoa Kátia Gerab Baggio Marcos Silva Denilson Cordeiro Tarso Genro Michael Löwy Eleonora Albano Luiz Bernardo Pericás Afrânio Catani Carlos Tautz Ricardo Fabbrini Leonardo Boff Luiz Marques João Paulo Ayub Fonseca Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Roberto Alves Mário Maestri Thomas Piketty José Geraldo Couto Milton Pinheiro Daniel Brazil Osvaldo Coggiola José Luís Fiori Walnice Nogueira Galvão Renato Dagnino Alexandre de Lima Castro Tranjan Leonardo Avritzer

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada