Fragmentos XXII

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por AIRTON PASCHOA*

Cinco peças curtas

Paraíso fiscal

O dinheiro dá em árvore e o fruto não é proibido. Cresce e multiplica à medida que abocanhado. Tão ao alcance aliás luz o pomo da concórdia que pecado é não ceder à tentação e não meter a mão. Colheita farta e feita, fazer o quê? Se não somam beatrizes, sobram atrizes e modelos… atrozes como atrizes mas modelares como meretrizes. Fugir à vulgaridade da queda, eis o requintadamente raro, distinto, esquisito, e sem mandamento de nos prender a Ele. À terra podemos baixar a gosto, não ao rés do chão, Deus nos livre! tampouco a sete palmos. Baixamos o bastante a fim de levitar sem perigo e fruir gozo o mais divino a que foi dado ao Homem aspirar — a carícia de unhas desesperadas, deliciados, à fina flor de nossa planta.

 

Neofranquismo

Era franco: acreditava na bugresia e por ela batia-se sem trégua, fosse nas colunas dos jornais ou no front do Leblon. Empunhava os dados e arremessava-os a torto e à esquerda. Não levar em conta a raiz do problema, o déficit fiscal, Hayek nos parta! era um problema de raiz, de déficit intelectual. Mas nem tudo estava perdido: mesmo a Previdência rivalizando ruinosamente com a Providência ou aqui e ali prevalecendo, em detrimento do benefício privado, o vício público do Estado, não havia razão pra descrer do progresso. Quanto tempo não custou à primeira célula, lá do fundo do oceano fugida, galgar até ele, Guga? E voltou ao mar.

 

Sujeito automático

À Leda

A moderna idade sempre demandou progresso. É a tal da lei maior, magna, máxima, que percorre a espinha da história, a arrepiar-lhe o cabelo. Liga-se e desliga-se a luz, liga-se e desliga-se o gás, liga-se e desliga-se o fogo, liga-se e desliga-se a água, liga-se e desliga-se tudo. Automático é o mundo, objetos, sujeitos, reflexos, e por aí fora, até o fim da picada, ligando e desligando, exclusive os desligados. Quem havia de viver também, sem de quando em vez desligar? Donde a necessidade imperiosa do interruptor, no afã de prevenir curto-circuito em curto circuito qual o nosso. Sem o bendito (podia jurar era aqui) é a escuridão na certa ou o clarão eterno.

 

Terraplanismo

Como se envelhece mal nesta terra — plana, progressivamente plana, de tal monta a irrelevância! Fadiga de cogitar o enorme passado que o país tem pela frente, na sentença impagável do Millôr. Destarte passando se vai, com a naturalidade dos carnavais, da esquerda à centro-esquerda, da centro-esquerda ao centro, do centro à centro-direita, da centro-direita à direita, da direita à extrema direita, e desta pra melhor, o centro da essa, na falta infeliz de inferno. Podem presumir, lógico, que, vivendo mal, também se há de morrer mal… Nada mais apartado da verdade. Privilegiados, poetas, artistas, cientistas, intelectuais, vivem em condições invejáveis em comparação com o povo.

Sobre a estafa, ora me ocorre, em desagravo da evolução corrente, pode concorrer o enfado com a imóvel paisagem. Mentes sensíveis, não restaria que fazer senão dar as mãos à rotação.

 

Gaiata ciência

Conheci o amor e o ódio, o ciúme, a inveja, a ira, a gula, os cinco pecados capitais, com particular predileção (tropical, queira deus) pela luxúria e pela preguiça.

Não conheci a avareza nem a soberba, salvo este orgulhinho besta de convocar vocábulos e tourear estouro.

Conheci a amizade e desconheci a vaidade.

Conheci a pobreza e a paternidade, riqueza única, ambas experiências fundas e fundantes, sem prejuízo de afundarem, a depender do casco.

Conheci pai e mãe, não pude amá-los. Não me perguntem por quê. O amor não conhece justiça.

Conheci o remorso, que morde e remorde sempre que a memória, maliciosa, fareja osso no quintal.

Conheci as fraquezas, sem conhecer a virtude.

Conheci o desengano, sem reconhecer a esperança.

Não conheci a fé, conforto pessoal de que fui privado.

Conheci a morte, moço, companheira inseparável ao longo da vida.

Conheci a Universidade.

Conheci a Revolução.

Conheci a Poesia.

Não conheci a alta criação, aquela que só alcançam os artistas maiores em circunstâncias quase que misteriosas. Conheci a criação do dia a dia, caseira, ordinária, pequeno e precário artesanato, movido a torno menor, apto apenas a parir folhinhas de flandres e flagrantes (de sorte e susto).

Conheci o que conhecem os homens?

Tirando a Poesia e a Revolução, decerto o que conhece o grosso de certa casta, média, certo país, medíocre, certa quadra e certa cidade escatológicas.

Não saio insatisfeito, tampouco satisfeito. Sequer quite. Desquitado, se quiserem, incompatibilidade de gênios, a vida adiada e o vadio odiando.

Conheci certas manhãs de azul e luz raiadas que me fizeram confiar no amanhecer. Mas isso faz tempo e uma coisa que o tempo faz é apagar digitais.

*Airton Paschoa é escritor, autor, entre outros livros, de Banho-maria (e-galáxia, 2021, 2.ª edição, revista).

 

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • O bolsonarismo pode voltar ao poder?Valério Arcary 24/05/2024 Por VALERIO ARCARY: O lulismo, ou lealdade política à experiência dos governos liderados pelo PT, permitiu conquistar o apoio entre os muito pobres. Mas a esquerda, embora mantenha posições, perdeu a hegemonia sobre sua base social de massas original.
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • O agonizante fim do sionismodistante 22/05/2024 Por SAMUEL KILSZTAJN: O judaísmo não pode ser protegido por furiosos militares israelenses, pois tudo o que os militares fazem é semear tristeza e colher ódio
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • O legado de uma década perdidaRenato Janine Ribeiro 22/05/2024 Por RENATO JANINE RIBEIRO: A esquerda é inteiramente representativa do senso comum de nossa sociedade – tudo de bom que acontece, e tudo de ruim, é só do Presidente
  • De Hermann Cohen a Hannah Arendtcultura barcos a vela 18/05/2024 Por ARI MARCELO SOLON: Comentário sobre o livro de Miguel Vatter
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • Realizando a filosofia — Marx, Lukács e a Escola de…toca discos 25/05/2024 Por ANDREW FEENBERG: A filosofia da práxis é significativa hoje como a tentativa mais desenvolvida dentro do marxismo de refletir sobre as consequências da racionalização da sociedade sob o capitalismo
  • Guaíba – rio ou lago?Rio Guaíba 24/05/2024 Por JOÃO HÉLIO FERREIRA PES: É importante definir juridicamente se o Guaíba é rio ou lago para fins de uma eficaz implantação das políticas públicas de proteção de suas margens

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES