As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A bandeira de Israel

Imagem: Haley Black
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ EDUARDO FERNANDES GIRAUDO*

O uso paradoxal dos símbolos de Israel pela direita brasileira 

Viu-se com bastante frequência nos últimos tempos, em manifestações com a presença de grandes contingentes de gado vacum, que pediam o “fechamento do STF” ou a “intervenção militar”, agitarem-se as bandeiras dos Estados Unidos, da Ucrânia e de Israel.

O comparecimento da bandeira estrelada e listrada não carece de explicação, haja vista a “educação sentimental” de toda uma geração imbecilizada na infância e na adolescência mediante doses maciças de rambos, bruce willis, chuck norris e outros van dammes que acompanhavam o ˝Toddy˝ da ˝Sessão da Tarde˝ e que hoje, ˝adulta˝, faz compras à sombra da estátua da liberdade da Havan, anda de jet ski e brinca de carrinho no Beto Carrero Show.

A presença da bandeira ucraniana seria em outros tempos uma incógnita. Hoje, não é difícil imaginar que se deve mais ao nazi-fascismo de “heróis” como Stepan Bandera, responsável pela morte de um milhão de judeus na Ucrânia, na Polônia e na Bielorrússia, durante o chamado “Holocausto por balas”, do que à orgulhosa liberdade dos cossacos do Kuban e da Crimeia, ou do anarquismo revolucionário do bat´ko Nestor Ivanovich Makhno.

Já a bandeira de Israel cumpre duas funções. Uma, ligada a certas doutrinas evangélicas de matriz estadunidense, conhecidas como ˝sionismo cristão˝, para as quais a restauração da Tribo de Judá em Eretz Israel seria parte do cumprimento das profecias bíblicas e uma das condições (como a queda do Papado e a construção do Terceiro Templo) do segundo Advento.

Quanto aos judeus, ao contrário do antissemitismo clássico, para o qual estes eram os pérfidos assassinos de Cristo, o “restauracionismo” os trata com condescendência, reconhecendo-os como o povo eleito do Antigo Testamento e receptáculo da primeira aliança, ˝quase-cristãos˝ que no devido momento aceitarão o batismo e abraçarão a verdade revelada, abrindo assim caminho para o Milênio.

Ainda mais evidente ressalta a função simbólica de delimitar, desde um ponto de vista suprematista branco e daquilo que Edward Said chamava de “perspectiva orientalista”, uma fronteira imaginaria entre civilização e barbárie, ocidente e oriente, nós e os outros, onde os outros são os “feios, sujos e malvados”: árabes, africanos, asiáticos, muçulmanos, negros, amarelos, refugiados, terroristas e narcotraficantes.

O poder ideológico desta simbologia é tal que, ao emprestar tantos significados à bandeira israelense, despe-a de seu significado primordial como símbolo de uma pátria. Que é o que Israel significa para um israelense. Não um baluarte, uma fortaleza nos confins do deserto dos tártaros, a defender o mundo civilizado contra a invasão alienígena, mas apenas uma pátria, onde nasceram e onde nasceram seus pais.

Como para um brasileiro o Brasil, mesmo que não esteja “acima de tudo”, é uma pátria: “uma pobre pátria mãe, tão distraída, subtraída, em tenebrosas transações, por aqueles mesmos que lhe sequestraram as cores para com elas cobrir a sua ignomínia, a comprovar o acerto da tão citada frase de George Bernard Shaw: “O patriotismo é o último refúgio dos canalhas.”

Pois esta gente inculta e autorreferente, incapaz de identificar Israel corretamente num mapa, que nunca leu um livro de um escritor israelense, nunca assistiu a um filme israelense, se utiliza do nome e dos símbolos do estado de Israel como insígnia de sua própria ignorância, para fins escusos, que nada têm a ver com a resiliência e a sabedoria milenares do povo israelita, chegando ao cumulo de ladear, em suas marchas zebuínas, a estrela de Davi e símbolos que remetem ao nazismo. O horror! O horror!

A manada não sabe que a criação do Israel moderno se deveu, em grande medida, ao sionismo de esquerda, de filiação socialista, que teve grande participação nos movimentos de retorno à Palestina no início do século passado (segunda e terceira aliyah), com o estabelecimento dos primeiros kibbutzim e meshavim. Esta componente socialista esteve presente durante toda a história de Israel, informando um forte sindicalismo, uma forte agricultura cooperativa e um igualmente forte sistema de proteção social, pilares da sociedade israelense independentemente de estarem à direita ou à esquerda no governo.

Tampouco sabe que Israel nasceu de uma guerra de libertação nacional empreendida, não contra os árabes, mas contra o Império Britânico, e com a ajuda da União Soviética, primeiro país a reconhecer o novo Estado. E que, embora Israel se tenha de certa forma transformado, no contexto da guerra fria, num cliente dos Estados Unidos (como a Turquia revolucionária kemalista após a morte de Ataturk), muito continuou a nele haver de socialista.

Tanto é assim que boa parte dos judeus (refuseniks) que deixaram a União Soviética nos anos sessenta e setenta preferiram não permanecer em Israel e seguiram para os Estados Unidos. Acharam Israel “parecido demais” com o mundo comunista.

Além disso, Israel, ao contrário da Turquia, jamais cogitou de integrar à OTAN, apesar das guerras que se sucederam desde a independência. E embora tenha contado com o apoio material e financeiro dos EUA e da Europa, sempre lutou suas guerras sozinho (excetuando-se os episódios de Suez em 1956, quando aliou-se à Franca e à Inglaterra), nunca permitindo a instalação de bases militares americanas em seu território, como nunca aceitou coadjuvar guerras e expedições punitivas como o ataque norte-americano ao Iraque em 1991, a invasão do mesmo país em 2003 ou a invasão da Líbia em 2011.

Israel é um modelo de estado de bem-estar social. O seu sistema de saúde, universal, público e gratuito, é um dos mais eficazes do mundo. A educação, também pública e gratuita, é uma das melhores do mundo. O pais é o terceiro, após o Canadá e o Japão, com a maior porcentagem de egressos do ensino superior: 51% da população entre 25 e 64 anos, contra 21% no Brasil. Em 2014, 62% dos alunos que concluíram o ensino médio ingressaram na universidade (48% em Cuba e 18% no Brasil em 2022). A frequência à escola é obrigatória desde o jardim de infância, dos três aos dezoito anos, e a expectativa média de duração da vida escolar é de dezesseis anos. A taxa de alfabetização é de 97,8%, e o Índice de Educação do Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (PNUD) é de 883 (o do Brasil é de 694, havendo aumentado 100 pontos entre 2002 e 2016; o de Cuba é de 790).

Em Israel não há latifúndios. 93% da terra é de propriedade do Estado. O sistema de agricultura cooperativa, análogo aos kolkhozy soviéticos, é ainda hoje responsável por cerca de 40% da produção agrícola e 10% da produção industrial do pais.

O índice de desigualdade de renda (Gini) de Israel é de 38,9, o que, se não faz do país um dos mais iguais do mundo (a Suécia tem índice de 23), o faz incomparavelmente menos desigual que o Brasil, oitavo no ranking dos campeões da desigualdade, com índice de 53,3 (inferior apenas ao da África do Sul, do Lesoto, de Moçambique, da Namíbia, da República Centro-Africana, do Suriname e da Zâmbia).

O índice de segurança da mulher (WPS) é de 844 (27º. mais alto no mundo), enquanto o do Brasil é de 734 (80º. no mundo). O índice de desigualdade sexual é o 26º. mais baixo, enquanto o do Brasil é o 95º. As mulheres ocupam 23,5% dos assentos no parlamento (Knesseth), contra 15% no Brasil. Israel foi o terceiro pais a ter uma mulher chefe de governo (após o Sri Lanka e a Índia). O aborto é legal desde 1977, e praticado gratuitamente nos hospitais públicos.

No que respeita aos costumes, área tão valorizada pelos tiozões hoje no governo, zelosos defensores dos valores da “família tradicional brasileira” (como o abuso de álcool e de outras drogas legais, a frequentação do sexo pago, a violência contra mulheres e crianças e a exploração de empregadas domésticas), Israel tampouco faz feio.

Os direitos das minorias sexuais são respeitados. Embora não haja casamento entre pessoas do mesmo sexo (em Israel não existe o casamento civil), a lei reconhece às uniões civis os mesmos direitos do casamento, inclusive para efeitos de sucessão e de pensão civil. Parceiros do mesmo sexo podem adotar crianças, inclusive mediante contratos de gestação de substituição.

Por fim, mas não menos digno de nota, Israel legalizou em 2019 o uso recreativo da maconha em espaços privados, com o apoio do direitista Likud, partido de Benjamin Netanyahu, amigão do Estadista. Já em 2017 o uso e a posse de pequenas quantidades deixaram de ser um crime, passando a constituir apenas contravenção, passível de multa. Estudo feito naquele mesmo ano dava conta de que 27% dos israelenses entre 18 e 65 anos de idade haviam consumido pelo menos uma vez nos últimos doze meses, porcentagem superior à de qualquer outro país (a Islândia tinha 18%, e os EUA 16%). No Brasil, apenas 3% dos adultos são consumidores habituais de cannabis.

Como se pode ver, Israel é tudo os que os seus “defensores” não querem que o Brasil seja. Para estes “sionistas cristãos” e paladinos do “ocidente”, o que vale é símbolo, o delírio paranoico que enxerga apenas o pequeno e guerreiro Israel/Esparta e seu rei Davi/Leonidas batendo-se com as hostes do Golias/Xerxes, “bárbaro”, “oriental” e “terrorista”. Nada sabem, nem querem saber de como vive no dia-a-dia o povo de Israel, organizado numa sociedade próspera, democrática, igualitária e tolerante.

Não, senhores “bispos”. Israel não precisa de vosso apoio, que só o constrange. E não precisa de vossas igrejas caça-níqueis. Os israelenses não precisam de “pastores” que lhes vendam ampolas com “água consagrada do Jordão”, unguentos contra a COVID ou sementes de feijão milagrosas. Não precisam da cafonice de vossos “templos de Salomão”, construídos com o dízimo do sangue e do suor do vosso pobre “rebanho”. Nem carecem de vossas redes de televisão, a disseminar o ódio e a ignorância em nome de um Deus que nunca vos habitou.

Porque, embora produza e exporte grande quantidade de frutas tropicais, Israel, ao contrário do Brasil, não é uma república bananeira.

*José Eduardo Fernandes Giraudo é diplomata.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Lanari Bo Lorenzo Vitral Eugênio Bucci Paulo Nogueira Batista Jr André Singer Marilia Pacheco Fiorillo Ricardo Abramovay Luis Felipe Miguel Yuri Martins-Fontes Atilio A. Boron Gilberto Lopes Marjorie C. Marona João Sette Whitaker Ferreira Ronald León Núñez Lincoln Secco Marcos Silva Érico Andrade Ronaldo Tadeu de Souza Carlos Tautz Gabriel Cohn Paulo Fernandes Silveira João Paulo Ayub Fonseca Priscila Figueiredo Bento Prado Jr. Rubens Pinto Lyra Salem Nasser Juarez Guimarães Julian Rodrigues Walnice Nogueira Galvão Henri Acselrad Mariarosaria Fabris João Carlos Loebens Paulo Martins Milton Pinheiro Leda Maria Paulani Berenice Bento Anderson Alves Esteves Celso Frederico Samuel Kilsztajn Alexandre de Freitas Barbosa Mário Maestri Luiz Costa Lima Flávio R. Kothe Eleutério F. S. Prado Chico Whitaker Alexandre Aragão de Albuquerque Carla Teixeira Marilena Chauí Ari Marcelo Solon Dennis Oliveira Denilson Cordeiro Renato Dagnino Chico Alencar José Micaelson Lacerda Morais Bruno Machado Caio Bugiato Plínio de Arruda Sampaio Jr. Valério Arcary Alysson Leandro Mascaro José Costa Júnior Eleonora Albano Tarso Genro Luiz Renato Martins Antonino Infranca Francisco de Oliveira Barros Júnior Rafael R. Ioris Marcus Ianoni André Márcio Neves Soares Marcelo Módolo Daniel Brazil Paulo Capel Narvai Tadeu Valadares Michael Löwy Roberto Noritomi Leonardo Avritzer Ricardo Fabbrini Bruno Fabricio Alcebino da Silva Airton Paschoa Anselm Jappe Jorge Branco Ricardo Antunes Vinício Carrilho Martinez Everaldo de Oliveira Andrade Eliziário Andrade Luciano Nascimento João Carlos Salles Ronald Rocha Benicio Viero Schmidt Alexandre de Lima Castro Tranjan Claudio Katz João Adolfo Hansen José Luís Fiori Heraldo Campos Vanderlei Tenório Gerson Almeida Rodrigo de Faria Flávio Aguiar Elias Jabbour José Machado Moita Neto Leonardo Boff Henry Burnett Roberto Bueno Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Werneck Vianna Maria Rita Kehl Otaviano Helene Luiz Roberto Alves Antônio Sales Rios Neto Jean Pierre Chauvin Manchetômetro Boaventura de Sousa Santos Marcelo Guimarães Lima Francisco Fernandes Ladeira João Feres Júnior Sergio Amadeu da Silveira Armando Boito Liszt Vieira Paulo Sérgio Pinheiro Afrânio Catani Fernando Nogueira da Costa José Dirceu Ricardo Musse Sandra Bitencourt Jorge Luiz Souto Maior Francisco Pereira de Farias Daniel Costa Bernardo Ricupero Slavoj Žižek Fernão Pessoa Ramos José Geraldo Couto Thomas Piketty Valerio Arcary Luiz Bernardo Pericás Annateresa Fabris Michael Roberts Luís Fernando Vitagliano Celso Favaretto José Raimundo Trindade Daniel Afonso da Silva Remy José Fontana Tales Ab'Sáber Igor Felippe Santos Jean Marc Von Der Weid Manuel Domingos Neto Marcos Aurélio da Silva Kátia Gerab Baggio Andrew Korybko Fábio Konder Comparato Leonardo Sacramento Eugênio Trivinho Lucas Fiaschetti Estevez Antonio Martins Vladimir Safatle Eduardo Borges Luiz Marques Dênis de Moraes Luiz Eduardo Soares Osvaldo Coggiola Gilberto Maringoni Ladislau Dowbor

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada