As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A cegueira da tecnociência capitalista

Imagem: Steve Johnson
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RENATO DAGNINO*

Para evitar que o “Polo de Inovação e Desenvolvimento Sustentável” de Campinas gere mais desastres

O projeto do Polo de Inovação e Desenvolvimento Sustentável (PIDS) prevê uma agressiva alteração da lei de uso do solo de uma extensa e apetitosa área ainda não explorada pelo complexo imobiliário-financeiro. Ela margeia aquela que foi valorizada há cinco décadas com a criação da Unicamp em Barão Geraldo. Abrange, também, a que um pouco depois foi cedida a organizações públicas e privadas para a implantação de outros “polos tecnológicos”; um protótipo da onda inovacionista que segue provocando estragos nas nossas universidades públicas.

A iniciativa vem ganhando corpo encoberta com um véu análogo ao que propalava a pesquisa científica e tecnológica como motor do progresso que justificava o projeto nacional desenvolvimentista do Brasil grande potência. Agora modernizado pelos eufemismos que a confluência perversa contemporânea proporciona, de “inovação” e de “desenvolvimento sustentável”, ele pode vir a desempenhar, graças ao efeito de demonstração que a grife de Campinas proporciona, mais desastres.

Este texto busca subsidiar a avaliação dos diretamente envolvidos com a iniciativa e satisfazer o interesse de quem me lê buscando munição para evitar este desastre e outros, presentes e futuros, em outros territórios. Para isso, começo identificando os três atores que se movem na cena política que cerca a iniciativa.

O primeiro, é uma coalizão onde participam agentes públicos situados numa prefeitura há décadas ligada ao complexo imobiliário-financeiro. Seus valores e interesses e a forma cavilosa e tergiversadora como estão sendo praticados no enfrentamento do segundo ator, por serem bem conhecidos, dispensam meu comentário.

O segundo, é o que agrupa economistas, engenheiros, urbanistas, sociólogos, geógrafos, entre outros profissionais que trabalham em organizações públicas e privadas. Atento ao previsível impacto negativo derivado do interesse imobiliário-financeiro da iniciativa, ele tem forçado aqueles agentes públicos a debater com a sociedade.

Apoiado nas contribuições da comunidade de pesquisa internacional a respeito de temas ambientais, de urbanização, de ocupação do território, etc., e ecoando movimentos que se organizam em várias partes do planeta, ele argumenta com muita fundamentação, propriedade, e de maneira convincente, sua posição contrária aos juízos “técnicos” que pretendem embasar a iniciativa.

A demonstração que ele faz do custo-benefício negativo da iniciativa, e do seu custo de oportunidade proibitivo – quando comparado com ações que aqueles agentes públicos deveriam promover para honrar sua obrigação e não o fazem -, também me eximem de maiores comentários. Apenas ressalto a sintonia do seu discurso e da sua ação com os compromissos de “pensar globalmente e agir localmente” e de defender o interesse coletivo.

O terceiro ator é o que reúne uns poucos, mas muito influentes, professores da Unicamp. Eles integram a poderosa elite científica nacional que, devido à nossa condição periférica, hegemoniza nossa política cognitiva (aquela que enfeixa a de Ciência & Tecnologia e a de Educação). E que o faz tentando emular o modelo que ela concebeu acerca de como a empresa privada dos países avançados se utiliza do resultado da atividade de pesquisa universitária.

Esse modelo supõe que, dado que a empresa aqui localizada sabidamente não faz pesquisa, o resultado dessa atividade deve ser privilegiado no âmbito da nossa política cognitiva. Por considerar nossos empresários como “atrasados” (embora estes engendrem uma singular taxa de lucro, e por isso dispensem esse resultado), essa elite inovacionista vem implantando em todo o País “polos tecnológicos”, “Núcleos de Inovação Tecnológica”, “incubadoras de empresas de base tecnológica” (agora rebatizadas de startups), similares ao Polo de Inovação e Desenvolvimento Sustentável (PIDS).

Obcecada por aquele modelo equivocado, nossa elite científica tem-se revelado pouco propensa a assimilar a evidência empírica que revela a disfuncionalidade de sua política cognitiva para convencer os empresários a aumentar seu lucro mediante os resultados da pesquisa que ela fomenta. Um evento que ocorreu entre 2006 e 2008 quando nossos empresários aumentavam seu lucro e gozavam dos elevados recursos alocados por essa política, merece ser lembrado. Contrariamente ao que esperava a elite científica, eles seguiram desaproveitando o principal resultado que a pesquisa universitária em todo o mundo lhes oferece: os mestres e doutores formados em ciência dura (dos quais mais da metade, nos EUA, são empregados nos centros de P&D empresarial). Dos 90 mil aqui formados nesses três anos, ela contratou apenas 68 para fazer pesquisa.

Não obstante, aproveitando-se do arraigado mito transideológico da neutralidade e do determinismo da tecnociência capitalista, nossa elite científica argumenta que o resultado das agendas exógenas de ensino, pesquisa e extensão que adotam pode alavancar qualquer projeto de desenvolvimento para o país; e sempre redundará no bem-estar da população.

Na esteira desse movimento ainda legitimado por aquele mito (mas que vem sendo desmontado pelo fracasso do viés inovacionista de nossa política cognitiva), a elite científica passou a incorporar em sua narrativa os mesmos eufemismos da moda.

Foi assim que aqueles professores da Unicamp arquitetaram o que veio a ser um componente do Polo de Inovação e Desenvolvimento Sustentável (PIDS). A necessidade de obter recursos adicionais aos que nossa política cognitiva já lhes proporciona no âmbito federal e estadual fez com que a “encampação” de seu “HUB Internacional para o Desenvolvimento Sustentável (HIDS)” pelo Polo de Inovação e Desenvolvimento Sustentável (PIDS) viesse a calhar.

Esperando tirar proveito do vultoso retorno da iniciativa imobiliário- financeira, que ampliaria o espaço físico e financeiro avalizado pelo poder municipal para viabilizar suas atividades, eles mais uma vez conferem a legitimidade “científica” – intensivamente propalada por aqueles agentes públicos – que ela precisa para ser referendada pela sociedade.

Assim, uma iniciativa que, no âmbito da política cognitiva dos países centrais a partir do qual aquele modelo é concebido, desempenha um papel subsidiário e de baixa relevância, é exposta por aqueles agentes públicos como capaz de proporcionar conhecimentos que resolveriam desde a crise climática até a produção de fitoterápicos… E que, dissimulando sua conexão com o complexo financeiro-imobiliário, é apresentada por eles como capaz de oferecer às dezenas de milhares de pessoas que ocupariam sua área uma prestação de serviços públicos que é negada pela Prefeitura aos cidadãos de Campinas, há muito ocupada por representantes deste complexo.

Finalizo estas considerações sobre o debate em curso acerca do PIDS (que não está se dando com a mesma intensidade na Unicamp em relação ao HIDS) adicionando elementos para quem quer evitar desastres semelhantes em outros territórios.

Ressalto, para isso, que a origem “lógica” fundacional dessas iniciativas é o caráter pretensamente neutro e determinista da tecnociência capitalista. Esse argumento, que valida em última instância estas iniciativas é, por precedência, o que condiciona uma política cognitiva que devemos mudar, mas que hoje: (a) que muito mais do que nos países centrais, tem sido orientada pela nossa “elite científica”; (b) que suas “antenas” estiveram sempre orientadas para emular o que lá fazem seus pares; (c) que devido a isso, demandas cognitivas (ou tecnocientíficas) embutidas nas necessidades coletivas em muitas das necessidades materiais coletivas que temos ainda insatisfeitas não têm sido exploradas com a intensidade necessária.

E que, por isso, a maneira mais conveniente de atender essas complexas e originais demandas cognitivas é incorporar ao processo decisório dessa política um ator que, embora seja o responsável pela operacionalização do nosso potencial tecnocientífico, tem sido pouco escutado. Esse ator, as trabalhadoras e trabalhadores do conhecimento (que atuam na docência, pesquisa, planejamento e gestão da CTI, etc.), é quem melhor poderá identificar aquelas necessidades, traduzi-las em demandas tecnocientíficas, e “trazê-las” para o ambiente das políticas públicas.

É esse ator que poderá, aproximando a política cognitiva dessas demandas tecnocientíficas, fazer com que a elite científica e os agentes públicos dediquem parte do seu esforço, e do imposto dos pobres, para reprojetar a tecnociência capitalista na direção da tecnociência solidária necessária para alavancar as políticas-fim de interesse coletivo.

*Renato Dagnino é professor titular no Departamento de Política Científica e Tecnológica da Unicamp. Autor, entre outros livros, de Tecnociência Solidária, um manual estratégico (Lutas anticapital).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Everaldo de Oliveira Andrade Bento Prado Jr. Luiz Carlos Bresser-Pereira Luís Fernando Vitagliano Eugênio Bucci Paulo Martins Luiz Bernardo Pericás Leda Maria Paulani Priscila Figueiredo João Adolfo Hansen Daniel Costa Ronald León Núñez Luiz Costa Lima João Carlos Salles Luciano Nascimento Jorge Branco Lorenzo Vitral João Carlos Loebens Osvaldo Coggiola Bruno Machado Benicio Viero Schmidt Henry Burnett Heraldo Campos Sergio Amadeu da Silveira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Tadeu Valadares Eleonora Albano Manuel Domingos Neto João Lanari Bo Fernão Pessoa Ramos João Sette Whitaker Ferreira Armando Boito Daniel Afonso da Silva Marcus Ianoni Flávio R. Kothe Boaventura de Sousa Santos Andrew Korybko Renato Dagnino André Singer Paulo Fernandes Silveira Annateresa Fabris José Machado Moita Neto Ricardo Antunes Lucas Fiaschetti Estevez Jean Marc Von Der Weid João Paulo Ayub Fonseca Marcos Silva Afrânio Catani Carla Teixeira Antonino Infranca Ari Marcelo Solon Rafael R. Ioris Manchetômetro Walnice Nogueira Galvão Gilberto Lopes Roberto Bueno Jean Pierre Chauvin Ladislau Dowbor Celso Favaretto Carlos Tautz Sandra Bitencourt Alysson Leandro Mascaro Luiz Werneck Vianna Marjorie C. Marona Fernando Nogueira da Costa Kátia Gerab Baggio Salem Nasser Francisco Pereira de Farias Marcelo Guimarães Lima Lincoln Secco Valerio Arcary Luiz Roberto Alves João Feres Júnior Daniel Brazil Fábio Konder Comparato Ronaldo Tadeu de Souza Tales Ab'Sáber Michael Roberts Henri Acselrad Bruno Fabricio Alcebino da Silva Maria Rita Kehl Luis Felipe Miguel Julian Rodrigues Érico Andrade Eleutério F. S. Prado Gerson Almeida Flávio Aguiar Berenice Bento Eduardo Borges Elias Jabbour Ricardo Musse Jorge Luiz Souto Maior Francisco de Oliveira Barros Júnior Antônio Sales Rios Neto José Costa Júnior Thomas Piketty Dênis de Moraes Claudio Katz Mário Maestri Eliziário Andrade Paulo Capel Narvai Ronald Rocha Anderson Alves Esteves José Micaelson Lacerda Morais Milton Pinheiro Ricardo Abramovay Rodrigo de Faria Marcelo Módolo Roberto Noritomi Remy José Fontana Tarso Genro Antonio Martins André Márcio Neves Soares Paulo Nogueira Batista Jr Leonardo Avritzer Ricardo Fabbrini Slavoj Žižek Mariarosaria Fabris Otaviano Helene Marilena Chauí Samuel Kilsztajn Liszt Vieira Paulo Sérgio Pinheiro Vladimir Safatle Atilio A. Boron Gilberto Maringoni Vanderlei Tenório José Raimundo Trindade José Geraldo Couto Caio Bugiato Marcos Aurélio da Silva Eugênio Trivinho Marilia Pacheco Fiorillo Rubens Pinto Lyra Denilson Cordeiro Alexandre de Lima Castro Tranjan Chico Whitaker Airton Paschoa Anselm Jappe Bernardo Ricupero Leonardo Sacramento Juarez Guimarães Alexandre Aragão de Albuquerque José Dirceu Leonardo Boff Luiz Renato Martins Luiz Eduardo Soares Celso Frederico José Luís Fiori Igor Felippe Santos Valério Arcary Gabriel Cohn Michael Löwy Alexandre de Freitas Barbosa Chico Alencar Dennis Oliveira Yuri Martins-Fontes Luiz Marques Vinício Carrilho Martinez Francisco Fernandes Ladeira

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada