Guerra na Ucrânia – ano I

Imagem: Julia Antipina
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CAIO BUGIATO*

A dinâmica da guerra após um ano de conflito armado

A guerra na Ucrânia completa um ano neste mês de fevereiro de 2023. O confronto, que aparentemente opõe apenas dois Estados, durante este período pode ser dividido em duas fases: a contraofensiva russa e a reação da OTAN. Mas antes de tratar destas fases, é necessário entender por que damos a elas tais nomenclaturas. Primeiro, como argumentamos no artigo publicado no site A Terra é Redonda “Guerra na Ucrânia: antecedentes e caráter do conflito” o governo de Vladimir Putin trava uma guerra anti-imperialista defensiva contra a ofensiva da OTAN.

Uma vez que esta organização e os Estados capitalistas que ela representa não admitem a não integração ou não subordinação do Estado russo ao capitalismo ocidental. O governo de Vladimir Putin tem um projeto de capitalismo autônomo na Rússia e a OTAN o vem cercando e intimidando com sua expansão.

Segundo, uma mobilização ocidental a favor dos ucranianos resulta, ainda que informalmente, em uma coalizão de apoio que reúne as potências capitalistas do ocidente. É contra esta coalizão que lutam as forças russas. Vejamos os dados do Ukraine Support Tracker, do Instituto Kiel da Alemanha. Os dados compreendem o período de 24 de janeiro a 20 de novembro de 2022.

Gráfico – Ajuda militar, humanitária e financeira de países para a Ucrânia (em bilhões de Euros). Fonte: Kiel – Institute for World Economy, 2022.

Os Estados Unidos encabeçam a lista com 22,9 bilhões de Euros em ajuda militar; 9,9 bilhões em ajuda humanitária e 15,1 bilhões em ajuda financeira. A União Europeia vem logo a seguir, com 3,3 bilhões em ajuda militar; 1,57 bilhões em ajuda humanitária e uma ajuda financeira que ultrapassa a dos estadunidenses, de 30,3 bilhões de Euros. Em terceiro e quarto lugares Reino Unido e Alemanha, dois países da União Europeia que contribuem individualmente. Reino Unido: ajuda militar de 4,1 bilhões de Euros; ajuda humanitária de 0,4 bilhões e ajuda financeira de 2,55 bilhões. Alemanha: 2,94 bilhões em ajuda militar; 1,95 bilhões em ajuda humanitária e 1,15 bilhões em ajuda financeira. Em quinto lugar outro país do G7, o Canadá com 1,36 bilhões em ajuda militar; 0,29 bilhões em ajuda humanitária e 2,14 bilhões em ajuda financeira.

Dos 11 países listados (excluindo, portanto, a União Europeia), 10 fazem parte da OTAN e um, a Suécia, está em processo de adesão. As potências capitalistas ocidentais têm todo interesse em formar essa coalizão, como mostram os dados, independente do tour de caixeiro-viajante do presidente ucraniano e dos casos de corrupção no seu governo. Por outro lado, os russos parecem lutar sozinhos.

 

A dinâmica da guerra

A primeira fase da guerra foi marcada pelo avanço russo, como mostra o mapa de 08 de março abaixo.

Mapa 1 – Contraofensiva russa Fonte: BBC Brasil e Institute for Study of War, 2022.

Nas primeiras semanas da guerra os russos avançaram pelo Leste, pelo Sul e pelo Norte. Chegaram às portas de Kiev, que não foi tomada. Contudo tomaram a importante cidade de Kherson ao sul, capital da província homônima. A região de Kherson possui 28,5 mil quilômetros quadrados, uma área quase do tamanho da Bélgica, e saída para os mares Azov e Negro. O mais importante é ser conexão por terra com o Criméia, território russo antes mesmo da guerra. A tomada desta região, que está na foz do rio Dnipro, poderia resolver o problema de abastecimento de agua da Criméia, além de boquear o acesso ucraniano ao Mar Negro.

A retomada de territórios pelos ucranianos marca a segunda fase da guerra. Cerca de seis meses após o início do confronto, isto é, o tempo da ajuda militar e financeira da OTAN se transformar em aparato operacional de guerra, os russos recuaram, como mostra o mapa de 21 de agosto abaixo.

Mapa 2 – A reação da OTAN Fonte: BBC Brasil e Institute for Study of War, 2022.

Em agosto de 2022 os russos já não controlavam o norte da Ucrânia, mas ocupavam uma faixa territorial que se estendia da região de Kherson, passando pela região de Zaporizhzhia (entre Kherson e Donetsk), até as províncias separatistas de Donetsk e Luhansk. Em 30 de setembro de 2022 o presidente russo Vladmir Putin anunciou a incorporação destas quatro províncias, que representam cerca de 15% do território ucraniano.

Em janeiro de 2023, quase um ano após o início da guerra, de acordo com o Institute for Study of War  a situação é a seguinte:

Mapa 3 – Resultado da contraofensiva russa e da reação da OTAN Fonte: Institute for the Study of War and AEI’s Critical Threats Project, 2023.

Os russos perderam o controle de parte da região de Kherson, inclusive a capital. Com a reação da OTAN já haviam perdido a cidade de Kharkiv (segunda maior cidade ucraniana) e sua província homônima, a noroeste de Luhansk, situação que se manteve. Entretanto, mantêm o controle sobre uma grande extensão territorial que liga a Criméia às províncias separatista de Donetsk e Luhansk. Ressalta-se que, apesar a incorporação das quatro províncias citadas, seus territórios não são totalmente controlados pelas forças russas.

Em 13 de janeiro de 2023 o Ministério da Defesa da Rússia anunciou a conquista da cidade de Soledar, na província de Donetsk. Seria a primeira cidade tomada na região desde meados do ano passado. A conquista abriria rotas para o oeste, especialmente para Bakhmut, centro administrativo da província, e para retomar Kharkiv. Por outro lado, os Estados da OTAN e seus aliados formaram uma coligação de tanques: EUA, Reino Unido, Alemanha, França, Países Baixos, Espanha, Noruega, Finlândia e Polônia vão enviar cerca de 80 tanques da guerra à Ucrânia nos próximos dias, o que poderia escalar a guerra para uma nova fase.

*Caio Bugiato é professor de ciência política e relações internacionais da UFRRJ e do programa de pós-graduação em relações internacionais da UFABC.

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como 

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Razões para o fim da greve nas Universidade Federaisbancos 16/05/2024 Por TADEU ALENCAR ARRAIS: A nova proposta do Governo Federal anunciada dia 15 de maio merece debate sobre continuar ou não a greve
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • A greve nas universidades e institutos federais não…caminho tempo 17/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: As forças de esquerda e democráticas precisam sair da passividade, como que esperando que Lula e o seu governo, bem como o STF resolvam os impasses políticos
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total
  • O cavalo Caramelocavalo caramelo 15/05/2024 Por LEONARDO BOFF: Há que se admitir que nós não temos respeitado os direitos da natureza com seu valor intrínseco, nem posto sob controle nossa voracidade de devastá-la
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • De Hermann Cohen a Hannah Arendtcultura barcos a vela 18/05/2024 Por ARI MARCELO SOLON: Comentário sobre o livro de Miguel Vatter
  • SUS, 36 anos – consolidação e incertezasPaulo Capel Narvai 15/05/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: O SUS não foi o “natimorto” que muitos anteviram. Quase quatro décadas depois, o SUS está institucionalmente consolidado e desenvolveu um notável processo de governança republicana

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES