As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O anjo hegeliano

Marco Buti, ATACAMACHAÇA
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ARI MARCELO SOLON*

Comentário sobre uma nova interpretação do conceito de Walter Benjamin, o “anjo da história”.

Angelo Nuovo. La Kabbalah racconta che Dio crea ad ogni istante un numero sterminato di nuovi angeli, tutti destinati soltanto a cantare per un attimo le sue lodi davanti al suo trono prima di dissolversi nel nulla. Il mio era stato interrotto in tale compito: i suoi tratti non avevano alcuna sembianza umana.” (Adelphi, Walter Benjamin e il suo angelo).

No dia primeiro de maio, no Neue Zürcher Zeitung, o professor Luca di Blasi, da Suiça, publicou um ensaio sobre o “anjo da história” de Benjamin, com duas revelações bombásticas. A primeira: o anjo da história representa a teologia, uma horizontalização da “teologia da cruz”, de Lutero. E a segunda: o anjo de Benjamin representa um re-teologização do que Hegel chama de “Verweilen beim Negativen“, no começo da Fenomenologia do espírito, ou seja, deter-se no negativo.

Vale dizer, escondido no Angelus Novus, o quadro de Klee (1920), está Martin Luther, “o Reformador”. O autor diz que quando Benjamin comprou há 100 anos o quadro de Klee, que se transformou na alegoria de sua filosofia da história (Sobre o conceito de história, tese nº. 9, de 1940), não sabia que sobre o quadro de Klee ocultava-se a figura de Martin Luther.

O que seria, portanto, a novidade do Angelus Novus? Há 100 anos, portanto, após a Primeira Guerra Mundial e na época da Pandemia espanhola, formulava-se a pergunta: “onde está Deus?”. Essa, segundo Luca, é a teologia da cruz de Luther. Na meditação acerca da cruz, o Deus oculto se revela e o crucificado se torna o messias, o Cristo, e a história do mundo chega a seu fim.

O que era teologia em Luther torna-se, no luterano Hegel, a exigência de se encarar o negativo: “Dieses Verweilen ist die Zauberkraft, die es in das Sein umkehrt“. Este deter-se é a força mágica que ocorre no ser. Para o autor, o anjo da história de Benjamin corresponde à teologia da cruz. As vítimas da história no lugar do crucificado e do negativo.

Benjamin usa o mesmo termo (verweilen) na 9ª tese, ele poderia deter-se, não acordar os mortos e ajuntar os batidos. Em Benjamin, porém, a história parece ser mais forte do que em Hegel, pois a tempestade que nós chamamos “progresso” nos leva para o futuro, e o anjo vira as costas ao passado.

Benjamin, ao reteologizar o conceito de negação dialética hegeliano-marxista acentua um pessimismo em relação às vítimas da história que não se encontram no otimismo originário. Nesse sentido, a figura oculta de Luther parece ser inspiradora, o “luterus absconditus“.

Algumas questões o autor, com sua erudição, com certeza poderia acrescentar a esse brilhante ensaio: qual a relação entre o “verweilen” de Goethe e o deter-se de Hegel, ambos coexistentes e que surgiram na mesma época?

No ensaio de 1933, “Agesilaus Santander”, o próprio Benjamin dá uma interpretação mística do anjo da história. Na Kabbalah, diz ele, anjos são criados de modo efêmero, apenas para entoar hinos durante a labuta diária no templo, e quando terminam de entoar a música, morrem. Ou seja, anjos são “anjos da destruição”. Como Benjamin diz em relação a seu nome, “quando nasci sob o signo de Saturno [o planeta da melancolia], dois anjos foram mandados: um homem e uma mulher.” Agesilaus Santander, anagrama de Angelus Satanás, a disputa entre o diabo e Lilith.

O tema do deter-se também é objeto de um ensaio de Konrad Burdach sobre Fausto e Moisés, em que se refere à cura de Moisés antes de sua morte, que está na Epístola de Judas. Martin Heidegger cita Burdach em Sein und zeit, mas não consegue elaborar o tema da cura a partir dessas raízes angeológicas bíblicas, afinal, Martin Heidegger não era Martin Luther, que conhecia o “Hashem-Ameforash” (o nome inefável de Deus).

*Ari Marcelo Solon é professor da Faculdade de Direito da USP. Autor, entre outros, livros, de Caminhos da filosofia e da ciência do direito: conexão alemã no devir da justiça (Prismas).

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Vanderlei Tenório Armando Boito Renato Dagnino Érico Andrade Paulo Capel Narvai Sergio Amadeu da Silveira Maria Rita Kehl Gilberto Lopes Lucas Fiaschetti Estevez Remy José Fontana Manchetômetro Roberto Noritomi Milton Pinheiro Ronald Rocha Rafael R. Ioris Juarez Guimarães Leonardo Avritzer Marcelo Módolo Valério Arcary Thomas Piketty Luiz Werneck Vianna Berenice Bento Flávio Aguiar Luiz Costa Lima Yuri Martins-Fontes Luiz Renato Martins Lorenzo Vitral João Carlos Loebens Otaviano Helene João Paulo Ayub Fonseca Denilson Cordeiro Rodrigo de Faria Liszt Vieira Leonardo Boff Marilena Chauí Andrew Korybko Daniel Costa Mariarosaria Fabris Carlos Tautz Henri Acselrad Bruno Machado Ronaldo Tadeu de Souza José Micaelson Lacerda Morais André Singer José Costa Júnior Bento Prado Jr. Francisco Pereira de Farias Daniel Afonso da Silva Jorge Luiz Souto Maior Gabriel Cohn Elias Jabbour Jorge Branco Henry Burnett Ricardo Antunes João Lanari Bo Eugênio Bucci Tarso Genro Dennis Oliveira Francisco Fernandes Ladeira Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcelo Guimarães Lima Luiz Carlos Bresser-Pereira Osvaldo Coggiola Tales Ab'Sáber Annateresa Fabris Daniel Brazil Alysson Leandro Mascaro Celso Frederico Vladimir Safatle Paulo Nogueira Batista Jr Manuel Domingos Neto Marcos Aurélio da Silva Kátia Gerab Baggio Lincoln Secco Plínio de Arruda Sampaio Jr. Benicio Viero Schmidt Jean Marc Von Der Weid Leda Maria Paulani Leonardo Sacramento André Márcio Neves Soares Paulo Fernandes Silveira José Machado Moita Neto Ricardo Musse João Adolfo Hansen Anselm Jappe Boaventura de Sousa Santos José Raimundo Trindade Luiz Marques José Luís Fiori João Feres Júnior João Carlos Salles Valerio Arcary Luiz Eduardo Soares Paulo Sérgio Pinheiro Michael Löwy Marcos Silva Luiz Bernardo Pericás Alexandre de Freitas Barbosa Airton Paschoa Atilio A. Boron Heraldo Campos Slavoj Žižek Celso Favaretto Samuel Kilsztajn Afrânio Catani Eugênio Trivinho João Sette Whitaker Ferreira Fernão Pessoa Ramos Luciano Nascimento Tadeu Valadares Flávio R. Kothe José Geraldo Couto Marcus Ianoni Michael Roberts Vinício Carrilho Martinez Julian Rodrigues Fernando Nogueira da Costa Walnice Nogueira Galvão Caio Bugiato Anderson Alves Esteves Dênis de Moraes Eleonora Albano Claudio Katz Eduardo Borges Fábio Konder Comparato Everaldo de Oliveira Andrade Alexandre Aragão de Albuquerque Paulo Martins Sandra Bitencourt Salem Nasser Ronald León Núñez Bernardo Ricupero Antônio Sales Rios Neto Gerson Almeida Igor Felippe Santos Luís Fernando Vitagliano Antonino Infranca José Dirceu Gilberto Maringoni Carla Teixeira Alexandre de Lima Castro Tranjan Ricardo Fabbrini Chico Alencar Ladislau Dowbor Mário Maestri Eleutério F. S. Prado Eliziário Andrade Ari Marcelo Solon Roberto Bueno Ricardo Abramovay Rubens Pinto Lyra Luiz Roberto Alves Marjorie C. Marona Chico Whitaker Priscila Figueiredo Marilia Pacheco Fiorillo Luis Felipe Miguel Bruno Fabricio Alcebino da Silva Antonio Martins Jean Pierre Chauvin

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada