As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Guerra na Ucrânia – o que virá a seguir?

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por HELMHOLTZ SMITH*

A Rússia continuará fazendo o que está fazendo retendo a reserva até decidir que chegou o momento de acabar com a guerra

Não sei o que os russos estão indo fazer na Ucrânia, nem ninguém fora de seu alto comando. Mas, quanto a isso, com certeza muitas previsões erradas têm aparecido. Deixando de lado o moinho de propaganda ocidental, observadores sérios parecem ter-se enganado em relação ao momento. Sabemos que a correlação de forças favorece a Rússia, mas esperamos que as coisas aconteçam mais rapidamente. Concordamos que Moscou esperava algo mais curto, menos sangrento e mais rápido no início e foi provavelmente surpreendido pela resistência do regime de Kiev e pelo apoio mal-intencionado da OTAN. Por conseguinte, houve uma reavaliação e a convocação de mais forças. Até aqui estamos de acordo – parece que nos equivocamos quanto ao momento do próximo passo.

Estive pensando sobre a razão disto e cheguei às seguintes conclusões. Neste momento, todos que estão prestando atenção sabem que o campo de batalha da Ucrânia faz parte de uma guerra mundial na qual aqueles que controlam o império americano estão tentando manter seu domínio. Para aqueles que estão fora da bolha de propaganda da OTAN, há um consenso geral de que: (i) a Rússia está ganhando tanto no campo de batalha da Ucrânia como no teatro mais amplo; (ii) o tempo está do lado da Rússia.

Primeiro, o campo de batalha da Ucrânia. O primeiro objetivo na guerra é destruir o poder do inimigo, e é isso o que a Rússia está fazendo, especialmente no matadouro de Bakhmut. Kiev está determinada a ficar de pé e lutar ali, e os russos estão bastante contentes em deixá-los fazer isso – “a artilharia conquista e a infantaria ocupa” –, é o que vemos aqui. Lentamente, as forças russas avançam sobre montanhas de corpos ucranianos. Na última semana, mais ou menos, as forças russas começaram a avançar também em outras frentes. Esta trituração pode continuar até o colapso da Ucrânia, porque é mais fácil para os russos deixar o inimigo vir até eles do que ir atrás deles. Enquanto isso, os mísseis russos destroem a infraestrutura que Kiev necessita para continuar a guerra. O tempo e os desenvolvimentos favorecem a Rússia e não há incentivo para fazer movimentos de “grande flecha”.

Sobre a guerra maior, as sanções que supostamente teriam esmagado a Rússia, têm retornado como bumerangue e temos lido manchetes como “A inflação na Europa está caindo mas os preços dos alimentos estão subindo” e mortes por hipotermia na Inglaterra. A inflação está diminuindo porque a demanda está diminuindo e a demanda está diminuindo porque as empresas estão parando devido ao preço dos combustíveis. O Índice de Atividade Econômica da Zona do Euro (PMI) da Alemanha está em declínio.

Ninguém (com exceção dos habitantes da bolha na OTAN) deveria ficar surpreso – sancionou-se o maior exportador de energia, o maior exportador de cereais e um grande exportador de potássio, esperava que os preços caíssem? Tudo precisa de energia e todos precisam de alimentos. A unidade da OTAN oscila com Turquia, Suécia e Finlândia. A Hungria observa oficialmente o sofrimento dos húngaros na Ucrânia. A partição da Ucrânia foi considerada. Emmanuel Macron suspeita que os EUA estão enfraquecendo intencionalmente seus aliados europeus. Será que Washington acabou de convencer Berlim a ir primeiro – quando exatamente os tanques Abrams chegarão lá? A OTAN está entrando agora em seus recursos ativos (a Estônia junta-se à Dinamarca para enviar toda sua artilharia). (E, não que alguém esteja perguntando, quem explodiu o Nord Stream?) Tumultos e protestos por toda a Europa. O que está acontecendo em Kiev? Quanto mais tempo isto durar, mais fracos se tornam os inimigos da Rússia. Assim, na grande guerra, o tempo e os desenvolvimentos favorecem a Rússia e não há incentivo para fazer movimentos de “grande flecha”.

Portanto, a Rússia deve continuar fazendo o que está fazendo e manter a grande força em reserva – não há razão para mudar algo – está friccionando seus inimigos.

 

Mas…

Quão louca ficará a OTAN? Sua estratégia é um fracasso total. As “sanções paralisantes” não colapsaram a economia russa, derrubaram Putin ou fizeram a população revoltar-se. Pelo contrário – quando até o Economist tem que admitir que a Rússia “fez muito melhor do que o esperado”, você sabe que ela está realmente prosperando. As armas maravilhosas – Bayraktars, Javelins, M777s, HIMARS, Gepards, Patriots e agora tanques – só prolongaram o sofrimento da Ucrânia e fizeram de Wagner e Akhmat Sila os melhores combatentes urbanos do mundo. O que vem a seguir? A OTAN poderá reverter ela mesma? Poderá sobreviver a outra derrota? Ou, como Larry se pergunta, dirigir diretamente para o Grand Canyon? Que nova loucura surgirá quando os tanques falharem? (Conseguem imaginar como os tagarelas das geladeiras ficarão transtornados se estas coisas funcionarem? A CNN preocupa-se – “Pense na vitória da propaganda do presidente russo Vladimir Putin se surgirem imagens de tanques americanos inutilizados num campo de batalha ucraniano”).

Por conseguinte, acredito que o alto comando russo está num loop contínuo de decisão. Todas as manhãs considera se deve continuar a atual estratégia ou iniciar o movimento de “grande flecha” para pôr fim a esta situação antes que a OTAN faça algo irremediavelmente estúpido. É um processo de equilíbrio cuidadoso.

Em suma, o alto comando russo continuará fazendo o que está fazendo e a manter a reserva até decidir que chegou o momento de acabar com ela. E essa é uma decisão que só ele pode tomar com base em informações que só ele pode conhecer.

Portanto, talvez a ofensiva da “grande flecha” comece amanhã ou talvez nunca precise ser iniciada.

*Helmholtz Smith é jornalista.

Tradução: Fernando Lima das Neves.

Publicado originalmente no site A son of the new american revolution.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Alexandre de Lima Castro Tranjan Denilson Cordeiro Paulo Capel Narvai Lucas Fiaschetti Estevez Benicio Viero Schmidt Osvaldo Coggiola Tadeu Valadares Jorge Luiz Souto Maior Marcelo Módolo Ronaldo Tadeu de Souza Valério Arcary Eugênio Bucci Marilena Chauí Michael Löwy Luiz Eduardo Soares Francisco Pereira de Farias Elias Jabbour João Paulo Ayub Fonseca Afrânio Catani Henri Acselrad Alexandre de Freitas Barbosa Alexandre Aragão de Albuquerque Rubens Pinto Lyra Ari Marcelo Solon Rodrigo de Faria Renato Dagnino Luiz Carlos Bresser-Pereira Francisco Fernandes Ladeira Slavoj Žižek Luiz Costa Lima Vinício Carrilho Martinez Ronald Rocha Igor Felippe Santos José Geraldo Couto Ricardo Abramovay José Costa Júnior Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Werneck Vianna Daniel Costa Kátia Gerab Baggio Celso Favaretto Mariarosaria Fabris Thomas Piketty Luiz Bernardo Pericás Gilberto Maringoni Manchetômetro Salem Nasser Flávio Aguiar Jean Pierre Chauvin Berenice Bento Valerio Arcary Jorge Branco Vladimir Safatle Gerson Almeida Bento Prado Jr. Marcos Aurélio da Silva Jean Marc Von Der Weid Leda Maria Paulani Luis Felipe Miguel Ladislau Dowbor Julian Rodrigues Boaventura de Sousa Santos Dennis Oliveira Roberto Noritomi Anselm Jappe Paulo Martins Michael Roberts Vanderlei Tenório Liszt Vieira Eduardo Borges João Lanari Bo Bruno Machado Paulo Fernandes Silveira Antônio Sales Rios Neto Priscila Figueiredo Leonardo Avritzer João Carlos Salles Carla Teixeira Yuri Martins-Fontes André Singer Armando Boito Marcos Silva Daniel Brazil Eleutério F. S. Prado Flávio R. Kothe Marjorie C. Marona João Adolfo Hansen Lorenzo Vitral Luís Fernando Vitagliano Gilberto Lopes Samuel Kilsztajn Chico Alencar Luiz Renato Martins José Dirceu Dênis de Moraes Manuel Domingos Neto Heraldo Campos André Márcio Neves Soares Tales Ab'Sáber Érico Andrade João Feres Júnior José Micaelson Lacerda Morais Tarso Genro Ricardo Musse Daniel Afonso da Silva Leonardo Boff Celso Frederico Antonino Infranca José Machado Moita Neto Anderson Alves Esteves Ricardo Fabbrini Caio Bugiato Eleonora Albano Luiz Marques Roberto Bueno Andrew Korybko Sandra Bitencourt Airton Paschoa Ricardo Antunes Fernando Nogueira da Costa Plínio de Arruda Sampaio Jr. Carlos Tautz José Luís Fiori Claudio Katz Maria Rita Kehl Bernardo Ricupero Francisco de Oliveira Barros Júnior Gabriel Cohn Remy José Fontana Juarez Guimarães Ronald León Núñez Alysson Leandro Mascaro Paulo Sérgio Pinheiro Marcus Ianoni Henry Burnett Milton Pinheiro Leonardo Sacramento Rafael R. Ioris Otaviano Helene Antonio Martins João Sette Whitaker Ferreira Luciano Nascimento Chico Whitaker José Raimundo Trindade Eugênio Trivinho Everaldo de Oliveira Andrade Sergio Amadeu da Silveira Marcelo Guimarães Lima Walnice Nogueira Galvão Luiz Roberto Alves Lincoln Secco Eliziário Andrade Mário Maestri Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Carlos Loebens Annateresa Fabris Marilia Pacheco Fiorillo Atilio A. Boron Fernão Pessoa Ramos Fábio Konder Comparato

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada