Necropolítica e racismo

Imagem: Fidan Nazim qizi
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ MARQUES*

Na economia do biopoder, a função do racismo é regular a distribuição da morte e tornar possíveis as funções assassinas do Estado

“Correntes nunca mais” (Glória Maria).

Achille Mbembe é um filósofo camaronês que, no início do século XXI, publicou um pequeno ensaio em inglês intitulado Necropolitics. Traduzido para o português, em 2018, soma mais de uma dezena de reimpressões. Virou um grande best-seller do pensamento. Necropolítica discute o atributo fundamental da soberania: “exercer o controle sobre a mortalidade e definir a vida como implantação e manifestação de poder”. A definição corresponde ao que Michael Foucault denomina de biopoder, em Nascimento da biopolítica (Collège de France, 1978-1979).

A preocupação do pensador africano é com “a instrumentalização generalizada da existência humana e a destruição material de corpos humanos e populações”. A ascensão da extrema-direita em escala internacional acendeu o alerta. O neofascismo reenergizou a oposição amigo / inimigo, na política, para justificar o Estado de exceção e conferir ao poder instituído a decisão sobre a vida e a morte dos indivíduos. No Ocidente, o racismo étnico foi o instrumento, por excelência, criado para a eliminação da alteridade; mais inclusive do que a perspectiva de classe social.

Na economia do biopoder, a função do racismo é regular a distribuição da morte e tornar possíveis as funções assassinas do Estado. Neste sentido, os relatos históricos sobre a necropolítica precisam reinserir na agenda crítica a escravidão, “que pode ser considerada uma das primeiras manifestações da experimentação biopolítica”. Se o sistema de plantation serviu para modelar o Estado de exceção moderno, as perdas que abateram os escravos incubaram apátridas, sem direitos sobre o seu corpo ou à existência social (desumanização). Perdas maiores que a simples mais-valia.

Michel Foucault localiza as origens do terror no mecanismo das formações sociais e políticas da Europa, branca e cristã: a subjugação corporal, as regulamentações médicas, o darwinismo social, as políticas de eugenia, as teorias médico-legais sobre hereditariedade, a degeneração e a raça. Mas foram a plantation e a colônia que concentraram o imaginário de horror, que incitou a máquina de moer carne dos campos de extermínio e gulags, dos anos 1930-40. Ambientes em que a ideia do Estado baseado no princípio de organização racional e em ideais universais, como símbolos de uma moralidade, caíram por terra. Em zonas assim conflagradas, a guerra e a desordem postam-se lado a lado, suspendendo as garantias de ordem judicial e constitucional. Em tais circunstâncias, a brutal truculência dos longos hiatos excepcionais operou a serviço da “civilização”.

Para o conquistador, “vida selvagem” equivale à “vida animal”, uma vivência além da imaginação e da compreensão. Do ponto de vista do imperialismo colonial, o alterego é um elemento natural, inumano, a ser subjugado e domesticado. Massacres não geram o sentimento de crime. Conflitos não estão submetidos às normas legais e institucionais. A cidade dos colonizados é má, tem fome, miséria. O locus colonizado é uma favela ajoelhada, disciplinada com ferros.

As beligerâncias pós-modernas são diferentes. Não incluem a conquista e a gerência territorial. Destroem, sem a necessidade de olhar o inimigo nos olhos. A Guerra do Golfo lembrou um jogo de videogame. Bombas inteligentes, sensores eletrônicos, mísseis guiados a laser, veículos aéreos não tripulados, ciberinteligência liquidavam os esboços de reação do inimigo. Em Kosovo, a guerra teve um caráter infraestrutural, destruiu pontes, ferrovias, rodovias, redes de comunicação, armazéns e depósitos de petróleo, centrais termoelétricas, centrais elétricas e instalações de tratamento de água. A estratégia visou o aniquilamento da alternativa de sobrevivência. Ouse e verá.

Os estragos na vida civil foram tremendos. Quando a explosão de uma petroquímica contaminou os arredores de Belgrado, recomendou-se às mulheres o aborto e que não engravidassem por dois anos. Na África, os aparelhos de Estado já não possuem o weberiano “monopólio da violência”. Grupos privados formam e armam exércitos poderosos de extermínio, com os recursos extrativistas de minerais para a compra de armamentos pesados, letais. Crianças viram soldados, mutilados vagam como zumbis, os êxodos levam a zoneamentos prisionais e ao sofrimento.

A ausência de liberdade e a iminência da morte física é o traço comum entre os sobreviventes, nos Estados escravistas e nas ocupações coloniais. A brutalidade pretende fazer da dor infligida um meio de submissão incondicional. Fenômeno que não pertence ao passado, pertence ao presente construído com a lógica colonialista da dominação e subordinação. A “duração” entrelaça o ontem ao hoje com a linha de continuidade da necropolítica, às vezes imperceptível. Como se fosse um raio no céu azul, uma excepcionalidade. A rigor, trata-se do continuum. Em sociedades marcadas pela longa travessia escravista, todas as relações sociais reproduzem a chaga da intolerância e do preconceito que “roubou a alma até dos proprietários de escravos”, conforme diziam ilustres abolicionistas em priscas eras. Empregadas domésticas sabem-no de cor.

Apesar do processo de desumanização metódica e sistemática, escravizados no Brasil por 350 anos erguem-se das ruínas, onde os significantes se mantiveram entre destroços para desenvolver suas capacidades polimorfas, com a música e a dança. Pareciam despojados de Eros para sempre, porém reinventaram novos significados para existir. A “territorialização” da colônia à margem da lei não logrou acabar com a resiliência dos subalternizados. Oprimiu; não venceu.

A memória de detalhes das lutas e revoltas ancestrais impulsiona, não a fantasia do regresso a uma ilusão sem pé nem cabeça na verità effettuale della cosa, e sim a esperança no futuro. A resistência reside no candomblé, na umbanda, nas comidas que formataram uma identidade brasileira, nos quilombolas, no sincretismo para manter vivo o interditado. Cotas étnico-raciais em universidades públicas agilizaram a reparação, que era devida aos vitimizados por séculos, e acionaram políticas públicas em Conferências Nacionais sob os governos progressistas (2003-2016). Nenhum outro programa promoveu tamanha e impressionante mobilidade social. Filhas e filhos de diaristas e frentistas puderam então frequentar o ensino superior, tornar-se doutores.

O biopoder, a necropolítica e o Estado de exceção rondam o mapa-múndi, o que dá a perfeita dimensão da vitória de Lula à presidência da nação. O resultado impactou e bloqueou o crescimento da extrema-direita, internacionalmente. A política voltou ao prumo de cidadania, com os valores da liberdade, igualdade e solidariedade. Nas delegacias de polícia ainda ecoam torturas e violações dos direitos humanos. Ainda se morre asfixiado no porta-malas da SUV de agentes rodoviários, por estar sem capacete, ou na saída de um supermercado espancado por seguranças racializados pelo racismo estrutural, porque se é preto. Mas a indignação no peito sai às ruas. O nível de consciência, cresceu e o ânimo organizativo se fortaleceu. “Vidas negras importam”.

A luta de classes no país está ligada à emancipação da canga do colonialismo (racismo). As relações de trabalho e raça, juntamente com a questão de gênero, tecem uma totalidade que a astúcia política se encarrega de classificar e ordenar, sem apriorismos teóricos. Nem tudo se resolve na teoria; muito se resolve na prática, no movimento, sem manual de instrução. O mérito de Achille Mbembe é pôr o dedo na ferida narcísica da história mundial do supremacismo caucasiano. A necropolítica e o racismo são âncoras que nos prendem aos piores pesadelos. Içar âncoras!

*Luiz Marques é professor de ciência política na UFRGS. Foi secretário estadual de cultura do Rio Grande do Sul no governo Olívio Dutra.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Manchetômetro José Costa Júnior João Sette Whitaker Ferreira Daniel Afonso da Silva Paulo Martins Vladimir Safatle Milton Pinheiro Berenice Bento Bernardo Ricupero Afrânio Catani Eduardo Borges Alexandre Aragão de Albuquerque Fernando Nogueira da Costa Ricardo Musse João Carlos Loebens Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Flávio Aguiar Ronald León Núñez Ari Marcelo Solon Julian Rodrigues Paulo Fernandes Silveira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Carlos Tautz Bruno Machado Annateresa Fabris Eleutério F. S. Prado Fábio Konder Comparato Ladislau Dowbor Eugênio Bucci Daniel Costa Chico Whitaker Bruno Fabricio Alcebino da Silva Jean Pierre Chauvin Luiz Werneck Vianna Leonardo Boff Gerson Almeida José Raimundo Trindade Marilena Chauí Sergio Amadeu da Silveira Tadeu Valadares Érico Andrade Osvaldo Coggiola Marcelo Guimarães Lima Celso Favaretto José Machado Moita Neto José Micaelson Lacerda Morais Eugênio Trivinho Marcus Ianoni Paulo Sérgio Pinheiro Kátia Gerab Baggio Yuri Martins-Fontes Claudio Katz José Luís Fiori Jorge Branco Liszt Vieira Luiz Marques Marcos Aurélio da Silva Luiz Roberto Alves Gilberto Lopes Vinício Carrilho Martinez Valerio Arcary Michel Goulart da Silva Remy José Fontana Matheus Silveira de Souza Luciano Nascimento Henry Burnett Salem Nasser Ronald Rocha Michael Roberts Flávio R. Kothe Thomas Piketty Rodrigo de Faria Valerio Arcary João Carlos Salles Paulo Capel Narvai Luiz Eduardo Soares Atilio A. Boron Juarez Guimarães Francisco de Oliveira Barros Júnior Benicio Viero Schmidt Luiz Carlos Bresser-Pereira Ricardo Fabbrini Fernão Pessoa Ramos Renato Dagnino Leonardo Avritzer Eliziário Andrade Walnice Nogueira Galvão João Adolfo Hansen Dennis Oliveira Andrew Korybko Alexandre de Freitas Barbosa Carla Teixeira Priscila Figueiredo Everaldo de Oliveira Andrade Luis Felipe Miguel Vanderlei Tenório Caio Bugiato Alexandre de Lima Castro Tranjan Daniel Brazil Andrés del Río Tarso Genro João Feres Júnior Rafael R. Ioris João Paulo Ayub Fonseca Manuel Domingos Neto Jean Marc Von Der Weid Boaventura de Sousa Santos Rubens Pinto Lyra Alysson Leandro Mascaro Ricardo Abramovay Lincoln Secco Gilberto Maringoni Maria Rita Kehl André Singer Antônio Sales Rios Neto Armando Boito José Geraldo Couto Jorge Luiz Souto Maior Heraldo Campos Sandra Bitencourt Lucas Fiaschetti Estevez Lorenzo Vitral Luís Fernando Vitagliano Elias Jabbour Denilson Cordeiro Ronaldo Tadeu de Souza Francisco Fernandes Ladeira André Márcio Neves Soares Ricardo Antunes Celso Frederico Luiz Bernardo Pericás Airton Paschoa Tales Ab'Sáber Igor Felippe Santos Marcos Silva Marjorie C. Marona Gabriel Cohn Leonardo Sacramento Antonio Martins Antonino Infranca Mário Maestri Paulo Nogueira Batista Jr Samuel Kilsztajn Bento Prado Jr. Michael Löwy Francisco Pereira de Farias Mariarosaria Fabris Marcelo Módolo Luiz Renato Martins Anselm Jappe José Dirceu Otaviano Helene Leda Maria Paulani Dênis de Moraes Chico Alencar João Lanari Bo Marilia Pacheco Fiorillo Slavoj Žižek Eleonora Albano Henri Acselrad

NOVAS PUBLICAÇÕES