Jéssica Vitoria Canedo

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIS FELIPE MIGUEL*

Cada conta nas redes sociais que divulgou a mentira sobre Jéssica Canedo, cada internauta que comentou, curtiu e compartilhou – todos têm sangue nas mãos

Jéssica Vitoria Canedo tinha apenas 22 anos.

Uma página no Instagram, com mais de um milhão de seguidores, divulgou prints falsos de conversas dela com o humorista Whindersson Nunes.

A notícia falsa circulou amplamente na internet, compartilhada por outras páginas, como a Choquei, que tem 21 milhões de seguidores no Instagram e quase outros sete milhões no Twitter.

Jéssica Canedo, uma pessoa comum, anônima, tornou-se de imediato uma subcelebridade e passou a ser bombardeada com provocações e agressões. Era mulher e jovem, o que a tornava um alvo ideal para um escândalo do tipo. Sua mãe fez um apelo para que parassem, citando a saúde mental frágil da jovem.

Não passou uma semana e Jéssica Canedo se suicidou.

A tragédia com a jovem mineira ilustra algumas das patologias dos nossos tempos digitais – que não começam com ele, é verdade, mas parecem se agudizar.

Primeiro, a obsessão doentia com as fofocas sobre “famosos”.

Se o tal caso fosse verdade, não seria da conta de ninguém. Os dois eram adultos. E qual o interesse de saber que Whindersson Nunes, notório mulherengo, estava tendo um caso com uma mulher?

Se tivessem aparecido em público e fotografados, seria uma curiosidade boba. Mas (pretensos) prints de conversas privadas? Qual é o limite – ou não há nenhum?

O povo assiste a The crown, se comove com a princesa Diana morta por causa de paparazzi sem noção – mas nem pensa na situação de uma moça que, aliás, ao contrário da princesa Diana, não buscou a visibilidade pública.

Segundo, a crueldade gratuita.

Qual a necessidade de ir atrás de Jéssica Canedo, de dirigir a ela xingamentos e comentários maldosos, de tecer elucubrações? Não estou falando sequer de humanidade ou de empatia. Estou falando daquele corte básico entre o que é e o que não é da minha conta.

Terceiro, a irresponsabilidade.

Cada conta nas redes sociais que divulgou a mentira, cada internauta que comentou, curtiu e compartilhou – todos têm sangue nas mãos. Era um caso picante, quem se importa se é verdade ou que efeito vai ter sobre as pessoas envolvidas?

Os apelos da mãe e da própria Jessica Canedo? Ah, mimimi. E pronto.

Os bolsonaristas estão fazendo um carnaval, porque a Choquei é simpática ao Lula. Quem tiver estômago, pode ver o espetáculo de indignação encenado por um patife amoral como Nikolas Ferreira.

Que fique claro: não existe desculpa para o Choquei. A página é um lixo de sensacionalismo barato, com cuidado zero com a qualidade da informação.

O que aconteceu com Jéssica Canedo não foi um infortúnio imprevisível. O modelo de negócios da Choquei e de páginas similares assume esse risco.

Os responsáveis por ela e por todas as outras páginas envolvidas (que agora estão apagando as postagens e publicado comunicados evasivos e hipócritas de suas assessorias jurídicas) devem ser responsabilizados civil e criminalmente. Devem pagar multa. Devem ir para a cadeia. Devem ser banidos para sempre das redes sociais.

Mas também estão com sangue nas mãos as big techs e seus aliados – isto é, a própria extrema direita – que bloqueiam, com todas as armas de que dispõem, qualquer proposta de regulação das redes.

Internet sem lei mata. Gostaria que a tragédia de Jéssica Canedo servisse para mudar a situação, mas, infelizmente, nem no Natal consigo acreditar nisso.

*Luis Felipe Miguel é professor do Instituto de Ciência Política da UnB. Autor, entre outros livros, de Democracia na periferia capitalista: impasses do Brasil (Autêntica). [https://amzn.to/45NRwS2]

Publicado originalmente nas redes sociais do autor.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Plínio de Arruda Sampaio Jr. Gerson Almeida Tales Ab'Sáber Marcelo Módolo Salem Nasser Atilio A. Boron Luiz Marques Francisco Fernandes Ladeira Flávio Aguiar João Lanari Bo Samuel Kilsztajn Anselm Jappe Berenice Bento Claudio Katz Luiz Bernardo Pericás Marcelo Guimarães Lima Gilberto Maringoni Eleonora Albano Luís Fernando Vitagliano Eliziário Andrade Gilberto Lopes Tadeu Valadares Manuel Domingos Neto João Adolfo Hansen Valerio Arcary Bernardo Ricupero Eugênio Bucci Jean Pierre Chauvin Paulo Nogueira Batista Jr Paulo Fernandes Silveira Dênis de Moraes Michael Roberts Bruno Fabricio Alcebino da Silva Thomas Piketty Alysson Leandro Mascaro Paulo Capel Narvai João Feres Júnior Francisco Pereira de Farias Igor Felippe Santos Luiz Carlos Bresser-Pereira Marilia Pacheco Fiorillo Michel Goulart da Silva Tarso Genro José Dirceu Anderson Alves Esteves João Carlos Loebens Otaviano Helene Ricardo Musse Luiz Eduardo Soares Leonardo Boff Liszt Vieira Luiz Werneck Vianna Priscila Figueiredo Milton Pinheiro Juarez Guimarães Jorge Branco Luis Felipe Miguel Yuri Martins-Fontes Lorenzo Vitral Bento Prado Jr. João Carlos Salles Ricardo Fabbrini Henri Acselrad Sandra Bitencourt Vanderlei Tenório Renato Dagnino Marjorie C. Marona Luiz Renato Martins Daniel Brazil Eduardo Borges Marcus Ianoni Celso Favaretto Henry Burnett Osvaldo Coggiola Paulo Sérgio Pinheiro Jorge Luiz Souto Maior Leonardo Sacramento João Paulo Ayub Fonseca José Machado Moita Neto Ricardo Antunes Caio Bugiato Rafael R. Ioris Vladimir Safatle Remy José Fontana Armando Boito Fábio Konder Comparato Alexandre de Freitas Barbosa Fernão Pessoa Ramos André Singer Heraldo Campos José Geraldo Couto Vinício Carrilho Martinez Carlos Tautz Gabriel Cohn Rubens Pinto Lyra Celso Frederico Ronaldo Tadeu de Souza Marcos Aurélio da Silva Antonino Infranca Afrânio Catani Alexandre de Lima Castro Tranjan Airton Paschoa Lincoln Secco Ricardo Abramovay André Márcio Neves Soares Michael Löwy Ari Marcelo Solon Ladislau Dowbor José Raimundo Trindade Dennis Oliveira Mário Maestri Matheus Silveira de Souza Sergio Amadeu da Silveira Mariarosaria Fabris Antônio Sales Rios Neto Andrés del Río Carla Teixeira Leonardo Avritzer Denilson Cordeiro Maria Rita Kehl Walnice Nogueira Galvão Leda Maria Paulani Annateresa Fabris Érico Andrade Luiz Roberto Alves José Luís Fiori Eugênio Trivinho Elias Jabbour Andrew Korybko Slavoj Žižek Luciano Nascimento Jean Marc Von Der Weid Chico Alencar Bruno Machado Daniel Afonso da Silva José Costa Júnior Julian Rodrigues Eleutério F. S. Prado Manchetômetro Marilena Chauí Everaldo de Oliveira Andrade Francisco de Oliveira Barros Júnior Kátia Gerab Baggio Antonio Martins Alexandre Aragão de Albuquerque Fernando Nogueira da Costa Paulo Martins José Micaelson Lacerda Morais Ronald León Núñez Chico Whitaker Flávio R. Kothe Rodrigo de Faria Boaventura de Sousa Santos Benicio Viero Schmidt Ronald Rocha Lucas Fiaschetti Estevez João Sette Whitaker Ferreira Marcos Silva Daniel Costa Valerio Arcary

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada