Martín Chambi, fotógrafo nativo

Marcelo Guimarães Lima, Noite Púrpura, pintura digital, 2023
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MARCELO GUIMARÃES LIMA*

As obras de Martín Chambi captam e representam momentos de coexistência entre o passado e um presente em transição

Martín Chambi. Juan de la Cruz Sihuana, Cuzco, 1925

Aos 14 anos, Martín Chambi (1891-1973) trabalhou nas minas de ouro que os britânicos exploravam em seu Peru natal. Aprendeu os rudimentos da fotografia com os mesmos patrões estrangeiros. Tornou-se fotógrafo profissional trabalhando por encomendas, especialmente retratos, bem como por conta própria, fotografando a terra e seu povo. As obras encomendadas serviram para financiar sua paixão por documentar seu tempo, sua terra e sua cultura.

Nas obras de Martín Chambi, a fotografia é, ao mesmo tempo, o meio e o índice, a ferramenta e o registro dos desenvolvimentos modernos que afetaram a nação peruana e seus povos nas primeiras décadas do século 20. As obras de Martín Chambi captam e representam momentos de coexistência entre o passado e um presente em transição, ou seja, um tempo dividido internamente entre o que foi e o que virá. Dividido entre o ser e o devir, o presente não é mais idêntico a si mesmo: é um tempo de relativa não-identidade. E, no entanto, entre o fato e a representação, a vida continua como uma duração homogênea. O paradoxo do tempo vivido, como o próprio tempo fotográfico, é que, em muitos aspectos, é um tempo que não passa. O lugar da fotografia situa-se entre o já desaparecido e o sempre aí.

Martín Chambi. Camponesa de Q’eromarca com criança, Cusco, 1934

Um dos elementos notáveis da fotografia de Martín Chambi, podemos afirmar, é de fato o poder de amalgamar em um mesmo olhar, uma mesma visão e perspectiva, o moderno e o “ancestral”, a tecnologia e a “alma” – isto é, a fotografia, a “imagem-máquina”, e o espírito ou a “aura” de um povo, de um lugar e uma cultura. Uma cultura, isto é, uma forma específica de vida, uma forma única de humanidade visibilizada pelo fotógrafo. A “aura”, isto é, uma emanação de luz que emoldura um padrão formal único, uma configuração momentânea e original, ao mesmo tempo fugaz, instantânea e atemporal.

Martín Chambi. Machu-Pichu, 1925

O fotógrafo Martín Chambi é ele próprio portador da modernidade, de uma nova visão para e da sua cultura. O fotógrafo é como um intruso ou invasor em sua própria terra. E, no entanto, a mirada, a visão ou o olhar em suas obras é recíproco, uma espécie de diálogo entre o artista e seus modelos, um comércio de lugares entre o observador e o observado. Neste caso, o fotógrafo é simultaneamente um observador externo e interno. A estética do gênero e do pitoresco na fotografia de Martín Chambi torna-se um meio de inversão – o olhar “estrangeiro” pode servir como ferramenta de autorreflexão. Os indivíduos nas fotos de Martín Chambi parecem olhar para o fotógrafo com um olhar que se assemelha, poderíamos dizer, ao olhar ou visão “mecânica” da câmera: ao mesmo tempo intenso, focado e “distraído”, indiferente ou suspenso.

O fotógrafo indígena não se limita a “desconstruir” a fotografia, o romantismo e os gêneros: ele os usa para seus próprios fins. A sua perspectiva é, em aspectos essenciais, a da lógica implacável do instrumento ou meio fotográfico como tal. A fotografia pode, de fato, registrar o tempo e a cultura com bastante objetividade, porque é em si mesma um empreendimento coletivo, um meio coletivo que implica em cada tomada uma multiplicidade de pontos de vista, incluindo o do fotógrafo, seus sujeitos e espectadores. O olhar múltiplo da fotografia pode expressar as infinitas formas e modulações da experiência humana – todas únicas e ao mesmo tempo equivalentes, isto é, eminentemente traduzíveis na imagem. O próprio tempo traduz suas múltiplas dimensões nas formas da fotografia.

Martín Chambi. Autorretrato com motocicleta, Cuzco, 1934

A obra de Martín Chambi é uma grande coleção de cartões postais que documentam o povo e a paisagem do Peru. Neste vasto acervo, o fotógrafo transita sem esforço da exibição pública, do trabalho comercial para visões privadas. No cartão-postal como forma, a imagem é um ponto mediador entre o olhar do outro e a visão como traço, memória, recordação subjetiva. A imagem fotográfica revela a visão humana como uma relação de troca entre dois ausentes. Entrega-se a um terceiro ausente: o cartão-postal dirige-se ao futuro.

Marcelo Guimarães Lima é artista plástico, pesquisador, escritor e professor.

Tradução/revisão/ adaptação do original publicado no livro Heterocronia and Vanishing Viewpoints, art chronicles and essays. Disponível em acesso livre aqui.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • 40 anos sem Michel Foucaultveneza 13/07/2024 Por VINÍCIUS DUTRA: O que ainda permanece admirável na forma de Foucault de refletir é sua perspicácia em contestar ideias intuitivamente aceitas pela tradição crítica de pensamento
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • Que horas são no relógio de guerra da OTAN?José Luís Fiori 17/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: Os ponteiros do “relógio da guerra mundial” estão se movendo de forma cada vez mais acelerada
  • A noite em que a Revolução Francesa morreuater 0406 01/07/2024 Por MARTÍN MARTINELLI: Prefácio do livro de Guadi Calvo
  • Episódios stalinistas no Brasilfotos antigas 14/07/2024 Por ANGELA MENDES DE ALMEIDA: Uma história costurada com inverdades, mas que, muito tempo depois, acabaram por sair à luz do dia
  • Marxismo e política — modos de usarLuis Felipe Miguel 15/07/2024 Por LUIS FELIPE MIGUEL: Introdução do autor ao livro recém-publicado
  • Carta de Berlim — a guerra e o velho diaboFlávio Aguiar 2024 16/07/2024 Por FLÁVIO AGUIAR: Há um cheiro de queimado no ar de Berlim. E não há nenhum Wald (bosque) em chamas, apesar do calor estival. O cheiro de queimado vem mesmo da sede do governo Federal
  • Julian Assange, Edward Snowden, Daniel Ellsbergwalnice 13/07/2024 Por WALNICE NOGUEIRA GALVÃO: Só permanece desinformado sobre segredos e inconfidências quem de fato tiver muita preguiça
  • Um ciclo interminávelpalestina rua gente 16/07/2024 Por BRUNO HUBERMAN: A esquerda sionista ataca a luta palestina por descolonização
  • Antígona na sala de aulalivros e leitura 17/07/2024 Por GABRIELA BRUSCHINI GRECCA: O tempo presente tem se mostrado cada vez mais essencial para retomarmos o contato com as tragédias gregas

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES