Literatura na quarentena: Marrom e Amarelo

Imagem_Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Daniel Brazil*

Comentário sobre o mais recente romance de Paulo Scott

Outro dia, numa conversa de amigos sobre literatura, confessei minha implicância com finais abertos. Na maioria das vezes, parece que o autor não soube como terminar a história. Fui devidamente esculhambado pelos interlocutores, final fechado é coisa do século XIX, narrativa com começo-meio-e-fim é algo careta, assim como a palavra careta. Felizmente estávamos num bar, e não num simpósio.

Relembrei meus tempos de estudante de cinema, do impacto que me causou assistir filmes de mestres como Antonioni e Fellini com geniais e inovadores finais abertos (nos anos 1960!), e de como isso se tornou fórmula simplista nas décadas seguintes, banalizando um recurso que rompia com a narrativa tradicional, mas que logo foi absorvido pelo “sistema”.

Parece ser um estigma das estéticas do século XX do pós-guerra, em todas as artes. Brilharem por algum tempo e depois serem canibalizadas pela incansável e voraz tribo dos diluidores. Efeito perverso da era das comunicações, onde toda novidade é copiada ad nauseam. Não há achado interessante no cinema, por exemplo, que não seja vulgarizado pela publicidade um ano depois. Nas artes plásticas, então, melhor nem comentar. Aspirante a artista de Xiririca da Serra copia o que causou impacto no MoMA no mês anterior, graças à internet.

Todo esse preâmbulo é pra tentar disfarçar o impacto que me causou a leitura do romance Marrom e Amarelo (Alfaguara, 2019), do gaúcho Paulo Scott. Autor premiado e estimado pela crítica, Scott encara o desafio de desenvolver um romance sobre a questão racial brasileira sem parecer panfletário ou sabichão. E manda muito bem!

Lourenço e Federico são irmãos, um mais “marrom”, outro mais “amarelo”, nascidos em Porto Alegre. Federico é o narrador, militante, dirigente de ong, que é convidado a participar em Brasília de um grupo ministerial voltado para a questão das cotas raciais nas universidades. Perto dos 50 anos, fracassado na vida amorosa, relembra momentos cruciais da infância e juventude vividos com o irmão “mais preto”, hoje técnico de basquete da seleção gaúcha.

A narrativa nervosa flui com facilidade, à medida em que novos ingredientes são acrescentados à trama. A sobrinha Roberta é presa numa manifestação estudantil, e Federico retorna a Porto Alegre para ajudar o irmão. O pai, policial aposentado, nunca discutiu racismo dentro de casa. A mãe, idem. O diálogo entre as três gerações não será fácil.

Quase nunca é, independente do tema. Mas Paulo Scott consegue com sabedoria mesclar dilemas familiares, lembranças estudantis, amores erráticos, amizades (e inimizades) que atravessam décadas, orquestrando tudo de forma coerente. Traçou um retrato atualíssimo dos efeitos do racismo numa família negra de classe média, sem apelar para ancestrais africanos ou rituais de candomblé. O patriarca reza um Pai Nosso antes das refeições, e isso é de uma ironia fina, sem julgamento de valor.

Marrom e Amarelo é, desde já, obra fundamental de ficção a enfocar de maneira realista a questão racial no século XXI, num país onde a democracia plena já não respira, e a democracia racial nunca existiu. Mais que tudo, um grande romance, bem escrito, contundente e necessário. Apesar do final aberto…

Um grande romance, admiravelmente bem escrito, contundente e necessário. Apesar do final aberto…

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

REFERÊNCIAS

Marrom e Amarelo Capa comum – Agosto 2019 – Paulo Scott (https://amzn.to/47AdRE9)

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Bernardo Ricupero André Márcio Neves Soares João Adolfo Hansen Marcos Silva Michael Löwy Gerson Almeida Antonino Infranca Heraldo Campos Jean Pierre Chauvin João Carlos Loebens Anderson Alves Esteves Alysson Leandro Mascaro Atilio A. Boron Everaldo de Oliveira Andrade Paulo Nogueira Batista Jr Armando Boito José Costa Júnior Carla Teixeira Luiz Bernardo Pericás Fernão Pessoa Ramos Ricardo Antunes Anselm Jappe Sergio Amadeu da Silveira Flávio R. Kothe Dênis de Moraes Kátia Gerab Baggio Luiz Renato Martins Manchetômetro Jorge Luiz Souto Maior Celso Favaretto Salem Nasser Henri Acselrad Francisco Fernandes Ladeira Ronaldo Tadeu de Souza Ronald León Núñez Tarso Genro Sandra Bitencourt José Raimundo Trindade Remy José Fontana Caio Bugiato Rodrigo de Faria José Luís Fiori João Feres Júnior Chico Alencar João Lanari Bo Renato Dagnino Marcus Ianoni Annateresa Fabris João Carlos Salles Osvaldo Coggiola Paulo Capel Narvai Vinício Carrilho Martinez Alexandre de Lima Castro Tranjan Samuel Kilsztajn Mário Maestri Luiz Werneck Vianna Alexandre Aragão de Albuquerque José Machado Moita Neto Valerio Arcary João Sette Whitaker Ferreira Bruno Machado José Micaelson Lacerda Morais Luiz Eduardo Soares Eleutério F. S. Prado Leonardo Boff Andrés del Río Fábio Konder Comparato Milton Pinheiro Eleonora Albano Priscila Figueiredo Bento Prado Jr. Celso Frederico Marcelo Módolo Michael Roberts Jean Marc Von Der Weid Ronald Rocha Luiz Marques Liszt Vieira Luís Fernando Vitagliano Yuri Martins-Fontes Marilia Pacheco Fiorillo Henry Burnett Paulo Fernandes Silveira Marjorie C. Marona Antonio Martins Luis Felipe Miguel Francisco Pereira de Farias Slavoj Žižek Matheus Silveira de Souza Vladimir Safatle Fernando Nogueira da Costa Vanderlei Tenório Chico Whitaker Michel Goulart da Silva Marilena Chauí Lorenzo Vitral Claudio Katz Dennis Oliveira Paulo Martins Leonardo Sacramento Marcos Aurélio da Silva Thomas Piketty Ricardo Musse Boaventura de Sousa Santos Juarez Guimarães Airton Paschoa Francisco de Oliveira Barros Júnior Gabriel Cohn Julian Rodrigues Eliziário Andrade Otaviano Helene José Geraldo Couto Flávio Aguiar Denilson Cordeiro Daniel Brazil Plínio de Arruda Sampaio Jr. Daniel Costa Eugênio Bucci Berenice Bento Paulo Sérgio Pinheiro Manuel Domingos Neto Elias Jabbour Maria Rita Kehl Ricardo Fabbrini Walnice Nogueira Galvão Andrew Korybko Carlos Tautz Luciano Nascimento Antônio Sales Rios Neto Tadeu Valadares Leonardo Avritzer Tales Ab'Sáber Érico Andrade Luiz Carlos Bresser-Pereira Daniel Afonso da Silva Gilberto Lopes Valerio Arcary Igor Felippe Santos Rubens Pinto Lyra Lucas Fiaschetti Estevez Ladislau Dowbor Ari Marcelo Solon Leda Maria Paulani Mariarosaria Fabris Lincoln Secco Jorge Branco Afrânio Catani Luiz Roberto Alves Eugênio Trivinho Alexandre de Freitas Barbosa José Dirceu Ricardo Abramovay Rafael R. Ioris Benicio Viero Schmidt Bruno Fabricio Alcebino da Silva Gilberto Maringoni Marcelo Guimarães Lima André Singer João Paulo Ayub Fonseca Eduardo Borges

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada