As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A desinformação sionista

Imagem: Alexandros Chatzidimos
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JULIAN MACFARLANE*

Que os sionistas não se importam com a vida humana fica bastante claro nas ações que se seguiram ao 7 de outubro

Em um artigo recente sobre o ataque de 7 de outubro em Israel e sobre o que se seguiu, tentei elucidar a narrativa apresentada ao público, utilizando uma espécie de análise forense dos acontecimentos e das histórias veiculadas pelos meios de comunicação. Preocupava-me que críticos e analistas eminentes estivessem sendo enganados tanto pela desinformação sionista quanto pela desinformação ocidental.

O que concluí naquela análise foi que o 7 de outubro não foi um ataque terrorista, mas sim um movimento militar estratégico, por parte de um povo ocupado, que exerceu o seu direito à resistência, para capitalizar vantagem, fazendo reféns da potência ocupante e, ao mesmo tempo, desmontando o mito da invulnerabilidade militar sionista.

Como na maioria dos movimentos militares, houve danos colaterais.

Com o passar do tempo, no entanto, ficou claro – a partir de fontes israelenses – que a maioria das vítimas civis foi produzida pela mão dos militares israelenses, inicialmente por unidades de helicópteros Apache, que rapidamente esgotaram a maior parte da sua munição, disparando indiscriminadamente. A eles seguiram-se forças terrestres de tanques e artilharia.

Que os sionistas não se importem com a vida humana fica bastante claro nas ações que se seguiram, de ataque indiscriminado a civis em Gaza, onde o número de mortos se aproxima agora dos 11.000 – talvez metade deles mulheres e crianças. “A culpa não é nossa”, dizem os israelenses, “a culpa é dos ‘terroristas’ que se escondem atrás de ‘escudos humanos’”.

Dos 240 reféns, os israelenses já mataram 60, talvez mais. Em breve não terão que se preocupar com eles, o que os removerá como problema de alguma mesa de negociação. Os sionistas israelenses estão praticando o que os nazistas chamavam de “Sippenhaft” (castigo coletivo), geralmente familiar. Assim, eles têm como alvo mulheres e crianças.

Jornalistas também não estão imunes. O jornalista palestino Mohammad Abu Hasira perdeu sua família quando as FDI atacaram sua casa. Da mesma forma, o chefe do escritório da Al Jazeera, Wael Dahdouh, perdeu a esposa, o filho, a filha, o neto e pelo menos outros oito parentes.

Se alguma vez alguém buscou uma prova da influência do nazismo alemão no sionismo, ei-la aqui. A noção de Sippenhaft remonta aos tempos pré-romanos, e era comum entre os povos germânicos, celtas e eslavos.

Ideologias baseadas em mitologias ancestrais, como o nazismo e o sionismo, muitas vezes tomam práticas antigas e as reinventam. Os nazistas fizeram isso com a Sippenhaft, que nos tempos antigos significava que se alguém fizesse algo ruim, como matar a outrem, a família do culpado teria que pagar um preço – normalmente monetário – caso o próprio culpado não pudesse arcar com ele. Isto refletia a natureza comunal das culturas tribais germânicas, mas, na maioria dos casos, não tinha qualquer intenção totalitária. A instituição visava prevenir rixas perturbadoras, como uma forma primitiva de justiça restaurativa.

A versão nazista, no entanto, visava deixar as pessoas com muito, muito medo de agir contra eles. Como a política nazista, a versão sionista não é codificada, mas usada seletivamente, das mais diversas formas, geralmente disfarçada de “autodefesa”. O propósito final, no entanto, é o mesmo que o dos nazistas: controle totalitário.

O terror tornou-se, progressivamente, para os nazistas, uma tentativa agonística de gestão social, à medida que o seu projeto começava a falhar em todas as frentes, fracasso após fracasso. O terror torna-se, assim, expressão de uma derrota.

Agora, quando os sionistas afundarem, os Estados Unidos podem eventualmente estar com eles, em um abraço de afogados.

*Julian Macfarlane é jornalista canadense.

Tradução: Ricardo Cavalcanti-Schiel.

Publicado originalmente em New Forensics/Substack.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Flávio R. Kothe Marcos Aurélio da Silva Eliziário Andrade Michael Löwy Marcos Silva Bernardo Ricupero Fábio Konder Comparato Ari Marcelo Solon Thomas Piketty Eleutério F. S. Prado Caio Bugiato Igor Felippe Santos João Paulo Ayub Fonseca Leda Maria Paulani Luiz Roberto Alves José Dirceu Rafael R. Ioris André Singer Gilberto Lopes Rubens Pinto Lyra Manuel Domingos Neto Plínio de Arruda Sampaio Jr. Everaldo de Oliveira Andrade Milton Pinheiro Luis Felipe Miguel Yuri Martins-Fontes Érico Andrade Sergio Amadeu da Silveira Fernão Pessoa Ramos Lucas Fiaschetti Estevez Afrânio Catani Mário Maestri Valério Arcary Sandra Bitencourt Ladislau Dowbor Maria Rita Kehl Paulo Capel Narvai Alexandre de Freitas Barbosa Kátia Gerab Baggio Eduardo Borges João Lanari Bo Slavoj Žižek João Carlos Salles Heraldo Campos Eugênio Bucci Luiz Marques Claudio Katz Samuel Kilsztajn Walnice Nogueira Galvão Benicio Viero Schmidt Lincoln Secco Luiz Eduardo Soares Ricardo Musse Eleonora Albano Antonio Martins Lorenzo Vitral Alexandre Aragão de Albuquerque Vinício Carrilho Martinez Leonardo Boff José Geraldo Couto Gabriel Cohn Daniel Costa Ronaldo Tadeu de Souza Dênis de Moraes Tadeu Valadares João Feres Júnior Antônio Sales Rios Neto Otaviano Helene Andrew Korybko Luiz Werneck Vianna Marcelo Módolo Carlos Tautz Mariarosaria Fabris João Sette Whitaker Ferreira Gerson Almeida Fernando Nogueira da Costa Celso Favaretto Vanderlei Tenório Tales Ab'Sáber Jorge Branco José Micaelson Lacerda Morais Carla Teixeira Luiz Renato Martins Ricardo Abramovay Armando Boito Anderson Alves Esteves Henri Acselrad Chico Alencar Denilson Cordeiro Anselm Jappe Salem Nasser Osvaldo Coggiola Luciano Nascimento Bento Prado Jr. Rodrigo de Faria Luiz Carlos Bresser-Pereira Jorge Luiz Souto Maior Celso Frederico Marjorie C. Marona Airton Paschoa José Raimundo Trindade Michael Roberts Alexandre de Lima Castro Tranjan Juarez Guimarães Elias Jabbour Antonino Infranca Paulo Fernandes Silveira Luiz Costa Lima Vladimir Safatle Eugênio Trivinho Henry Burnett Chico Whitaker André Márcio Neves Soares Paulo Nogueira Batista Jr Renato Dagnino Leonardo Sacramento Paulo Martins Jean Pierre Chauvin Boaventura de Sousa Santos Roberto Noritomi Annateresa Fabris Valerio Arcary Daniel Afonso da Silva Ricardo Fabbrini Ronald León Núñez Julian Rodrigues Jean Marc Von Der Weid Dennis Oliveira Bruno Machado Roberto Bueno João Adolfo Hansen Flávio Aguiar Marilena Chauí Gilberto Maringoni Ricardo Antunes Manchetômetro João Carlos Loebens José Machado Moita Neto José Costa Júnior Berenice Bento Tarso Genro Marilia Pacheco Fiorillo Alysson Leandro Mascaro Marcelo Guimarães Lima Francisco Fernandes Ladeira Liszt Vieira Francisco de Oliveira Barros Júnior Paulo Sérgio Pinheiro Luís Fernando Vitagliano Remy José Fontana José Luís Fiori Marcus Ianoni Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ronald Rocha Francisco Pereira de Farias Atilio A. Boron Priscila Figueiredo Daniel Brazil Leonardo Avritzer Luiz Bernardo Pericás

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada