A desinformação sionista

Imagem: Alexandros Chatzidimos
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JULIAN MACFARLANE*

Que os sionistas não se importam com a vida humana fica bastante claro nas ações que se seguiram ao 7 de outubro

Em um artigo recente sobre o ataque de 7 de outubro em Israel e sobre o que se seguiu, tentei elucidar a narrativa apresentada ao público, utilizando uma espécie de análise forense dos acontecimentos e das histórias veiculadas pelos meios de comunicação. Preocupava-me que críticos e analistas eminentes estivessem sendo enganados tanto pela desinformação sionista quanto pela desinformação ocidental.

O que concluí naquela análise foi que o 7 de outubro não foi um ataque terrorista, mas sim um movimento militar estratégico, por parte de um povo ocupado, que exerceu o seu direito à resistência, para capitalizar vantagem, fazendo reféns da potência ocupante e, ao mesmo tempo, desmontando o mito da invulnerabilidade militar sionista.

Como na maioria dos movimentos militares, houve danos colaterais.

Com o passar do tempo, no entanto, ficou claro – a partir de fontes israelenses – que a maioria das vítimas civis foi produzida pela mão dos militares israelenses, inicialmente por unidades de helicópteros Apache, que rapidamente esgotaram a maior parte da sua munição, disparando indiscriminadamente. A eles seguiram-se forças terrestres de tanques e artilharia.

Que os sionistas não se importem com a vida humana fica bastante claro nas ações que se seguiram, de ataque indiscriminado a civis em Gaza, onde o número de mortos se aproxima agora dos 11.000 – talvez metade deles mulheres e crianças. “A culpa não é nossa”, dizem os israelenses, “a culpa é dos ‘terroristas’ que se escondem atrás de ‘escudos humanos’”.

Dos 240 reféns, os israelenses já mataram 60, talvez mais. Em breve não terão que se preocupar com eles, o que os removerá como problema de alguma mesa de negociação. Os sionistas israelenses estão praticando o que os nazistas chamavam de “Sippenhaft” (castigo coletivo), geralmente familiar. Assim, eles têm como alvo mulheres e crianças.

Jornalistas também não estão imunes. O jornalista palestino Mohammad Abu Hasira perdeu sua família quando as FDI atacaram sua casa. Da mesma forma, o chefe do escritório da Al Jazeera, Wael Dahdouh, perdeu a esposa, o filho, a filha, o neto e pelo menos outros oito parentes.

Se alguma vez alguém buscou uma prova da influência do nazismo alemão no sionismo, ei-la aqui. A noção de Sippenhaft remonta aos tempos pré-romanos, e era comum entre os povos germânicos, celtas e eslavos.

Ideologias baseadas em mitologias ancestrais, como o nazismo e o sionismo, muitas vezes tomam práticas antigas e as reinventam. Os nazistas fizeram isso com a Sippenhaft, que nos tempos antigos significava que se alguém fizesse algo ruim, como matar a outrem, a família do culpado teria que pagar um preço – normalmente monetário – caso o próprio culpado não pudesse arcar com ele. Isto refletia a natureza comunal das culturas tribais germânicas, mas, na maioria dos casos, não tinha qualquer intenção totalitária. A instituição visava prevenir rixas perturbadoras, como uma forma primitiva de justiça restaurativa.

A versão nazista, no entanto, visava deixar as pessoas com muito, muito medo de agir contra eles. Como a política nazista, a versão sionista não é codificada, mas usada seletivamente, das mais diversas formas, geralmente disfarçada de “autodefesa”. O propósito final, no entanto, é o mesmo que o dos nazistas: controle totalitário.

O terror tornou-se, progressivamente, para os nazistas, uma tentativa agonística de gestão social, à medida que o seu projeto começava a falhar em todas as frentes, fracasso após fracasso. O terror torna-se, assim, expressão de uma derrota.

Agora, quando os sionistas afundarem, os Estados Unidos podem eventualmente estar com eles, em um abraço de afogados.

*Julian Macfarlane é jornalista canadense.

Tradução: Ricardo Cavalcanti-Schiel.

Publicado originalmente em New Forensics/Substack.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • João Cândido e a Revolta da Chibatarevolta da chibata 23/06/2024 Por PETRÔNIO DOMINGUES: No atual contexto, em que tanto se discute reparações do Estado à população negra, o nome de João Cândido não pode ser esquecido
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • O medo e a esperançaJoao_Carlos_Salles 24/06/2024 Por JOÃO CARLOS SALLES: Contra a destruição da universidade pública
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • O colapso do sionismopalestina livre 80 23/06/2024 Por ILAN PAPPÉ: Quer as pessoas acolham a ideia ou a temam, o colapso de Israel tornou-se previsível. Esta possibilidade deve informar a conversa de longo prazo sobre o futuro da região
  • Um olhar sobre a greve das federais de 2024lula haddad 20/06/2024 Por IAEL DE SOUZA: Com alguns meses de governo, comprovou-se o estelionato eleitoral de Lula, acompanhado do seu “fiel escudeiro”, o Ministro da Fazenda, Fernando Haddad
  • Carta ao presidenteLula 59mk,g 18/06/2024 Por FRANCISCO ALVES, JOÃO DOS REIS SILVA JÚNIOR & VALDEMAR SGUISSARDI: “Concordamos plenamente com V. Exa. quando afirma e reafirma que ‘Educação é investimento, não é gasto’”
  • Retomar o caminho da esperançafim de tarde 21/06/2024 Por JUAREZ GUIMARÃES & MARILANE TEIXEIRA: Cinco iniciativas que podem permitir às esquerdas e centro-esquerdas brasileiras retomarem o diálogo com a esperança majoritária dos brasileiros
  • Manual teológico do neopentecostalismo neoliberaljesus salva 22/06/2024 Por LEONARDO SACRAMENTO: A teologia transformou-se em coaching ou fomentador da disputa entre trabalhadores no mundo do trabalho

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES