Luiz Carlos Prestes e o movimento comunista brasileiro

Bridget Riley, Cinzas Coloridos I, 1972
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LINCOLN SECCO*

Comentário sobre o livro de documentos da fase final da luta política de Luiz Carlos Prestes

Poucas personalidades no Brasil têm a grandeza política e moral de Luiz Carlos Prestes. Nele confluem diferentes camadas históricas numa síntese única. Como o cubano Julio Mella ele foi um jovem inconformista dos anos 1920. Como o italiano Palmiro Togliatti e o búlgaro Georg Dimitrov foi um dos símbolos da Revolução Mundial e da Internacional Comunista nos anos 1930. Como a espanhola Dolores Ibárruri, que depois de se tornar La Pasionaria sobreviveu longos anos ao seu próprio tempo, Prestes foi muito além do Cavaleiro da Esperança.

A partir da Revolução Paulista de 1924, o “primeiro” Prestes levantou a guarnição gaúcha em Santo Ângelo e liderou a maior marcha militar da história brasileira. O radicalismo moral dos tenentes eclodiu em todo o Brasil com revoluções no Amazonas, em Sergipe, Mato Grosso, São Paulo e Rio Grande do Sul; mas foi somente Prestes quem aceitou todas as consequências dos seus atos e levou a rebeldia até o fim e até o fundo. Percorreu o país e foi essa leitura prática do território e da população miserável do Brasil que lhe infundiu a necessidade de buscar novas explicações teóricas; de vincular a exitosa tática da guerra de movimento a uma estratégia política para a Revolução Brasileira.

“General” invicto, o capitão da Coluna Prestes – Miguel Costa suscitava a admiração e a inveja dos pares de farda e recebia as negaças das oligarquias dissidentes da velha República. Ao recusar conter a Revolução nos limites do compromisso oligárquico – burguês, o líder da Aliança Nacional Libertadora (ANL) e, depois, do levante comunista de 1935 tornou-se imperdoável para as classes dominantes e suas forças armadas.

A partir dos anos 1930 Prestes incorporou novo tempo histórico e nova dimensão espacial. Ele se tornou “homem de partido”, chefe inconteste dos comunistas brasileiros e com enorme influência em todos os Partidos Comunistas latino americanos.

O “primeiro” e o “segundo” Prestes sofrem nova derrota em 1964. A estratégia da revolução nacional e democrática do povo em aliança à burguesia nacional naufragou no apoio inconteste das classes dominantes à ditadura de 1964. Depois disso, ele já era um sobrevivente de outro tempo. Prestes continuou nominalmente à frente do PCB, mas estava em gestação o terceiro e “último Prestes” em luta surda dentro da direção do partido e, de certa forma, em acerto de contas com sua própria consciência.

Ele estudou novamente a história do Brasil, aproximou-se das ideias de Florestan Fernandes e criticou a transformação do PCB em cauda política de partidos burgueses. Por volta dos meus dezessete anos de idade pude ver Prestes na Universidade de São Paulo duas vezes. E era impossível não se tornar “prestista” qualquer que fosse o seu partido.

Prestes revia àquela altura a natureza da revolução brasileira e emergia de novo com a juventude, buscava compreender suas novas demandas, apoiava as frações mais radicais das camadas médias e reafirmava a hegemonia do proletariado no processo de democratização que o país exigia.

Ele rejeitou o mito que o reduzia a uma figura sem partido e sem ideologia e se reinventou juntamente com o radicalismo da nova classe operária. Operou, assim, uma rotação política inusual num homem de sua idade e soldou seu destino uma vez mais a lutas incertas, porém justas. Porque o que importou sempre em sua trajetória é que, entre erros e acertos, ela se subordinou ao dever moral da revolução.

Essa é a herança; essa é a esperança que ele nos deixou. É o que o belo livro organizado por Gustavo Rolim nos revela. O livro colige documentos preciosos da luta interna e pública de Prestes para que seu partido retomasse a senda revolucionária, como o opúsculo Carta aos comunistas (1980), diversos artigos de jornal e os últimos discursos. Uma declaração de seus apoiadores e artigos de Anita Leocádia Prestes e Florestan Fernandes complementam esse conjunto documental indispensável.

*Lincoln Secco é professor do Departamento de História da USP. Autor, entre outros livros, de História do PT (Ateliê).

 

Referência


Gustavo Koszeniewski Rolim. Herança, esperança e comunismo – Luiz Carlos Prestes e o movimento comunista brasileiro – documentos (1980-1995). Marília, Lutas Anticapital, 2020.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Bruno Machado Luiz Roberto Alves Fernão Pessoa Ramos Ricardo Fabbrini Eugênio Bucci Andrew Korybko Érico Andrade Andrés del Río Luiz Werneck Vianna Daniel Costa Manchetômetro Ari Marcelo Solon Salem Nasser Ricardo Antunes Carlos Tautz Michel Goulart da Silva Jorge Branco Leonardo Avritzer Lucas Fiaschetti Estevez Ronaldo Tadeu de Souza Lorenzo Vitral Fernando Nogueira da Costa Fábio Konder Comparato Alysson Leandro Mascaro Mário Maestri Rafael R. Ioris André Singer José Dirceu Marilia Pacheco Fiorillo Eleutério F. S. Prado Luiz Renato Martins Paulo Martins João Sette Whitaker Ferreira José Costa Júnior Ladislau Dowbor Mariarosaria Fabris Francisco Fernandes Ladeira Slavoj Žižek João Lanari Bo Everaldo de Oliveira Andrade Flávio R. Kothe Michael Löwy Valerio Arcary Samuel Kilsztajn Benicio Viero Schmidt Marilena Chauí Bernardo Ricupero Gilberto Lopes Paulo Fernandes Silveira Marcelo Módolo Remy José Fontana Manuel Domingos Neto José Machado Moita Neto Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Micaelson Lacerda Morais Yuri Martins-Fontes Gerson Almeida Matheus Silveira de Souza Vinício Carrilho Martinez Luiz Marques Claudio Katz Ricardo Abramovay Eleonora Albano Lincoln Secco Renato Dagnino Marcos Aurélio da Silva Paulo Capel Narvai Vanderlei Tenório Luis Felipe Miguel Gilberto Maringoni Alexandre de Lima Castro Tranjan Marjorie C. Marona Marcus Ianoni Luiz Eduardo Soares Jean Pierre Chauvin Antonino Infranca José Luís Fiori Antônio Sales Rios Neto Priscila Figueiredo Milton Pinheiro Marcelo Guimarães Lima Heraldo Campos André Márcio Neves Soares Valerio Arcary Celso Frederico Annateresa Fabris Liszt Vieira Michael Roberts Antonio Martins Leonardo Sacramento Paulo Nogueira Batista Jr Tales Ab'Sáber Atilio A. Boron Berenice Bento Bento Prado Jr. Luiz Carlos Bresser-Pereira Henry Burnett Leonardo Boff Ricardo Musse Igor Felippe Santos Afrânio Catani Boaventura de Sousa Santos Paulo Sérgio Pinheiro Airton Paschoa Caio Bugiato Osvaldo Coggiola Alexandre de Freitas Barbosa Otaviano Helene Kátia Gerab Baggio Eliziário Andrade Francisco de Oliveira Barros Júnior José Geraldo Couto Jean Marc Von Der Weid Luiz Bernardo Pericás Anselm Jappe José Raimundo Trindade Daniel Brazil Elias Jabbour Sergio Amadeu da Silveira Celso Favaretto João Feres Júnior Tadeu Valadares João Carlos Loebens Alexandre Aragão de Albuquerque Marcos Silva Ronald Rocha Rodrigo de Faria Alexandre de Oliveira Torres Carrasco João Paulo Ayub Fonseca Dênis de Moraes Eugênio Trivinho Gabriel Cohn Daniel Afonso da Silva Leda Maria Paulani Tarso Genro João Adolfo Hansen Henri Acselrad Sandra Bitencourt Flávio Aguiar Luís Fernando Vitagliano Walnice Nogueira Galvão Eduardo Borges Julian Rodrigues Jorge Luiz Souto Maior Vladimir Safatle Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ronald León Núñez Thomas Piketty Rubens Pinto Lyra Chico Alencar Francisco Pereira de Farias Dennis Oliveira Denilson Cordeiro Chico Whitaker João Carlos Salles Maria Rita Kehl Armando Boito Luciano Nascimento Juarez Guimarães Carla Teixeira

NOVAS PUBLICAÇÕES