As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Marielle dorme

Imagem: ColeraAlegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ ROBERTO ALVES*

Anderson também. Cabe a nós vigilar

No último canto de Morte e Vida Severina tem-se: “…é difícil defender/só com palavras, a vida (…)”. Este é um tempo em que há muito mais discursos do que temas, pois estes vão asfixiados pelos cotovelos que mediocrizam assuntos, fatos e ciências. Vigiamos, no entanto. Na vigília, Marielle e seu amigo-trabalhador surgem, vivos numa intensidade que projeta luz sobre incontáveis mortes sem resposta no belo país mediocrizado.

Os cotovelos asfixiantes, como os projéteis, têm produzido suas próprias narrativas e também incontáveis vezes fizeram morrer os gestos da família e da vida social pelo esquecimento e pelo cansaço.

Este país sofre uma sucessão de mortes, o que não garante que no futuro breve sobreviverá como entidade que abriga um povo. Uma das mortes se dá pelo esquecimento, que comporta o cansaço. Um antigo dito do Médio Oriente reza que “A memória é o pilar da redenção e o esquecimento o começo da morte”. É possível, pois, estar a morrer entre muitos discursos e certos gestos, a dinâmica moribunda. A memória redime porque cutuca, mexe, aponta, sugere, questiona. O tempo pode, no entanto, trazer o enfado e levar ao cotidiano repetitivo gestos menos vivos e já amordaçados pela consciência enfraquecida. Aí se morre, ou se sobrevive.

O dito oriental teve força vital nos retornos migrantes, nas recuperações poéticas, nas revoltas e na feitura de discursos inovadores. Jamais esquecer é a ordem social. Evidentemente, também não esquecer o mal, pois este engendra novas feituras, cuja complexidade recria esquecimentos no coração e na razão humanas.

Marielle dorme. Nós vigiamos. Sua morte projeta fios de energia para a lembrança, a despeito das duradouras ondas do esquecimento. Sua morte foi tão política quanto foram políticas todas as mortes encomendadas pelos donos da terra e que destroçaram pessoas, famílias e comunidades no mundo rural brasileiro. Na grande maioria dos casos, o silêncio e o esquecimento, visto que a energia que ainda existe tem fagulhas limitadas diante do país mediocrizado. É a dor da pequena família, que às vezes dá graças a D’us pela vida.

Passados alguns anos da morte de Marielle e Anderson, vê-se que o vírus político que toma conta das salas, gavetas, documentos e perícias policiais do Rio de Janeiro já infectou os pulmões de cada investigador, estabeleceu limite de ação para uma a uma das autoridades, manietou gestos e cortou a fala de todos os envolvidos. Muito pior ainda se há subornos e outras formas de corrupção no fenômeno, contra o que nada existe ou é conhecido. O vale tudo da maldade no país apodrecido segue. Restou a família sofrida e um movimento ainda vigilante espalhado pelas consciências do território imenso, sob riscos contínuos.

Por certo, nenhuma desculpa se justifica: crime perfeito, forças ocultas, poderes elevados. Mas vai-se criando o hediondo processo de esquecimento, matriz da mortandade na Colônia das sesmarias, no Império do baronato e na República dos militares incompetentes. Haveria, também, alguma desculpa pelas inúmeras mortes – políticas, pois liquidam a cidadania e a Constituição – dos trabalhadores do eito, cujo maior gesto de ameaça é a busca do direito de trabalhar num chão que é seu.

A morte de Marielle-Anderson e sua investigação sinalizam a decrepitude deste território social. De nada adianta o ministro Barroso vir falar em instituições sólidas e, talvez, convencer alguns, pois aquele dito oriental sugere uma leitura de totalidade dos fenômenos. Quem é incapaz de descobrir um assassino (pouco importa, diante da morte, se é mandante ou executor) que se encontra no meio do povo da república é, estruturalmente, incapaz de qualquer coisa. O crime contra o humano, o crime contra o trabalhador não pode operar na aritmética, mas na razão dos sentidos e propósitos das estruturas feitas para o bem da totalidade. Por que será que a CBN mantém esse “comercial” da democracia no ar? Uma ignomínia.

Diante da morte das pessoas e o fim de sua vida na polisou no eito e seu encobrimento, pouco resta a ser aproveitado: grandes intenções, ciranda econômica, bancadas de deputados, justiça burocrática. Em tudo, como por obra de um desarranjo, ou corrupção estrutural, estará a marca da injustiça, do vilipêndio dos atravessados por balaços e facas, do país que dá dois passos para a frente e quatro para trás.

Tudo tem relação com tudo. Não se trata somente de um apanágio político, mas um valor universal, também físico, bastante presente nas literaturas populares e nas memórias geracionais. Negar o direito à verdade até na morte significa a autonegação da sociedade e da cultura. Não dá para ir prá frente. Debalde os esforços circunstanciais. Só a radicalidade pode dar respostas. A moderação, os jeitinhos, as soluções ocasionais, o “vamos ver”, os arranjos Executivo-Legislativo-Judiciário etc, tudo isso está moribundo, pois sofre a auto-asfixia de país injusto.

*Luiz Roberto Alves é professor sênior da Escola de Comunicações e Artes da USP.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Eleutério F. S. Prado José Dirceu Paulo Capel Narvai Fernão Pessoa Ramos Leonardo Sacramento Daniel Afonso da Silva Marilia Pacheco Fiorillo Denilson Cordeiro Thomas Piketty Leda Maria Paulani Flávio R. Kothe Fernando Nogueira da Costa Luiz Carlos Bresser-Pereira Alysson Leandro Mascaro Luiz Roberto Alves Vanderlei Tenório André Singer Jorge Branco Renato Dagnino Salem Nasser Rodrigo de Faria Liszt Vieira Érico Andrade Airton Paschoa Juarez Guimarães Ronaldo Tadeu de Souza Ricardo Abramovay Bruno Machado Sandra Bitencourt Antonino Infranca Jorge Luiz Souto Maior Gabriel Cohn Lucas Fiaschetti Estevez Carla Teixeira Sergio Amadeu da Silveira Remy José Fontana Osvaldo Coggiola Mário Maestri Marcelo Módolo Paulo Martins João Paulo Ayub Fonseca Lincoln Secco Michael Löwy Marilena Chauí Eduardo Borges André Márcio Neves Soares Alexandre de Freitas Barbosa Julian Rodrigues Bento Prado Jr. João Lanari Bo Afrânio Catani Everaldo de Oliveira Andrade Antonio Martins Bernardo Ricupero João Sette Whitaker Ferreira Michael Roberts Benicio Viero Schmidt Claudio Katz Eugênio Trivinho Marjorie C. Marona Gilberto Maringoni Rafael R. Ioris Atilio A. Boron Luiz Bernardo Pericás Samuel Kilsztajn Luiz Eduardo Soares Anderson Alves Esteves Marcus Ianoni Ronald León Núñez Walnice Nogueira Galvão Lorenzo Vitral Vladimir Safatle Francisco Fernandes Ladeira Henri Acselrad José Geraldo Couto João Carlos Salles Eleonora Albano Eliziário Andrade Daniel Costa Jean Pierre Chauvin Anselm Jappe Ari Marcelo Solon Boaventura de Sousa Santos João Carlos Loebens Armando Boito José Costa Júnior Tadeu Valadares Daniel Brazil Gerson Almeida José Micaelson Lacerda Morais Carlos Tautz Luiz Marques Marcos Silva Chico Alencar Dênis de Moraes José Machado Moita Neto Priscila Figueiredo Manuel Domingos Neto Ladislau Dowbor Heraldo Campos Tarso Genro Alexandre Aragão de Albuquerque Tales Ab'Sáber João Feres Júnior Kátia Gerab Baggio Ricardo Musse José Luís Fiori Luís Fernando Vitagliano Luiz Werneck Vianna Antônio Sales Rios Neto Vinício Carrilho Martinez José Raimundo Trindade Annateresa Fabris Luiz Costa Lima Andrew Korybko Igor Felippe Santos Milton Pinheiro Ricardo Fabbrini Valério Arcary Flávio Aguiar Ricardo Antunes Otaviano Helene Leonardo Avritzer Francisco Pereira de Farias Francisco de Oliveira Barros Júnior Paulo Sérgio Pinheiro Slavoj Žižek Jean Marc Von Der Weid Yuri Martins-Fontes Maria Rita Kehl Leonardo Boff Eugênio Bucci Paulo Fernandes Silveira Luiz Renato Martins Paulo Nogueira Batista Jr Berenice Bento Caio Bugiato Marcos Aurélio da Silva Celso Frederico Celso Favaretto Gilberto Lopes Bruno Fabricio Alcebino da Silva Roberto Noritomi Ronald Rocha Fábio Konder Comparato Alexandre de Lima Castro Tranjan Henry Burnett Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Adolfo Hansen Mariarosaria Fabris Luciano Nascimento Manchetômetro Elias Jabbour Rubens Pinto Lyra Marcelo Guimarães Lima Roberto Bueno Dennis Oliveira Luis Felipe Miguel Chico Whitaker Valerio Arcary

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada