As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A esfinge do domingo

Imagem_ColeraAlegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por SÁVIO BONES*

No tempo urgente em que se vive, não há espaço para quem remói os erros e abandonos cometidos no passado, por rancores ou idiossincrasias

No último dia 7 de junho, várias capitais brasileiras registraram manifestações contrárias ao Governo Bolsonaro e suas políticas e de combate ao racismo. Houve protestos em Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre. Em Belém, houve repressão justificada pela impossibilidade de aglomerações. Foram atos muito importantes e merecem ser analisados na sua devida grandeza para que se possa tirar deles os ensinamentos que o momento exige.

Por todo o País, participaram uma parcela de militantes e ativistas de movimentos democráticos, de caráter popular, e setores de massa avançados. Para além do significado de retirar do bolsonarismo protofascista a exclusividade das ruas, é preciso reconhecer que os atos foram restritos e fragmentados.

Em algumas cidades foram realizados mais de uma atividade, com motivações e eixos diferentes e composição sociais distintas. Contudo, a maioria dos componentes eram jovens proletários ou trabalhadores autônomos empobrecidos – e por isso mesmo, a maior parte era de negros e pardos, e estudantes, mobilizados por entidades com pouca tradição de luta ou vinculação político-partidária, como torcidas organizadas e de produção artístico-cultural.

As manifestações tiveram como centro a questão democrática e trouxeram no seu bojo um viés antirracista – fruto da influência das mobilizações populares amplas detonadas nos EUA a partir da morte de George Floyd e sua combinação com tragédias locais.

Nas convocações, nas mobilizações e durante os atos e passeatas; a questão central da conjuntura, a defesa do regime político democrático constitucional, foi abordada em forma difusa e dúbia.

De um lado, muitos participaram lutando “por democracia” como se o arcabouço democrático-constitucional já não existisse mais e o Brasil vivesse tempos ditatoriais.

Outros tantos, corretamente, adotaram a palavra de ordem em “defesa da democracia”, entendida como a preservação das liberdades democráticas diante das ameaças constantes feitas por Bolsonaro e seus asseclas.

As palavras de ordem antirracistas tiveram o mérito de estarem vinculadas diretamente às camadas populares e à denúncia da violência policial – e, assim, assumiram também uma dimensão democrática.

Mesmo com abordagens dúbias e contraditórias, o número reduzido de militantes e ativistas envolvidos, a ausência de entidades democráticas da sociedade civil na convocação e mobilização, incluindo aquelas de caráter popular como as centrais sindicais e partidos políticos, as manifestações contribuíram para o acúmulo da luta democrática em curso no País. E, por isso mesmo, merecem uma avaliação positiva.

Mas é preciso conter a euforia do desejo. Há quem tenha visto nas manifestações a abertura de um novo ciclo na vida política nacional e uma apoteótica renovação “das esquerdas”, que, a partir de então, estariam purificadas pela distância dos partidos políticos e das entidades populares de massa, agora reduzidas à condição de esquerda tradicional e impotente.

É bom lembrar, que muitos dos que anunciam o último domingo como ponto inaugural de um novo período, saudaram, anteriormente, com a mesma vã ilusão, autoengano ou oportunismo, os desdobramentos advindos das jornadas de junho de 2013.

Por mais corajosas e importantes que tenham sido as manifestações do domingo, elas também deixaram claras as deficiências do campo democrático. Tais empecilhos precisam ser superados, consciente e coletivamente, para que se possa desafiar consequentemente o atual Governo, barrar o avanço da extrema-direita bolsonarista e o derrotar o autogolpe.

A simples ocupação, simbólica ou não, das ruas não é ou será capaz de colocar um fim neste Governo. Fosse assim, com as jornadas de luta do povo chileno, o governo Piñera teria vindo ao chão e Trump estaria com seus dias contatos.

O Governo Bolsonaro não cairá por lutas e mobilizações desordenadas, desarticuladas e desconectadas entre si. Para derrotá-lo, é preciso reunir amplamente as forças democráticas do País para agirem, articulada e permanentemente, em todas as esferas da vida nacional – buscando graus de organicidade cada vez mais elevados.

Para potencializar a “guerra de posição”, é urgente a adoção de objetivos claros a serem alcançados a cada iniciativa – tendo os consensos como pontos de partida, tanto na sociedade política como na sociedade civil.

As mobilizações, e suas convocações, devem ser unitárias e garantir o envolvimento de entidades populares representativas de massa e proporcionar a participação efetiva das grandes maiorias brasileiras.

Ao mesmo tempo, é preciso estar atento para os adoradores do gueto, os semeadores de intrigas e aqueles que se nutrem das divisões e dos interesses internistas.

No tempo urgente em que se vive, não há espaço para quem remói os erros e abandonos cometidos no passado, por rancores ou idiossincrasias. Para quem formula políticas a partir de interesses próprios, particulares ou grupais, em detrimento da construção de um movimento de salvação nacional.

Entre os consensos existentes nos setores democráticos e progressistas, mais ou menos avançados, está o reconhecimento da determinação do atual Governo em destruir o regime político democrático, erguido na Constituição de 1988.

Diante da gravidade do risco, alguns segmentos populares, apartados da vontade nacional, não têm respondido com posições político-concretas à altura de suas próprias avaliações e análises. Diante da intensidade do momento, é preciso uma resposta com a mesma potência.

A resposta mais ofensiva, profunda e duradoura à extrema direita bolsonarista, à marcha autogolpista e à destruição do regime político é uma frente ampla que envolva todas as forças políticas, entidades e indivíduos que se disponham a isolar, barrar, derrotar e reduzir o protofascismo tupiniquim àquilo que ele tem que ser: um momento triste e curto na história brasileira.

Uma ampla unidade democrática é a conclusão mais radical que se tem hoje contra as pretensões bolsonaristas. Afinal, diante da gravidade do momento, todas as forças são indispensáveis.

*Sávio Bones, jornalista, é diretor do Instituto Sergio Miranda (Isem) e do Observatório Sindical Brasileiro Clodesmidt Riani (OSB-CR).

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Vanderlei Tenório Flávio R. Kothe Ronald Rocha Luiz Roberto Alves Fábio Konder Comparato Fernão Pessoa Ramos Valério Arcary Renato Dagnino José Raimundo Trindade Eleonora Albano Rodrigo de Faria Bento Prado Jr. Plínio de Arruda Sampaio Jr. Eliziário Andrade Valerio Arcary Vladimir Safatle Maria Rita Kehl Ricardo Antunes João Sette Whitaker Ferreira Leonardo Sacramento Marilia Pacheco Fiorillo Henri Acselrad Luiz Marques Leda Maria Paulani Kátia Gerab Baggio Eleutério F. S. Prado Marcos Silva Carlos Tautz José Costa Júnior Boaventura de Sousa Santos Michael Löwy José Micaelson Lacerda Morais Daniel Afonso da Silva Manchetômetro Vinício Carrilho Martinez Érico Andrade Ricardo Musse Paulo Martins Heraldo Campos João Carlos Loebens Remy José Fontana André Márcio Neves Soares Yuri Martins-Fontes Luiz Carlos Bresser-Pereira Jorge Branco Caio Bugiato Ricardo Abramovay Luiz Werneck Vianna Liszt Vieira Luiz Bernardo Pericás Juarez Guimarães Berenice Bento Dênis de Moraes Atilio A. Boron Sandra Bitencourt Eugênio Trivinho Marcus Ianoni José Dirceu Benicio Viero Schmidt Paulo Nogueira Batista Jr Igor Felippe Santos Luciano Nascimento Luis Felipe Miguel Bernardo Ricupero Armando Boito Milton Pinheiro Alexandre de Freitas Barbosa Daniel Costa Leonardo Boff Airton Paschoa Otaviano Helene Dennis Oliveira Eugênio Bucci Antônio Sales Rios Neto Marjorie C. Marona Marilena Chauí Manuel Domingos Neto João Paulo Ayub Fonseca Ronaldo Tadeu de Souza Priscila Figueiredo Samuel Kilsztajn Alexandre de Lima Castro Tranjan Jean Marc Von Der Weid José Machado Moita Neto Ricardo Fabbrini Daniel Brazil Thomas Piketty Chico Whitaker Luiz Costa Lima João Adolfo Hansen Rafael R. Ioris Everaldo de Oliveira Andrade Paulo Sérgio Pinheiro Osvaldo Coggiola Paulo Fernandes Silveira Jean Pierre Chauvin Gilberto Maringoni Tadeu Valadares Chico Alencar Lincoln Secco Luís Fernando Vitagliano Gabriel Cohn Marcelo Guimarães Lima Jorge Luiz Souto Maior Francisco Pereira de Farias Leonardo Avritzer Gilberto Lopes Elias Jabbour Paulo Capel Narvai Mariarosaria Fabris João Carlos Salles Salem Nasser Ladislau Dowbor Marcelo Módolo Celso Frederico Claudio Katz Anselm Jappe Lorenzo Vitral Ari Marcelo Solon Slavoj Žižek Alysson Leandro Mascaro Michael Roberts Flávio Aguiar Roberto Noritomi Francisco de Oliveira Barros Júnior Sergio Amadeu da Silveira José Geraldo Couto Tales Ab'Sáber Alexandre Aragão de Albuquerque Francisco Fernandes Ladeira André Singer Bruno Fabricio Alcebino da Silva Rubens Pinto Lyra José Luís Fiori Luiz Renato Martins Carla Teixeira Denilson Cordeiro João Lanari Bo Julian Rodrigues Tarso Genro Eduardo Borges Walnice Nogueira Galvão Antonio Martins Annateresa Fabris Fernando Nogueira da Costa Luiz Eduardo Soares Gerson Almeida Mário Maestri Afrânio Catani Anderson Alves Esteves Bruno Machado João Feres Júnior Henry Burnett Roberto Bueno Lucas Fiaschetti Estevez Andrew Korybko Marcos Aurélio da Silva Antonino Infranca Ronald León Núñez Celso Favaretto

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada