Não, tapa na cara não pode (nunca)

Imagem: Martins Krastins
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JULIAN RODRIGUES*

Pior do que a agressão perpetrada por Will Smith é certa onda de normalização da violência

Noite de domingo, 28 de março – dividindo a atenção entre a cerimônia do Oscar e o BBB. De repente, meu marido veio me chamar a atenção. O Will Smith acabara de subir ao palco do Oscar e meter um tapão na cara do Chris Rock, que ancorava a apresentação naquele momento.

Teria sido uma reação indignada contra piada ofensiva de Chris Rock relacionada à calvície de Jada Smith, esposa do astro Will – que todos aprendemos a amar desde Um maluco no pedaço (The Fresh Prince of Bel Air).

Jada, com um belíssimo vestido verde, brilhava na plateia. Como sofre de alopecia, a atriz optou pelo visual cabeça totalmente raspada: digna, empoderada, radiante.

Em certo momento, Chris Rock apresentava a premiação e brincou dizendo que Jada estava careca para poder estrelar G. I. Jane 2, em uma referência ao que seria uma sequência do filme Até o limite da honra, que em inglês tem o título de G. I. Jane. Na obra, Demi Moore, sem cabelos, interpreta a protagonista.

Uma piada fraca, com certeza. De mau gosto, mesmo. Até aí, faz parte. O que tem de piada ruim e constrangedora circulando… O que não faz parte é a reação de Smith. Não, gente, não pode. Não é bacana. Não é cavalheirismo. Não é legítimo.

Em primeiro lugar: nenhuma agressão física pode ser tolerada nesse tipo de situação. Não estamos falando de autodefesa, de batalha contra fascistas, nada do tipo. Vi muita gente boa delirar por esse caminho.

Em segundo lugar: piadas de bom, e sobretudo de mau gosto são recorrentes, sobretudo no tipo de humor hegemônico nos EUA – que, aliás, tem influenciado sobremaneira os estandapeiros e novos humoristas aqui no Brasil.

Se relativizarmos a violência física, abrimos um flanco terrível. De novo: não estamos falando nem de autodefesa nem de processos revolucionários. O direito de dar porrada em quem eu não gosto não é um direito. É coisa da direita, dos bolsonaristas, reaças, dos neofascistas, machistas e racistas mundo afora.

Mais grave ainda é o aspecto sexista. Quer dizer que Jada é uma indefesa mocinha que precisa de ser protegida pelo macho alfa? Não pode falar ou reagir por si mesma?

Parece aquela argumentação arcaica para livrar a cara de homens assassinos, que teriam agido “em legítima defesa da honra”. Da honra deles, quando matavam as esposas, ou da honra delas, quando matavam os supostos “amantes”. Tentar “passar pano” pra Will Smith é reforçar a hegemonia da masculinidade tóxica. É quase uma celebração da figura do ogro, do macho primitivo, reprodutor e provedor, demarcador de território, protetor das fêmeas e de suas crias. Um troço tosco – totalmente incompatível com os avanços feministas, igualitários, progressistas.

Não normalizem a violência. Não normalizem as agressões físicas.

Resumindo: Chris Rock fez só uma piada ruim (como tantas outras, ele é bem fraco mesmo); Jade Smith não é vítima e não precisa de heróis para salvá-la do dragão; Will Smith foi um babaca escroto e machista; agressão física nunca é legal, coleguinhas, nunca!

*Julian Rodrigues, professor e jornalista, é ativista LGBTI e de Direitos Humanos.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Manuel Domingos Neto Liszt Vieira Antonio Martins Atilio A. Boron Eduardo Borges João Carlos Loebens Alexandre de Lima Castro Tranjan Slavoj Žižek Jean Pierre Chauvin Manchetômetro Luiz Carlos Bresser-Pereira Jorge Branco Jorge Luiz Souto Maior Henry Burnett Vladimir Safatle João Adolfo Hansen Luiz Marques Gilberto Lopes Lorenzo Vitral Fábio Konder Comparato Sergio Amadeu da Silveira Annateresa Fabris João Lanari Bo Michel Goulart da Silva Osvaldo Coggiola Afrânio Catani Francisco de Oliveira Barros Júnior Julian Rodrigues Henri Acselrad Luís Fernando Vitagliano Marjorie C. Marona Alexandre de Freitas Barbosa Michael Roberts Salem Nasser Ricardo Abramovay João Sette Whitaker Ferreira Luciano Nascimento Eugênio Bucci Celso Favaretto Fernando Nogueira da Costa Mariarosaria Fabris José Dirceu Plínio de Arruda Sampaio Jr. Paulo Capel Narvai Tales Ab'Sáber Andrés del Río Fernão Pessoa Ramos Eliziário Andrade Francisco Pereira de Farias Ricardo Antunes Berenice Bento Celso Frederico Luiz Werneck Vianna Elias Jabbour Leonardo Boff Vinício Carrilho Martinez Ronald León Núñez Marilia Pacheco Fiorillo Marcelo Guimarães Lima Carla Teixeira Bernardo Ricupero André Márcio Neves Soares Antônio Sales Rios Neto Priscila Figueiredo Alexandre Aragão de Albuquerque Ronald Rocha Paulo Martins Ronaldo Tadeu de Souza Otaviano Helene José Geraldo Couto Kátia Gerab Baggio Airton Paschoa Renato Dagnino Gerson Almeida Eleutério F. S. Prado Alysson Leandro Mascaro Paulo Sérgio Pinheiro Ari Marcelo Solon Heraldo Campos Eugênio Trivinho Marcos Aurélio da Silva Walnice Nogueira Galvão Armando Boito Leonardo Avritzer Boaventura de Sousa Santos Flávio R. Kothe Benicio Viero Schmidt Valerio Arcary Caio Bugiato Jean Marc Von Der Weid Vanderlei Tenório Leonardo Sacramento Bruno Fabricio Alcebino da Silva Rubens Pinto Lyra Gabriel Cohn José Micaelson Lacerda Morais Milton Pinheiro Lucas Fiaschetti Estevez Antonino Infranca Claudio Katz João Paulo Ayub Fonseca Everaldo de Oliveira Andrade Luiz Renato Martins Dênis de Moraes Juarez Guimarães Rodrigo de Faria Ladislau Dowbor Dennis Oliveira Maria Rita Kehl Mário Maestri Andrew Korybko Luiz Bernardo Pericás Thomas Piketty Marilena Chauí Yuri Martins-Fontes Luiz Roberto Alves Denilson Cordeiro André Singer Chico Alencar Remy José Fontana Tadeu Valadares Chico Whitaker Paulo Fernandes Silveira Ricardo Musse Igor Felippe Santos José Costa Júnior Ricardo Fabbrini Bento Prado Jr. Paulo Nogueira Batista Jr José Machado Moita Neto Rafael R. Ioris Marcelo Módolo Daniel Afonso da Silva Anselm Jappe Leda Maria Paulani Matheus Silveira de Souza Marcos Silva Carlos Tautz Lincoln Secco Luis Felipe Miguel Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Sandra Bitencourt Flávio Aguiar Gilberto Maringoni Tarso Genro Samuel Kilsztajn José Raimundo Trindade José Luís Fiori João Carlos Salles Daniel Brazil Eleonora Albano Francisco Fernandes Ladeira Bruno Machado Valerio Arcary Michael Löwy Luiz Eduardo Soares João Feres Júnior Daniel Costa Érico Andrade Marcus Ianoni

NOVAS PUBLICAÇÕES