Nem Torá, nem Alcorão

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LISZT VIEIRA*

Mesmo em tempos de guerra, a luta por direitos humanos e pela autodeterminação dos povos continua sendo uma das grandes bandeiras da civilização contra a barbárie

 “O observador não faz julgamento moral. Tenta compreender e analisar a correlação de forças”.
(General Vincent Desportes, antigo Diretor da Escola de Guerra em Paris).

Com raras exceções, o ping-pong nas redes sociais sobre a guerra Hamas x Israel se resume, em última análise, à opinião de um torcedor de futebol: meu time sempre tem razão, o inimigo sempre está errado. Até a eclosão da guerra, havia na mesa de negociações duas propostas adormecidas. A proposta de “dois Estados” e a proposta de “um Estado, dois povos”. A primeira se enfraqueceu após a morte de Yitzhak Rabin, seu grande defensor. A segunda nunca chegou a emplacar, mas foi anunciada como proposta. O problema é que o Hamas não aceita nenhuma das duas. A única solução possível para o Hamas é a destruição e o aniquilamento do Estado de Israel. Isso o leva a posições extremadas, fora da realidade.

É verdade que existe povo e nação sem Estado, além dos palestinos. Os. curdos, por exemplo, perderam seu país e vivem localizados principalmente na Turquia e no Iraque. Mas a conjuntura era outra, e o Curdistão não tinha os apoios internacionais de Israel. A situação da “questão palestina” estava paralisada por falta de interesse das partes em fazer avançar propostas de paz. Na prática, a superioridade militar e política de Israel era satisfatória para Israel e seus aliados ocidentais. O que mudou? Ou melhor, por que mudou?

Os eventos políticos têm causalidade complexa e quase nunca podem ser reduzidos a uma única causa. Mas, em geral, uma ou outra se destacam. No caso, não há dúvidas de que o acordo, em negociação, entre Israel e a Arábia Saudita foi o estopim que detonou a invasão de Israel pelo Hamas. Esse acordo, com conversações já avançadas, romperia o frágil (des) equilíbrio existente e anularia completamente a possibilidade de um futuro para a Palestina.

Essa é a opinião de Pierre Brochand, antigo diretor da Direção Geral de Segurança Exterior (DGSE) e ex embaixador da França em Israel. Em entrevista ao jornal Le Figaro, de 10/10/2023, ele levantou importantes questões.

Segundo ele, o que ocorreu não tem precedente; o território de Israel nunca tinha experimentado operações de guerra terrestre deste tipo e magnitude. Se somarmos o espanto ligado à surpresa absoluta, à falta de reação imediata do exército, ao número de civis mortos e feridos e, ainda mais, sequestrados, homens e mulheres de todas as idades, incluindo soldados de alta patente, podemos ver o estado de espanto, não só dos israelenses, mas também do resto do mundo.

Ele compara a festa “rave”, organizada às portas de Gaza, altamente simbólica e vítima de brutal assassinato, ao já visto no Bataclan, em Paris, quando uma juventude “ocidental”, hedonista e cosmopolita, é atacada por outra, “retardatária”, violenta e frustrada.

É, portanto, difícil compreender como um ataque desta escala, que exigiu uma longa preparação e envolveu várias centenas de pessoas, poderia ter escapado a todos os sensores de informação da Inteligência israelense. O fracasso vai além dos serviços secretos: é também militar e estratégico. Quanto ao nível estratégico, é uma espécie de “grande desígnio” de Israel, no que diz respeito à questão palestina, que acaba de ser atingido diretamente.

Este projeto poderia ser analisado em duas partes: por um lado, isolar os palestinos dos Estados árabes, de modo a reduzir o conflito a um confronto face a face com o Estado hebreu. Por outro lado, dividir seu movimento nacional em pelo menos duas facções, uma vagamente cooperativa (a Autoridade Palestina, vinda da OLP e da Fatah) e a outra, apresentada como obstinada (Hamas e Jihad Islâmica).

De acordo com Pierre Brochand, em todos os casos, o objetivo era prolongar indefinidamente o status quo, ou seja, uma situação de “nem guerra nem paz”, sem solução política, em última análise confortável para Israel, cuja esmagadora superioridade de poder garantia a sustentabilidade a curto e médio prazo. O isolamento dos palestinos tinha, certamente, progredido notavelmente: o Egito, a Jordânia, os signatários dos “Acordos de Abraão” (Emirados Árabes Unidos, Bahrein), Marrocos, e o Sudão reconheceram o Estado de Israel um após o outro e concluíram acordos de cooperação com ele.

Agora chegou a vez de um peso pesado, a Arábia Saudita, guardiã dos locais sagrados, em conversações avançadas com Israel através de Washington. É evidente que a ofensiva relâmpago do Hamas mudou a situação e dificulta agora, durante certo tempo, pelo menos, qualquer aproximação entre um país muçulmano e Israel, nessa altura em que este último está a realizar operações de destruição maciça em Gaza. A invasão militar de Israel pelo Hamas recolocou a Palestina no centro da política mundial e abalou a tradicional política “nem guerra, nem paz” que tanto interessava a Israel.

Por outro lado, o general Vincent Desportes, antigo Diretor da Escola de Guerra em Paris, em entrevista ao jornal Le Figaro concedida ao jornalista Pascal Boniface em 11/10/2023, afirmou que o orgulho de Israel pela sua supremacia militar e o desprezo pelos palestinos e árabes explicam haverem sido surpreendidos, chegando até a desprezar a informação dos egípcios.

Acrescentou que a inteligência é mais importante do que a força e que a tecnologia não resolve tudo. Hoje, o dilema de Israel é trágico: se cumprir o que anunciou, teremos genocídio na faixa de Gaza, onde vivem dois milhões de pessoas, com severas repercussões para Israel e seus aliados ocidentais.

Israel bloqueou o fornecimento de água, eletricidade, comida e combustíveis à Faixa de Gaza, e vem bombardeando alvos militares e civis, inclusive hospitais, escolas e mesquitas. Já matou milhares e desabrigou centenas de milhares de civis, mobilizou cem mil soldados para as fronteiras de Gaza e convocou mais de trezentos mil reservistas para o combate.

O governo de Israel vai manter Gaza sem água, luz, comida e combustíveis até devolução dos reféns. Israel negou pedido da Cruz Vermelha que solicitou passagem de combustível para evitar que “hospitais sobrecarregados em Gaza se tornem necrotérios” (O Globo, 12/10/2023). Apesar das ameaças de Israel, Jordânia e Egito anunciaram ajuda humanitária a Gaza.

Com o agravamento da situação em Gaza, a queda de braço entre Hamas e Israel pode degenerar e escalar, com a participação no conflito de novos atores, como, por exemplo, o Hezbolah, a Síria e, em último caso, o Irã, já que isso significaria a internacionalização da guerra. Por enquanto, isso é especulação. O dilema de Israel é promover um genocídio ou se desmoralizar se não cumprir a promessa feita. O que vai mesmo ocorrer é invasão terrestre, que já é esperada pelo Hamas, e isso vai virar guerrilha urbana, uma armadilha para os soldados israelenses. Israel vai tentar descabeçar o Hamas, o que não será simples.

Segundo o general Vincent Desportes, o drama dos reféns é questão central. O governo de coalizão em Israel foi montado para destruir Hamas, mas isso será difícil. A crise é prolongada. Não tem solução militar. A ação militar pode melhorar a correlação de forças e influenciar a negociação diplomática que sempre demora, a guerra continua, mas a única solução será política através da diplomacia.

O general lembrou a Guerra da Coréia, que durou três anos, entre 1950 e 1953. Em 1951, começaram as negociações que levaram dois anos. Enquanto isso, a guerra matou dois milhões de pessoas. E, na Guerra do Vietnã, as negociações duraram quatro anos. Elas são sempre demoradas, mas, quanto antes começam, mais cedo terminam.

Tanto o ex-chefe da Inteligência francesa como o ex-comandante da Escola de Guerra em Paris creditam a responsabilidade do ataque do Hamas ao fracasso escandaloso da Inteligência israelense em prever a ofensiva militar do Hamas em território de Israel. Isso vai levar à queda do governo Netaniahu, é questão de tempo. Ao criticarem a Inteligência de Israel, ambos rejeitam as “teorias da conspiração” que sempre nos espreitam, à direita e à esquerda, rejeitando a possibilidade de erro.

O número de judeus mortos, e os reféns que serão executados se Israel arrasar Gaza, vai desmoralizar o atual governo de Israel. Aliás, parece que o Hamas foi apoiado por Israel no início para enfraquecer a Autoridade Palestina, Al Fatah, fundada por Yasser Arafat. Isso foi um enorme erro estratégico. Em janeiro de 2006, Al Fatah perdeu a maioria na Faixa de Gaza para o Hamas, que tem uma visão menos política e mais militar.

Israel acabou recebendo de volta a violência que empregou na Palestina nas últimas décadas. Estuprar mulheres e matar civis inocentes não é monopólio do Hamas. Os soldados israelenses fizeram parecido ao ocupar a Palestina. Há diferenças, mas a maior delas é que isso não foi divulgado pela grande mídia.

Com permissão do general Vincent Desportes, e abandonando a perspectiva de análise objetiva, é bom lembrar que, mesmo em tempos de guerra, a luta por direitos humanos e pela autodeterminação dos povos continua sendo uma das grandes bandeiras da civilização contra a barbárie.

*Liszt Vieira é professor de sociologia aposentado da PUC-Rio. Foi deputado (PT-RJ) e coordenador do Fórum Global da Conferência Rio 92. Autor, entre outros livros, de A democracia reage (Garamond). [https://amzn.to/3sQ7Qn3]


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Yuri Martins-Fontes Ricardo Abramovay João Lanari Bo Fábio Konder Comparato José Luís Fiori Lincoln Secco José Raimundo Trindade Marcos Silva Bruno Fabricio Alcebino da Silva Paulo Sérgio Pinheiro Ricardo Antunes Gabriel Cohn Ricardo Fabbrini Rubens Pinto Lyra Andrés del Río Priscila Figueiredo Chico Whitaker Ronald León Núñez Valerio Arcary Caio Bugiato Milton Pinheiro Liszt Vieira Marilia Pacheco Fiorillo Carla Teixeira João Carlos Salles Afrânio Catani Lucas Fiaschetti Estevez André Márcio Neves Soares Sandra Bitencourt Jorge Branco Alexandre de Freitas Barbosa Gerson Almeida João Sette Whitaker Ferreira Manuel Domingos Neto Eugênio Trivinho Tadeu Valadares Everaldo de Oliveira Andrade Gilberto Maringoni Vladimir Safatle Eugênio Bucci Ronaldo Tadeu de Souza João Carlos Loebens Luiz Roberto Alves Francisco de Oliveira Barros Júnior Bruno Machado Julian Rodrigues Dênis de Moraes Benicio Viero Schmidt Valerio Arcary Leda Maria Paulani Luiz Bernardo Pericás Maria Rita Kehl Celso Favaretto Marjorie C. Marona Luiz Renato Martins José Dirceu Leonardo Boff Rodrigo de Faria Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Costa Júnior Anderson Alves Esteves Paulo Martins Luiz Carlos Bresser-Pereira Thomas Piketty Alexandre de Lima Castro Tranjan Antonio Martins João Adolfo Hansen José Machado Moita Neto Airton Paschoa Leonardo Sacramento Fernando Nogueira da Costa Vanderlei Tenório João Feres Júnior Chico Alencar Ricardo Musse André Singer Marilena Chauí Alysson Leandro Mascaro Denilson Cordeiro Francisco Fernandes Ladeira Lorenzo Vitral Luís Fernando Vitagliano Marcus Ianoni Jean Pierre Chauvin Érico Andrade Anselm Jappe Manchetômetro Flávio R. Kothe Alexandre Aragão de Albuquerque Sergio Amadeu da Silveira Elias Jabbour Boaventura de Sousa Santos Renato Dagnino Luiz Eduardo Soares Daniel Brazil Osvaldo Coggiola Henri Acselrad Daniel Costa Paulo Fernandes Silveira Remy José Fontana Walnice Nogueira Galvão Jean Marc Von Der Weid Kátia Gerab Baggio Armando Boito Claudio Katz Matheus Silveira de Souza Bento Prado Jr. Tarso Genro João Paulo Ayub Fonseca Luis Felipe Miguel Luiz Werneck Vianna Eduardo Borges Fernão Pessoa Ramos Celso Frederico Ronald Rocha Atilio A. Boron Marcos Aurélio da Silva Slavoj Žižek Ari Marcelo Solon Paulo Capel Narvai Michel Goulart da Silva Carlos Tautz Marcelo Guimarães Lima Henry Burnett José Micaelson Lacerda Morais Vinício Carrilho Martinez Luiz Marques Salem Nasser Heraldo Campos Mariarosaria Fabris José Geraldo Couto Eliziário Andrade Bernardo Ricupero Ladislau Dowbor Marcelo Módolo Michael Roberts Otaviano Helene Andrew Korybko Dennis Oliveira Berenice Bento Annateresa Fabris Luciano Nascimento Francisco Pereira de Farias Antonino Infranca Rafael R. Ioris Daniel Afonso da Silva Paulo Nogueira Batista Jr Mário Maestri Jorge Luiz Souto Maior Eleutério F. S. Prado Antônio Sales Rios Neto Samuel Kilsztajn Juarez Guimarães Michael Löwy Tales Ab'Sáber Igor Felippe Santos Leonardo Avritzer Gilberto Lopes Flávio Aguiar Eleonora Albano

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada