Eleições à vista

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

A situação no Oriente Médio fica extraordinariamente tensa, para a satisfação do regime neonazista que governa Israel, das monarquias bárbaras do Golfo Pérsico e dos dispersos gangsteres do derrotado Estado Islâmico

Por Atílio A. Boron*

Uma das primeiras lições que ensinam em todos os cursos sobre o sistema político nos Estados Unidos é que as guerras frequentemente revertem a popularidade em declínio dos presidentes. Com uma taxa de aprovação de Donald Trump de 45% em dezembro de 2019, os “déficits gêmeos” (comerciais e fiscais) crescendo descontroladamente, bem como a dívida pública e uma ameaça de julgamento político na Câmara, contra o qual os conselheiros e assessores da Casa Branca, certamente, recomendaram ao presidente que apele ao recurso tradicional e inicie uma guerra (ou uma operação militar de alto impacto) para reconstruir a sua popularidade e colocá-lo em uma posição melhor para enfrentar as próximas eleições de novembro desse ano.

Essa seria uma hipótese plausível para explicar o imoral e sangrento ataque que acabou com a vida de Qassem Soleimani, seguramente o general mais importante do Irã. Washington informou oficialmente que a operação foi explicitamente ordenada por Trump, com a covardia que peculiariza os ocupantes da Casa Branca – fãs de bombas sendo lançadas a milhares de quilômetros da Avenida da Pensilvânia, assim como da aniquilação de inimigos ou suspeitos de terrorismo por drones, manejados por alguns jovens moral e psicologicamente perturbados de algumas cavernas de Nevada. A imprensa encarregou-se de apresentar a vítima iraniana como um terrorista sem coração, que merecia morrer daquele torpe modo.

Com essa atitude criminosa a situação no Oriente Médio fica extraordinariamente tensa, para a satisfação do regime neonazista que governa Israel, das monarquias bárbaras do Golfo Pérsico e dos dispersos gangsteres do derrotado – graças à Rússia – Estado Islâmico. O cálculo perverso é que, nos próximos dias, a popularidade do magnata de Nova York começará a subir, quando o mecanismo de propaganda dos Estados Unidos for posto em marcha para embotar, pela enésima vez, a consciência da população. Como dissemos acima, esse apelo à guerra foi rotineiramente usado na história daquele país.

Como observado no ano passado pelo ex-presidente James Carter, os Estados Unidos estiveram em guerra por 222 anos dos seus 243 anos de vida independente. Isso não é coincidência, mas é devido à nefasta crença, profundamente enraizada após três séculos de lavagem cerebral, de que os Estados Unidos são a nação que Deus colocou na terra para levar as bandeiras da liberdade, justiça, democracia e dos direitos humanos para os cantos mais remotos do planeta. Não se trata de fazer um relato das guerras iniciadas para ajudar os presidentes em perigo eleitoral, mas convém trazer à baila um caso recente que também envolve o Iraque e cujo resultado foi diferente do esperado.

Com efeito, em 1990, o presidente George H. W. Bush (Bush pai) estava com problemas diante de sua reeleição. A operação “Causa Justa”, um nome adocicado para designar a invasão criminosa do Panamá, em dezembro de 1989, não teve o resultado desejado, pois não possuía o volume, a complexidade e a duração necessária para exercer um impacto decisivo na opinião pública.

Mais tarde, o Washington Post trouxe manchete na primeira página (16 de outubro de 1990) afirmando que a popularidade do presidente havia entrado em colapso, comentando que “alguns republicanos temem que o presidente se sinta forçado a iniciar hostilidades para impedir a erosão de sua popularidade”. Previsivelmente, os democratas triunfaram nas eleições intermediárias de novembro de 1990. Bush pai entendeu a mensagem e optou pelo antigo apelo: ele duplicou a presença militar dos EUA no Golfo Pérsico, mas sem declarar guerra.

Logo após a declaração de um dos principais conselheiros de Bush pai, John Sununu, dizendo, em palavras que caem como uma luva para entender a situação de hoje, que “uma guerra curta e bem-sucedida seria, politicamente falando, ouro em pó para o presidente e garantiria sua reeleição”. A invasão do Iraque no Kuwait ofereceu a Bush pai essa oportunidade: ir à guerra para “libertar” o pequeno Kuwait do jugo de seu vizinho arrogante. Em meados de janeiro de 1991, a Casa Branca lançou a operação “Tempestade no Deserto” contra o Iraque, um país já devastado por sanções econômicas e políticas e por sua longa guerra com o Irã, e contra um governante, Saddam Hussein, que já havia sido demonizado pela indigesta oligarquia da mídia mundial com a imperdoável complacência das “democracias ocidentais”.

Mas, ao contrário do esperado por seus conselheiros, Bush pai foi derrotado por Bill Clinton nas eleições de novembro de 1992. Quatro palavras resumiam a derrota: “É a economia, estúpido!”. Quem pode garantir que um resultado igual não possa se repetir desta vez? Isso, é claro, dito sem a menor esperança de que um eventual sucessor democrata do sátrapa de Nova York venha a ser mais favorável, ou menos terrível, para o futuro da humanidade. No entanto, temos certeza de que a “ordem internacional” construída pelos Estados Unidos e seus parceiros europeus exibe um estado avançado de putrefação.

Caso contrário, o silêncio cúmplice ou a condenação hipócrita, quando não a celebração aberta, dos aliados da Casa Branca e da chamada “imprensa livre”, em face de um crime perpetrado contra um alto chefe militar – não de um pretenso suspeito “terrorista” – de um país membro das Nações Unidas, sob as ordens do presidente dos Estados Unidos, em violação aberta da legalidade internacional e, inclusive, da Constituição e das leis dos EUA. Uma nova guerra aparece no horizonte, causada por Washington, invocando os pretextos habituais para encobrir suas insaciáveis ambições imperiais. O “complexo industrial militar” celebra com champanhe enquanto o mundo estremece com a tragédia que se avizinha.

*Atilio A. Boron é professor de Ciência Política da Universidade de Buenos Aires

Tradução: Roberto Bitencourt da Silva

Tradução publicada no site Jornal GGN

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Eduardo Soares Luciano Nascimento Lucas Fiaschetti Estevez Marcelo Módolo Walnice Nogueira Galvão Andrew Korybko Henry Burnett Bruno Fabricio Alcebino da Silva Sergio Amadeu da Silveira Jorge Branco Ricardo Musse Gabriel Cohn Leda Maria Paulani Anderson Alves Esteves Mariarosaria Fabris José Dirceu Rubens Pinto Lyra Érico Andrade Luiz Roberto Alves Leonardo Boff Ronald Rocha João Carlos Loebens Boaventura de Sousa Santos Liszt Vieira Vanderlei Tenório Slavoj Žižek Sandra Bitencourt João Adolfo Hansen Andrés del Río Eugênio Trivinho Juarez Guimarães Bruno Machado Gilberto Maringoni Eduardo Borges Kátia Gerab Baggio Jean Marc Von Der Weid Chico Whitaker Daniel Brazil Celso Frederico Alexandre de Lima Castro Tranjan Ricardo Abramovay Francisco Pereira de Farias Eleutério F. S. Prado Rafael R. Ioris Marjorie C. Marona Vinício Carrilho Martinez Paulo Sérgio Pinheiro Antônio Sales Rios Neto Salem Nasser José Micaelson Lacerda Morais Jean Pierre Chauvin Annateresa Fabris Marilia Pacheco Fiorillo Valerio Arcary Leonardo Avritzer Atilio A. Boron Luis Felipe Miguel Thomas Piketty Fernão Pessoa Ramos Flávio R. Kothe Plínio de Arruda Sampaio Jr. Vladimir Safatle Afrânio Catani Flávio Aguiar Dennis Oliveira Caio Bugiato Luiz Marques João Feres Júnior Luiz Renato Martins Milton Pinheiro Yuri Martins-Fontes Lorenzo Vitral Priscila Figueiredo João Sette Whitaker Ferreira Daniel Costa Chico Alencar Gilberto Lopes Paulo Nogueira Batista Jr Paulo Fernandes Silveira Remy José Fontana João Lanari Bo Francisco Fernandes Ladeira Marcelo Guimarães Lima Armando Boito Airton Paschoa Michel Goulart da Silva Tadeu Valadares Mário Maestri Marilena Chauí Francisco de Oliveira Barros Júnior Celso Favaretto Matheus Silveira de Souza Antonino Infranca Marcos Silva José Raimundo Trindade João Carlos Salles Paulo Capel Narvai Fernando Nogueira da Costa Henri Acselrad Alexandre de Freitas Barbosa Leonardo Sacramento Carla Teixeira Tarso Genro José Luís Fiori Valerio Arcary Luiz Werneck Vianna Igor Felippe Santos José Costa Júnior João Paulo Ayub Fonseca Otaviano Helene Berenice Bento Lincoln Secco Ronaldo Tadeu de Souza Marcus Ianoni Denilson Cordeiro Michael Löwy Samuel Kilsztajn Claudio Katz Maria Rita Kehl Antonio Martins André Singer Ronald León Núñez Alysson Leandro Mascaro Daniel Afonso da Silva Manuel Domingos Neto Eliziário Andrade Elias Jabbour José Machado Moita Neto Luiz Bernardo Pericás Ricardo Fabbrini Eugênio Bucci Michael Roberts Everaldo de Oliveira Andrade Carlos Tautz Jorge Luiz Souto Maior Bernardo Ricupero Alexandre Aragão de Albuquerque Eleonora Albano Anselm Jappe Ladislau Dowbor Tales Ab'Sáber José Geraldo Couto Luís Fernando Vitagliano Ricardo Antunes André Márcio Neves Soares Marcos Aurélio da Silva Dênis de Moraes Renato Dagnino Manchetômetro Heraldo Campos Osvaldo Coggiola Paulo Martins Julian Rodrigues Ari Marcelo Solon Bento Prado Jr. Rodrigo de Faria Gerson Almeida Luiz Carlos Bresser-Pereira Benicio Viero Schmidt Fábio Konder Comparato

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada