Notícias dos primeiros dias do ano novo

Imagem: Alfo Medeiros
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por SALEM NASSER*

Os principais fatos no Oriente Médio neste começo de 2024 e seus desdobramentos

Estou considerando produzir uma série de pílulas diárias – breves notas, escritas e gravadas em vídeo – a ser chamada de “Notícia de Ontem”. Cada dia eu escolheria uma única notícia ou fato relevante para registrar e comentar brevemente. Vejamos se consigo manter a disciplina.

Já estamos no quarto dia do novo ano e, portanto, já estou devendo três notícias – o que é compreensível, considerando os feriados e o descanso. Recuperemos o tempo perdido.

1.

Para o dia primeiro de janeiro, escolho uma notícia do ano passado – só desta vez, me permitirei uma pequena trapaça. Trata-se da apresentação, pela África do Sul, de uma demanda contra Israel, perante a Corte Internacional de Justiça, por violações da Convenção para a Prevenção e a Punição do Crime de Genocídio.

Para que fique claro, especialmente para os leigos – ou seja, todos aqueles que não estudaram direito internacional – este não é o Tribunal Penal Internacional que, neste momento, deveria estar avançando na investigação de crimes internacionais, inclusive o de genocídio, sendo cometidos por indivíduos (israelenses e outros, mas principalmente israelenses) na Palestina.

A Corte Internacional de Justiça julga casos entre os Estados. Certamente, uma questão crucial a ser decidida pela Corte será aquela relacionada à sua competência para julgar o caso. A ser acompanhado.

2.

Para o dia 2 de Janeiro, é difícil contornar o assassinato de Saleh El Aruri, Vice-Secretário Geral do Hamas, e de outros membros do movimento, por Israel, em Dahie (o subúrbio sul de Beirute, Líbano, onde o Hezbollah tem seu centro nervoso).

O assassinato permite diversas interpretações, no que diz respeito a suas motivações, e várias especulações, no que se relaciona com as possíveis consequências. Eu me limitarei a um par de observações.

Sobre as motivações, vai-se da ideia de que Israel quereria ver nisso uma vitória que lhe permitiria agora encontrar uma porta de saída para uma guerra custosa e que está sendo perdida até a consideração de que Israel quer ampliar o conflito para forçar a entrada dos Estados Unidos no campo de batalha.

Já as consequências, elas dependem do que o Hezbollah considerará ser a resposta apropriada para o fato de Israel ter violado duas linhas vermelhas: o assassinato de uma liderança da resistência no Líbano e o fato de que o ataque foi realizado na Dahie.

3.

Para o dia 3 de janeiro, dois fatos devem ser pontuados – mais uma exceção à regra…: o ataque com duas bombas que atingiu os visitantes do túmulo de Kassem Suleimani na véspera do quarto aniversário de sua morte pelos Estados Unidos, e o discurso proferido pelo Secretário Geral do Hezbollah, Sayed Hassan Nassrallah.

Sobre o primeiro evento, não há muito que se possa dizer, senão que fez mais de cem vítimas fatais, entre elas crianças; que o timing foi cruel e também revelador (se combinado com o assassinato de Arury um dia antes e com a possível intenção de ampliar o palco da guerra trazendo o Irã para dentro e, consequentemente, forçando igualmente a entrada dos Estados Unidos).

É contra esse pano de fundo que aconteceu o discurso de Hassan Nassrallah, um discurso que já estava agendado e, como todas as suas aparições, era muito esperado.

Algo deve ser dito, para as audiências ocidentais, sobre o lugar e o peso político de Hassan Nassrallah no Oriente Médio e para além dele. A maior parte das pessoas entre nós provavelmente, no Brasil, eu diria que certamente, nunca ouviu falar dele. Certamente, quase ninguém já ouviu ou leu um discurso ou uma entrevista dele na íntegra.

No entanto, penso não haver exagero em dizer que Hassan Nassrallah é simplesmente a voz mais importante quando se trata de entender as dinâmicas do Oriente Médio, suas balanças de poder, suas mudanças nas últimas décadas. E não há exagero em dizer que ele é também um dos atores mais importantes – em alguns aspectos o mais importante dos atores – na região desde 1992.

Para resumir, essa centralidade decorre de sua enorme inteligência, de seu domínio ímpar de uma racionalidade que muitos orientalistas pensariam ausente nas mentes árabes e característica exclusiva do Ocidente, de um carisma sem paralelos próximos, de sua credibilidade, tida até pelos israelenses como sem falhas, e pelo lugar a que se elevou o Hezbollah como força política e militar na região.

No discurso de ontem, Hassan Nassrallah falou da inevitabilidade da resposta apropriada ao assassinato de Al Arury, ainda que não tenha dado pistas do tempo em que isso aconteceria, e falou da disposição do Hezbollah para entrar numa guerra aberta, sem quaisquer limites, se Israel quiser lhe impor tal guerra.

*Salem Nasser é professor da Faculdade de Direito da FGV-SP. Autor de, entre outros livros, de  Direito global: normas e suas relações (Alamedina).[https://amzn.to/3s3s64E]


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Julian Rodrigues Heraldo Campos Yuri Martins-Fontes Alysson Leandro Mascaro Mariarosaria Fabris José Luís Fiori Chico Whitaker Bruno Fabricio Alcebino da Silva Juarez Guimarães Andrés del Río Francisco Pereira de Farias Berenice Bento Ladislau Dowbor Slavoj Žižek Marilena Chauí Michael Roberts Renato Dagnino Paulo Capel Narvai Dênis de Moraes Dennis Oliveira Vladimir Safatle José Raimundo Trindade Luiz Renato Martins Daniel Costa Osvaldo Coggiola Vanderlei Tenório Airton Paschoa Priscila Figueiredo Manchetômetro Vinício Carrilho Martinez Alexandre de Lima Castro Tranjan Ronald Rocha Jorge Branco Fábio Konder Comparato Ricardo Abramovay Benicio Viero Schmidt Matheus Silveira de Souza Liszt Vieira Milton Pinheiro João Lanari Bo Henri Acselrad Thomas Piketty Antonio Martins Lorenzo Vitral Michel Goulart da Silva João Feres Júnior Everaldo de Oliveira Andrade Luiz Roberto Alves Marcus Ianoni Denilson Cordeiro Kátia Gerab Baggio Claudio Katz Bruno Machado Eleonora Albano Eduardo Borges Alexandre Aragão de Albuquerque Flávio Aguiar Chico Alencar Valerio Arcary João Sette Whitaker Ferreira José Micaelson Lacerda Morais Luciano Nascimento Rodrigo de Faria Celso Frederico Henry Burnett Samuel Kilsztajn Tadeu Valadares José Geraldo Couto Marcos Aurélio da Silva Anselm Jappe Sergio Amadeu da Silveira Luiz Marques Mário Maestri Ronald León Núñez Eugênio Bucci Boaventura de Sousa Santos Caio Bugiato Flávio R. Kothe Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Bernardo Pericás Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Annateresa Fabris Paulo Nogueira Batista Jr Carla Teixeira Jorge Luiz Souto Maior Jean Pierre Chauvin André Singer Ricardo Antunes Remy José Fontana Valerio Arcary Leonardo Boff Sandra Bitencourt Maria Rita Kehl Lucas Fiaschetti Estevez Ricardo Fabbrini Marcelo Guimarães Lima Eliziário Andrade Luis Felipe Miguel Ricardo Musse Tales Ab'Sáber André Márcio Neves Soares Antônio Sales Rios Neto Paulo Fernandes Silveira João Carlos Loebens Gerson Almeida José Machado Moita Neto Daniel Brazil Luiz Werneck Vianna Rafael R. Ioris Leonardo Avritzer Igor Felippe Santos Gabriel Cohn Leonardo Sacramento Lincoln Secco Rubens Pinto Lyra Ari Marcelo Solon Marcos Silva Eugênio Trivinho Michael Löwy Armando Boito Paulo Martins Marilia Pacheco Fiorillo José Dirceu Salem Nasser Plínio de Arruda Sampaio Jr. Celso Favaretto Daniel Afonso da Silva Bento Prado Jr. Alexandre de Freitas Barbosa Luís Fernando Vitagliano Walnice Nogueira Galvão José Costa Júnior Eleutério F. S. Prado Francisco de Oliveira Barros Júnior Jean Marc Von Der Weid Tarso Genro Marjorie C. Marona Carlos Tautz Afrânio Catani Atilio A. Boron Francisco Fernandes Ladeira Gilberto Maringoni Érico Andrade João Adolfo Hansen Antonino Infranca Otaviano Helene Bernardo Ricupero João Paulo Ayub Fonseca Paulo Sérgio Pinheiro Marcelo Módolo João Carlos Salles Elias Jabbour Fernando Nogueira da Costa Ronaldo Tadeu de Souza Andrew Korybko Luiz Eduardo Soares Leda Maria Paulani Fernão Pessoa Ramos Gilberto Lopes Manuel Domingos Neto

NOVAS PUBLICAÇÕES