As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

60 anos de bloqueio a Cuba

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ROSA MIRIAM ELIZALDE*

Seis décadas de bloqueio criminoso à Ilha tem servido principalmente para levar sofrimento à população cubana

É fácil dizer, mas foram seis décadas muito difíceis que começaram com uma leveza desconcertante e a crença de que o bloqueio de Cuba por parte do governo dos Estados Unidos não duraria muito, uns dois anos talvez.

Em 2 de fevereiro de 1962, o presidente dos EUA John F. Kennedy telefonou para o seu secretário de imprensa, Pierre Salinger, e deu-lhe uma tarefa urgente: “Eu preciso de muitos charutos [cubanos]”. “Quantos, Sr. presidente?” “Cerca de mil”, respondeu Kennedy. Salinger visitou as lojas mais bem abastecidas de Washington e adquiriu 1.200 charutos H. Upmann Petit Corona enrolados à mão nas férteis planícies de Pinar del Río, na parte ocidental da ilha.

“Na manhã seguinte, eu entrei no meu gabinete da Casa Branca por volta das 8h da manhã, e a linha direta do gabinete do presidente já estava tocando”, disse Salinger à revista Cigar Aficionado anos depois. “‘Como você se saiu, Pierre?’, perguntou ele enquanto eu entrava pela porta. ‘Muito bem’, respondi. …Kennedy sorriu e abriu a gaveta. Ele retirou um longo papel que assinou imediatamente. Era o decreto que bania todos os produtos cubanos dos Estados Unidos. Os charutos cubanos eram agora ilegais no nosso país”.

Os veículos de comunicação da época relataram com bastante precisão o significado daquela decisão. A revista The Nation escreveu: “A economia de Cuba… dependia dos Estados Unidos para itens essenciais como caminhões, ônibus, tratores de esteira, equipamento telefônico e elétrico, produtos químicos industriais, medicamentos, algodão cru, detergentes, banha, batatas, aves, manteiga, uma grande variedade de produtos enlatados, e metade de itens básicos na dieta cubana como arroz e feijão preto. …Uma nação que tinha sido um apêndice econômico dos Estados Unidos foi subitamente deixada à deriva; foi como se a Florida tivesse sido isolada do resto do país, incapaz de vender laranjas e gado ou de trazer turistas, gasolina, peças de automóveis, ou foguetes do Cabo Canaveral”.

Foram 657 dias entre 3 de fevereiro de 1962 – quando Kennedy emitiu um bloqueio ao comércio entre os EUA e Cuba – e 22 de novembro de 1963, quando ele foi assassinado.

Kennedy foi morto antes de poder queimar seu arsenal de charutos cubanos um a um e antes da agenda de negociações ser finalizada para talvez reverter ou aliviar o bloqueio, um processo que estava em andamento no momento do assassinato de Dallas.

Dois fatores-chave que determinaram o início das negociações foram o fracasso da invasão da Baía dos Porcos de Cuba em abril de 1961 – os invasores tiveram que ser trocados por alimentos e tratores – e a crise dos mísseis de outubro de 1962 que envolveu os EUA, a URSS e Cuba. Um memorando enviado por Gordon Chase, especialista em assuntos latino-americanos do Conselho Nacional de Segurança, a McGeorge Bundy, conselheiro de segurança nacional do presidente Kennedy, em 11 de abril de 1963, cinicamente recomendava: “Se a abordagem doce [a Castro] se revelasse viável e, em contrapartida, bem-sucedida, os benefícios seriam substanciais”.

As tentativas de retificação de Kennedy não tiveram qualquer utilidade, nem os apelos, não apenas para a justiça elementar, mas também para o pragmatismo. Dezenas de analistas, funcionários e mesmo ex-presidentes dos EUA têm exigido desde então que a sanidade prevaleça para evitar a punição imposta ao povo cubano por estes contínuos embargos, que se baseiam no impulso sádico, na inércia ou simplesmente na arrogância de um bando de políticos. Mas Washington continuou a mostrar sinais vívidos de que não recuará. Wayne Smith, que foi chefe da Seção de Interesses dos EUA em Havana e uma das vozes mais fortes contra o bloqueio imposto unilateralmente por seu país, concluiu que Cuba parece ter “o mesmo efeito sobre as administrações americanas que a lua cheia tem sobre os lobisomens”.

Aqueles que nasceram quando Kennedy, com suas razões ocultas e um esconderijo secreto de charutos, assinou a Ordem Executiva 3.447, que decretou um bloqueio total a Cuba, têm agora netos e até bisnetos. Alguns desses cubanos morreram e muitos morrerão sem saber como funciona um país em condições normais – o antigo ou o novo com Covid-19, já não importa. Eles nunca compreenderão como tem sido possível para os EUA agir contra milhões de pessoas durante tanto tempo e com tanto ódio, um ódio sem limites ou explicação racional.

*Rosa Miriam Elizalde é jornalista e escritora cubana. Autora, entre outros livros, de Chávez nuestro.

Tradução: Fernando Lima das Neves.

Publicado originalmente no portal Nodal

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Caio Bugiato Luiz Eduardo Soares Anselm Jappe Mariarosaria Fabris Jean Pierre Chauvin Francisco de Oliveira Barros Júnior José Raimundo Trindade Gabriel Cohn Annateresa Fabris Airton Paschoa Ricardo Antunes Igor Felippe Santos Sergio Amadeu da Silveira Eugênio Bucci Osvaldo Coggiola Marcelo Módolo Boaventura de Sousa Santos Luís Fernando Vitagliano José Dirceu Marcelo Guimarães Lima Tarso Genro Luis Felipe Miguel Luciano Nascimento Daniel Brazil Gilberto Lopes Eleutério F. S. Prado Marcos Aurélio da Silva Antonio Martins Walnice Nogueira Galvão Salem Nasser Otaviano Helene Eugênio Trivinho Berenice Bento João Lanari Bo Denilson Cordeiro José Luís Fiori Plínio de Arruda Sampaio Jr. Dênis de Moraes Tales Ab'Sáber Henri Acselrad Yuri Martins-Fontes Antonino Infranca Luiz Marques Marjorie C. Marona João Sette Whitaker Ferreira Leonardo Boff Gerson Almeida Antônio Sales Rios Neto Fernando Nogueira da Costa Francisco Fernandes Ladeira Tadeu Valadares Vladimir Safatle Luiz Carlos Bresser-Pereira Eliziário Andrade Kátia Gerab Baggio Rodrigo de Faria Manuel Domingos Neto Francisco Pereira de Farias Eleonora Albano Anderson Alves Esteves Jean Marc Von Der Weid Ronaldo Tadeu de Souza Gilberto Maringoni Ladislau Dowbor Carlos Tautz Paulo Martins Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Costa Lima Luiz Werneck Vianna Vanderlei Tenório Bruno Fabricio Alcebino da Silva Maria Rita Kehl Paulo Nogueira Batista Jr João Paulo Ayub Fonseca Lorenzo Vitral Atilio A. Boron Jorge Branco Juarez Guimarães Ronald Rocha João Adolfo Hansen Thomas Piketty José Costa Júnior Lucas Fiaschetti Estevez Paulo Sérgio Pinheiro Valerio Arcary Rubens Pinto Lyra Bernardo Ricupero Milton Pinheiro Bento Prado Jr. Claudio Katz Chico Alencar Leonardo Avritzer Priscila Figueiredo Dennis Oliveira Ricardo Abramovay Daniel Afonso da Silva Benicio Viero Schmidt Lincoln Secco Ari Marcelo Solon Ricardo Fabbrini Andrew Korybko Valério Arcary Remy José Fontana João Carlos Loebens Fábio Konder Comparato José Geraldo Couto Afrânio Catani Elias Jabbour José Machado Moita Neto Luiz Bernardo Pericás Érico Andrade Everaldo de Oliveira Andrade Ronald León Núñez Liszt Vieira Michael Löwy André Márcio Neves Soares Sandra Bitencourt Flávio R. Kothe Paulo Capel Narvai João Feres Júnior Mário Maestri Leda Maria Paulani Bruno Machado Flávio Aguiar Marcos Silva Roberto Bueno João Carlos Salles Rafael R. Ioris Celso Favaretto Manchetômetro Marilena Chauí Slavoj Žižek Julian Rodrigues Alysson Leandro Mascaro Roberto Noritomi Paulo Fernandes Silveira Henry Burnett Luiz Renato Martins Heraldo Campos Alexandre Aragão de Albuquerque Eduardo Borges Vinício Carrilho Martinez José Micaelson Lacerda Morais Renato Dagnino André Singer Alexandre de Lima Castro Tranjan Armando Boito Daniel Costa Carla Teixeira Celso Frederico Michael Roberts Leonardo Sacramento Marcus Ianoni Jorge Luiz Souto Maior Luiz Roberto Alves Alexandre de Freitas Barbosa Samuel Kilsztajn Fernão Pessoa Ramos Ricardo Musse Chico Whitaker

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada