O Bocage de José Paulo Netto

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DÊNIS DE MORAES*

Considerações sobre a antologia poética de Manuel Maria de Barbosa du Bocage, organizada por José Paulo Netto

À primeira vista, uma antologia poética de Manuel Maria de Barbosa du Bocage (1765-1805), controvertido autor português do século XVIII, organizada e apresentada por José Paulo Netto, um dos principais intelectuais marxistas brasileiros, biógrafo de Karl Marx e crítico literário. Mas Da Erótica: muito além do obsceno (Boitempo) subverte o enquadramento convencional do gênero. A apresentação de 42 páginas, a seleção criteriosa de poemas e sonetos e o rico acervo de notas (quase um livro dentro do livro) compõem um retrato de corpo inteiro do poeta libertino que escandalizou as hostes puritanas do conservadorismo.

O ensaio introdutório corresponde a um autêntico trabalho de engenharia narrativa. A partir da exposição das contingências biográficas que acabaram por se refletir no processo de produção literária, José Paulo Netto põe em relevo as chaves de interpretação da obra bocagiana, associando-as a ideias e acontecimentos que haveriam de definir a sua complexa fisionomia intelectual e existencial.

A síntese argumentativa recusa os limites aprisionantes da pressa e do senso comum. O que temos diante de nós, no percurso da leitura, é o essencial explicativo e analítico das etapas que delinearam a história de vida de Bocage, bem como das injunções sociopolíticas e culturais que, direta ou indiretamente, interferiram na escala de sua aventura criativa.

José Paulo Netto avalia, com extrema perícia, a conflituosa transição entre modos de produção e as implicações econômicas e sociais no século XVIII, em meio às disputas pelo poder em Portugal. Também incorpora movimentos, gêneros e matizes culturais que, na sequência das épocas, confluem na construção da história literária portuguesa, situando o caso Bocage na linha de influência de Luís Vaz de Camões (1524-1580), o grande poeta da tradição ocidental, entre outras derivações e possibilidades de aproximação.

Sem fixar o quadro que envolveu as adversidades, os tormentos, a veia boêmia e as escolhas audaciosas de Bocage, seria impossível compreendermos o amálgama de inspiração, convicção, inconformismo e aberta transgressão presente em grande parte de sua obra, toda ela tensionada pelo “desconcerto do mundo”. Em sentido análogo, ao aprofundar o exame do “solo histórico imediato” no qual transcorreu a jornada do poeta português, o texto do organizador faz sobressair, nas intensidades certas, as razões pelas quais a erótica de Bocage se projeta como “amostra privilegiada e mais expressiva concepção libertina possível” da última década do século XVIII em Portugal.

José Paulo Netto repele a “memória lendária”, as mistificações e as impugnações falseadas que ignoram as fronteiras entre o erótico, o pornográfico e o obsceno, na tentativa de desqualificar e deixar ao relento o legado bocagiano. Ainda hoje, muitos classificam como “culto à pornografia” as cenas de desejo explosivo e de sexo explícito e as astúcias ilimitadas da sedução em seus versos. Por mais que, aqui e ali, possamos problematizar desvios e excessos por parte de Bocage, cumpre reconhecer o elogio à liberdade do prazer e a ressignificação da dimensão do desejo em sociedades reféns das imposturas morais das classes dominantes.

A partir do título dado à antologia poética propriamente dita – “A caminho da sensualidade emancipada” –, José Paulo Netto aponta, como via para a superação da visão dualista e excludente de um Bocage “erótico” ou “pornográfico”, uma análise ampla de sua condição de homem de letras na contramão de valores estabelecidos e mentalidades retrógradas. Uma análise que não se circunscreva aos atuais padrões de avaliação estética, aí incluída a linguagem “obscena” como item vendável no âmbito da mercantilização cultural, e contemple situações concretas em que Bocage se moveu. No tempo do Santo Ofício, acentua ele, “ser libertino consistia em pensar livremente, conforme os princípios iluministas da razão e da natureza, enfrentando a coerção dos preconceitos e da tradição – e não mais que isso”.

Ao concluir esta breve nota, compartilho a hipótese de que, em determinados casos, a organização de um livro faz supor um exercício alquímico, norteado pelas sutilezas da sensibilidade, pela mescla de componentes singulares e pelo espírito íntegro do organizador (neste volume, realçado pelos belos projeto gráfico e capa de Maikon Nery). Não são poucas as passagens de Da erótica nas quais esses elementos distintivos se entrelaçam, evidenciando – sobretudo num mundo resignado e reificado como o nosso – a validade das palavras febris de um eterno rebelde como Bocage, resgatado notavelmente por José Paulo Netto.

*Dênis de Moraes, jornalista e escritor, é professor aposentado do Instituto de Arte e Comunicação Social da Universidade Federal Fluminense. Autor, entre outros livros, de Sartre e a imprensa (Mauad).

Referência

José Paulo Netto (org.). Bocage. Da erótica: muito além do obsceno. São Paulo, Boitempo, 2022, 272 págs. [https://amzn.to/3RsiqsQ]


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Machado Moita Neto Osvaldo Coggiola Érico Andrade Lincoln Secco Celso Favaretto Tarso Genro Juarez Guimarães Francisco Fernandes Ladeira Marilena Chauí Alexandre Aragão de Albuquerque Slavoj Žižek Carlos Tautz Paulo Fernandes Silveira Marcelo Módolo Airton Paschoa João Feres Júnior Kátia Gerab Baggio Fernão Pessoa Ramos Leonardo Sacramento Luiz Eduardo Soares Mariarosaria Fabris Liszt Vieira Luís Fernando Vitagliano José Geraldo Couto Salem Nasser Eliziário Andrade José Raimundo Trindade Alexandre de Lima Castro Tranjan Elias Jabbour Valerio Arcary Luiz Marques Ari Marcelo Solon Ricardo Abramovay Afrânio Catani Marcos Aurélio da Silva André Singer Ricardo Antunes Rafael R. Ioris Heraldo Campos Ricardo Fabbrini Daniel Afonso da Silva Daniel Brazil Paulo Capel Narvai Jorge Luiz Souto Maior Yuri Martins-Fontes Ricardo Musse Dênis de Moraes Marcelo Guimarães Lima Chico Alencar Andrés del Río Antonino Infranca Anselm Jappe Priscila Figueiredo Tales Ab'Sáber Atilio A. Boron Anderson Alves Esteves Maria Rita Kehl João Adolfo Hansen Carla Teixeira Eleonora Albano Eduardo Borges Jean Marc Von Der Weid Daniel Costa Andrew Korybko Samuel Kilsztajn Benicio Viero Schmidt Gilberto Maringoni Vanderlei Tenório Francisco Pereira de Farias Jean Pierre Chauvin Leda Maria Paulani Boaventura de Sousa Santos Remy José Fontana João Carlos Loebens Sergio Amadeu da Silveira Flávio Aguiar Milton Pinheiro Sandra Bitencourt Mário Maestri Gilberto Lopes Eugênio Trivinho Bento Prado Jr. Dennis Oliveira Lucas Fiaschetti Estevez Lorenzo Vitral Chico Whitaker Vladimir Safatle Everaldo de Oliveira Andrade Gerson Almeida Fernando Nogueira da Costa Walnice Nogueira Galvão Julian Rodrigues Vinício Carrilho Martinez Claudio Katz Denilson Cordeiro Ladislau Dowbor João Sette Whitaker Ferreira Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Renato Martins Antônio Sales Rios Neto Luiz Roberto Alves Paulo Nogueira Batista Jr Renato Dagnino Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Bernardo Pericás Rodrigo de Faria José Luís Fiori Henry Burnett Ronald León Núñez Luiz Carlos Bresser-Pereira Caio Bugiato João Paulo Ayub Fonseca Igor Felippe Santos José Costa Júnior José Dirceu Marjorie C. Marona Henri Acselrad Leonardo Boff Fábio Konder Comparato Matheus Silveira de Souza Otaviano Helene Marcos Silva Antonio Martins Michel Goulart da Silva Manchetômetro Luiz Werneck Vianna José Micaelson Lacerda Morais Marcus Ianoni Thomas Piketty Michael Löwy Luciano Nascimento Plínio de Arruda Sampaio Jr. Flávio R. Kothe Francisco de Oliveira Barros Júnior Celso Frederico Paulo Martins Valerio Arcary Bernardo Ricupero Alysson Leandro Mascaro Bruno Machado André Márcio Neves Soares Berenice Bento Michael Roberts Jorge Branco Gabriel Cohn Armando Boito Tadeu Valadares Leonardo Avritzer Bruno Fabricio Alcebino da Silva Manuel Domingos Neto Eleutério F. S. Prado Eugênio Bucci Marilia Pacheco Fiorillo Luis Felipe Miguel Annateresa Fabris João Lanari Bo Rubens Pinto Lyra Ronaldo Tadeu de Souza Ronald Rocha João Carlos Salles

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada