As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O bolsonarismo como movimento político

Imagem_Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Francisco Prandi*

O bolsonarismo enquanto movimento político com lastro social chegou para ficar por um bom tempo

A cada dia está mais claro que o bolsonarismo é algo diferente da direita tradicional. Durante muitos anos apostou-se na inviabilidade de uma direita com base de massas no Brasil. Se o malufismo e o janismo, que pretenderam sê-lo faziam questão de manter suas bases sociais passivas, de modo que era apenas nas eleições que sua participação era esperada e desejada, o bolsonarismo tem outra natureza. Nesse sentido, podemos dizer que o janismo e o malufismo tinham muito mais uma concepção “burocrática” ou tecnocrática da política. Eles não se propunham “destruir” instituições e menos ainda fomentavam redes paralelas de poder por fora do Estado, como faz o bolsonarismo. Nesse sentido, o bolsonarismo é muito mais uma “direita jacobina”, se quisermos buscar inspiração em Gramsci. O insuspeito de comunismo Rodrigo Constantino assim demarca com o bolsonarismo quando afirma que, ao contrário deles, ele luta para construir instituições e não para demoli-las na base da violência [2].

Mas não é só da “direita Constantino” que Gramsci apanha. O comunista italiano também é bode expiatório da direita neofascista bolsonarista que entende que todos os males da nossa sociedade são originários não apenas do “gramscismo” na educação, mas sobretudo na cultura. Os aparelhos ideológicos e a batalha de ideias são o foco privilegiado da artilharia neofascista, isto é, a direita leu Gramsci muito melhor do que nós que passamos anos tentando transformá-lo num liberal inofensivo.

Em entrevista dada a Eduardo Bolsonaro no YouTube [3], Olavo de Carvalho faz questão de demarcar com a ditadura militar que, dentre outras coisas, teria permitido o alastramento das ideias de esquerda. O “filósofo” chama atenção sobretudo para o aspecto formador da literatura e do teatro, ressaltando por exemplo os trabalhos de Antonio Callado e Jorge Amado como fundamental para, mais do que uma teoria revolucionária, criar uma unidade de sentimentos e um imaginário comum que possibilitem criar uma mística, condição fundamental para a luta política. Assim, ele convoca os neofascistas a trabalharem esse imaginário. Isso não deveria causar o choque que está nos causando. O integralismo, o fascismo e o nazismo também tinham seus intelectuais orgânicos e tinham consciência da necessidade de se tornar hegemônicos no campo da ideologia. É dessa maneira que compreendemos o ressurgimento de editoras ultraliberais e neofascistas que divulgam obras de autores, para nós desconhecidos, mas muito bem financiados por think tanks que formam as cabeças das nossas classes dominantes e contra as quais teremos que lutar nos próximos anos.

Se os partidos da direita tradicional também entraram em colapso na Alemanha de Hitler e na Itália de Mussolini, aqui no Brasil, o ocaso do PSDB e a divisão do DEM, que havia feito um aggiornamento em 2007, reconhecendo os Direitos Humanos e as instituições democráticas, abrem espaço para essa direita neofascista que, como afirma Eduardo Bolsonaro em dita entrevista, ainda está na primeira fase, de identidade e demarcação. Por fim, as considerações finais de Olavo de Carvalho nessa entrevista também são interessantíssimas. Ao ser questionado sobre qual seu recado ao presidente ele responde: “não confie em conselheiros positivistas e pragmáticos”. Para ele, o pragmatismo interdita todo discurso ideológico da direita, de maneira que o pragmático trabalha para a esquerda.

A recente busca de entendimentos de Bolsonaro com o centrão pode abrir a possibilidade de que o “neofascismo realmente existente” tenha que fazer mais concessões e recuos do que aqueles que gostaria. Contudo, também deve-se lembrar que o fascismo italiano conviveu durante anos com o Parlamento, com jornais e partidos de oposição até ter a correlação de forças desejável para impor o seu regime político ditatorial. A nós, cabe menos esperar uma reação das instituições responsáveis por permitir a Bolsonaro chegar até aqui e muito mais trabalhar a cada dia mais para abreviar a vida desse governo, antes que ele acabe com a nossa deteriorada democracia. Mas ao que parece, o bolsonarismo enquanto movimento político com lastro social chegou para ficar por um bom tempo.

*Francisco Prandi é mestrando em Sociologia na USP.

Notas

 [2] Rodrigo Constantino demarcando com aquilo que chama de “direita jacobina” em entrevista disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=unFCOIqCBVA

[3] Entrevista feita por Eduardo Bolsonaro com Olavo de Carvalho disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=9w3PYUYQNzw

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Paulo Martins Luiz Carlos Bresser-Pereira Antonino Infranca Paulo Capel Narvai João Carlos Loebens Eugênio Bucci Eleutério F. S. Prado João Sette Whitaker Ferreira Everaldo de Oliveira Andrade José Machado Moita Neto Marilia Pacheco Fiorillo João Feres Júnior Paulo Nogueira Batista Jr Igor Felippe Santos Eliziário Andrade Walnice Nogueira Galvão Anselm Jappe Ronald León Núñez Bento Prado Jr. Luis Felipe Miguel Liszt Vieira Michael Roberts Daniel Costa Caio Bugiato Armando Boito Fernando Nogueira da Costa Anderson Alves Esteves Otaviano Helene Benicio Viero Schmidt Heraldo Campos Juarez Guimarães João Lanari Bo Manuel Domingos Neto Luciano Nascimento Vanderlei Tenório Francisco Fernandes Ladeira Jean Marc Von Der Weid José Dirceu Valerio Arcary Carlos Tautz Lorenzo Vitral Vladimir Safatle Fernão Pessoa Ramos Manchetômetro Michael Löwy Flávio Aguiar Marcelo Módolo Roberto Noritomi Gabriel Cohn João Adolfo Hansen Ricardo Fabbrini José Geraldo Couto Marilena Chauí José Costa Júnior Osvaldo Coggiola Chico Whitaker José Micaelson Lacerda Morais Airton Paschoa Chico Alencar Daniel Afonso da Silva Gilberto Lopes Luiz Roberto Alves Samuel Kilsztajn Luiz Renato Martins Slavoj Žižek Luiz Costa Lima Gilberto Maringoni Ricardo Abramovay Alexandre de Lima Castro Tranjan Paulo Sérgio Pinheiro Gerson Almeida Mário Maestri Elias Jabbour Érico Andrade Francisco Pereira de Farias Bruno Fabricio Alcebino da Silva Eleonora Albano Ronaldo Tadeu de Souza Marjorie C. Marona Leonardo Sacramento Lincoln Secco Boaventura de Sousa Santos Salem Nasser Atilio A. Boron Jorge Branco Marcos Aurélio da Silva Thomas Piketty Berenice Bento Marcus Ianoni Henri Acselrad Eduardo Borges Jean Pierre Chauvin André Singer Paulo Fernandes Silveira Maria Rita Kehl Afrânio Catani Luiz Eduardo Soares Ricardo Antunes Alysson Leandro Mascaro Antônio Sales Rios Neto José Luís Fiori Daniel Brazil Marcos Silva Fábio Konder Comparato Roberto Bueno Vinício Carrilho Martinez Leonardo Boff Dennis Oliveira Rodrigo de Faria Julian Rodrigues Yuri Martins-Fontes João Carlos Salles Denilson Cordeiro Luiz Werneck Vianna José Raimundo Trindade Ricardo Musse Dênis de Moraes Celso Favaretto Ladislau Dowbor Jorge Luiz Souto Maior Leda Maria Paulani Sandra Bitencourt Luiz Marques Renato Dagnino Carla Teixeira Ronald Rocha Bernardo Ricupero Alexandre de Freitas Barbosa Sergio Amadeu da Silveira Tadeu Valadares Henry Burnett Claudio Katz Luís Fernando Vitagliano Bruno Machado Antonio Martins Milton Pinheiro Celso Frederico Annateresa Fabris Alexandre Aragão de Albuquerque Rubens Pinto Lyra Andrew Korybko Francisco de Oliveira Barros Júnior Valério Arcary Rafael R. Ioris Flávio R. Kothe Tales Ab'Sáber Priscila Figueiredo Lucas Fiaschetti Estevez Leonardo Avritzer Mariarosaria Fabris Ari Marcelo Solon João Paulo Ayub Fonseca Marcelo Guimarães Lima Plínio de Arruda Sampaio Jr. Kátia Gerab Baggio André Márcio Neves Soares Luiz Bernardo Pericás Tarso Genro Remy José Fontana Eugênio Trivinho

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada