As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Carta aberta ao padre Lancelotti

Imagem: Haley Black
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JORGE SCHWARTZ*

A meta do Hamas, do Hezbollah, da Jihad Islâmica e do Irã não tem nada a ver com a criação de um Estado palestino, mas com o desaparecimento do Estado de Israel

Prezado Padre Lancelotti, há alguns anos sou seu admirador incondicional pela coragem em lidar pessoal e diretamente com a dificílima situação de moradores de rua. Foi o que me levou a ser colaborador da Paróquia São Miguel Arcanjo há anos, a partir de depósitos mensais assim como divulgador de suas ações.

Neste momento estou lhe escrevendo sobre o seu discurso do dia 5 de novembro de 2023, na manifestação Pró-Palestina na avenida Paulista (cf. no Youtube Lancelotti + Palestina). Falo como judeu e como homossexual descendente de húngaros que morreram em campo de concentração e pelo mero fato de serem judeus, mais nada. Reconheço que o senhor, em seu veemente discurso esclarece que não se trata de todos os judeus nem de todos os israelenses.

Sempre fui favorável à criação de dois Estados e sempre reprovei a política de Benjamin Netanyahu, tentando a qualquer custo conquistar terrenos árabes para criar uma grande Israel, antigo projeto da extrema direita e de radicais religiosos ortodoxos. Uma minoria poderosa neste momento. Aliás, acho que o que está acontecendo hoje é consequência direta desta política totalmente equivocada e que despertou dentro de Israel grande oposição por boa parte da população.

O que me causou espanto em seu ensandecido discurso na rua quando afirma de forma solidária “ser palestino”, é acusar e responsabilizar somente Israel, sem uma única menção ao 7 de outubro, ao ataque terrorista do Hamas que matou mais de 1200 cidadãos civis da forma mais brutal, sem entrar em detalhes.

Também o silêncio total sobre os 200 ou mais sequestrados pelo Hamas; é possível que até o final desta guerra eles paguem com a vida e que muitos já tenham morrido.

O que está acontecendo hoje é uma inequívoca resposta aos bombardeios, milhares de bombas foram contabilizadas, e que continuam sendo lançadas pelo Hamas. Israel nunca deixou de responder aos ataques, e evidentemente o Hamas e o mundo sabiam que haveria uma resposta militar. Israel deveria fazer o quê em resposta: se limitar a chorar e rezar pelos mortos no Muro das Lamentações e nas sinagogas? Já vimos o fiasco das Nações Unidas em tentar levar a paz para esta região.

A meta do Hamas, do Hezbollah, da Jihad Islâmica e do Irã não tem nada a ver com a criação de um Estado palestino, mas com o desaparecimento do Estado de Israel. Aliás, a solução dos desejados dois Estados deixaria estes movimentos sem uma causa que os alimente. Veja que pacifistas como o ex-presidente egípcio Anwar Al Sadat e o Itzhak Rabin foram covardemente assassinados, este último por um jovem israelense ortodoxo.

O que me leva a lhe escrever é que o senhor, como formador de opinião, não condene o Hamas em momento algum como detonador do processo que levou à resposta desmedida de Israel. Ignorar ou silenciar sobre a cruel iniciativa do Hamas significa concordar com a causa maior do desaparecimento do Estado de Israel. Perder a guerra significaria para Israel o final de uma nação, risco que nenhuma nação árabe corre.

Quem representa os palestinos é a Autoridade Palestina e não o Hamas, que depois desta vitória bélica e terrorista sem precedentes, entra no palco das nações ao ser oficialmente recebido por Vladimir Putin, que acaba, não por acaso, de se desligar dos acordos nucleares.

Incomodou-me que um notório representante da Igreja fizesse um discurso num tom incendiário, fruto do ódio.

Aconselho que leia o texto de Leonardo Boff, postado no site A Terra é Redonda, não menos sensibilizado pela causa palestina, mas um discurso ao meu ver justo e ponderado. Não quero me estender e tomar mais do seu tempo; como agnóstico que sou, desejo-lhe que Deus o abençoe,

Ps: sempre me pergunto onde é que Deus se encontra, permitindo a morte de milhões de crianças judias no holocausto, crianças israelenses e crianças palestinas. O que é que estas crianças fizeram para merecer este destino?

*Jorge Schwartz é professor titular em literatura hispano-americana na USP. Autor, entre outros livros, de Fervor das vanguardas (Companhia das Letras).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Gilberto Maringoni Fernando Nogueira da Costa Daniel Costa José Geraldo Couto Bento Prado Jr. Francisco Pereira de Farias Leonardo Boff Ricardo Fabbrini Chico Whitaker João Carlos Loebens Juarez Guimarães Eduardo Borges João Carlos Salles Yuri Martins-Fontes Claudio Katz Kátia Gerab Baggio Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Werneck Vianna Chico Alencar Berenice Bento Gabriel Cohn José Machado Moita Neto Luis Felipe Miguel Francisco de Oliveira Barros Júnior Denilson Cordeiro Liszt Vieira Slavoj Žižek Valério Arcary Gilberto Lopes Sandra Bitencourt Luís Fernando Vitagliano Luiz Marques Andrew Korybko Samuel Kilsztajn João Paulo Ayub Fonseca Anselm Jappe Marilena Chauí André Singer Bernardo Ricupero Eleutério F. S. Prado Dennis Oliveira André Márcio Neves Soares Jorge Branco Alexandre de Lima Castro Tranjan Henri Acselrad Remy José Fontana Eleonora Albano Paulo Sérgio Pinheiro Ladislau Dowbor Marcos Silva João Sette Whitaker Ferreira Tales Ab'Sáber Maria Rita Kehl Tadeu Valadares Flávio Aguiar José Raimundo Trindade Heraldo Campos Paulo Nogueira Batista Jr Leonardo Avritzer João Feres Júnior Ronaldo Tadeu de Souza Fernão Pessoa Ramos Annateresa Fabris Airton Paschoa Luiz Bernardo Pericás Eugênio Bucci Marcelo Guimarães Lima Bruno Fabricio Alcebino da Silva Vladimir Safatle Luiz Eduardo Soares Bruno Machado Marilia Pacheco Fiorillo Elias Jabbour Ari Marcelo Solon Marcelo Módolo Rubens Pinto Lyra Mariarosaria Fabris Luciano Nascimento Roberto Noritomi Walnice Nogueira Galvão Celso Frederico Celso Favaretto José Dirceu José Costa Júnior Vanderlei Tenório Afrânio Catani Vinício Carrilho Martinez Thomas Piketty Francisco Fernandes Ladeira Julian Rodrigues José Luís Fiori Michael Roberts Rodrigo de Faria Benicio Viero Schmidt Everaldo de Oliveira Andrade Flávio R. Kothe Plínio de Arruda Sampaio Jr. Sergio Amadeu da Silveira Henry Burnett Ricardo Antunes Marcus Ianoni Osvaldo Coggiola Michael Löwy Érico Andrade Leonardo Sacramento Lincoln Secco Manchetômetro Carlos Tautz Daniel Afonso da Silva Mário Maestri Rafael R. Ioris José Micaelson Lacerda Morais Paulo Martins Luiz Carlos Bresser-Pereira Otaviano Helene Lorenzo Vitral Antonino Infranca Tarso Genro Gerson Almeida João Adolfo Hansen Eliziário Andrade Eugênio Trivinho Priscila Figueiredo Antônio Sales Rios Neto Alexandre Aragão de Albuquerque Manuel Domingos Neto Jean Pierre Chauvin Atilio A. Boron Salem Nasser Marjorie C. Marona Paulo Capel Narvai Igor Felippe Santos Luiz Costa Lima Leda Maria Paulani Alysson Leandro Mascaro Luiz Renato Martins Carla Teixeira Ronald León Núñez Jean Marc Von Der Weid Daniel Brazil Valerio Arcary Jorge Luiz Souto Maior Fábio Konder Comparato Ronald Rocha Marcos Aurélio da Silva Dênis de Moraes Milton Pinheiro Armando Boito Anderson Alves Esteves Luiz Roberto Alves João Lanari Bo Ricardo Abramovay Paulo Fernandes Silveira Caio Bugiato Ricardo Musse Roberto Bueno Boaventura de Sousa Santos Renato Dagnino Alexandre de Freitas Barbosa Antonio Martins

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada