O Brasil, visto da Albânia

Imagem: Adir Sodré
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

Comentário sobre o romance “Dossiê H”, de Ismail Kadaré

Ismail Kadaré é uma figura notável no mundo da literatura. O fato de ser albanês o torna um tipo de ornitorrinco, um espécime muito raro, endêmico. Se tivesse nascido em Java ou nas ilhas Fiji, remotos lugares que só conhecemos por imagens do National Geographic, seria compreensível. Mas a Albânia está na Europa, faz fronteira com a Grécia, e só algumas milhas de mar Adriático a separa do salto da bota italiana. Entre gregos e romanos, portanto. Como um país como esse ficou isolado por tanto tempo da chamada cultura ocidental? É certo que após a II Guerra Mundial passou por uma ditadura comunista obscura, mas e os vinte séculos anteriores?

Kadaré se tornou conhecido dos brasileiros depois que seu belo romance Abril Despedaçado foi roteirizado para o cinema por Karim Ainouz e dirigido por Walter Salles. Uma história trágica de traições e vinganças, num clima quase medieval, foi transplantada para o Nordeste brasileiro com talento e respeito ao enredo original.

Mas Kadaré não é só tragédia. Dossiê H, escrito em 1991, dez anos antes de Abril Despedaçado, é muito engraçado. Pelo menos até a primeira metade da história…

Dois jovens irlandeses, estudantes de literatura em Nova York, nos anos 1930, resolvem ir para a Albânia (então um reino, governado pelo rei Zog). Acreditam que ali há pistas da tradição homerista, ou seja, da Ilíada e da Odisseia. Querem demonstrar que os rapsodos da cultura popular albanesa carregam consigo as marcas ancestrais da grande epopeia. Os pesquisadores levam um aparelho recém inventado, um gravador, onde pretendem registrar os cantos homéricos.

A Embaixada da Albânia concede os vistos, mas suspeita de que são espiões. O prefeito da região remota onde vão se instalar recebe instruções para vigiá-los. A mulher do prefeito vê nos irlandeses a oportunidade de um romance proibido, capaz de tirá-la da monotonia em que vive.

Está criada a trama. Pouco a pouco, somos levados a um mergulho na cultura rural albanesa, na tradição dos rapsodos, no isolamento da Península Balcânica. Os conflitos entre tradição e modernidade, cultura erudita e popular, ciência e superstição, são colocados na mesa com muita habilidade.

Para os membros de uma seita de fanáticos obscurantistas, o aparelho que registra vozes deve ser destruído, e isso vai dar o toque sinistro na trama. Kadaré retoma um tema ancestral do embate entre a ciência e o conservadorismo: a verdade não pode ser revelada.

Relendo a obra em 2020, no Brasil, não podemos deixar de ter a impressão de que a história se repete, mais uma vez. O avanço de “seitas de fanáticos obscurantistas” é visível, em todas as áreas. A ameaça de apagar vídeos, filmes, gravações e cinematecas está presente, e é alimentada pela facção atualmente no poder. O desprezo pelo conhecimento acadêmico e a pesquisa é evidente, com corte de verbas, ataques às universidades e abandono de museus e o encerramento de programas de fomento à cultura. Assistimos o grotesco prefeito do Rio de Janeiro formar uma quadrilha, paga com o dinheiro público, para impedir gravações e reportagens sobre a situação da saúde. O diferente, seja ele negro, mulher, gay, sindicalista ou índio, é tratado como inimigo.

Uma leitura enviesada do livro 22 da Odisseia, Mnesterofonia, onde Odisseu (Ulisses, na versão latina) mata todos os pretendentes à mão de Penélope – ou ao trono -, poderia ensejar desejos mitológicos aos atuais detentores do poder. Como a leitura dos clássicos não faz parte de seu estreito repertório, contentam-se em repetir procedimentos históricos temperados de ignorância, atraso e comportamento de bando, com a conivência de uma justiça venal e um legislativo corrompido.A dissipação da república, da res publica dos romanos, é estimulada por igrejas que anseiam por uma nova Era Medieval, de cruzadas contra o “inimigo”.

Em Dossiê H, Kadaré nos envolve com seu senso de humor, e pouco a pouco vai desvelando a barbárie, desembocando num final dramático, onde com maestria funde a lenda do poeta épico cego com a realidade que custamos a enxergar. Romance delicioso, escrito por um dos grandes mestres da literatura contemporânea.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

Referência


Ismail Kadaré. Dossiê H. São Paulo, Companhia das Letras.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ronald León Núñez Eduardo Borges Manuel Domingos Neto Ricardo Abramovay Plínio de Arruda Sampaio Jr. Eleonora Albano Leonardo Avritzer Fernando Nogueira da Costa José Dirceu Paulo Fernandes Silveira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Sandra Bitencourt Daniel Costa Everaldo de Oliveira Andrade Alexandre Aragão de Albuquerque João Feres Júnior Henry Burnett Mariarosaria Fabris João Lanari Bo Anselm Jappe Alexandre de Freitas Barbosa Michael Löwy Michel Goulart da Silva Armando Boito Ricardo Musse Anderson Alves Esteves Valerio Arcary Jean Marc Von Der Weid Dênis de Moraes Tales Ab'Sáber Érico Andrade Denilson Cordeiro Valerio Arcary Priscila Figueiredo Antônio Sales Rios Neto Boaventura de Sousa Santos Bruno Machado Gabriel Cohn Annateresa Fabris Otaviano Helene Airton Paschoa Luiz Marques Vinício Carrilho Martinez André Singer Andrew Korybko José Machado Moita Neto Bento Prado Jr. Marcelo Módolo Francisco de Oliveira Barros Júnior Walnice Nogueira Galvão Ricardo Fabbrini Fábio Konder Comparato Luiz Eduardo Soares Alexandre de Lima Castro Tranjan João Paulo Ayub Fonseca Leda Maria Paulani Samuel Kilsztajn Renato Dagnino André Márcio Neves Soares Luiz Renato Martins Luís Fernando Vitagliano Caio Bugiato Eugênio Bucci Marcus Ianoni Luciano Nascimento Ronaldo Tadeu de Souza Remy José Fontana Manchetômetro Vanderlei Tenório Berenice Bento Paulo Nogueira Batista Jr João Adolfo Hansen Chico Whitaker Jorge Luiz Souto Maior Gilberto Maringoni Paulo Martins Gerson Almeida Salem Nasser Carla Teixeira Thomas Piketty Marilia Pacheco Fiorillo Elias Jabbour José Costa Júnior Dennis Oliveira Celso Frederico Lucas Fiaschetti Estevez Eleutério F. S. Prado Henri Acselrad Flávio R. Kothe Luiz Carlos Bresser-Pereira Lincoln Secco Ronald Rocha Carlos Tautz Marjorie C. Marona Ricardo Antunes Sergio Amadeu da Silveira Maria Rita Kehl Mário Maestri Andrés del Río Claudio Katz Jorge Branco Benicio Viero Schmidt Bernardo Ricupero Leonardo Boff Slavoj Žižek José Geraldo Couto Celso Favaretto João Carlos Loebens Atilio A. Boron Ari Marcelo Solon Juarez Guimarães Antonio Martins Marcelo Guimarães Lima Afrânio Catani João Carlos Salles Chico Alencar Eliziário Andrade Francisco Fernandes Ladeira José Micaelson Lacerda Morais Eugênio Trivinho Rafael R. Ioris José Raimundo Trindade Yuri Martins-Fontes Marilena Chauí Michael Roberts Osvaldo Coggiola Vladimir Safatle Daniel Brazil Matheus Silveira de Souza Marcos Silva Marcos Aurélio da Silva Rodrigo de Faria Tadeu Valadares Ladislau Dowbor Alysson Leandro Mascaro Flávio Aguiar Luiz Werneck Vianna Luiz Roberto Alves Lorenzo Vitral João Sette Whitaker Ferreira Gilberto Lopes Francisco Pereira de Farias Heraldo Campos Julian Rodrigues José Luís Fiori Jean Pierre Chauvin Rubens Pinto Lyra Leonardo Sacramento Tarso Genro Fernão Pessoa Ramos Luis Felipe Miguel Daniel Afonso da Silva Luiz Bernardo Pericás Milton Pinheiro Antonino Infranca Igor Felippe Santos Paulo Capel Narvai Paulo Sérgio Pinheiro Liszt Vieira Kátia Gerab Baggio

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada