Notas sobre as eleições no Paraguai

Imagem: Yamil Manzur
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANDRÉ KAYSEL*

Para o povo paraguaio virão mais cinco anos de políticas neoliberais, precariedade laboral, serviços públicos sucateados e, em caso de ondas de protesto, repressão

Quem me conhece sabe que tenho importantes laços afetivos, culturais e políticos com o Paraguai. Nesse sentido, a contundente vitória da Asociación Nacional Republicana (ANR), ou “Partido Colorado”, agremiação tradicional da direita paraguaia, é pessoalmente dolorida.

Com a quase totalidade dos votos apurados, Santiago Peña (ANR) obteve cerca de 43% dos votos, contra pouco mais de 27% dos votos para Efraín Alegre (PLRA/Concentración Nacional) e 21% para Paraguayo Cubas (Cruzada Nacional). A participação foi de cerca de 63%, relativamente alta para padrões do país vizinho.

Além de ganhar a presidência, os colorados ainda levaram 15 dos 17 governos departamentais e fizeram maioria no legislativo. No Senado, por exemplo, somaram 24 cadeiras, seguidos pelos liberais com 12, pela Cruzada Nacional de Paraguayo Cubas, com 5 e apenas uma cadeira para a antiga Frente Guazu, com a reeleição da senadora Esperanza Martinez, as demais ficando para forças de centro/centro-direita, como Encontro Nacional, da candidata a vice-Presidente de Alegre, Soledad Nuñez.

Para fazer uma análise fina dos resultados, precisaria de algumas informações que não possuo, como a geografia do voto. Seja como for, me parece possível adiantar algumas conclusões preliminares:

(i) Mesmo com o cerco estado-unidense ao ex-presidente Horacio Cartez, padrinho político de Santiago Peña e principal financiador dos colorados, a máquina eleitoral da Asociación Nacional Republicana provou mais uma vez sua enorme eficiência, capilaridade e penetração em todo o país e nos mais diversos setores e classes da sociedade paraguaia. Basta lembrar que, desde 1947, só deixaram de estar no poder entre 2008-2012, justamente durante o mandato de Fernando Lugo.

(ii) Ainda que se mantenha como segunda força, o tradicional Partido Liberal, sofreu uma derrota importante. Aqui, cabe destacar o desgaste de Efraín Alegre, candidato pela terceira vez, que provavelmente será eclipsado como liderança de seu partido e da oposição.

(iii) Paraguayo Cubas, que adotou o perfil da “alt-right“, mesclando-o com um resgate do velho nacionalismo conservador dos colorados, se firma por hora como terceira força. Nesse sentido, seu eleitorado popular, que representa o voto anti-sistema, terá de ser disputado no futuro por quem quer que queira derrotar a Asociación Nacional Republicana.

(iv) A esquerda paraguaia, de bases organizativas tradicionalmente frágeis e fragmentadas, pagou um alto preço por sua divisão no ano passado, quando um setor da antiga Frente Guazu não quis acompanhar a candidatura da Concertación, preferindo apoiar o ex-chanceler Euclides Azevedo, que ficou em um muito distante quarto lugar. Além disso, revela-se o quanto a esquerda dependia da liderança pessoal de Fernando Lugo, afastado da vida pública desde oano passado, quando adoeceu gravemente.

Enfim, o tecnocrata Santiago Peña, sem base de poder própria na Asociación Nacional Republicana, terá agora de provar-se à frente de uma máquina, tão grande quanto faminta por cargos e dinheiro, dividida entre diferentes correntes e lideranças setoriais. Seu padrinho Horacio Cartez respira aliviado, pois agora imagina poder escorar-se em seu herdeiro para se proteger da DEA e do FBI.

Os EUA, por seu turno, em que pese a frustração momentânea de sua ingerência contra Horacio Cartez, certamente se entenderão bem com o neoliberal e yuppie Santiago Peña, que também gerou júbilo na direita regional, como mostram as felicitações efusivas de representantes de Cambiemos na Argentina. Por fim, a embaixada de Taiwan em Assunção também deve estar em festa, pois imagina poder garantir por mais cinco anos um dos poucos bastiões diplomáticos que lhe restam no mundo.

Para o povo paraguaio virão mais cinco anos de políticas neoliberais, precariedade laboral, serviços públicos sucateados e, em caso de novas ondas de protesto (como as de março de 2021), repressão. Nada que não conheçam a décadas. Em todo caso, a derrota da Concertación Nacional não deixa de ser, infelizmente, uma dura derrota para a geração que lutou pela redemocratização do país, que segue sob a égide do partido que deu sustentação a Alfredo Stroessner.

André Kaysel é professor do Departamento de Ciência Política da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Publicado originalmente no Facebook do autor.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Leonardo Boff Luiz Carlos Bresser-Pereira José Dirceu Francisco Pereira de Farias Antônio Sales Rios Neto Sandra Bitencourt Alexandre Aragão de Albuquerque Vladimir Safatle Rafael R. Ioris Lucas Fiaschetti Estevez João Carlos Salles Milton Pinheiro Marcos Aurélio da Silva Michael Löwy Celso Frederico Lincoln Secco Ricardo Antunes Fábio Konder Comparato Marilena Chauí Marcus Ianoni Bernardo Ricupero Liszt Vieira Atilio A. Boron Carla Teixeira Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Micaelson Lacerda Morais Afrânio Catani Paulo Martins Fernão Pessoa Ramos Chico Whitaker José Luís Fiori Francisco Fernandes Ladeira Berenice Bento Bento Prado Jr. Flávio Aguiar Eduardo Borges Thomas Piketty Kátia Gerab Baggio Claudio Katz Denilson Cordeiro Samuel Kilsztajn Ronald León Núñez Gerson Almeida Armando Boito Igor Felippe Santos André Singer Daniel Costa Jorge Luiz Souto Maior Fernando Nogueira da Costa Airton Paschoa Jean Marc Von Der Weid João Lanari Bo Marilia Pacheco Fiorillo Daniel Brazil Manchetômetro Marcelo Guimarães Lima Jean Pierre Chauvin Marcos Silva Dênis de Moraes Valerio Arcary Matheus Silveira de Souza João Sette Whitaker Ferreira Sergio Amadeu da Silveira Andrew Korybko André Márcio Neves Soares Luciano Nascimento Benicio Viero Schmidt Rodrigo de Faria Ronald Rocha João Paulo Ayub Fonseca Eliziário Andrade Antonino Infranca Luiz Eduardo Soares Ricardo Musse Ronaldo Tadeu de Souza Tadeu Valadares Everaldo de Oliveira Andrade João Adolfo Hansen Osvaldo Coggiola Luis Felipe Miguel Anderson Alves Esteves Caio Bugiato Yuri Martins-Fontes João Feres Júnior Luiz Marques Henri Acselrad Leonardo Sacramento Chico Alencar Juarez Guimarães Leda Maria Paulani Alysson Leandro Mascaro Tarso Genro Eugênio Trivinho Tales Ab'Sáber Gilberto Maringoni José Geraldo Couto Lorenzo Vitral Rubens Pinto Lyra Paulo Fernandes Silveira Annateresa Fabris Alexandre de Lima Castro Tranjan Ricardo Fabbrini Carlos Tautz Ladislau Dowbor Érico Andrade José Machado Moita Neto Luiz Bernardo Pericás Valerio Arcary Manuel Domingos Neto Flávio R. Kothe Jorge Branco Gilberto Lopes Luiz Renato Martins Boaventura de Sousa Santos Remy José Fontana Leonardo Avritzer Elias Jabbour João Carlos Loebens Ari Marcelo Solon Paulo Capel Narvai Michel Goulart da Silva Slavoj Žižek Mariarosaria Fabris Luís Fernando Vitagliano Bruno Machado Celso Favaretto Vanderlei Tenório Bruno Fabricio Alcebino da Silva Paulo Sérgio Pinheiro Priscila Figueiredo Julian Rodrigues Eleonora Albano Anselm Jappe Daniel Afonso da Silva Antonio Martins Luiz Roberto Alves Walnice Nogueira Galvão Maria Rita Kehl Ricardo Abramovay Eleutério F. S. Prado Alexandre de Freitas Barbosa Michael Roberts Luiz Werneck Vianna Marjorie C. Marona Marcelo Módolo José Costa Júnior Gabriel Cohn Paulo Nogueira Batista Jr Heraldo Campos Vinício Carrilho Martinez Henry Burnett Mário Maestri Francisco de Oliveira Barros Júnior Eugênio Bucci Otaviano Helene Dennis Oliveira Renato Dagnino José Raimundo Trindade Salem Nasser Andrés del Río

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada