As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Fernando Savater

Imagem: Stephen Pierce
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANISIO PIRES*

Crônica de uma moral antiética

Trabalhar em livrarias pode ser uma das formas menos sofríveis de exploração, dada a singular “alienação positiva” que ocorre estando rodeado por livros. Vivenciamos essa experiência no Uruguai entre os anos 2003 y 2009 quando fomos livreiros. Aprendemos também que a venda comercial de livros implica, às vezes, oferecer produtos de duvidoso benefício para o crescimento espiritual.

Lutando por um mundo à altura de nossa espécie, cada vez que vendíamos algum livro do famoso filosofo espanhol Fernando Savater, entre outros autores, acreditávamos estar agregando um grão a nobre ideia de “potenciar a razão”, título de uma de suas obras. Se essa razão fosse dotada também de sensibilidade mediante reflexões éticas, facilitaria a possibilidade de corrigir muitas injustiças. No ano 2005 (guardem a data!), Ética para Amador (1991) de Fernando Savater, seguia sendo um sucesso de vendas.

Em seu prólogo, o autor aclara não ser um manual de ética para estudantes, mas que qualquer educação que se preze deveria promover “a reflexão moral”. O livro dirigido a seu filho Amador é apresentado como “pessoal e subjetivo”, desde a relação universal que teria tem um pai com seu filho. Acrescenta ainda que, longe de pretender forjar cidadãos “bem pensantes” ou “malpensantes”, o que o livro pretende é “estimular o desenvolvimento de livres-pensadores”.

Meses atrás, um artigo de Julio César Guanche no site rebelión.org nos permitiu conhecer um intelectual, também espanhol, falecido em 2021 chamado Alfonso Sastre.[1] O interesse gerado nos levou a sua obra A batalha dos intelectuais. Revisando a edição de Clacso, prologada pelo argentino Atilio Borón,[2] lemos com certa surpresa o que já muitos sabiam. Fernando Savater e outros intelectuais mencionados por Alfonso Sastre, tinha deixado para trás seu passado de esquerda para se encontrar hoje “sorridente, nas filas da direita mais patriótica”. De direita? Esse demandado filósofo cujos textos convidavam a pensar? Custou acreditar.

Quis a vida que poucas semanas depois se apresentasse uma ocasião para revelar a verdade. O presidente da Colômbia Gustavo Petro esteve de visita à Espanha em maio de 2023 e, repentinamente, como se tivesse sido estimulado a se manifestar, Fernando Savater dirigiu críticas contra o ilustre visitante. Suas declarações, replicadas imediatamente pelos meios da direita espanhola, foram editorialmente catalogadas de “demolidoras”.

Sem deixar dúvidas sobre suas preferências ideológicas, Fernando Savater decretou que “a sorte” da Colômbia tinha acabado ao eleger seu “primeiro presidente de esquerda”. Desacreditando-o politicamente, acusou Gustavo Petro de “avariado rebelde institucional”, pretendendo ainda humilhá-lo intelectualmente sob a acusação de ser em vários assuntos “provocativamente ignorante”. Fernando Savater lamentou inclusive que Gustavo Petro fosse tão incapaz em comparação “com a quantidade de colombianos de talento que a gente tem conhecido”.

Sendo a Espanha o segundo destino da migração colombiana depois dos EUA, era de se supor, de maneira razoável, que alguém informado como Fernando Savater estivesse a par da tragédia de morte, violência e exclusão que tornou a Colômbia o país com o maior deslocamento interno de pessoas do mundo. FARC, ELN, guerrilha e conflito armado são termos associados à Colômbia, mas também Pablo Escobar, Narcotráfico, Paramilitarismo e Violência. É de se supor que um pai desejoso de que seu filho fosse um livre pensador, também estivesse preocupado pelos constantes carregamentos de droga que saindo desde Colômbia inundam o “mercado” espanhol, destruindo a vida de milhares de jovens. Fernando Savater sabe que os responsáveis por toda essa “má sorte” têm sido os governos de direita, os únicos que controlaram o poder na Colômbia até a chegada de Gustavo Petro.

Sem precipitação, quisemos ver nos ataques de Fernando Savater contra o presidente Gustavo Petro, certa influência desse ambiente de retrocesso e obscurantismo que atravessa a Espanha e toda a Europa. Buscamos então outros contextos com julgamentos mais equilibrados e objetivos do filósofo. Não tivemos “sorte”. No ano 2018, enquanto a Colômbia seguia dirigida pela narcopolítica, com informes da ONU que confirmavam o aumento nos volumes de cocaína que saiam de seu território, Fernando Savater já tinha Gustavo Petro em suas “reflexões”. Embora os informes de DDHH denunciassem a aterradora situação da Colômbia, Fernando Savater atacava as propostas políticas de Gustavo Petro por considerá-las “um desastre”, enquanto guardava total silêncio frente à genocida realidade colombiana. Uma rara e original maneira de potenciar a razão.

Procurando mais atrás, 2012, encontramos outra curiosidade. O ex-presidente colombiano Álvaro Uribe Vélez, amplamente denunciado por seus vínculos com grupos paramilitares, narcotráfico e outros horrores, incluiu Savater numas palavras de agradecimento: “Pensadores como Fernando Savater e Edurne Uriarte e programas políticos como o do Partido Popular inspiraram nossa política de Seguridade Democrática e nos ratificaram que, quando o terrorismo é apaziguado com concessões, agiganta sua capacidade destruidora”.[3]

O sinistro Álvaro Uribe elogiando o especialista em ética? Antes de leva-los à origem desta “afinidade eletiva”, precisamos apresentar alguns dados da realidade colombiana.

Segundo o informe apresentado no início de 2021 pela Jurisdição Especial para a Paz da Colômbia (JEP), nas duas primeiras décadas do presente século, pelo menos 6.402 jovens foram executados extrajudicialmente. Destes crimes, 78% (quase 5 mil) ocorreram entre os anos 2002-2008 do governo de Álvaro Uribe (2002-2010). As mortes ficavam de certa forma ocultas, enquanto os comunicados do exército divulgavam cifras de “guerrilheiros mortos em combate”. Foi então, graças às denúncias das mães e familiares desses rapazes, que no ano 2008 aparece a verdade.

A chamada política de “Seguridade Democrática” de Uribe, que em seu elogio a Savater reivindicava não dar “concessões” aos “terroristas”, precisava mostrar resultados. Como se fosse uma fábrica, a gerência exigia produtividade (mais mortos), oferecendo “incentivos” na forma de prêmios e ascensos na carreira militar. Nascem assim os “falsos positivos”, jovens assassinados, sobretudo camponeses, que logo eram vestidos como guerrilheiros. A essas matanças só faltou uma organização em escala industrial para se parecerem com a “solução final” dos nazistas.

Na matemática do horror, a média de jovens assassinados durante os 6 anos “mais produtivos” da presidência de Uribe rondava os 832 ao ano. Isto quer dizer que até 2005, 2.500 jovens tiveram arrancada a oportunidade de sonhar e de se tornarem livres pensadores como queria Savater para seu filho em “Ética para Amador”.  O que tem de especial o ano 2005? Cinismo e perversidade. Nesse ano Savater visitou a Colômbia, não para se solidarizar com as famílias que sofriam, mas para dar legitimidade “intelectual” ao governo responsável por esses crimes. Ofereceu várias conferências, incluída a mais estelar, promovida e apresentada pelo mesmíssimo Álvaro Uribe. Ou seja, resolvemos duas incógnitas: o agradecimento de Uribe ao filósofo em 2012 e o lamento de Fernando Savater ao atacar Gustavo Petro porque este não era um colombiano de “talento” como outros que tinha conhecido.

Antes de sua conferência, na presença do talentoso Uribe, Savater conseguiu se auto hipnotizar, abstraindo-se do genocídio levado adiante pela política da “Seguridade Democrática”. A nova ideologia de quem fora anarquista, bloqueava agora epistemologicamente seu livre arbítrio, impedindo-lhe de investigar, por elementar sensibilidade humana, o que se passava de verdade na Colômbia. Porém, o horror estava tão presente no ambiente que mesmo se negando a vê-lo, para não apontar a seus anfitriões, animou-se a dizer que a Colômbia buscava “quase com desespero, fórmulas eficazes para se encontrar com a democracia, a educação e a ética”.

Superada essa recaída retórica na sensibilidade, Fernando Savater voltou ao pedantismo das belas palavras desconectadas da realidade, aplicando a máxima hipócrita: “faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço”. Como querendo lembrar ao público sua paixão em promover o pensamento, aclarou que a ética é “refletir se aquilo que estamos fazendo é humanista”.

Dar respaldo ao governo de um criminoso, sem dúvida, era a “quinta-essência do humano” e, por isso, Savater aceitou sorridentemente que Uribe fizesse sua apresentação na “Tertúlia com Fernando Savater” do dia 28 de abril de 2005 (Bogotá – Cundinamarca).[4]

O anfitrião começou com um “Muito obrigado, mestre, nos honra muito com sus visita”, para logo informar ao filósofo que a Colômbia tinha passado “do período das garantias retóricas ao período das garantias efetivas, graças à Seguridade Democrática”. O fechamento não poderia ter sido melhor. Mostrando ao grande pensador que estava na presença de um presidente de “enorme generosidade”, Uribe falou do futuro que nunca chegou: “No momento em que cessem os atos de violência, o Governo aceita que foram criadas as condições mínimas para poder avançar num processo de diálogo”. Embora os diálogos para a verdadeira pacificação da Colômbia somente estejam ocorrendo agora com Gustavo Petro, quase vinte anos depois, Fernando Savater considera que a sorte da Colômbia acabou. Mais miserável não poderia ser.

O encerramento da apresentação de Uribe deve ter levado ao êxtase da emoção e da incredulidade o filósofo espanhol. O grande chefe paramilitar, num ato de magnânima humildade, concluiu suas palavras dizendo: “não lhe digo mais, mestre, porque viemos escutar o senhor”.

O filósofo alemão Jürgen Habermas, ao confessar seu desgosto pela negativa de Martin Heidegger em fazer uma autocrítica de sua adesão ao nazismo, colocou esta pergunta: “A principal tarefa dos que se dedicam ao ofício do pensamento não é lançar luz sobre os crimes cometidos no passado e manter desperta a consciência sobre eles? ”

Fernando Savater está fora dessa reflexão. É um réu, reincidente, na estupidez do mal.

*Anisio Pires é professor na Universidade Bolivariana da Venezuela (UBV).

Notas


[1] https://rebelion.org/el-tercer-hombre-analisis-de-una-utopia-reflexiva/

[2] http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/se/20100604034038/sastre.pdf 

[3] https://www.larazon.es/historico/9132-espana-ejemplo-de-madurez-por-alvaro-uribe-ULLA_RAZON_443344/

[4] http://historico.presidencia.gov.co/prensa_new/sne/2005/abril/28/13282005.htm – (Palavras do presidente Álvaro Uribe ao instalar a Tertúlia com Fernando Savater)


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Yuri Martins-Fontes Vinício Carrilho Martinez Bernardo Ricupero Gerson Almeida Gilberto Lopes Annateresa Fabris José Raimundo Trindade Alexandre Aragão de Albuquerque Marcelo Módolo Everaldo de Oliveira Andrade Luís Fernando Vitagliano Leonardo Boff Carlos Tautz Osvaldo Coggiola Luis Felipe Miguel Luiz Marques Jorge Luiz Souto Maior Francisco de Oliveira Barros Júnior Eliziário Andrade Marilena Chauí Eugênio Bucci Thomas Piketty Luiz Carlos Bresser-Pereira Fernando Nogueira da Costa Ronald León Núñez Paulo Martins Leonardo Avritzer Benicio Viero Schmidt Marcos Silva Rodrigo de Faria Slavoj Žižek Caio Bugiato Paulo Fernandes Silveira Tadeu Valadares Heraldo Campos Luiz Werneck Vianna Tarso Genro João Feres Júnior Rafael R. Ioris Celso Favaretto Henry Burnett Luciano Nascimento Michael Löwy Eduardo Borges Chico Alencar Daniel Brazil Walnice Nogueira Galvão João Lanari Bo Manchetômetro Liszt Vieira Leonardo Sacramento Anselm Jappe Anderson Alves Esteves Vladimir Safatle Dênis de Moraes Antônio Sales Rios Neto Elias Jabbour Luiz Renato Martins Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Paulo Ayub Fonseca José Micaelson Lacerda Morais Igor Felippe Santos Jean Marc Von Der Weid Alexandre de Freitas Barbosa Remy José Fontana Antonino Infranca Fernão Pessoa Ramos Paulo Capel Narvai Chico Whitaker Érico Andrade Bruno Machado Rubens Pinto Lyra Flávio Aguiar José Luís Fiori Daniel Costa Eugênio Trivinho Eleonora Albano Sergio Amadeu da Silveira Bento Prado Jr. Fábio Konder Comparato Dennis Oliveira Priscila Figueiredo Luiz Roberto Alves Carla Teixeira Celso Frederico Samuel Kilsztajn Gabriel Cohn Lucas Fiaschetti Estevez Roberto Noritomi Marcelo Guimarães Lima Ronaldo Tadeu de Souza João Carlos Salles Ronald Rocha Jean Pierre Chauvin Julian Rodrigues João Carlos Loebens Salem Nasser Ricardo Abramovay Alysson Leandro Mascaro José Machado Moita Neto Tales Ab'Sáber Marcus Ianoni Kátia Gerab Baggio João Adolfo Hansen Francisco Pereira de Farias Lorenzo Vitral Marjorie C. Marona José Dirceu Andrew Korybko Valerio Arcary João Sette Whitaker Ferreira Vanderlei Tenório Alexandre de Lima Castro Tranjan Mariarosaria Fabris Renato Dagnino José Costa Júnior Airton Paschoa Flávio R. Kothe Gilberto Maringoni Ari Marcelo Solon Otaviano Helene Paulo Nogueira Batista Jr Juarez Guimarães Ricardo Musse Francisco Fernandes Ladeira André Márcio Neves Soares André Singer Maria Rita Kehl Manuel Domingos Neto Milton Pinheiro Armando Boito José Geraldo Couto Marcos Aurélio da Silva Ricardo Fabbrini Claudio Katz Eleutério F. S. Prado Lincoln Secco Ladislau Dowbor Marilia Pacheco Fiorillo Berenice Bento Luiz Costa Lima Luiz Bernardo Pericás Bruno Fabricio Alcebino da Silva Daniel Afonso da Silva Atilio A. Boron Denilson Cordeiro Afrânio Catani Leda Maria Paulani Michael Roberts Henri Acselrad Jorge Branco Sandra Bitencourt Paulo Sérgio Pinheiro Roberto Bueno Ricardo Antunes Antonio Martins Luiz Eduardo Soares Mário Maestri Boaventura de Sousa Santos Valério Arcary

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada