O gênero na língua portuguesa

Imagem: Fidan Nazim qizi
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ FABIO RODRIGUES MACIEL*

Para evitar a discriminação por intermédio da linguagem, não a distinção, urge identificar o que humilha e rebaixa o gênero feminino e extirpar tais termos do nosso vocabulário

Há alguns temas que sempre chamam a atenção do grande público, principalmente quanto permeiam tabus presentes no seio da sociedade. A língua é um deles. Não falo da que está em nossas bocas e, dependendo do modo que é exposta, denota sexualidade explícita ou insinua as volúpias que quase todos desejam em bons momentos de suas vidas.

O assunto deste texto é sobre preconceito linguístico em seu aspecto morfológico, com viés quase literário. Pode ser entendido de forma contrária também, a depender da formação e do desejo dos leitores. E aqui já começa um problema sexual forte. Qual o motivo de historicamente utilizarmos o plural masculino e não o feminino (todas, leitoras)? Seria viável utilizar a linguagem neutra, e saudar todes ilustres leitor@s despidx de qualquer proeminência de gênero?

Entretanto, ao estudar gênero na língua portuguesa, é primordial trazer estudo de estilística em consagrada obra (ou prestigioso livro) de M. Rodrigues Lapa: ao discorrer sobre o tema, afirma sem titubear a existência de “constante preocupação sexual que se verifica no vocabulário”[i] quanto se trata de gênero. Não nos importa a distinção sexual entre os animais, como boi e vaca, apesar de alguns aparecerem só na forma feminina, como as cobras e hienas.

Acontece que nesse ponto o uso destes termos, quando referido às pessoas, muitas vezes tem o condão de exaltar o masculino e ofender o feminino. Basta analisar o termo cobra: no homem cabe a ideia de que é muito bom em algo; direcionado à mulher é pejorativo, algumas vezes substituído por serpente. Desde Adão e Eva aparece como animal peçonhento direcionado à fraqueza da mulher. É muito tempo sendo utilizado como forma de opressão.

Pode-se citar inúmeros outros exemplos que perpetuam a discriminação na singeleza do vocabulário, seja na representação de animais ou não: touro / vaca; puto / puta; galo / galinha; “homem público” / “mulher pública” etc. Evidencia-se aqui que a linguagem tanto pode ser utilizada para reforçar estereótipos impostos culturalmente quanto contribuir para a discriminação de gênero. Aliás, esta tem uma das suas formas de perpetuação na sutileza da língua, que reflete a maneira de pensar de determinada sociedade, muitas vezes transmitindo certas formas de entender a mulher que a colocam em papéis de subalternidade ou as estereotipam dentro da sociedade, minimizando suas mazelas e/ou diminuindo sua força. É verdade que a língua em si não é sexista, entretanto o uso que dela é feito muitas vezes faz perdurar a discriminação contra a mulher.

Voltando para a questão morfológica, ainda citando M. Rodrigues Lapa,[ii] uma das características da língua portuguesa, quando estudamos gênero, está na constante preocupação sexual que se verifica no vocabulário. O autor ressalta a naturalidade da divisão dos animais quanto ao sexo, na distinção entre macho e fêmea, mas chama a atenção para o fato de o mesmo muitas vezes ocorrer quando se trata de objetos, de seres insexuados, como saco / saca, poço / poça, barco / barca, barraco / barraca, cesto / cesta etc. A língua aqui de fato é sexual, ao transportar para as palavras as formas imagéticas da representatividade do homem e da mulher na sociedade, em que aqueles possuem maior grandeza no comprimento e estas na largura, eles mais altos e elas mais baixas etc.

Para evitar a discriminação por intermédio da linguagem, não a distinção, urge identificar o que humilha e rebaixa o gênero feminino e extirpar tais termos do nosso vocabulário. Na busca por dar visibilidade ao feminino e promover a necessária igualdade de gênero, é fundamental pensar a linguagem sempre como elemento inclusivo.

Caros e caras, uma das formas é exatamente utilizar o masculino e o feminino quando nos direcionamos a grupos mistos. Essa simples atitude possibilita ampliar a visibilidade das mulheres nos espaços que ocupam, reconhecendo-se sua importância no processo histórico de formação de nossa Nação, que infelizmente sempre foi pouco destacada.

Essa visão que coloca o homem como umbigo do mundo, esse tal de androcentrismo, precisa mesmo deixar de ser o centro das atenções e partilhar os espaços com todas, todos e todes. Considerando que o machismo oprime e o feminismo liberta, entender a sexualidade da língua permite utilizá-la com o intuito de incluir e não de discriminar, de respeitar as diferenças e não reproduzir as injustiças históricas contra as mulheres. Temos de tornar possível a igualdade essencial entre as pessoas, e quanto antes melhor! E isso passo pela superação do preconceito linguístico.

*José Fabio Rodrigues Maciel é mestre em direito pela PUC-SP. Autor, entre outros livros, de Manual de história do direito (Saraiva Jur).

Notas


[i] LAPA, M. Rodrigues. Estilística da língua portuguesa. 9. ed. Coimbra: Coimbra Editora, 1977, p. 129.

[ii] LAPA, M. Rodrigues. Estilística da língua portuguesa. 9. ed. Coimbra: Coimbra Editora, 1977, p. 129.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Priscila Figueiredo Gilberto Maringoni Bruno Machado Igor Felippe Santos Elias Jabbour Kátia Gerab Baggio João Feres Júnior Luciano Nascimento Bento Prado Jr. Liszt Vieira Eliziário Andrade Luiz Werneck Vianna Rodrigo de Faria Sandra Bitencourt Marcos Aurélio da Silva Eugênio Trivinho Denilson Cordeiro Julian Rodrigues Ricardo Antunes Salem Nasser José Raimundo Trindade Tarso Genro Vladimir Safatle Paulo Fernandes Silveira Celso Favaretto Gerson Almeida Everaldo de Oliveira Andrade Annateresa Fabris Michel Goulart da Silva Luiz Roberto Alves Dennis Oliveira Samuel Kilsztajn Jean Pierre Chauvin Ari Marcelo Solon Jorge Luiz Souto Maior José Geraldo Couto Marcelo Guimarães Lima Luiz Renato Martins Tales Ab'Sáber Luis Felipe Miguel Bernardo Ricupero Eleutério F. S. Prado Henri Acselrad Anderson Alves Esteves Anselm Jappe Lincoln Secco Walnice Nogueira Galvão Bruno Fabricio Alcebino da Silva Antonio Martins Leda Maria Paulani Otaviano Helene Benicio Viero Schmidt Yuri Martins-Fontes Alexandre de Freitas Barbosa Rafael R. Ioris Paulo Sérgio Pinheiro Eduardo Borges Michael Roberts Gabriel Cohn Alexandre Aragão de Albuquerque Renato Dagnino Remy José Fontana Marcos Silva Valerio Arcary Claudio Katz Heraldo Campos Luiz Bernardo Pericás Alysson Leandro Mascaro Lorenzo Vitral Luiz Carlos Bresser-Pereira Leonardo Avritzer Ronald Rocha João Sette Whitaker Ferreira José Micaelson Lacerda Morais João Lanari Bo José Luís Fiori Jean Marc Von Der Weid Carlos Tautz Atilio A. Boron Eugênio Bucci Vanderlei Tenório Afrânio Catani Airton Paschoa Paulo Capel Narvai Andrés del Río Fábio Konder Comparato Paulo Martins Ricardo Fabbrini Marjorie C. Marona João Paulo Ayub Fonseca Matheus Silveira de Souza Plínio de Arruda Sampaio Jr. Maria Rita Kehl Érico Andrade Leonardo Sacramento Antonino Infranca João Adolfo Hansen Luiz Marques José Machado Moita Neto Sergio Amadeu da Silveira Flávio R. Kothe Ronald León Núñez Armando Boito Thomas Piketty Francisco de Oliveira Barros Júnior Valerio Arcary Manchetômetro André Márcio Neves Soares Andrew Korybko Gilberto Lopes Fernão Pessoa Ramos Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Eduardo Soares Lucas Fiaschetti Estevez João Carlos Loebens Daniel Brazil Vinício Carrilho Martinez Berenice Bento Tadeu Valadares Ricardo Abramovay Marcelo Módolo Ronaldo Tadeu de Souza Manuel Domingos Neto Marcus Ianoni Daniel Costa José Dirceu Rubens Pinto Lyra Slavoj Žižek Francisco Fernandes Ladeira Marilia Pacheco Fiorillo Mário Maestri Leonardo Boff Michael Löwy Daniel Afonso da Silva Caio Bugiato Luís Fernando Vitagliano Fernando Nogueira da Costa João Carlos Salles Paulo Nogueira Batista Jr Carla Teixeira José Costa Júnior Francisco Pereira de Farias Flávio Aguiar Antônio Sales Rios Neto Chico Whitaker Celso Frederico Jorge Branco Mariarosaria Fabris Osvaldo Coggiola Chico Alencar Ladislau Dowbor Henry Burnett Juarez Guimarães André Singer Ricardo Musse Marilena Chauí Dênis de Moraes Boaventura de Sousa Santos Milton Pinheiro Eleonora Albano

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada