As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O golpe contra o livro

Imagem_Oto Vale
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MARISA MIDORI DEAECTO*

Por que o projeto de Paulo Guedes representa um retrocesso às políticas de incentivo ao livro e à leitura no Brasil

No dia 21 de julho a Câmara aprovou, em dois turnos, o Projeto de Emenda Constitucional (pec 1515) que torna permanente o Fundeb (Fundo de Desenvolvimento e Valorização dos Profissionais da Educação). Vitória dos professores, das crianças e dos jovens que há quase dois anos são hodiernamente ultrajados pelos ataques e desmandos do Governo à cultura e à educação do país. E os placares foram esmagadores: 499 votos a 7, no primeiro turno; 492 a 6, no segundo. O “gasto é pesado”, limitou-se a dizer o Presidente abatido. Sem dúvida, um início de semana estranhamente alvissareiro.

Mas, como ensina o dito popular, a vingança vem a cavalo. Paulo Guedes, Ministro da Economia, encaminhou à Câmara dos Deputados o famigerado projeto da reforma tributária. Nem bem terminara a semana e um novo golpe contra a inteligência foi anunciado. É que oprojeto do Ministro recua no tempo e taxa o livro.

Lembremos que a imunidade tributária ao livro, também chamada de imunidade cultural, está prevista na Constituição de 1988: “Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios: [VI] – instituir impostos sobre:d) livros, jornais, periódicos e o papel destinado à sua impressão”.

Sem dúvida, um grande avanço da carta cidadã, em um país que apenas acabara de se libertar das trevas da ditadura. E o caminho era ainda árduo, tanto para os profissionais do livro, quanto para toda uma geração de brasileiros alijada do mundo das letras e das leis.

Consoante ao espírito da Carta Magna, as vendas de livros realizadas por gráficas, comerciantes atacadistas e varejistas ficaram isentas das alíquotas do PIS (Programa de Integração Social) e do Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social), conforme autorizado pelo inciso vi do art. 28 da Lei nº 10.865 de 2004.O clima era de esperança e urgia enriquecer o tesouro para dividir o pão. Mas livro é alimento; é aposta em um país livre e pensante; livro é mercadoria e fermento cultural.A alíquota zero para as vendas de livros atendiam a uma dupla prerrogativa: o acesso à leitura e a dinâmica do mercado. O que certamente atraiu investimentos de pequenos e médios empresários em um setor de alto risco, considerando a baixa capilaridade do mercado de bens culturais em um país em desenvolvimento.

Galopando na contramão, o projeto de reforma tributária apresentado pelo Ministro Paulo Guedes fere, moralmente,os princípios constitucionais,embora se realize na letra da lei. A proposta consiste na criação de uma alíquota única, a Contribuição Social sobre Operações com Bens e Serviços (cbs),em substituição ao PIS e ao Cofins. Porém, o documento não prevê muitas isenções. Salvo para as entidades beneficentes, os templos de qualquer culto, os partidos políticos, os sindicatos e os condomínios. Sim, aos templos foi mantida a alíquota zero. O setor livreiro, ao contrário, foi lançado à sanha devoradora do mercado.

 Um mercado em queda livre

E o mercado editorial sangra, desde 2016. Os programas governamentais, que nesses últimos vinte anos alavancaram a produção de didáticos e de literatura infanto-juvenil – lançando, inclusive, talentos editoriais e literários no Brasil e no mundo – mitigaram frente ao sacerdócio desconcertado do Ministério da Educação, nesses quase dois anos do governo Bolsonaro.

A crise é muito mais profunda. Entre 2017 e 2018, segundo os dados apurados pela Fipe, o setor de “obras gerais” apresentou variação negativa tanto em termos de faturamento, quanto de vendas (- 3,27% e -9,66%). A queda mais eloquente se deu no subsetor de livros científicos, técnicos e profissionais (ctp), que compreende as obras de Direito, Medicina, Farmácia, Saúde Pública e Higiene, Ciências Humanas e Sociais, Economia Administração e Negócios, Línguas e Linguística. A variação no mesmo período ficou na ordem de -17,33%, enquanto a de exemplares vendidos foi registrada em -20,43%.O encolhimento dos programas de financiamento às pesquisas e seu impacto sobre as edições universitárias merece uma reflexão à parte, embora tenha relação direta com o projeto de desmonte da educação e da cultura do país. Notemos, outrossim, que apenas os livros religiosos apresentaram uma pequena variação positiva (1,07%).O que não deixa de ser um dado curioso, dado o caráter messiânico que se deseja imprimir às questões do Estado. Ainda assim, houve perdas em termos de exemplares comercializados no biênio 2017-2018 (-2,47%)[i]. Não existem dados sobre o comportamento do mercado em 2019-2020. Alguém acredita em uma tendência de recuperação?

As livrarias, por seu turno, minguaram. Segundo balanço divulgado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (cnc), houve o fechamento de 21 mil papelarias e livrarias em todo o país, no período de 2008 a 2018. De acordo com a mesma fonte, o encolhimento das livrarias foi mais acentuado a partir de 2013, atingindo em cheio o estado de São Paulo, que “perdeu 8.764 estabelecimentos. O Rio Grande do Sul perdeu 2.449; Minas Gerais, 2.251; Paraná, 1.659 e Rio de Janeiro, 971. O único estado que apresentou crescimento no número de livrarias foi o Amazonas, que ganhou 62 lojas nos últimos dez anos”[ii].

Na lógica mais armas, menos livros, a economia perde

Parece evidente que o mercado editorial brasileiro não pode ser abandonado à sua própria sorte. Tanto quanto a saúde, a assistência social e a educação, os incentivos governamentais que alicerçam o setor livreiro devem ser encarados como investimento essencial para o bem da saúde e da inteligência da população. E não há exagero nisto. Nem mesmo nos países mais desenvolvidos, onde o setor editorial se apresenta bem consolidado, livreiros e editores são tratados segundo as regras selvagens do mercado. As livrarias francesas recebem subsídios das municipalidades, pois as vendas mais significativas são sazonais e acompanham o calendário escolar, sobretudo nas cidades mais modestas. Os programas de publicação de pesquisas universitárias, por seu turno, alimentam um setor editorial internacionalmente reconhecido, o que eleva o capital simbólico do país e atrai novos investidores.

Devemos ainda considerar que a economia do livro é bastante dinâmica e heterogênea. Ela movimenta capitais oriundos de diferentes setores e, além disso, comporta a presença de pequenos, médios e grandes empresários, os quais representam, inclusive, grupos transnacionais. Estes últimos abocanharam na última década o setor de didáticos e investiram alto em literatura de autoajuda e ficção. Livros que vendem, poderíamos protestar. Mas tudo isso gera um ciclo virtuoso da economia livreira. É preciso lidar com a quantidade e a diversidade em todos os setores, ainda mais, no livreiro. Isso porque a fragilidade da economia do livro se situa nas próprias condições de sua manutenção: uma população alfabetizada, que acolhe a leitura como rotina e, quiçá, como lazer.

Portanto, há um ciclo virtuoso óbvio, que se inicia nas instituições de ensino e de cultura, transferindo-se para a produção editorial e, em seguida, para as livrarias, até atingir o público alvo (ou a clientela). Tudo isso já é bastante conhecido, o que torna o fim da alíquota zero ao livro, tal como previsto no projeto de reforma tributária e, especialmente, na Contribuição Social sobre Operações com Bens e Serviços (cbs), um ato imoral e irresponsável.

O fim da isenção tributária aos livros inibe novas inversões em um setor incerto e em crise; atinge toda a classe empresarial e os trabalhadores partícipes da cadeia produtiva do livro; além de penalizar o público leitor e os projetos de universalização da leitura, o que certamente deve ser o alvo visado pelo governo atual.Ou seja, ao confundir investimento com gasto, o governo dá mais um tiro no pé.

Não há futuro para um país que faz a apologia às armas e dificulta a circulação de livros.

Até quando esta desrazão?

*Marisa Midori Deaecto é professora do Departamento de Jornalismo e Editoração da Escola de Comunicações e Artes (ECA-USP). Autora, entre outros livros, de O Império dos Livros: Instituições e Práticas de Leituras na São Paulo Oitocentista (Edusp; Fapesp).

Notas

[i]http://cbl.org.br/downloads/fipe

[ii]https://www.publishnews.com.br/materias/2018/12/10/pesquisa-mostra-que-o-brasil-perdeu-21-mil-livrarias-nos-ultimos-10-anos

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marcelo Guimarães Lima Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcos Silva Luiz Renato Martins Bruno Machado Ricardo Abramovay Ari Marcelo Solon Marcelo Módolo João Carlos Loebens Samuel Kilsztajn Jean Marc Von Der Weid Antonio Martins Paulo Fernandes Silveira José Dirceu Antônio Sales Rios Neto Celso Frederico Claudio Katz Jorge Branco Marilena Chauí Slavoj Žižek Gerson Almeida Tarso Genro Flávio R. Kothe Henri Acselrad Everaldo de Oliveira Andrade Manchetômetro Anselm Jappe Renato Dagnino Kátia Gerab Baggio Alexandre Aragão de Albuquerque Gilberto Maringoni Eleutério F. S. Prado João Sette Whitaker Ferreira Tales Ab'Sáber Thomas Piketty Manuel Domingos Neto João Carlos Salles Alexandre de Freitas Barbosa Chico Alencar Érico Andrade Paulo Sérgio Pinheiro Lorenzo Vitral Vanderlei Tenório José Costa Júnior Afrânio Catani Alexandre de Lima Castro Tranjan Ronald Rocha Jean Pierre Chauvin André Márcio Neves Soares Roberto Bueno Marcos Aurélio da Silva João Adolfo Hansen Osvaldo Coggiola Mariarosaria Fabris Rodrigo de Faria Luiz Costa Lima João Feres Júnior José Raimundo Trindade Carlos Tautz Armando Boito Celso Favaretto Caio Bugiato Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Roberto Alves Flávio Aguiar Lucas Fiaschetti Estevez Vinício Carrilho Martinez Ricardo Antunes Bruno Fabricio Alcebino da Silva Priscila Figueiredo Denilson Cordeiro Maria Rita Kehl Andrew Korybko Otaviano Helene Eliziário Andrade Ricardo Fabbrini Heraldo Campos Paulo Martins Roberto Noritomi Gilberto Lopes João Paulo Ayub Fonseca Ricardo Musse Francisco Pereira de Farias Benicio Viero Schmidt Liszt Vieira Leda Maria Paulani Luis Felipe Miguel Eleonora Albano Rubens Pinto Lyra Bento Prado Jr. Antonino Infranca José Micaelson Lacerda Morais Luiz Werneck Vianna Elias Jabbour Berenice Bento Leonardo Avritzer Luís Fernando Vitagliano Paulo Nogueira Batista Jr Lincoln Secco Valério Arcary Daniel Brazil Marilia Pacheco Fiorillo Yuri Martins-Fontes Juarez Guimarães Anderson Alves Esteves Carla Teixeira Remy José Fontana Atilio A. Boron Alysson Leandro Mascaro Gabriel Cohn Marjorie C. Marona Salem Nasser Ronald León Núñez José Machado Moita Neto José Luís Fiori Plínio de Arruda Sampaio Jr. Dennis Oliveira Valerio Arcary Henry Burnett Fábio Konder Comparato Bernardo Ricupero Boaventura de Sousa Santos Eugênio Trivinho Luiz Marques Leonardo Boff Fernando Nogueira da Costa Walnice Nogueira Galvão João Lanari Bo Eugênio Bucci Airton Paschoa Vladimir Safatle Milton Pinheiro Daniel Costa Tadeu Valadares Francisco Fernandes Ladeira Rafael R. Ioris Dênis de Moraes Igor Felippe Santos Mário Maestri André Singer Annateresa Fabris Julian Rodrigues José Geraldo Couto Luciano Nascimento Ladislau Dowbor Chico Whitaker Leonardo Sacramento Sergio Amadeu da Silveira Sandra Bitencourt Jorge Luiz Souto Maior Marcus Ianoni Paulo Capel Narvai Eduardo Borges Fernão Pessoa Ramos Luiz Eduardo Soares Luiz Carlos Bresser-Pereira Daniel Afonso da Silva Michael Löwy Luiz Bernardo Pericás Michael Roberts

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada